sexta-feira, 27 de dezembro de 2013

CURTINHAS....

Emirates formaliza encomenda de 50 aeronaves A380

A Emirates e a Airbus encerraram negociações e assinaram o contrato para encomenda de mais 50 aeronaves A380 originalmente anunciadas no Dubai Airshow, em 17 de novembro. Os documentos do contrato foram finalizados pelo presidente da aérea dos Emirados, Tim Clark, durante visita à sede da Airbus em Toulouse, na França. O pedido total sobe para 140 unidades.

“O A380 é nosso carro-chefe, popular entre nossos clientes, e nos oferece resultados em termos de desempenho operacional. É por isso que encomendamos mais esses 50 aviões, para se juntar à nossa frota de A380”, disse Clark.

“Este pedido é um grande voto de confiança no A380. Desde a entrega da primeira aeronave, em julho de 2008, a frota deste modelo da Emirates aumentou e se tornou a maior do mundo, com 44 aviões em operação. Damos os parabéns à Emirates por esta impressionante conquista e agradecemos à companhia aérea por seu apoio contínuo a nossa aeronave. Como Tim Clark frequentemente diz, ‘o A380 realmente é um avião inovador’”, comenta o COO para Clientes da Airbus, John Leahy.

A UNIDADE
Desde que entrou em serviço, em 2007, 122 aviões A380 já foram entregues, para dez companhias aéreas de classe mundial. A aeronave voa 8.500 milhas náuticas, ou 15.700 km, sem parar, transportando mais pessoas a menor custo e com menos impacto no meio ambiente. 
 
 
 

Iata critica Venezuela quanto a recursos das aéreas

(LA AGENCIA DE VIAJES)

Através de seu presidente, Tony Tyler, a Iata criticou o fato de que o governo venezuelano continue bloqueando a repatriação de US$ 2,6 bilhões em dinheiro correspondente às vendas locais realizadas por linhas aéreas internacionais no país. “As empresas demonstraram que podem superar os desafios em situações difíceis para seu negócio. No entanto, preocupa a falta de reconhecimento dos governos respeito do papel essencial que tem a aviação num mundo interconectado”, disse Tyler.

A situação concreta da Venezuela e a dívida que a Comissão de Administração de Divisas do país mantém com várias linhas aéreas motivou que algumas avaliem deixar de operar no país. “Se a intenção de abandonar o mercado venezuelano se concretizar, evidentemente os principais prejudicados serão os venezuelanos, pois serão reduzidas as vias para viajar. Esta medida também beneficiará outros destinos pelo possível desvio de operações”, acrescentou Tyler. 
 
fonte/PanRotas
 
 
 

ACIDENTE COM AVIÃO CARGUEIRO MATA NOVE NA RÚSSIA

Um avião Antonov 12 de carga caiu em uma unidade de armazenamento militar perto da estação ferroviária de Batareynaya, Rússia. Todos os seis tripulantes e três técnicos sofreram ferimentos fatais.
 
O avião transportava 1,5 toneladas de peças de reposição para a fábrica de aviões Irkutsk localizado no aeroporto de Irkutsk-2.


fonte/ASN
Enhanced by Zemanta

terça-feira, 24 de dezembro de 2013

FELIZ NATAL LEITORES...

F E L I Z  N A T A L



fonte/foto/AvHerald

INCIDENTE COM BOEING 787 DREAMLINER




Um Boeing 787-800 Dreamliner, registro VT-ANN, ns36285/90,  operado pela Air India, foi envolvido em um incidente em Kolkata-Netaji Subhas Chandra Airport (CCU), na Índia. 

Foto da cena sugerem que houve princípio de incêndio nos freios do trem de pouso principal esquerdo.

Registros de voo sugerem que o avião chegou como voo AI-20 a partir de Deli.

fonte/foto/ASN/PlaneSpotter.in

segunda-feira, 23 de dezembro de 2013

MAIOR AVIÃO PROJETADO PELA EMBRAER, KC-390 VOA EM 2014



Desenho do KC-390, cargueiro militar  Imagem Divulgação Embraer Desenho do KC-390, cargueiro militar Imagem Divulgação Embraer

Se o cronograma for cumprido conforme o planejado, o maior avião projetado e construído pela Embraer, de São José dos Campos, fará o seu primeiro voo em 2014.

É o jato KC-390, cargueiro militar, aeronave que servirá para transporte de tropas, materiais e também como avião reabastecedor em v oo.
Haverá também uma versão civil, para emprego médico e auxílio a operações referentes a desastres naturais e transporte de carga postal.
O novo avião da companhia é uma encomenda da FAB (Força Aérea Brasileira), que investe US$ 2 bilhões no projeto e encomendou 28 unidades.
Argentina, Colômbia, Chile, Portugal e República Tcheca, também sinalizaram interesse em comprar o avião.
O KC-390 vai chegar ao mercado para disputar um nicho de pelo menos 700 unidades, estimativa da própria Embraer, que calcula potencial de US$ 50 bilhões em vendas.
O jato será concorrente direto para o avião cargueiro Hércules, da Lockheed Martin, dos Estados Unidos, que opera há mais de 40 anos.

Preparação.
Segundo a Embraer, o programa do KC-390 encontra-se na fase de projeto detalhado e certificação.


Já estão sendo fabricadas as peças dos primeiros protótipos do jato militar e finalizada a infraestrutura fabril para a montagem dos protótipos, que ocorrerá na unidade de Gavião Peixoto, interior paulista, onde está baseada a Embraer Defesa & e Segurança, responsável pelo desenvolvimento do projeto.


A companhia confirma que o primeiro voo do KC-390 está previsto para o final do próximo ano.
A expectativa é que, após cumpridas as etapas burocráticas, como certificação da aeronave pela autoridade aeronáutica brasileira, seja iniciada a produção seriada do jato.


Isto deve ocorrer a partir de 2015 com previsão de primeiras entregas a partir de 2016.

Salto.
Para Expedito Bastos, especialista em assuntos militares da Universidade Federal de Juiz de Fora (MG), o programa do KC-390 representa um "salto tecnológico para a Embraer".


"A empresa vai ganhar capacitação tecnológica em um segmento importante onde planeja disputar um nicho de mercado", afirmou.


O especialista ressalta ainda que o mercado militar desse porte é um fronteira importante para a empresa, que vai disputar com grandes companhias mundiais.


"Além de ser o maior avião da companhia, o KC-390 representa o ingresso do Brasil em um mercado fechado e muito disputado", disse Bastos.

Participação.
Empresas do polo aeronáutico de São José dos Campos foram contratadas para participar do programa, com o fornecimento de componentes e equipamentos.


Entre elas a Magnaghi Friuli, que faz usinagem de peças para o KC-390.


Segundo a diretoria de Operações Industriais da Embraer, já foram produzidas cerca de 2.000 peças do jato.


A cadência produtiva segue pedidos da área de engenharia. À medida que a engenharia libera os desenhos e os parâmetros das peças do jato, a produção inicia a fabricação dos pedidos.
O protótipo do jato militar será montado na unidade da Embraer Defesa & Segurança, em Gavião Peixoto, onde será a linha de produção seriada.


Projeto foi anunciado em feira de defesa
Em abril deste ano, a Embraer Defesa & Segurança anunciou, durante a feira LAAD Defence & Security, no Rio de Janeiro, o início das atividades de promoção e vendas do jato de transporte militar KC-390 no mercado.

O início da operação de comercialização ocorreu após a empresa ter concluído a Revisão Crítica do Projeto com a Força Aérea Brasileira, demonstrando a maturidade do produto e o congelamento da configuração da aeronave, o que possibilitou o início da liberação de informações para a produção dos protótipos. 

A finalização desta fase do programa permitiu também congelar as especificações técnicas e estabelecer o preço e as condições de entrega, o que viabiliza o início da campanha comercial.

EUA.
Em 2012, a norte-americana Boeing e a Embraer assinaram um acordo de cooperação para o programa KC-390. O acordo prevê o compartilhamento de conhecimentos técnicos específicos e a avaliação conjunta[/TXT] de mercados onde poderão estabelecer estratégias de vendas no nicho de aviões de transporte militar.

fonte/OVale/foto/Divulgação

INCIDENTES COM AERONAVES DA DELTA AIRLINES




Um Boeing 737 da Delta Airlines, realizando o voo DL-2283 com destino a Atlanta, GA, deslizou para fora da pista durante o taxi e ficou preso. O trem de nariz e o trem principal esquerdo quebrou na superfície pavimentada.
 
NOTAM naquela manhã mostrou vários relatórios de 'gelo irregular' nas taxiways e pistas. Algumas dessas manchas foram relatados para serem descongeladaso e lixadas.




Na manhã do  dia 22 de DEZ, no Aeroporto JFK,  um grande recipiente da empresa DSG usado na limpeza de aeronaves atingiu um Boeing 737 da Delta Airlines estacionado no Terminal 4 do portão B37. O impacto deixou um corte considerável na barriga do Boeing 737, forçando a aeronave ficar fora de serviço.

fonte/foto/ASN/Twitter



COMANDANTE FEZ AVIÃO CAIR INTECIONALMENTE

  1. Hermínio dos Santos Fernandes já tinha pedido à LAM para deixar de voar. Tinha problemas pessoais, e cerca de um ano antes, um dos seus filhos suicidou-se

    Maputo (Canalmoz) – O comandante do voo das Linhas Aéreas de Moçambicano (LAM), que seguia de Maputo para Luanda e se despenhou no Parque de Bwabwata, na Namíbia, no dia 29 de Novembro, provocou "intencionalmente" a queda do avião, provocando a morte de todos os 33 ocupantes da aeronave, entre passageiros e tripulantes, refere o PCA do Instituto de Aviação Civil de Moçambique, Comandante João Abreu, ex-administrador da companhia proprietária do Embraier 190.

    “A Comissão de investigação concluiu que todas as acções observadas nas gravações requerem um conhecimento dos sistemas automáticos do avião, uma vez que toda a descida foi executada com o Piloto Automático ligado. Isto denota que houve uma clara intenção. A razão para todas estas acções é desconhecida, e a investigação prossegue”, disse João de Abreu, presidente do Instituto Nacional de Aviação Civil de Moçambique (INAC). 

    A informação disponibilizada pelo INAC, de acordo com informações disponíveis, é proveniente de Theo Shilongo (Encarregado de Investigação) e Hafeni Mweshixwa (Co-investigador) do acidente.

    A informação, segundo Abreu, consta do relatório preliminar do inquérito sobre o acidente.
    As declarações de João Abreu foram proclamadas no último sábado, em Conferência de Imprensa, em Maputo.

    Segundo o experimentado Comandante João Abreu, presentemente a exercer o cargo de PCA do IACM (Instituto de Aviação Civil de Moçambique), as caixas negras do avião comprovam que o comandante Hermínio dos Santos Fernandes tinha a “intenção clara” de fazer despenhar o avião que pilotava.

    “Quando o avião começou a cair o comandante estava sozinho no cockpit. O co-piloto teria, na ocasião, abandonado o cockpit e quando tudo aconteceu ele estava ausente”. 

    Ainda de acordo com Abreu, o comandante Hermínio Fernandes ignorou todos os sinais de alarme accionados pelos sistemas de segurança da aeronave e ignorou também as pancadas na porta do cockpit supostamente do co-piloto a querer entrar.

    Segundo o relatório citado pelo PCA do IACM, “a selectora de potência (autothrottle) foi manualmente accionada e as manetes de potência reduziram automaticamente para o regime de relanti (em idle). A selectora de velocidade foi manualmente accionada várias vezes até ao máximo previsto e permaneceu na velocidade máxima do limite de operação VMO”.

    Disse ainda o comandante Abreu que “Os parâmetros do manípulo dos freios aerodinâmicos indicam que foi accionado para abrir os painéis dos “spoilers”, superfícies de resistência aerodinâmica, e mantiveram-se nesta posição até ao fim das gravações dos parâmetros, prova de que a manete foi manualmente comandada”.

    “Durante estas acções foram audíveis toques de alerta de baixa e alta intensidade bem como repetidas pancadas na porta como solicitação de entrada no cockpit”, sublinhou João Abreu, anotando que todas as investigações prosseguem. 

    Recorde-se que as investigações preliminares à queda do Embraer 190 da companhia de bandeira moçambicana, LAM, no dia 29 de Novembro, já tinham descartado a possibilidade de falhas mecânicas terem originado o desastre.

    João de Abreu assegurou que os elementos retirados das caixas negras e do local do acidente, na Namíbia, revelaram a inexistência de falhas mecânicas no aparelho.

    O acidente ocorreu na floresta da zona fronteiriça entre a Namíbia e o Botswana, matando todas as 33 pessoas que nele viajavam – 27 passageiros e seis tripulantes. 

    A aeronave foi adquirida nova e estava a voar pela LAM desde Novembro de 2013.
    A confirmarem-se as causas do acidente a LAM não deverá poder recuperar os prejuízos às seguradoras.

    Desconhece-se por ora o impacto que este rombo de mais de 80 milhões de USD de prejuízo directo poderá vir a causar à solvabilidade da companhia moçambicana de bandeira, LAM.
    À margem das declarações oficiais, fontes informais da LAM disseram ao Canalmoz que o comandante Hermínio estava a viver um problema familiar “grave”. 

    Foi-nos também dito por várias fontes que um dos seus filhos suicidou-se cerca de um ano antes do fatídico dia em que Hermínio Fernandes está também a ser indiciado de se ter suicidado ao fazer com que a aeronave por ele comandada e de na altura “levava a perna”, isto é pilotava, se tenha despenhado. 

    Todas as fontes de que nos socorremos desconhecem se o comandante teria alguma vez dado conhecimento à direcção da LAM, da situação familiar difícil por que estaria a passar. “Mas os seus colegas directos sabiam disso”, contam. (Redacção)

    fonte/Facebook/CanalMOz/NotÍcias de Moçambique

Enhanced by Zemanta

AVIÃO NOTA DEZ.....COPILOTO NOTA ZERO...


AVIÃO ATINGE PRÉDIO NO AEROPRTO DE JOANESBURGO, ÁFRICA DO SUL

Um avião com 200 passageiros a bordo colidiu com um edifício do aeroporto da cidade de
Joanesburgo, na África do Sul, quando se preparava para decolar. O voo com destino a Londres, na Inglaterra, era operado pela companhia aérea British Airways. A aeronave estava taxiando no aeroporto internacional Oliver Tambo quando sua asa direita bateu contra o prédio.

Nenhum dos passageiros ficou ferido, mas quatro pessoas que trabalhavam no edifício no momento do acidente tiveram escoriações leves. Imagens divulgadas na mídia internacional mostram a asa do Boeing 747-436, prefixo G-BNLL, série24054/794,  presa dentro da estrutura. A Autoridade de Aviação Civil da África do Sul informou que o avião estava viajando em uma pista muito estreita para seu tamanho.

O acidente envolvendo o Boeing 747-400 ocorreu no fim da tarde de domingo. Segundo o porta-voz da Autoridade de Aviação Civil da África do Sul, o acidente foi motivado por um erro do piloto. "A torre de controle informou à equipe que pegasse uma pista e eles pegaram a pista errada", disse. O passageiro John Hart, que estava no avião, afirmou à BBC que ouviu um forte barulho quando o avião se preparava para decolar.

Ele acrescentou que, logo em seguida, o capitão descreveu o barulho como um "pequeno incidente", "mas todo mundo que estava sentado do lado direito do avião viu o que realmente tinha acontecido", afirmou. Hart disse ainda que os passageiros só puderam desembarcar uma hora depois do ocorrido e, por causa de um vazamento de combustível, também não conseguiram reaver suas bagagens.

Segundo a ACSA, órgão que cuida da logística dos aeroportos na África do Sul, o avião foi retirado da pista e as operações prosseguiram normalmente. Uma investigação para apurar os motivos do acidente foi aberta pelas autoridades locais.

fonte/BBC/Terra/foto/Twitter/


Enhanced by Zemanta

domingo, 22 de dezembro de 2013

QUEDA DE ULTRALEVE DEIXOU DUAS PESSOAS FERIDAS

Queda de aeronave deixou duas pessoas feridas


Queda de aeronave deixou duas pessoas feridas (Foto: DOL)
(Foto: DOL)

Roberto Luis de Sousa e Helder Guimarães Lima da Silva que estavam na aeronave que caiu na manhã deste domingo (22), na estrada que dá acesso à ilha de Mosqueiro, distrito de Belém, sofreram fraturas e escoriações. Eles foram encaminhados para um hospital particular da capital.  Uma das vítimas conseguiu sair sozinha da aeronave, mas o piloto ficou preso entre as ferragens e precisou ser removido com ajuda do Corpo de Bombeiros.

A queda ocorreu por volta das 09:30, entre os km 3 e 4 da rodovia PA-391, perímetro do município de Santa Barbara.  De acordo com a Força Área Brasileira (FAB) a aeronave envolvida no acidente é um ultraleve, modelo Conquest 180 - PU-KIO, com motor. Segundo a Polícia Rodoviária Estadual (PRE) é de uso particular, utilizada para passeios.

O piloto do ultraleve sofreu fratura exposta, enquanto o passageiro teve mais escoriações. Relatos coletados com testemunhas oculares dão conta de que a queda foi amortecida, evitando uma possível tragédia. A aeronave colidiu primeiro com fios da rede de telefone e depois chegou ao chão. O impacto com a fiação teria evitado o choque direto com o telhado de um restaurante, localizado à beira da pista.

A PRE informou que a suspeita é de que tenha ocorrido pane na aeronave, provocando a queda.
fonte/foto/DOL/DiarioOnLine

QUEDA DE AVIÃO DA EMBRAER NA NANÍBIA FOI PROPOSITAL




JOANESBURGO, 21 dez 2013 (AFP) - O piloto do avião da companhia Mozambique Airlines (LAM), que caiu na Namíbia no final de novembro, jogou o aparelho contra o solo "intencionalmente", deixando 33 mortos, de acordo com os resultados de uma investigação preliminar divulgados neste sábado.

As caixas-pretas do voo TM 470 mostraram que o avião caiu no solo em 29 de novembro, quando o capitão Hermínio dos Santos manipulava o piloto automático do Embraer 190 de uma maneira que "denota uma intenção clara" de fazer o aparelho cair, declarou o presidente do Instituto moçambicano de Aviação Civil, João Abreu.

"Não se conhece a razão dessas ações, e a investigação continua", disse Abreu.

Ele disse ainda que o piloto se fechou na cabine, ignorou os sinais de alarme e não autorizou seu co-piloto a voltar para a cabine pouco antes que o avião caísse.

"É possível ouvir os sinais de alarme de diversas intensidades, golpes contra a porta da cabine e pedidos para entrar", afirmou Abreu, citado pela agência moçambicana de notícias AIM.

O voo TM 470 da LAM, a companhia nacional moçambicana, decolou de Maputo, em 29 de novembro, com destino a Luanda, capital de Angola, com 27 passageiros a bordo: cinco portugueses, um luso-brasileiro, dez moçambicanos, nove angolanos, um francês e um chinês.

Esse acidente é considerado o mais grave da história da Aviação Civil de Moçambique desde o do avião do presidente Samora Machel em 1986 na África do Sul, quando 34 pessoas morreram.

A União Europeia (UE) proibiu o voo dessa companhia em seu espaço aéreo em 2011.

Santos Fernandes acumulava 9.053 horas de voo. Desse total, 1.395 foram feitas como comandante. Em abril de 2012, sua licença foi renovada, segundo a companhia moçambicana. 
fonte/AFP/Uol

COMISSÁRIA DE BORDO PASSA NATAL E REVEILLON NO AR HÁ 15 ANOS


Reportagem é uma homenagem aos "profissionais do ar"  que trabalham durante as festas de final de ano. Fui controlador de voo durante 5 anos e trabalha feliz durante as "festas"..o importante era manter a segurança dos passageiros que naquele momento cruzavam o espaço aéreo.


Feliz Natal aos comandantes, pilotos, comissários de voo, mecânicos e pessoal de terra.
  •  
A comissária Virgínia Chagas (Foto: Virgínia Chagas/Arquivo pessoal)A comissária Virgínia Chagas (Foto: Virgínia Chagas/Arquivo pessoal)


Nos últimos 15 anos, Virgínia, que mora em Santos, só passou a data com a família em duas ocasiões. Comissária de bordo da companhia aérea TAM, ela está acostumada a passar a noite do dia 24 – e também a virada de ano, no dia 31-- no ar, em pleno voo.

“No início eu costumava trabalhar no Natal e no Ano Novo. Agora, como já tenho mais tempo de empresa, consigo tirar ao menos um deles de folga”, conta.

Em vez de reclamar, o marido de Virgínia, que não trabalha na área de aviação, aproveitou o lado bom disso. Gilson Chagas sempre viaja com ela nessas datas comemorativas, já que a companhia oferece um bilhete gratuito a acompanhantes dos funcionários que estão de plantão nesses dias. “Nunca passei sozinha, ele sempre vai comigo”, diz a comissária.

Juntos, os dois já passaram o réveillon em cidades como Miami, Brasília, Natal e Foz do Iguaçu. “Em 2011 tive que trabalhar nos dois feriados e passamos o Natal em Londres e o Ano Novo em Paris. Meu marido adorou”, conta Virginia, que atualmente é chefe dos voos internacionais da empresa.
Neste ano, ela fará plantão no Ano Novo, mas, pela primeira vez, ficará no aeroporto, como possível substituta em caso de que algum funcionário não compareça. “Se ninguém faltar, volto para casa”, diz.

Mas não durante a virada, já que o último voo decola depois da 1h da manhã. O marido vai para Guarulhos ficar por perto, como sempre. Eles combinaram de fazer um “almoço especial” para substituir a ceia de Ano Novo.

A comissária, que antes de entrar para a área de aviação folgava todos os feriados de fim de ano, diz que já se acostumou à rotina atual. “O Ano Novo para mim é indiferente, mas no Natal eu fico um pouco mais sentida porque é uma festa mais familiar. De qualquer forma, para quem tem filho é mais sofrido, e eu não tenho”, diz ela. 

Brinde sem álcool
Segundo Virgínia, muitos dos passageiros que embarcam em voos durante o Natal e a virada de ano são pessoas que viajam sozinhas – aproveitando as promoções que costumam ser feitas para esses horários ou por não ter conseguido embarcar em outros voos mais disputados. “Mesmo em voos em que normalmente vão muitas famílias, como para a Flórida, você vê mais gente sozinha nesses horários”, diz a comissária.

Em alguns anos, a companhia distribuiu minigarrafas de espumante para os passageiros nessas datas. Em 2011, preparou um serviço de bordo com pratos típicos e receitas tradicionais da ceia de Natal.
Neste ano, desde o dia 18 a empresa vem sorteando um panetone de 500 g em cada voo nacional que decola dos aeroportos de Congonhas e Guarulhos, em São Paulo.

Virgínia conta que, como não podem consumir bebida alcoólica durante o trabalho, os comissários costumam brindar a virada do ano com uma mistura de tônica e suco de laranja, para não “passar em branco”. “É pra sentir que é champanhe, porque faz bolhinhas”, diz. Considera-se sempre a meia-noite no horário de Brasília.

Ela lembra que, em um ano, a equipe de cada classe ficou responsável por levar um tipo de comida (frutas, doces e salgados) para fazer uma pequena festa a bordo. "As tripulações são muito unidas", diz. 

GOL TERÁ QUE PAGAR INDENIZAÇÃO POR VENDER ASSENTOS QUE NÃO EXISTEM


SÃO PAULO – A companhia aérea Gol foi condenada a pagar indenização por danos morais por vender bilhetes de viagem para assentos que não existiam. Os dois passageiros que entraram com processo contra a empresa irão receber R$ 5 mil cada um. 

De acordo com o 4º Juizado Especial Cível do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro, ao embarcarem na aeronave, os viajantes procuraram seus lugares e não encontraram a sua fila, a de número 13.

Em sua defesa, a Gol alegou inexistência de danos a serem indenizados, e ainda imputou a responsabilidade do erro a funcionários terceirizados e não soube dizer o porquê de, naquela aeronave, a fileira de assentos pular do número 12 para o 14.

Procurada pelo InfoMoney, a empresa informou que irá se manifestar nos autos do processo.

fonte/Uol

sexta-feira, 20 de dezembro de 2013

AVIÃO DA AZUL FAZ MANOBRA DE EMERGÊNCIA PARA EVITAR COLISÃO DURANTE VOO


Um avião da companhia aérea Azul realizou uma manobra de emergência na tarde de ontem para evitar uma colisão em pleno ar com outra aeronave que seguia pela mesma rota. Para evitar um desastre, o piloto desceu bruscamente com a aeronave, em um procedimento semelhante a um mergulho, para perder altitude. 

O voo número 5114 da Azul partiu do aeroporto de Viracopos, em Campinas, às 16h14, com destino ao aeroporto Santos Dumont, no Rio. 

Minutos depois de decolagem, quando o serviço de bordo ainda estava sendo iniciado, houve a manobra repentina. Segundos depois, o comandante pediu que todos afivelassem seus cintos de segurança, incluindo a tripulação. 

A Folha apurou que o comandante pediu desculpas aos passageiros e informou, pelo sistema de som da aeronave, que o procedimento foi necessário para evitar uma colisão com outro avião. De acordo com o relato do piloto da Azul aos passageiros, o problema estaria relacionado ao controle de tráfego aéreo, que não teria repassado as informações necessárias para evitar aquela situação. 

Procurada pela Folha, a direção da Azul Linhas Aéreas não forneceu detalhes sobre o caso. Em breve nota, comunicou que sua aeronave "teve que desviar seu percurso durante o trajeto por conta de outra aeronave, que seguia em rota próxima". 

CONTROLADORES AFASTADOS
O Ministério da Aeronáutica informou à Folha que os operadores de tráfego aéreo responsáveis pelo suporte ao avião da Azul foram afastados de suas funções. O comando da Aeronáutica divulgou a seguinte nota: "Confirmamos a ocorrência de ontem (19/12) durante o voo 5114 da Azul, que cumpriu a rota Viracopos-Santos Dumont. Informamos que foi instaurada uma investigação para apurar os fatores contribuintes e que os profissionais foram afastados preventivamente até a conclusão da investigação, conforme previsto em normas." 

fonte/UOL

quinta-feira, 19 de dezembro de 2013

AERONAUTAS ACEITAM REAJUSTE E CANCELAM GREVE

O Sindicato Nacional dos Aeronautas (SNA) decidiu em assembleia nesta quinta-feira, em São Paulo, cancelar a greve que estava prevista para ter início amanhã nos aeroportos brasileiros. A data marca uma saída em massa para as viagens de final de ano – estão previstos cerca de 360  mil embarques e desembarques em todo o País.

A categoria é composta por aproximadamente 26 mil pilotos, copilotos e comissários de voo. A decisão sobre a não paralisação foi tirada em cinco bases do sindicato – localizadas nas cidades de São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Brasília e Porto Alegre. De acordo com o SNA, foi aceita a proposta do Sindicato Nacional das Empresas Aeroviárias (SNEA) de reajuste salarial de 5,6%, além de outros itens que envolviam condições de trabalho.

Ontem, uma decisão do Tribunal Superior do Trabalho (TST) determinou que, em caso de paralisação, os aeronautas mantivessem ativos 80% do efetivo, sob pena de pagamento de multa de R$ 100 mil ao dia ao SNA.

Entre os itens negociados, estão o estabelecimento de piso salarial para copiloto e comandante; a previsão de vale alimentação para quem recebe salário líquido até R$ 3.248,01; melhores condições de escala para as tripulantes em um prazo de seis meses após o retorno da licença maternidade e passe livre – o qual permite que os aeronautas da aviação regular utilizem voos domésticos das empresas congêneres.

Segundo o presidente do sindicato, Marcelo Ceriotti, a categoria desistiu da paralisação na data recorde de movimento nos aeroportos “em respeito aos usuários do transporte aéreo e pela fragilidade do sistema de aviação brasileira”. “Mas vamos continuar nossa busca por melhores condições de trabalho e para o setor”, disse, para completar: “Buscaremos junto ao governo um trabalho conjunto para implementação de melhorias sustentáveis para o sistema de aviação nacional”.

Já o vice-presidente da entidade, Adriano Castanho, adotou outro tom: “Além da pressão da sociedade pelo fato de ser uma data de grande movimento, tivemos uma pequena evolução nas cláusulas sociais, ainda que nenhum, nas cláusulas econômicas. E de certa forma sim, fizemos uma avaliação de risco ante a decisão do TST e concluímos que não há como controlar 20% da categoria, isso é utópico e inviabilizaria a greve”, admitiu. “Foi uma soma de fatores [que impediu a paralisação], em suma”, completou.


Aeroviários discutem greve em janeiro
Também em negociação com as empresas aéreas, o Sindicato Nacional dos Aeroviários adiou a assembleia que poderia deflagrar greve também amanhã para o próximo dia 7. A entidade representa cerca de 58 mil trabalhadores em terra (entre os quais, funcionários de check ins e pistas) e reivindica 8% de reajuste nos salários.
 As empresas ofertaram 5,6%, que, segundo a assessoria do sindicato, não foram aceitos. O setor também foi alvo de decisão do TST, que decidiu, hoje, impor multa de R$ 100 mil ao setor caso não fosse implementado 80% do efetivo em caso de greve.

fonte/Terra

quarta-feira, 18 de dezembro de 2013

BRASIL ESCOLHE CAÇA SUECO GRIPEN NG - VITÓRIA BENEFICIA EMBRAER E AKAER

English: Saab JAS 39 Gripen NG in Sweden
English: Saab JAS 39 Gripen NG in Sweden (Photo credit: Wikipedia)
English: Saab Gripen NG Demonstrator 39-7 at R...
 Saab Gripen NG Demonstrator 39-7 at RIAT 2010. (Photo credit: Wikipedia)
SÃO JOSÉ DOS CAMPOS – Depois de quase 17 anos de espera e muita especulação, o caça sueco Gripen NG foi o escolhido pelo governo brasileiro na concorrência para a aquisição de aviões de combate da Força Aérea Brasileira (FAB), no âmbito do programa FX-2, segundo o Valor apurou. O anúncio oficial será feito às 17h de hoje pelo ministro da Defesa, Celso Amorim e o comandante da Aeronáutica, brigadeiro Juniti Saito.

A empresa brasileira Akaer e a Embraer serão as principais beneficiadas pela vitória do caça sueco Gripen na concorrência, que também envolveu as empresas Boeing, com o caças F-18 e a francesa Dassault, com o caça Rafale. A parceria entre a Akaer e a Saab, fabricante do Gripen, já dura quatro anos. A Akaer foi contratada pela Saab para projetar a fuselagem central, traseira e as asas do Gripen NG, nova geração de caças da Suécia.

“A vitória do Gripen representa o nascimento das empresas de base do setor aeronáutico brasileiro. Este contrato dará um grande impulso às pequenas empresas do setor e a Akaer está no centro disso”, disse uma fonte do setor. Toda a parte de estrutura do avião será produzida em uma nova fábrica que a Saab pretende construir em São Bernardo do Campo (SP). O investimento previsto é de US$ 150 milhões.

A Saab também adquiriu 15% de participação no capital social da Akaer. A operação, conhecida como empréstimo conversível em ações, poderá ser estendida até o limite de 40%, segundo informou a Akaer, na época do acordo.

Pela proposta da Saab, cerca de 40% do caça Gripen e até 80% da sua estrutura serão feitos no Brasil.

fonte/ValorEconomico
Enhanced by Zemanta

BRASIL ESCOLHE CAÇA SUECO GRIPEN



Brasil escolhe caça sueco Gripen Copyright Saab AB/Divulgação
Foto: Copyright Saab AB / Divulgação
 
O caça de fabricação sueca Gripen, da Saab, é o escolhido para aparelhar a Força Aérea Brasileira. O anúncio oficial sobre a concorrência que já foi adiada por cerca de 10 anos foi feito nesta quarta-feira pelo ministro da Defesa, Celso Amorim. Além dos suecos, estavam na disputa caças da França, o Rafale, e dos Estados Unidos, o F-18. O custo total do negócio, que envolve 36 aeronaves, seria de US$ 4,5 bilhões.


Na Força Aérea, o Gripen sempre foi considerado favorito porque, apesar de ter muitos componentes dos EUA, é um projeto a ser desenvolvido em parceria conjunta com o Brasil. Na semana passada, de acordo com o que apurou a reportagem, a presidente Dilma Rousseff teria mandado recado para o presidente francês, François Hollande, que não desejava tratar deste assunto durante a visita porque estaria insatisfeita com questões na parceria para compra de equipamentos da Marinha.

Da mesma forma, Dilma está muito insatisfeita com os EUA por causa da espionagem sobre ela e empresas do governo. Este fato praticamente enterrou a parceria com os norte-americanos. Desta forma, sobrou o avião sueco.
— O que precisamos é de um caça, o mais rápido possível porque a partir de dezembro o nosso deixa de operar. Estamos muito felizes com a notícia — comemorou um brigadeiro, após ouvir a informação dada pela presidente.
fonte/AgEstadão/ZeroHORA

FUNCIONÁRIO DE EMPRESA AGRÍCOLA MORRE ATINGIDO POR HÉLICE DE AVIÃO


Funcionário de empresa agrícola morre atingido por hélice de avião Divulgação/Polícia Civil
Avião teria pousado pela oitava vez para ser reabastecido com fertilizante quando aconteceu o incidente Foto: Divulgação / Polícia Civil

Um funcionário de uma empresa agrícola morreu, na manhã desta quarta-feira, ao ser atingido pela hélice de um avião em Itaqui, na Fronteira Oeste. De acordo com a Polícia Civil, Christiano Mandicaju Goudinho Valle, 21 anos, carregava a aeronave com ureia e foi atingido na cabeça enquanto saía do veículo, que havia pousado, mas estava com o motor ligado.

Segundo a delegada Elisandra Mattoso Batista, Valle estava acompanhado de mais um colega, também responsável pelo carregamento do avião com fertilizante, e do piloto. O incidente teria ocorrido quando o grupo fez o oitavo pouso para reabastecimento.

— Conforme o relato das testemunhas, a vítima teria saído pela porta da frente do avião, o que seria incorreto. O outro funcionário teria saído pelos fundos e não se feriu. Já o piloto contou que só ouviu o barulho — afirma Elisandra.

A aeronave pertence à empresa Rural Aviação Agrícola, com sede em Itaqui, que prestava o serviço na lavoura de arroz da Granja Ibicuí, localizada a cerca de 15 quilômetros do Centro de Itaqui.

O incidente aconteceu por volta das 10h e especialistas do Instituto-Geral de Perícias (IGP) de Santana do Livramento chegaram ao local, que foi isolado, por volta das 14h. O corpo deve ser encaminhado para necropsia.

— Vamos investigar se foi uma fatalidade por um descuido da própria vítima ou se houve alguma falha nos procedimentos, se havia condições de segurança adequadas ou se houve negligência — observa a delegada.

Valle estaria trabalhando há apenas três meses na Rural Aviação Agrícola. A empresa ainda não se manifestou sobre o acidente. 
fonte/ZeroHora

EMPRESA AÉREA INGLESA DESISTE DE LEVAR SELEÇÃO DO PRÓPRIO PAÍS À COPA


 A British Airways desistiu de levar a Inglaterra ao Mundial. A empresa não quer arcar com uma despesa de 10 milhões de euros (cerca de R$ 32 milhões) referente à chegada da seleção ao Brasil e às viagens em torno do território do país durante a Copa do Mundo de 2014.

 A companhia aérea alega que a competição será disputada durante o período de alta temporada na Europa e, por isso, além do custo da manutenção, teria a frota desfalcada.

"Seria gastar quase 10 milhões de euros (R$ 32 milhões) para praticamente tirar um avião de serviço, dedicá-lo para a Inglaterra, e rasgar o calendário, além de ter que dedicar tripulações para a duração do torneio", disse um funcionário ao jornal Daily Mail.
A Inglaterra está no Grupo D da Copa do Mundo, ao lado de Itália, Costa Rica e Uruguai.

fonte/Terra

PILOTO DE MATO GROSSO QUE SUMIU HÁ 16 DIAS LIGA PARA A MÃE E DIZ QUE FOI SEQUESTRADO

O piloto Paulo Cézar Bertocini, que estava desaparecido desde o dia 1º de dezembro, fez contato telefônico com a família, na manhã desta terça-feira (17), em Juína, a 737 km de Cuiabá. De acordo com a Polícia Civil, o rapaz de 30 anos ligou para a mãe e disse que foi sequestrado, teve o avião roubado e foi liberado. Segundo a polícia, o piloto disse que está na fronteira da Bolívia com o Brasil.

Ao G1, o delegado que investiga o caso, Rodrigo Costa Rufato, disse que vai aguardar o retorno do piloto ao Brasil para dar maiores informações sobre o que ocorreu. O delegado informou que, após receber a ligação do piloto, a família avisou a Polícia Civil. A mãe de Paulo, Brígida Bertocini, disse que foi ela quem atendeu a ligação, logo no começo da manhã.

“Ele ligou no telefone fixo da minha casa e avisou que estava bem. Disse que roubaram o avião dele, o sequestraram e o liberaram na Bolívia. Ele chorava muito e pediu para eu ficar calma. O pior já passou”, disse Brígida ao G1.

Ainda segundo a família, o piloto disse que os  sequestradores lhe devolveram o celular e uma quantia em dinheiro, mas levaram o avião.
A família e o piloto devem decidir ainda como ele voltará ao Brasil. A ideia é que um amigo, também piloto, vá buscar o rapaz no país vizinho utilizando o próprio avião.

Desaparecimento
Na manhã do dia 1º, Paulo iria levar um grupo de passageiros do aeroporto de Juína para Cuiabá. No entanto, teria decolado na própria aeronave, de pequeno porte, antes do horário combinado e não foi mais visto. Desde então não tinha sido feito nenhum tipo de contato ou pedido de resgate. Desde o começo a polícia tratou o caso como roubo da aeronave seguido de sequestro do rapaz.
No mesmo dia do desaparecimento a mãe de Paulo registrou boletim de ocorrência sobre o sumiço do filho. A família acreditava que alguma pessoa estava esperando o piloto dentro do avião e o rendeu. Mais conhecido como Paulinho ‘Pium’, ele trabalha há dois anos na profissão e mora em Juara, a 690 km de Cuiabá.

fonte/G1

MÉDICO GOIANO DIZ QUE FOI AGREDIDO POR FUNCIONÁRIO DA GOL NO RIO



O cirurgião pediátrico Zacharias Calil, que trabalha no Hospital Materno Infantil (HMI), em Goiânia, afirma que foi agredido por um funcionário da companhia aérea Gol, quando tentava viajar do Aeroporto Internacional do Rio de Janeiro (Galeão) para a capital goiana. Em entrevista ao G1, ele conta que a confusão aconteceu no portão de embarque, quando os passageiros pediam informações sobre o voo G3 9038, que estava atrasado. O médico filmou um bate-boca entre um funcionário e clientes  e afirma que o atendente segurou o seu braço com força.

“A partida estava marcada para as 22h05 de domingo (15), mas nenhuma informação sobre o voo aparecia nos painéis eletrônicos. Eu estava acompanhado da minha esposa e filha e muita gente tentava saber o que acontecia no guichê da empresa, mas ninguém falava nada. Foi quando eu vi um funcionário destratar um passageiro e comecei a filmar”, conta o cirurgião.

Em nota enviada ao G1, a Gol disse lamentar o ocorrido e informou que o voo G3 9038, que operaria o trecho Galeão/Rio de Janeiro para Goiânia, no domingo, foi cancelado devido a "manutenção não programada para ajustes no equipamento de navegação da aeronave". A empresa pediu desculpas pelo desconforto causado pelo cancelamento do voo. Sobre a gravação feita pelo cliente, a companhia afirma que vai analisá-las, investigar o que ocorreu e tomará as medidas cabíveis.

Nas imagens, o funcionário aparece inicialmente calado, sem responder às solicitações dos clientes. Calil se aproxima e informa que é médico e que tem uma cirurgia agendada para as 7h de segunda-feira (16), mas segue sem resposta sobre o voo.

Segundo Calil, ao perceber que estava sendo filmado, o funcionário da GOL teria ficado irritado. “Ele começou a falar palavrões e veio na minha direção. Tomou o celular da minha mão e segurou com força no meu braço. Eu disse que ele não podia fazer aquilo e que não era uma conduta adequada, mas ele continuou batendo boca, não apenas comigo, mas com outras pessoas que estavam lá”, relata. Nesse momento, a filmagem para e em seguida é retomada, já quando clientes e o funcionário discutem.

“Ele chegou a retirar o celular da minha mão e confiscou, pois eu disse que iria divulgar a má qualidade dos serviços prestados. Quando eu disse que iria chamar a polícia, ele acabou me devolvendo e eu retomei a gravação. Mas ele continuou xingando sem se intimidar. Todos ficamos estarrecidos com a atitude dele”, ressaltou o médico.


Outros problemas
Calil afirma que, após a confusão, a companhia aérea só informou que o voo havia sido cancelado por volta da meia-noite. “Foi quando eles nos mandaram para uma fila gigantesca para pegar o voucher do hotel, pois nosso voo tinha sido remanejado para o dia seguinte, às 13h”, lembra.

Depois disso, o médico diz que chegou no hotel por volta da 1h30. “Nos disseram que teríamos direito ao jantar, mas quando chegamos no local estavam disponíveis apenas sanduíches congelados. E o pior e que gastamos mais 40 minutos para conseguir a refeição”, reclama.

Quando finalmente voltou ao aeroporto para embarcar para Goiânia, Calil lembra que teve outra surpresa. “O voo que eu comprei era direto, sem escalas. Mas me mandaram para São Paulo, para só depois seguir para casa, onde cheguei após as 15h. Isso me prejudicou muito, pois além de não conseguir realizar a cirurgia, ainda deixei de atender 18 pacientes da rede pública que estavam agendados”, afirma o cirurgião.

Além da cirurgia, o médico diz que precisava estar na capital para receber as gêmeas siamesas que nasceram no Mato grosso do Sul e que foram transferidas na segunda-feira (16) para o HMI. “Eu tinha urgência em voltar, pois o caso delas é grave. Eu cheguei a informar os funcionários da Gol sobre isso e pedi para me colocarem em um voo de outra companhia, mas apenas me disseram que isso não seria possível”, diz.


Calil explica que não registrou boletim de ocorrência sobre o caso, mas lamenta a situação vivida. “Nunca pensei em ver um descaso tão grande. Não era apenas eu que estava lá aguardando sem nenhuma informação, mas tinham mães com bebês, idosos, pessoas com deficiência. Os funcionários precisam ser mais treinados para lidar com o público, pois isso é inaceitável”, concluiu Calil.

Sobre a demora no atendimento, a Gol informou que, "com o objetivo de evitar um longo tempo de espera no aeroporto, prestou o atendimento necessário previsto na Resolução 141 da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), que prevê hospedagem, transporte e alimentação para os clientes."

Segundo a companhia, "tendo em vista o horário em que os clientes foram para o hotel, após as 23h,  o serviço de refeição já não estaria disponível. A equipe do aeroporto teve o cuidado de avisar a todos que solicitassem a refeição no aeroporto, concedida pela companhia, para não se restringirem as opções de lanche do hotel", destacou e nota.

A Gol ainda explicou que "os clientes foram reacomodados nos próximos voos da companhia na segunda-feira. Considerando que, nesta rota, o voo cancelado (G3 9038) não é diário e é o único que opera de forma direta entre as duas capitais, os voos para reacomodação tinham escala ou conexão".


fonte/foto/G1

FAMÍLIA DE CRIANÇA AUTISTA RECLAMA DE TRATAMENTO EM VOO DA AZUL

Otávio é uma criança sorridente que adora andar de avião. Fica sempre eufórico ao entrar na aeronave e já voou muitas vezes com os pais. Mas ele não suporta, por enquanto, usar o cinto de segurança no avião desde o início, antes da decolagem. O garoto, de 10 anos, é autista. 

A última viagem, no sábado, não foi como as outras. No voo da Azul que ia de Navegantes (SC) para Porto Alegre, a tripulação se recusou a dar início ao taxiamento enquanto ele não estivesse sentado e com o cinto afivelado. 

Os pais tentaram negociar, já haviam voado com a Azul outras três vezes, e sabiam que o menino colocaria o cinto no momento da decolagem e do pouso, porque estava condicionado a isso. O tempo de viagem, previsto para 50 minutos, aumentou para quase duas horas, depois de muito estresse, ameaças e bate-boca entre a família do garoto e a tripulação, que acabou aceitando o compromisso do pai de que o cinto seria usado quando o avião estivesse subindo. 

— Seria tranquilo. Ele colocou o cinto na hora, passou o voo pulando, brincando, rindo. Foi desnecessário e fica como um exemplo negativo de que uma pessoa portadora de necessidades é um estorvo na sociedade. Ele é alegre, mas meu marido disse que num momento, quando estava sentadinho, as lágrimas escorriam — diz a mãe de Otávio, a nutricionista Silvia Sperling Canabarro.
O uso do cinto de segurança está sendo trabalhado com Otávio há dois anos. Para Douglas Norte, responsável pelo acompanhamento terapêutico do garoto, o incidente pode ter prejudicado o desenvolvimento dele nessa atividade.
— A comissária chegou e começou a obrigar. Isso pode ter se tornado punitivo ao invés de um reforço. Provavelmente, a gente pode ter dado um passo atrás na terapia dele. Pode estar instaurado nele um comportamento à força. 

Para o comandante Paulo Roberto Alonso, consultor técnico da Diretoria de Segurança e Operações de Voo da Associação Brasileira das Empresas Aéreas (Abear), a colocação do cinto é obrigatória no taxiamento, e não existe meio-termo. Ele afirma que a maioria dos incidentes ocorre nessa fase — o avião pode dar uma parada brusca se houver a entrada inadvertida de uma viatura ou um animal na pista.
— Esse assunto não é dúbio. É sim ou sim. Essa exigência é justamente para não colocar em risco a pessoa, independente de quem seja, nem os demais passageiros. A gente não tem como abrir mão. Não tem muito o que discutir — afirma Alonso.

Em nota, a Azul informou que segue os padrões de segurança exigidos pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) e que a ocorrência será apurada pela companhia. "A Azul Linhas Aéreas Brasileiras informa que tem profundo respeito pelas normas de segurança e, por isso, cumpre com as exigências estabelecidas pela Anac. A Azul lamenta os transtornos causados à família da senhora Silvia Canabarro e ressalta que o caso está sendo apurado para que situações como essa sejam evitadas", diz o texto. 

O depoimento da mãe do garoto, a nutricionista Sílvia Sperlin Canabarro
"Otávio, como grande parte dos autistas, não obedece às regras sociais da maneira esperada pelos demais. Entra no avião eufórico e quer ficar de pé à frente da poltrona ou sentado no chão. 

Conversamos com ele para que, no momento exato da decolagem e aterrissagem, permaneça um breve período sentado, com o cinto afivelado. Às vezes, há comissários de bordo mais compreensíveis e amigáveis, e, outras vezes, alguns mais rudes e intolerantes, mas nunca houve problemas."

"O comandante reiterou que não decolaria e queria que déssemos a percentagem de probabilidade de que conseguiríamos que Otávio ficasse com o cinto na decolagem. O que eu estava ouvindo? Teríamos que dar uma previsão numérica da chance de seu bom comportamento? Nunca passei por isso."

"Como já imaginávamos, ele sentou na poltrona no momento da decolagem e da aterrissagem. Agora posso gritar bem alto minha indignação ao preconceito, contra o qual tanto se luta todos os dias. Eu, como uma simples mãe que escreve sua dor, sua vitória, seu lamento e sua obstinação, vou continuar gritando e dando voz a meu filho e garantindo seu direito de ser feliz e conviver em sociedade a seu modo."

Resolução da Anac estabelece procedimentos de acessibilidade
Uma norma da Anac publicada em julho deste ano estabelece os procedimentos de acessibilidade de passageiros. A resolução 280 foi criada a partir de um debate entre o Conselho Nacional de Pessoas com Deficiência e a Anac, em virtude de queixas recorrentes de acesso no transporte aéreo. Entre os dispositivos, está a obrigatoriedade de que companhias aéreas ofereçam cursos de capacitação para os funcionários lidarem com pessoas com deficiência, incluindo aquelas que têm dificuldade de compreender regras. A regra vale a partir de janeiro.

Para a pedagoga Clarissa Alliati Beleza, diretora técnica da Fundação de Articulação e Desenvolvimento de Políticas Públicas para Pessoas com Deficiência e com Altas Habilidades no Rio Grande do Sul (Faders), a preparação dos profissionais é importante para que eles possam perceber o que é possível ou não fazer, baseado na condição da pessoa com deficiência. Clarissa afirma que, atualmente, está sendo adotada uma nova abordagem na discussão acerca do tratamento, com base na Convenção das Nações Unidas sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência, ratificada pelo Brasil em 2008.
— Antigamente, havia a concepção de que os problemas da pessoa com deficiência seriam só relativos à pessoa, então ela teria que se adaptar aos procedimentos padrões, e não esses procedimentos se adequarem à pessoa. Mas isso mudou. As dificuldades não estão só na pessoa, mas nas barreiras do meio e da estrutura da sociedade. Hoje se trabalha o conceito social da deficiência.

Como lidar com situações semelhantes
Para os pais
- O autista não deve ser tratado como um doente. É uma criança especial, com déficit no desenvolvimento, mas entende tudo e é capaz de progredir fazendo terapia.
- Leve a criança para a rua. Sair, caminhar e interagir com as pessoas são atividades terapêuticas. Ao frequentar supermercados e restaurantes, pegar ônibus e ir ao estádio torcer para o time, ela conhecerá o mundo da maneira dela.
Para a comunidade
- Seja mais tolerante. Pessoas com autismo podem não obedecer às regras sociais da maneira esperada, por isso podem não entender conceitos como esperar sua vez na fila e usar o cinto de segurança.
- A terapia comportamental aborda os conceitos de reforçar o bom comportamento, por meio da repetição e da recompensa, e punir o mau. Não interfira obrigando porque o autista pode associar isso com punição.
- Você tem a capacidade de flexibilizar, o autista não.
Fonte: Douglas Norte, acompanhante terapêutico da Re-Fazendo Assessoria Educacional Especial (www.autismo.com.br)

fonte/ZeroHora

MÍSTERIO REVELADO - ANTOINE SAINT-EXUPÉRY...

Foi um segredo guardado durante 64 anos. Horst Rippert, piloto alemão da Luftwaffe, admitiu, aos 88 anos, ter abatido Antoine de St Exu...