domingo, 23 de junho de 2013

INFRAERO COMEÇA DISCUSSÕES SOBRE O QUE FAZER COM ;AREA DO AEROPORTO AUGUSTO SEVERO


De aeroporto a complexo multiuso

A Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero) quer transformar a área que abriga o Aeroporto Augusto Severo, em Parnamirim, em um grande complexo empresarial. A ideia, porém, ainda está em fase embrionária e não há prazo para um possível projeto sair do papel.

Discussões nesse sentido, no entanto, estão em curso e são necessárias porque o Augusto Severo será desativado em menos de um ano, quando o aeroporto de São Gonçalo do Amarante – atualmente em construção – começar a operar. A previsão é que isso ocorra a partir do dia 1º de abril de 2014, a tempo da Copa do Mundo de Futebol.

Os estudos que definirão o que será feito da área já começaram a ser elaborados pela equipe técnica da estatal, responsável pela administração do empreendimento.  A Infraero, no entanto, quer ouvir o poder público e o empresariado antes de bater o martelo. O destino da área será discutido amanhã com Aeronáutica, governo do estado e Município, em reunião na Base Aérea. Outras reuniões são previstas.

“Temos várias ideias. Aquela área pode abrigar hotéis, cinema, centro de convenções, teatro, shopping, concessionárias de veículos e até fábricas de aeronaves”, explica Fernando Nicácio, superintendente regional da Infraero.  “Ouso a dizer que poderemos ter mais receitas nesta área do que temos atualmente com a atividade de aviação”, afirmou ele, em audiência pública sobre o destino da área, na Câmara Municipal de Parnamirim, no início do mês. O superintendente não informou qual é a receita do aeroporto.

A Infraero, de acordo com ele, aguarda o zoneamento do terreno, que ocupa 5,5 milhões de hectares – o equivalente a 28 estádios do Maracanã, considerado um dos maiores do mundo – para elaborar o projeto básico e começar a negociação com as empresas. “Temos um pote de ouro. O que precisamos é explorá-lo adequadamente”, diz Nicácio, afirmando que o intuito da estatal, que administra aeroportos em todo o país, é gerar mais emprego e renda na cidade.

Apesar da expectativa, ainda não há data para concluir o projeto básico, cuja elaboração dependerá ainda do resultado das reuniões realizadas no estado. “Prefiro não fixar uma data. O que posso dizer é que com a conclusão do projeto básico, daremos início as licitações. Sabemos que essa será a fase mais ‘trabalhosa’”, admite o superintendente regional da estatal, sem informar quanto tempo a estrutura passará ociosa – após ser desativada e os voos transferidos para o novo aeroporto do estado, em São Gonçalo do Amarante.

Administração

A área, esclarece Nicácio, será administrada pela Força Aérea e pela Infraero. “Vamos discutir o que será ocupado pela Aeronáutica e o que poderá ser ocupado pela Infraero”.

O terreno, diz o superintendente, é da União, e não deverá ser cedido para o Estado, como deseja o governo local. “O empreendimento vai ser administrado pela Infraero”, acrescenta Nicácio, que não sabe quanto a estatal terá que investir na área para transformá-la num complexo empresarial nem quanto o investimento poderá render no futuro à Infraero.

O governo do estado, que enviou para análise do gabinete civil um ofício pedindo a retomada do terreno, reafirmou o interesse em recuperar à área - que segundo o secretário estadual de Turismo, Renato Fernandes, foi cedida à Infraero para a construção do aeroporto. O secretário explicou, porém, que apoiará o projeto, mesmo que o terreno permaneça sob posse da União. “O que queremos é que o local se transforme numa área de captação de investimentos”, disse.

fonte/TribunaDoNorte

BRASILEIROS PASSAM MADRUGADA EM AVIÃO NO AEROPORTO DE NOVA YORK

Cerca de 250 passageiros do voo Delta 121, que partiria do Aeroporto John F. Kennedy, em Nova York, com destino a São Paulo, tiveram que passar a madrugada deste domingo (23) presos no avião. O G1 conversou, por telefone, com o pernambucano Fernando Assis, que estava na aeronave com os quatro filhos. Ele contou que a companhia aérea alegou necessidade de manutenção e, após quase seis horas trancados no avião, os passageiros forçaram a saída. A previsão é que a viagem de volta ao Brasil seja realizada à 1h da segunda-feira (24), horário dos Estados Unidos - meia-noite por aqui.

O pernambucano contou que o embarque, previsto para as 22h, ocorreu com atraso de três horas, às 2h, e antes de as portas da aeronave serem fechadas, foi detectada uma pane no sistema de luzes de emergência internas, obrigando-os a aguardar sentados pela manutenção. "Após mais de cinco horas, o avião ainda estava parado no pátio, o que começou a despertar grande irritação entre nós. Durante todo esse tempo não foi servido o jantar nem água, aumentando a revolta", disse.
 
Fernando relatou que depois de muita discussão entre passageiros, tripulação e representantes da companhia, o clima esquentou e muitos passageiros começaram a sair por conta própria, pegando suas malas. Por volta das 7h30, de volta ao saguão do aeroporto, a empresa distribuiu vouchers para alimentação. "Após longas e acaloradas discussões, o gerente de aeroporto da Delta fez um pronunciamento informando que cada passageiro seria reacomodado num voo hoje [domingo, 23] e receberia um voucher para alimentação no valor de 50 dólares, transporte e hotel. Os primeiros passageiros só conseguiram ir para o hotel por volta do meio-dia, totalizando mais de 14 horas de confusão, desde o horário previsto para o check-in no início da noite de ontem [sábado, 22]", falou.

Revoltados, os brasileiros, que eram a grande maioria entre os passageiros, fizeram uma lista com nome, telefone e e-mail para entrar na Justiça contra a Delta pela forma como foram tratados nesse episódio. Fernando Assis é pernambucano, mas mora atualmente em São Paulo. Ele foi aos Estados Unidos com um filho de 13 anos buscar outros três de 15, 17 e 18 anos que terminaram um intercâmbio naquele país. "Foi uma experiência horrível. Uma de minhas filhas até passou mal, vomitou por estar presa no avião e sem comida", disse.

O G1 tentou entrar em contato com a Delta Airlines, mas não obteve retorno até o momento de publicação desta reportagem.

fonte/G1

FAB INVESTIGA AUTENCIDADE COM SUPOSTO PILOTO PROTESTANDO

A Força Aérea Brasileira (FAB) informou que irá investigar a autenticidade de uma foto que mostra um suposto piloto da instituição segurando um cartaz em apoio aos protestos que vêm ocorrendo em várias cidades do País. Na imagem, um homem que seria membro da FAB segura uma folha de papel que diz "Acorda, Brasil! Estamos com vocês".

A assessoria de imprensa da FAB afirmou que "a mensagem não representa um posicionamento da instituição". A foto do suposto piloto foi compartilhada no Facebook e em outros sites, associada aos protestos.

fonte/Terra

ACIDENTE COM WING-WALKER IN DAYTON INTERNATIONAL AIRPORT, EUA


MÍSTERIO REVELADO - ANTOINE SAINT-EXUPÉRY...

Foi um segredo guardado durante 64 anos. Horst Rippert, piloto alemão da Luftwaffe, admitiu, aos 88 anos, ter abatido Antoine de St Exu...