sexta-feira, 25 de junho de 2010

PILOTO É ATUADO POR DESACATO APÓS FICAR DE CUECA EM AEROPORTO DO RIO

Um piloto da companhia aérea United Airlines foi autuado por desacato após tirar a roupa e ficar só de cueca nesta sexta-feira (25) no Aeroporto Tom Jobim, na Ilha do Governador, subúrbio do Rio. Segundo o delegado Rafael Andreatta, da Delegacia da Polícia Federal do terminal, o homem teria se irritado quando passava pelo aparelho de raio-x do aeroporto, e ter sido solicitado a retirar o cinto e os sapatos durante revista.

De acordo com a Polícia Federal, o piloto teria se revoltado e gritado com os agentes que realizavam a fiscalização. Em seguida, ele baixou as calças e ficou só de cueca. O delegado informou que o procedimento exigido ao piloto é comum e faz parte de uma norma internacional de segurança dos aeroportos.

"Ele alegou sua condição de piloto e tirou as calças num gesto de deboche", explicou Andreatta.

Procedimento normal

Ainda segundo o delegado, todos os funcionários das companhias aéreas precisam passar por esta fiscalização, como os passageiros. O piloto foi autuado e liberado após assinar um termo circunstanciado, onde ele se comprometeu a comparecer em juízo quando solicitado.

O delegado explicou que, normalmente, a pessoa é encaminhada para um Juizado Especial Federal, mas a polícia decidiu liberar o piloto porque a companhia aérea não possuía um substituto para conduzir um voo com 300 passageiros, com destino a São Paulo e em seguida a Washington.
fonte/G1/FolhaOnLine

"UM DOS AVIÕES ESTAVA NO LUGAR ERRADO", DIZ ESPECIALISTA

Analistas apontam hipóteses a incidente com voo da TAM que identificou rota de colisão em Congonhas; erro de controlador é remoto

As causas do incidente com o voo 3717 da TAM, que precisou fazer uma manobra brusca para evitar a colisão com outra aeronave, ainda serão investigadas. Especialistas em aviação ouvidos pelo iG apontam duas possibilidades com maior probabilidade: uma das aeronaves voava fora da sua rota definida ou o equipamento de bordo apontou para uma projeção de choque, que, provavelmente, não aconteceria porque a rota deveria ser corrigida em instantes.

O Airbus 320 da TAM operava na rota Brasília-São Paulo e se aproximava do aeroporto de Congonhas quando foi informado da aproximação de outra aeronave. A ordem veio de um equipamento chamado TCAS (Traffic Collision Avoidance System), que capta informações de aeronaves que voam nas proximidades e aponta sua projeção de rota. Neste caso, a projeção apontava para uma colisão. Para evitar o choque, o avião fez uma descida brusca, que assustou os passageiros.


“A maior probabilidade é que alguma das aeronaves estava no lugar errado ou foi orientada a ficar no lugar errado”, afirma o brigadeiro Mauro Gandra, ex-ministro da Aeronáutica. Para ele, a possibilidade de falha no controle de tráfego aéreo da região é mínima, já que se trata de uma área próxima ao aeroporto de Congonhas, para onde convergem diversas rotas.

O diretor técnico do Sindicato Nacional das Empresas Aeroviárias (Snea), Ronaldo Jenkins, concorda. Ele acrescenta ainda uma possibilidade: o TCAS pode ter apontado para uma projeção de colisão que não aconteceria, pois se tratava de uma direção provisória de uma das aeronaves. Isso poderia ter acontecido se uma aeronave estivesse subindo, mas, planejasse interromper a direção e estabilizar seu voo, enquanto outra se mantinha em linha reta, exemplifica Jenkins. “O equipamento aponta para uma projeção de colisão, que não quer dizer necessariamente que haverá uma colisão.”

Ambos descartam a possibilidade de o equipamento ter errado ao apontar para a aproximação de uma aeronave ou de ter detectado um avião inexistente.

Independente da causa, tanto Jenkins quanto Gandra concordam que a atitude do piloto foi a correta. “Ele deve fazer o que o TCAS mandar”, dizem os especialistas. Leia o comunicado da TAM sobre o assunto.

A aeronave que estava na rota da TAM era um avião particular, do modelo Bandeirantes, da Embraer, informa o colunista Guilherme Barros. Procurado por telefone, o Departamento de Controle do Espaço Aérea (Decea), que identificaria o outro avião em rota de colisão, não atendeu as ligações no fim do dia.

Similaridade com acidente da Gol em 2006
A situação lembrou a falha ocorrida durante o voo 1907 da Gol, que culminou com a colisão da aeronave com o jato Legacy, em 2006. Neste caso, o Transponder, equipamento que emite as informações sobre a localização e rota das aeronaves, estava desligado. Assim, o TCAS do Boing da Gol não conseguiu prever o choque.

O procedimento em caso de acidentes ou incidentes aéreos é a abertura de um processo de investigação no Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa), órgão vinculado ao Ministério da Defesa. A Força Aérea Brasileira informou, em nota, que as investigações já começaram. O objetivo não é punir os culpados, mas verificar as falhas e, se necessário, criar novas orientações para os pilotos de todas as companhias aéreas.

Quase-colisão é comum nos Estados Unidos

O incidente com o voo da TAM é comum nos Estados Unidos, onde o espaço aéreo concentra maior número de rotas, afirmam Jenkins e Gandra. O fenômeno é chamado de “near-miss collision” ou quase-colisão, em português, mas não provoca uma insegurança nos voos e nem deve limitar a expansão do tráfego aéreo, segundo os especialistas.

“A gravidade não depende do fato, mas da reação do piloto”, afirma Grandra. “É justamente por isso que as aeronaves são equipadas com o TCAS e com o Transponder. Se as orientações forem seguidas, as colisões serão evitadas”, completa Jenkins.
 
fonte/IG

AVIÃO DA TAM DESVIOU DE COLISÃO COM BIMOTOR

Avião que entrou em rota de colisão com aeronave da TAM era um Bandeirante de propriedade particular

A "manobra evasiva" feita por um piloto da TAM ontem à noite, minutos antes de pousar no Aeroporto de Congonhas, na zona sul de São Paulo, se deu porque um bimotor modelo Bandeirante entrou em rota de colisão com o jato A320 da empresa. O Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa), da Aeronáutica, abriu investigação para apurar as causas do incidente.

O voo JJ 3717 da TAM fazia o trecho entre Brasília e São Paulo quando, às 18h30, o sistema anticolisão (TCAS, na sigla em inglês) soou, indicando situação de risco. O avião teria feito duas descidas bruscas. Houve gritos e pânico entre os 171 passageiros.

O Bandeirante, segundo o Cenipa, decolou da cabeceira 09 do Aeroporto Internacional de Cumbica, em Guarulhos.

Para descobrir o que levou as aeronaves a entrarem em rota de colisão, os militares vão reconstituir os procedimentos adotados pelos dois pilotos. Tudo será analisado, desde a rota das aeronaves até a conversa dos pilotos com os controladores de voo. Inicialmente, a apuração deve se concentrar na análise das imagens de radar e na degravação dos diálogos. Caberá ao chefe da investigação decidir se os pilotos serão chamados para prestar depoimento.

As apurações aeronáuticas não têm caráter punitivo. Mesmo que se chegue à conclusão de que um dos pilotos errou, o objetivo do Cenipa não é penalizá-los, mas verificar quais recomendações devem ser emitidas os operadores e autoridades do setor aéreo para evitar que determinada situação de risco volte a ocorrer.
 
fonte/AgEstado.


TRIKE CAI DE 40 METROS DE ALTURA NO RIO DE JANEIRO

 
Rio - O engenheiro, projetista, professor e diretor da AeroDelta, de produtos aeronáuticos, Heckel Capucci, de 61 anos e, o professor de física Paulo Roberto Librelam, de 41 anos, morreram hoje pela manhã, quando o trike - um triciclo acoplado a um conjunto moto-propulsor e a uma asa - caiu de uma altura de cerca de 40 metros, na areia da Praia da Reserva, no Recreio dos Bandeirantes, Zona Oeste da cidade. 

Capucci, que integrava também o Clube Excursionista Carioca, estava fazendo uma demonstração do aparelho para Paulo Roberto que, com mais dois amigos, tinham chegado de Vitória, no Espírito Santo, no início da manhã, para comprar um trike e marcar aulas com o engenheiro. 

O quartel dos bombeiros, na barra da Tijuca, foi acionado às 10h30m. O aparelho tinha decolado do Clube da Aeronáutica, na Barra da Tijuca,  por volta das 9h30m. Antes de fazer a demonstração para Paulo Roberto, Capucci já tinha voado com o estudante Dario César Andrade Cruz, de 27 anos e como o comerciante de material de construção Urias Mateine Lima Júnior, de 37 anos. Segundo testemunhas, uma fumaça foi vista saindo do aparelho.

Uma possível explosão não foi descartada.

\
fonte/Oglobo
Enhanced by Zemanta

AERONÁUTICA VAI OUVIR PILOTO DA TAM QUE FEZ MANOBRA ANTICOLISÃO

Técnicos do Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa), da Força Aérea Brasileira (FAB), devem ouvir o piloto de um avião da TAM que fez uma “manobra evasiva” na noite desta quinta-feira (24) quando se preparava para pousar no aeroporto de Congonhas. Segundo nota divulgada pela TAM, os equipamentos de bordo do avião detectaram “a presença de outra aeronave na mesma rota”.

De acordo com o Cenipa, os técnicos devem ainda coletar informações registradas pelo avião durante o voo e ouvir funcionários da área de controle de tráfego aéreo, da torre do aeroporto e do serviço de pátio. Não há prazo para que a investigação seja concluída, porque pode haver a necessidade de realização de perícias em equipamentos, por exemplo.

Para o órgão, ainda não é possível sequer afirmar se havia mesmo outra aeronave na rota do avião da TAM. De acordo com o Cenipa, o mau funcionamento de um equipamento ou mesmo a decolagem de um helicóptero que tenha cruzado a rota do avião por segundos e a uma grande distância poderiam influenciar nos sistemas de informação de navegação da aeronave.

O problema como avião da TAM ocorreu no ínicio da noite desta quinta-feira. Segundo a empresa, o comandante seguiu os procedimentos de segurança prescritos para essas circunstâncias e que os passageiros foram informados do ocorrido. Ainda de acordo com a empresa, o aparelho pousou, em seguida, sem consequências, às 18h52.

De acordo com o site da Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero), o voo 3717 saiu de Natal, fez escala em Brasília e pousou em Congonhas.

Uma passageira que estava na aeronave relatou ao G1 que o comandante já havia anunciado o início dos procedimentos de descida quando ocorreu a queda brusca. Mesmo usando o cinto de segurança, ela sentiu que levantou “uns dois palmos” da poltrona.

Segundo ela, o comandante afirmou que precisou realizar a manobra por causa do tráfego aéreo. Os passageiros ficaram assustados e houve gritos e choros no voo. A assessoria de imprensa da TAM disse que não houve necessidade de atendimento de passageiros após o pouso.

O senador Romeu Tuma (PTB-SP) também estava a bordo. "Entendi mais ou menos que foi uma manobra para evitar colisão. O comandante falou que teve de fazer uma manobra ríspida. Eu fiquei preocupado com a gritaria, mas achei que fosse aquelas quedas que dão naturalmente no voo. A aeromoça caiu no colo de alguém. Foi muito rápido", diz ele. "Ele afundou em direção ao chão e deu uma balançada."
fonte/G1

BALOEIROS ATACAM HELICÓPTERO DE EQUIPE DE TV A TIROS NO RIO DE JANEIRO



Baloeiros de São Gonçalo atacaram a tiros o helicóptero da TV Record que fazia imagens no local na manhã desta sexta-feira. Os repórteres da emissora flagraram os baloeiros prontos para soltar um balão com os escritos "Chapadão" no bairro Jardim Catarina, em São Gonçalo (RJ).

O coronel Mário Fernandes, comandante do Batalhão Florestal da PM, está sobrevoando a cidade num helicóptero do Grupamento Aeromarítimo da Polícia Militar. Ele está tentando localizar outros grupos de baloeiros.

fonte/Terra
Enhanced by Zemanta

MÍSTERIO REVELADO - ANTOINE SAINT-EXUPÉRY...

Foi um segredo guardado durante 64 anos. Horst Rippert, piloto alemão da Luftwaffe, admitiu, aos 88 anos, ter abatido Antoine de St Exu...