terça-feira, 14 de abril de 2015

SHOW - WINGSUIT NO CHILE


A320 DA ASIANA SAI DA PISTA DURANTE POUSO EM HIROSHIMA, 23 FERIDOS


Um Airbus A320 da companhia sul-coreana Asiana saiu da pista nesta terça-feira (14) durante sua aterrissagem no aeroporto da cidade japonesa de Hiroshima, no sul do país, e deixou pelo menos 23 pessoas feridas, informou a emissora pública "NHK".

A aeronave que procedia do aeroporto de Incheon (Seul), realizando o voo OZ162, transportando 74 passageiros e sete tripulantes, teve um problema de aterrissagem às 20h local (8h, em Brasília).
Todos os passageiros e os tripulantes foram evacuados do avião após o fato e os serviços de emergências contabilizaram um total de 23 pessoas feridas, embora nenhuma em estado grave, segundo apontou a "NHK".

O aeroporto internacional de Hiroshima foi fechado logo após o acidente.

fonte/NBC/G1/foto/Mirror

KC-390 E JATO GRIPEN SÃO ATRAÇÕES NA LAAD 2015

Vestimenta militar em exposição na última edição da LAAD. Foto: Divulgação
Vestimenta militar em exposição na última edição da LAAD. Foto: Divulgação
O jato militar de transporte KC-390, em desenvolvimento pela Embraer, e o caça supersônico Gripen, da sueca Saab, serão dois dos principais destaques da LAAD 2015, maior feira de defesa e segurança da América Latina que começa hoje, no Rio de Janeiro.
Após despertar interesse de forças militares de vários países, o cargueiro KC-390, que fez seu primeiro voo em 3 de fevereiro último, será destaque nos três estandes que a Embraer terá na feira (veja quadro nesta página).
A empresa, que tem sede em São José, tem um contrato para fornecer 28 unidades do jato para a FAB (Força Aérea Brasileira) e já despertou interesse da Argentina, que pretende comprar seis.
Também a Embraer montará, em parceria com a Saab, os caças Gripen NG de última geração, que serão comprados pelo Brasil para modernizar a frota nacional.

Réplica. O avião sueco terá uma réplica exposta na LAAD, além de um cockpit com simulador de voo, que poderá ser utilizado durante a feira pelos frequentadores.
É a primeira vez que uma réplica do Gripen é exposta no Brasil, segundo a Saab.
Pilotos brasileiros já foram à Suécia para pilotar a aeronave, cuja versão mais nova, que será montada junto com a Embraer, ainda está em desenvolvimento.
A expectativa da Embraer e da Saab é de atrair compradores internacionais e de gerar negócios durante a exposição, que prosseguirá até a próxima sexta-feira.

Feira. A LAAD é realizada a cada dois anos e chega neste ano à sua 10ª edição, atraindo público de mais de 40 mil pessoas e 700 expositores nacionais e internacionais.
“A LAAD Defence & Security reafirma o evento como o principal ambiente para a disseminação do conhecimento, tecnologia e inovação no campo da Defesa e Segurança na América Latina”, afirmou, por meio de nota oficial, Sergio Jardim, diretor-geral da Clarion Events Brasil, empresa organizadora da feira.
Além de empresas, a exposição receberá delegações de 70 países, incluindo militares de alta patente, como comandantes, generais e superiores das três forças armadas --Marinha, Exército e Aeronáutica.

Empresas. Grandes empresas do setor de defesa e segurança que têm sede na região apresentarão projetos na feira.
Entre as companhias, participarão da feira empresas como Avibras, Mectron, Thales Alenia Space e Boeing, que têm unidades ou centros de pesquisa na região. Todas mostrarão projetos inovadores para defesa e segurança.

LAAD
A LAAD chega à 10ª edição como a maior e mais importante feira dos setores de Defesa e Segurança da América Latina

Expositores
Em 2015, reunirá mais de 700 expositores nacionais e internacionais e 40 mil pessoas

Local
Riocentro, no Rio de Janeiro

Quando
De hoje até sexta-feira

Embraer
Terá três estandes nos pavilhões 2 (Y-34), 3 (Q-60) e 4 (G-56) para mostrar soluções integradas para atender as Forças Armadas, como centro de comando, radares e sistemas de comunicação

Avibras
Ocupará o pavilhão 4 (estande G-50) para expor projetos como o Astros 2020, de lançamento de mísseis

SAAB
Mostrará o caça Gripen, escolhido para equipar a Força Aérea Brasileira. A empresa estará nos estande principal (Q20) e na arena externa (L125)

Mectron
A empresa estará no pavilhão 2 (X-60) com portfólio de produtos e serviços, como armamentos inteligentes


Especialista destaca benefícios tecnológicos
São José dos Campos
Considerada a mais importante feira nas áreas de defesa e segurança da América Latina, a LAAD é uma “oportunidade única” para empresas contatarem futuros clientes e abrirem novos negócios.
A opinião é compartilhada pelo professor Expedito Bastos, especialista em assuntos militares da Universidade Federal de Juiz de Fora (MG).
Empresas como Embraer e Saab, em razão dos projetos das aeronaves KC-390 e Gripen NG, terão uma “grande visibilidade na feira” e poderão prospectar negócios.
Para Bastos, o KC-390 representa um “salto tecnológico para a Embraer” e isso é relevante para um evento como a feira. “A empresa ganha capacitação tecnológica em um segmento importante onde planeja disputar um nicho de mercado”, afirmou.
O mercado militar desse porte é uma “fronteira importante para a empresa, que vai disputar com grandes companhias mundiais”. Ele citou o Gripen NG com perspectiva de mercado na América Latina.

fonte/foto/OVale

CARGA HORÁRIA DOS PILOTOS DA EMIRATES SOB SUSPEITA


O regulador para o setor da aviação dos Emiratos Árabes Unidos está a investigar denúncias de antigos e atuais pilotos, sobre alegadas horas de voo não comunicadas na companhia estatal Emirates, o que poderia indiciar excessos de carga horária diária, de acordo com o Wall Street Journal. As novas regras de segurança no cockpit colocam um desafio para a Emirates, a maior companhia aérea do mundo em tráfego internacional.

Ismail Al Balooshi, diretor de segurança na aviação na Autoridade Geral para a Aviação Civil, o regulador do setor nos Emiratos Árabes Unidos, afirmou numa entrevista ao jornal norte-americano, que está a investigar alegadas faltas de reporte de horas de voos dos pilotos, cujos limites foram criados para proteger a sua saúde e a segurança dos voos. A actividade da companhia aérea Emirates está a ser monitorizada de perto e não surgiram queixas significativas sobre segurança, incluindo denúncias anônimas, acrescentou o mesmo responsável.

Em resposta, a Emirates emitiu um comunicado, onde afirma que não compromete a segurança e cumpre totalmente as diretivas do regulador, e que dispõe de procedimentos “pró-activos” para a gestão de fadiga. A companhia reconhece a existência de descontentamento entre os seus mais de 3.700 pilotos, atribuído a uma “minoria vocal”, a quem apela para entrar em contacto com a administração, através de um fórum aberto aos comentários dos pilotos.

fonte/NewsAvia

80 ANOS DE HISTÓRIA - PONTE AÉREA SÃO PAULO-RIO DE JANEIRO

Cidade-do-Rio-de-Janeiro-Junkers

Linha São Paulo- –Rio de Janeiro, 80 anos de história

Todos nós sabemos que a rota São Paulo – Rio de Janeiro sempre foi de extrema importância para os grandes executivos e celebridades, ainda mais quando se tratava da cidade carioca ser a Capital Federal na década de trinta. Os grandes barões do café que residiam em suas mansões na Av. Paulista e Jardim Europa necessitavam se deslocar para a cidade carioca o mais rápido possível, para até então fazer acordos e reuniões na capital federal.

Com isto a primeira companhia aérea brasileira a Vasp – Viação Aérea São Paulo, que começou suas atividades em 1933, inaugurou então 5 de Agosto de 1936 a linha aérea São Paulo – Rio. Com o então “Cidade de São Paulo” que levantou voo as 8 horas rumo a Capital Federal – Varios membros do governo Paulista viajaram no possante avião da “Vasp” assim foi o anuncio feito pelo Jornal da Folha da Manhã.
Anuncio 1° vôo São Paulo - Rio 1936
Anuncio 1° vôo São Paulo – Rio 1936
Os voos eram feitos na aeronave cujo o modelo era Junkers Ju 52 PP-SPD batizado de “Cidade de São Paulo”, e também o PP-SPE “Cidade do Rio de Janeiro”. Apelidos carinhosos que ficaram conhecidos na aviação Brasileira. Nessa época, a VASP veiculava campanhas publicitárias nos jornais que atestavam sua suposta pontualidade, prometendo voos de 90 minutos de duração entre o Rio e São Paulo, coisa que atualmente é feito o mesmo trajeto entre SP e Espírito Santo.
Marketing Vasp sobre o 1° voo São Paulo - Rio

Em 1937 a Varig que tinha a concessão dos voos São Paulo – Rio recebeu seu terceiro Junkers Ju 52 sendo assim a empresa chegou a obter oito unidades deste modelo. Em 1939 um dos Junkers Ju 52 (PP-SPF) sofreu seu primeiro grande acidente chocou-se na decolagem do Aeroporto Santos Dumont no Rio de Janeiro. E em 1943 também ocorreu outro acidente com o Junkers Ju 52 (PP-SPD) colidiu em um prédio e caiu sobre a Baia da Guanabara.

Aeroporto de Congonhas Vasp 1950
Aeroporto de Congonhas Vasp 1950
Anos se passaram e em 1953  começaram a operar os Vickers Viscount série 700 e 800. Em 1970 os DC-10 e também no fim dos anos 80 os Boeing 737-200. Com tantas aeronaves e cada vez a demanda de voos maiores uma parceria entre o Governo Federal e Estados do Rio de Janeiro e São Paulo, se criou “Ponte Aérea São Paulo – Rio” em 05 de Julho de 1959 abriu-se a
concorrência para outras empresas também opera-se a rota mais utilizada do Brasil, ficando entre Varig, Vasp, e Cruzeiro do Sul, que infelizmente nenhuma delas fazem mais parte do nosso quadro Brasileiro de companhias aéreas.

Aeroporto de Congonhas Varig 1960
Aeroporto de Congonhas Varig 1960
Após 62 anos de criação da Ponte Aérea e 79 anos da criação da linha São Paulo , Rio actualmente  é operada pelas companhias: TAM, Gol, Avianca Brasil e Azul, com voos das seis da manhã as dez da noite.

Airbus A300 Aeroporto Rio de Janeiro


Contando um pouco desta maravilhosa história todos podem conhecer o valor da aviação Brasileira e da rota São Paulo – Rio para o mundo, a 79 anos transladando pessoas, e sendo a linha uma das mais antigas em operação no pais.


fonte/foto/Ricardo Zamorano/NewsAvia

SAAB CONCLUI A COMPRA DE 15% DA BRASILEIRA AKAER E PODE CHEGAR A 40%

A companhia sueca Saab, fabricante do caça supersônico Gripen, concluiu o acordo com a brasileira Akaer para a aquisição de 15% do seu capital. O valor da operação não foi revelado.
A assinatura do acordo entre as duas empresas acontecerá amanhã, durante a LAAD 2015,  feira dos setores de defesa e segurança no Rio de Janeiro.
O Saab havia feito aporte de recursos na Akaer, equivalente a participação de 15%, em maio de 2012, mas não incluía a conversão em ações. A operação, um empréstimo conversível em ações, prevê que o limite de participação da Saab na Akaer seja de 40%. Assim, a empresa garante que o controle da companhia continue sendo nacional, não afetando desta forma a sua classificação como Empresa Estratégica de Defesa (EED).
A participação da Saab na Akaer, segundo o presidente da brasileira, César Augusto da Silva, vai acelerar o projeto de se tornar uma fornecedora mundial de nível um em um mercado que movimenta mais de US$ 26 bilhões por ano. "O Brasil tem hoje menos de 1% de participação neste mercado de aeroestruturas, mas com o fortalecimento da Akaer e o envolvimento da cadeia aeroespacial brasileira, o país teria potencial para exportar US$ 5 bilhões em 10 anos", disse.
Para isso, Silva afirma ser fundamental que o país tenha uma política de desenvolvimento industrial que crie condições para a indústria nacional ser mais competitiva e capacitada.
A Akaer participa no desenvolvimento de aeronaves da Embraer e Helibras. Também exporta serviços de engenharia para a belga Sonaca, a espanhola Aernnova e a francesa Latecoere.
"A Akaer está prestes a se tornar a primeira empresa aeroespacial e de defesa brasileira fornecedora de soluções tecnológicas integradas para o mercado global", disse. A parceria com a Saab, segundo Silva, permitirá ainda à Akaer participar dos projetos internacionais da companhia sueca, que já é fornecedora de empresas como a Airbus e Boeing.
Parte do plano da Akaer para se transformar em uma empresa integradora global está sendo viabilizado também com o apoio da Finep (Financiadora de Estudos e Projetos), que aprovou um investimento de R$ 40 milhões no âmbito do programa Inova Aerodefesa.
Desde a entrada da Saab na companhia, em 2012, a Akaer multiplicou por três o número de funcionários, que hoje é de 300 pessoas. O faturamento subiu de R$ 17 milhões para R$ 50 milhões. Para este ano a previsão é que a receita atinja R$ 70 milhões. Desse total, os contratos com a Embraer respondem por 60%.
A nova sede da empresa, que provavelmente será construída em São José dos Campos, vai concentrar as áreas de engenharia, manufatura e um centro de pesquisa e desenvolvimento.
A Akaer foi a primeira empresa brasileira a participar do desenvolvimento do Gripen e isso aconteceu bem antes da FAB selecionar o caça, em outubro. O Saab contratou a Akaer em 2009 para desenvolver parte da fuselagem do avião. Hoje a Akaer é responsável pelo desenvolvimento de toda a fuselagem da aeronave, além das asas e da porta do trem de pouso.
Além da parte de engenharia do Gripen, a Akaer vai atuar no planejamento de produção dos aviões, da cadeia de suprimentos e qualidade.

fonte/ValorEconomico

STJ MANTÉM CONDENAÇÃO DOS PILOTOS DO LEGACY QUE COLIDIU COM BOEING DA GOL


O STJ (Superior Tribunal de Justiça) decidiu manter a pena de 3 anos e 1 mês de prisão aplicada aos pilotos americanos Joseph Lepore e Jean Paul Paladino. Eles conduziam o jato Legacy que se chocou com um Boeing da Gol em setembro de 2006, provocando a morte de 154 pessoas.
A decisão foi tomada na última sexta-feira (10), após a defesa questionar os cálculos usados para a determinação da pena e pedir a substituição da a pena privativa de liberdade por uma pena restritiva de direitos. O relator Felix Fischer, no entanto, apontou não haver irregularidade na decisão anterior, de agosto de 2013.

"Verifico não haver contradição ou omissão no voto proferido pela eminente relatora", afirmou. Ele ainda reafirmou que não há duplicidade na aplicação da pena e que parte do recurso sugere uma rediscussão dos fundamentos da decisão, o que não é possível ser feito pelo órgão.
A defesa dos dois pilotos já tinha recorrido, no ano passado, contra a pena aplicada. Os argumentos dos advogados também foram rejeitados na ocasião. Os dois, que são americanos, estão atualmente morando nos Estados Unidos.
Familiares das vítimas do acidente comemoraram a decisão. "Entendemos que todos os recursos, agora, são uma tentativa da defesa de levar o caso à prescrição, mas lutamos para que isso não ocorra e para que eles sejam condenados e cumpram a pena por causar o acidente", disse, em nota, Rosane Gutjahr, diretoria da associação das famílias das vítimas.
O voo 1907 da Gol ia de Manaus para o Rio, quando foi atingido no ar por um jato Legacy e caiu em uma área isolada de Mato Grosso, matando todos a bordo. O jato pousou em segurança. O caso gerou uma crise entre os controladores de voo, responsabilizados pelo acidente, e também à criação da CPI do Apagão Aéreo no Congresso.

fonte/OTempo

AVIÂO DA ALASKA AIRLINES FAZ POUSO DE EMERGÊNCIA EM WASHINGTON

Um Boeing 737 da companhia norte-americana Alaska Airlines foi obrigado a fazer um pouso de emergência na segunda-feira (13), poucos minutos depois de levantar voo do Aeroporto de Sea-Tac, em Seattle, no Estado de Washington. 

A história é simples e resulta de uma distração de um funcionário do aeroporto que resolveu dormir uma soneca dentro do porão de carga do avião, enquanto este esteve estacionado numa das portas de embarque do aeroporto.
Segundo refere a imprensa norte-americana o funcionário despertou em pânico, quando se apercebeu que o avião já tinha as portas dos porões fechadas e estava já a voar em direção a Los Angeles, para onde se dirigia o voo 448 da Alaska Airlines.
Os pilotos no cockpit do aparelho ouviram alguém a bater por debaixo do habitáculo de comando da aeronave e logo se aperceberam de que alguém estaria lá dentro trancado. Resolveram então retornar a Seattle, por uma questão de segurança e sobrevivência de quem estaria junto da carga, e que poderia não resistir às baixas temperaturas a que seria sujeito durante a viagem. Além do mais, admitindo a hipótese de que ninguém estaria preso no porão de carga, era necessário esclarecer o que estava a provocar aquelas batidas insistentes por debaixo do cockpit…
Informado o aeroporto e solicitada a aterragem de emergência, o avião voltou sem quaisquer problemas ao local onde estivera estacionado, onde um funcionário de rampa da companhia de handling ‘Menzies’ abriu a porta do porão e libertou o colega que estava bem de saúde, mas apavorado com o incidente e todo o cenário que o aguardava no aeroporto. Embora estivesse bem, foi levado a um hospital para observação médica.
O funcionário disse mais tarde que simplesmente tinha adormecido, enquanto esperava por mais malas para carregar no porão da aeronave. O fato de ter almoçado há pouco tempo poderá ter potenciado a sonolência e caiu numa desagradável 'siesta'...
O Boeing 737-700 da Alaska Airlines esteve cerca de 14 minutos a voar entre a partida e o retorno ao Aeroporto de Sea-Tac. Depois de ter sido ‘descarregado’ o funcionário de placa do aeroporto, o avião da Alaska seguiu viagem com um atraso de duas horas.
A companhia aérea e o Aeroporto de Sea-Tac confirmaram o incidente e confirmaram que o funcionário está bem. A Alaska Airlines esclareceu que o dorminhoco trabalhador da empresa de handling não correria perigo de vida, pois o compartimento de carga é ventilado e tem temperatura controlada.
As autoridades aeroportuárias e de segurança aérea anunciaram a aberto de um inquérito para apurar a versão correta do que se terá passado e ocasionado a retenção do funcionário a bordo e consequente retorno do avião a Seattle.
fonte/NewsAvia

MÍSTERIO REVELADO - ANTOINE SAINT-EXUPÉRY...

Foi um segredo guardado durante 64 anos. Horst Rippert, piloto alemão da Luftwaffe, admitiu, aos 88 anos, ter abatido Antoine de St Exu...