segunda-feira, 31 de janeiro de 2011

AVIÃO DA AZUL COM 90 PESSOAS A BORDO FAZ POUSO FORÇADO NO RIO DE JANEIRO


Uma aeronave da companhia Azul fez um pouso de emergência na tarde desta segunda-feira no aeroporto internacional Tom Jobim, o Galeão, zona norte do Rio de Janeiro. O voo 4179 partiu às 16h30 de Vitória (ES) com destino a Curitiba (PR), mas alterou o pouso para o Rio por causa de um problema no sistema hidráulico da aeronave. Segundo a companhia, havia 90 passageiros no avião.

Em nota, a Azul esclareceu que "devido à natureza da ocorrência, a aeronave precisou ser rebocada da pista. Os 90 clientes a bordo desembarcaram logo após o taxi da aeronave". A companhia garantiu que providenciou alimentação, hospedagem e transporte aos passageiros. A Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) vai investigar o caso.

fonte/Terra
Enhanced by Zemanta

VOANDO COM IPAD



















 A Fokker Services, em colaboração a Navtech , apresentou hoje a solução para aviação comercial do primeirosoftware para  Electronic Flight Bag (EFB) compatível com a plaforma de Tecnologia Apple iPad. A nova e revolucionária solução inclui  biblioteca de cartas da Navtech , líder do mercado, estabelecendo um novo padrão em termos de portabilidade e comodidade para os pilotos e operadoras. A companhia sueca de carga Amapola recebeu a aprovação da CAA sueca de classe 2B EFB e começou a voar com a solução em sua frota de Fokker 50.

"Este produto é um excelente exemplo da Fokker Services para criar soluções inovadoras, e modificações acessíveis para o mercado de retrofit", disse Tom Milder, diretor de Serviços da Fokker . "É uma combinação perfeita para os operadores que querem tirar proveito dos recursos EFB ao conseguir economias de custo em relação à formação, equipamentos, instalação e no  ambiente de mantenção."

A nova solução IPAD tem-sido extensivamente testado pelos pilotos, gerando feedback extremamente positivo. Os pilotos têm notáveis vantagens, tais como carga de trabalho reduzida,  reduziu significativamente os tempos de  preparação do vôo, e a possibilidades de integrar as mudanças de último minuto. Além disso, serão eliminados os de manuais em papel , cerca de 31.000 páginas, através da inclusão de biblioteca de gráficos Navtech, introduzido em um aplicativo (WAS IPAD),no iCharts Navtech, lançado em novembro.

"Nós vemos o IPAD como uma oportunidade única de aliviar a carga adicional de trabalho sobre os pilotos e os custos nas companhias aéreas", diz Mike Hulley, CEO da Navtech. " As ICharts Navtech chamaram a atenção de companhias aéreas de todo o mundo para sua facilidade  e formato user-friendly. É o tipo de inovação que é uma vitória para todos."

O IPAD está certificado pela  EASA EFB Solution. E não requer nenhuma infra-estrutura de TI caro e tem uma reserva de bateria de até oito horas. Além disso, a instalação é fácil , e em semanas toda frota estará atualizada. A solução EFB IPAD foi introduzida em aeronaves Fokker 50, e que também está disponível para a Bombardier, Airbus e Boeing.

Para saber mais sobre o Fokker Serviços IPAD visite www.fokkerservices.com



Enhanced by Zemanta

PILOTO DE MONOMOTOR FAZ POUSO DE EMERGÊNCIA NO LITORAL SUL DE SÃO PAULO


Ele aterrissou na Rodovia Casimiro Teixeira, em Iguape.
 


Piloto teve de fazer pouso de emergência 

O piloto de um monomotor fez um pouso forçado em Iguape, no litoral sul de São Paulo, na manhã desta segunda-feira (31). A aeronave, usada para pulverização de lavouras, teve uma pane no motor e precisou descer na Rodovia Casemiro Teixeira, que dá acesso à BR-116. O piloto teve ferimentos leves.

No momento do pouso, o monomotor bateu em uma placa de sinalização e, desgovernado, só parou na margem da estrada. O piloto conseguiu sair do avião e foi pedir ajuda. As causas do incidente, que ocorreu por volta das 8h, ainda são desconhecidas. A aeronave tinha duas mil horas.

fonte/foto/Tribuna
Enhanced by Zemanta

QUEDA DE MONOMOTOR MATA 3 NOS EUA


Foto divulgada pela polícia mostra os destroços de avião monomotor Cessna 182 que caiu em canyon próximo a Adrian, no estado americano de Oregon, np domingo (30). 

Três pessoas, naturais do estado de Idaho, morreram no acidente.

fonte/foto/AP

HELICÓPTERO DO COFUNDADOR DA MICROSOFT FAZ POUSO DE EMERGÊNCIA


Um helicóptero do iate Octopus, que pertence ao cofundador da Microsoft, Paul Allen, fez um pouso de emergência nesta segunda-feira perto da costa da cidade de Ushuaia, extremo sul da Argentina, sem registro de feridos, informou Héctor Vera, chefe da polícia naval da cidade, localizada a 3.100 km ao sul de Buenos Aires. 

Vera relatou que uma embarcação do Octopus resgatou os dois tripulantes do helicóptero, que ficou à deriva e inutilizável, tendo que ser rebocado até o iate de Allen. 

Os dois tripulantes do helicóptero que ficaram ilesos não foram identificados. 

A embarcação chegou ao porto de Usuhaia procedente do Chile e tem previsto viajar até a Antártida, segundo Vera. 

fonte/foto/FP/UOL
Enhanced by Zemanta

domingo, 30 de janeiro de 2011

HELICÓPTEROS SÃO MUITO LENTOS PARA SUA ROTINA ??? COMPRE UM SEA HARRIER USADO





O avião pioneiro da decolagem vertical foi recentemente retirado de serviço na Inglaterra, e algumas unidades já estão à venda para entusiastas milionários que sonham em ir de casa para o trabalho em um caça. Só não dá para pousar em cima de um prédio, sob o risco de desintegrar o heliporto com a força de seus jatos.

O Harrier foi o primeiro avião militar capaz de decolar e pousar verticalmente. O Sea Harrier foi a chamada versão embarcada, feita para operar em porta-aviões. Entrou em serviço no final dos anos 70, e  simplesmente varreu os caças argentinos dos céus na Guerra das Malvinas / Falklands, em 1982. Não é supersônico, mas possui manobralidade e agilidade espetaculares, graças à vetorização dos escapes da turbina Rolls-Royce Pegasus.



Este exemplar à venda no eBay é um Sea Harrier FA2, uma modernização do final dos anos 80, equipado com radar Blue Vixen mais avançado, telas multifunção no cockpit e capacidade para disparar mísseis AIM-120 AMRAAM além do campo visual. Obviamente, todos os sistemas de armas e de navegação tática militar foram retirados (você não achou que ia poder levar para casa algo capaz de derrubar um Boeing à mais de 50 km de distância, achou?). Isso faz com que o preço não seja lá muito absurdo: 1 milhão de dólares, valor de alguns superesportivos terrestres.



O anúncio no eBay  diz que essa célula, de prefixo ZH806, possui apenas 1.291 horas de vôo (os Harrier foram feitos para suportar 6.000 horas ao longo da vida útil), e especifica uma série de procedimentos e condições para quem estiver interessado. No Brasil, o modelo precisaria ser homologado pela ANARC para poder voar livremente por aí, mas pense nas vantagens: não é preciso uma pista de pouso particular, nem alugar um hangar em algum aeroporto muvucado.



E se você estiver realmente esbanjando dinheiro, aproveite a oferta e compre junto um dos porta-aviões britânicos que operaram o Sea Harrier. O HMS Invincible também está à venda na internet – um empresário chinês já ofereceu 5 milhões de libras por ele, mas ainda não levou.




fonte/Jalopnick/foto/eBay/ divulgação e Royal Navy.

sexta-feira, 28 de janeiro de 2011

QUEDA DE BIMOTOR MATA TRÊS PESSOAS NA ZONA SUL DE LONDRINA, PARANÁ

Três pessoas morreram em um acidente de avião no começo da noite desta sexta-feira (28) na zona sul de Londrina.

Segundo dados preliminares da Infraero, o bimotor, um Beechcraft BE 58, prefixo PR-BOR, decolou do aeroporto Governador José Richa às 18h42, com três ocupantes. Três minutos depois, a torre de controle do aeroporto perdeu contato com a aeronave, que caiu logo em seguida. 

A queda, segundo informações do Corpo de Bombeiros, teria ocorrido por volta das 18h45 no Patrimônio Regina, na zona rural da cidade. O piloto e os dois passageiros morreram.

Esta é a segunda queda de avião em Londrina em pouco mais de um mês. No dia 13 de dezembro de 2010, um bimotor caiu no distrito da Warta, na região norte de Londrina. Das sete pessoas que estavam a bordo, apenas o piloto teve ferimentos graves.

fonte/JornalDeLondrina
Enhanced by Zemanta

QANTAS VOO QF32 - ENTREVISTA COM O COMANDANTE DAVID EVANS - LEITURA OBRIGATÓRIA



ENGLISH PORTUGUÊS
Human Translation

Problems with the Airbus A380

Problemas com o Airbus A380

QF32 an Airbus A380 outbound from Singapore, ran into serious problems when a turbine on its Rolls-Royce TRENT 900 engine suffered an uncontained failure. We caught up with one of the five pilots onboard, who describes how the crew professionally dealt with the incident, the sequence of events, and how the most dangerous period was after they had landed.

Tradução por: George Rocha

[O vôo] QF32 um Airbus A380 na área de saída de Singapura, encontrou problemas sérios quando uma turbina no seu motor Rolls-Royce TRENT 900 sofreu uma falha incontida. Nós alcançamos um dos cinco pilotos a bordo, que descreve como a tripulação profissionalmente lidou com o incidente*, a sequência de eventos, e como foi o período mais perigoso após eles terem pousado.

*O jornalista aqui cometeu um engano por absoluta falta de conhecimento. Sempre que um piloto deslocar uma aeronave no solo (táxi) com a intenção de efetuar vôo, qualquer falha após o início do táxi é regulamentar e juridicamente tida como acidente, mesmo se a aeronave não chegar a decolar.


Captain David Evans, Qantas Airways at Royal Aeronautical Society 6 December 2010.

Comandante David Evans, da Qantas Airways na Sociedade Real de Aeronátuica, 06 Dezembro 2010

Captain David Evans is a Senior Check Captain at Qantas with some 32 years of experience and 17,000hrs of flight time. At the time of the incident he was in one of the observers’ seat, and thus had a ring-side view of the drama as it unfolded. The other flight deck crew were Richard de Crespigny (Pilot in Command, 15,000hrs), Harry Wubben (Route Check Captain, 20,000hrs) Matt Hicks (First Officer, 11,000hrs and Mark Johnson (Second Officer 8,000hrs). With the Cabin Service Manager (Michael Von Reth) this team boasted some 140 years of experience and over 71,000 flight hrs – a significant factor in the successful outcome of the incident.

We put a few questions to Captain Evans on his amazing story. (all incident pics courtesy D Evans).

O comandante David Evans é um Comandante Sênior Examinador [checador] na Qantas com mais ou menos 32 anos de experiência e 17.000 horas de vôo. Na hora do incidente ele estava no assento de observador, e assim teve uma visão ao redor do drama como ele se desdobrou. Os outros tripulantes de vôo eram Richard de Crespigny (Piloto-em-Comando, com 15.000 horas de vôo); Harry Wubben (Cmandante Cxaminador em Rota, com 20.000 horas de vôo); Matt Hicks (Primeiro Oficial [=co-piloto], com 11.000 horas de vôo e Mark Johnson (Segundo Oficial com 8.000 horas de vôo). Com o Chefe de Serviço de Cabine [Chefe Comissário de Voo] (Michael Von Reth) esta equipe possuía cerca de 140 anos de experiência e mais de 71.000 horas de vôo – um fator significante no resultado bem sucedido do incidente.

Nós formulamos umas poucas questões ao Comandante Evans sobre a estória estupenda. (todas fotos do incidente [são] cortesia do comandante David Evans).

Aeronautical Society Channel: Can you tell me about your background? How long have you been at Qantas?
David Evans: I joined Qantas in 1984 – nearly 27 years I’ve been flying. I’ve flown the Boeing 767, 747 Classic and 747-400, Airbus A330 and now the Airbus A380 for the past two years.

ASChan: Você pode me contar sobre sua formação profissional? Quando tempo você está na Qantas?
DE: Eu entrei na Qantas em 1984 – aproximadamente 27 anos eu tenho estado voando. Eu tenho voado o Boeing 767, 747 Classic e 747-400, Airbus A330 e agora o Airbus A380 pelos últimos dois anos.

ASChan: What does the conversion training to A380 consist of?
DE: In my position I was a check pilot on the 747-400 and part of the requirements were to have some Airbus experience for Australian CASA (Civil Aviation and Safety Authority). As the A380 was a new type, and we were a launch customer, they required us to have some Airbus experience. My training involved an Airbus A330 endorsement and fly that aircraft type (as it turned out for two years) mainly because the A380 was a little bit late from Airbus, and then the type conversion from 330 to 380 which was a lot easier than the 747 to A330 conversion.

ASChan: Do que consiste o treinamento de mudança [adaptação] para o A380?
DE: Na minha posição eu era um piloto ‘checador’ no [Boeing] 747-400 e parte das exigências da [Agência] Australiana de Aviação e Segurança era ter alguma experiência em Airbus. Como o A380 era um tipo [de aeronave] novo, e nós éramos um cliente de lançamento [da aeronave], eles nos exigiram ter alguma experiência em Airbus. Meu treinamento envolveu uma aprovação em Airbus 330 e voar esse tipo de aeronave (como se confirmou por dois anos) principalmente porque o A380 foi [lançado] um bocadinho depois na Airbus, e depois a adaptação de tipo do 330 para o 380, a qual foi uma adaptação bem mais fácil que a do 747 para o A380.

ASChan: In terms of the QF32 flight itself – which seat were you on in that flight? What was your responsibility?
DE: My job on the flight was supervising check captain. We had a captain who was undergoing training to become a check captain who was doing a route check on the operating captain. So we had a normal crew of three, first officer, second officer and a captain who was undergoing training to become a check captain, under my supervision – so I was the supervising check captain.

ASChan: Em termos do próprio vôo QF32 – em qual assento você estava naquele vôo? Qual era sua responsabilidade?
DE: Meu trabalho no vôo era de comandante supervisor de check. Nós tínhamos um comandante que estava sendo submetido a treinamento para se tornar um comandante ‘checador’, o qual  estava fazendo um ‘check’ em rota como comandante em operação. Então nós tínhamos uma tripulação normal de três [pilotos], primeiro oficial, segundo oficial e um comandante que estava passando pelo treinamento para tornar-se comandante, sob minha supervisão – então eu era o comandante supervisor de check.

ASChan: Can you give us the background to the flight, weather, time of day?
DE: Qantas 32 was the continuation of a flight from UK to Australia via Singapore. It arrived in the morning of Singapore, touching down around 7am. There was a crew change and basically a refuel stop. We took over to operate the service to Sydney, Australia. We departed Singapore about 9.30 in the morning on a clear, sunny tropical Singapore day. The events soon after departure, very soon after departure, required us to return to Singapore.

ASChan: Você pode dar-nos os dados do vôo, condições meteorológicas, hora do dia?
DE: O vôo Qantas 32 era a continuação de um vôo do Reino Unido para a Austrália via Singapura. Ele chegou na manhã em Singapura, pousou por volta de 7 horas. Havia uma troca de tripulação e basicamente uma parada de reabastecimento. Nós assumimos a operação na etapa para Sydney, Austrália. Nós decolamos de Singapura por volta de 09:30 horas da manhã num dia tropical, claro e ensolarado em Singapura. Os eventos [aconteceram] logo depois da decolagem, logo após a decolagem, e exigiu-nos retornar para Singapura.

ASChan: Can you take us through the sequence of events as they happened?
DE: We departed normally, the aeroplane was relatively light and consequently used a relatively low thrust setting for departure. Taking off to the south-west out of Singapore requires a left turn, tracking out towards the Indonesian island of Batam. As we were climbing and accelerating – basically completing our acceleration stage to clean configuration, passing through around about 7,000ft, the No2 engine, without any warning, exploded.

ASChan: Você pode levar-nos através da sequência de eventos quando eles aconteceram?
DE: Nós decolamos normalmente, o avião estava relativamente leve e consequentemente usava uma ajustagem de potência relativamente baixa para decolagem. Decolagem para a saída Sudoeste de Singapura exige uma curva à esquerda, traçando rota saindo em direção a ilha Batam, na Indonésia. Quando nós estávamos subindo e acelerando – basicamente completando nosso estágio de aceleração para configuração limpa [recolhimento de flaps], passando por volta de 7000 pés, o Motor nº 2, sem qualquer aviso, explodiu.

ASChan: What were you and the crew’s first awareness of the problem? How did you notice it from the masses of messages you must have had?

ASCham: Qual foi a primeira conscientização do problema para você e a tripulação? Como você o notou do grande número de mensagens que você deve ter tido?

One of a series of Cockpit pics during the emergency by Harry Wubben, Route Check Captain using an iPhone (via D Evans).

Uma de uma série de fotos da cockpit durante a emergência, fotos feitas por Harry Wubben, Comandante Examinador em Rota usando um iPhone (via David Evans).

DE: The first thing, of course, was the noise that alerted us to something had gone wrong. In my position in the second observers seat, so I didn’t have a good view of the instrumentation at that stage. Standing up and looking over the first officers shoulder, it was quite obvious we had a major problem with our No2 engine. Very soon after departure we had a number of ECAM (electronic centralised aircraft monitor) messages. The first one was ‘Engine 2 turbine overheat’. That requires the thrust lever to be reduced back to idle with a time condition, which is round about 30 seconds and wait for the turbine temperature to settle. During that 30-second period the message reconfigured to an ‘engine fire’ momentarily and then went back to the ‘turbine overheat’ message. The time condition re-set itself to another 30 seconds. The first officer had the presence of mind to start a stopwatch and it was obvious that that 30 second period had passed, so we (as in the operating crew) proceeded to shut the engine down as per the ECAM requirements.

DE: A primeira coisa, certamente, foi o ruído que alertou-nos para algo que tinha ido errado. Em minha posição no segundo assento de observador, assim eu não tinha uma boa visão da instrumentação naquele estágio. Ficando em pé e olhando sobre os ombros do Primeiro Oficial, era muito óbvio que nós tínhamos um problema maior com nosso Motor 2. Imediatamente após a decolagem nós tivemos um número de mensagens no ECAM (Eletronic Centralised Aircraft Monitor). A primeira foi 'Motor 2 turbina superaquecimento’. Isso exige que a alavanca de potência seja reduzida de volta para Marcha Lenta com uma restrição de tempo, o qual é por volta de 30 segundos. O Primeiro Oficial teve a presença de espírito de iniciar a cronometragem e era óbvio que esse período de 30 segundos tinham passado, assim nós (como em tripulação em operação) procedemos ao corte do motor como de acordo com as exigências no ECAM.

ASChan: When you have this many crew on the flightdeck, what is the division of responsibilities in tackling the problem? Who does what?
DE: The Airbus system is you have a pilot flying and a pilot, non-flying. The Captain was the pilot flying, Richard de Crespigny, and the initial response is ECAM actions. As the pilot flying calls those responses, he assumes responsibility for flying the aircraft and the radio. The First Officer then proceeds to action the checklists. And our role, my role as an observer on the flightdeck at that point was literally supernumerary – we were watching the actions.

ASChan: Quando você tem esta numerosa tripulação na cockpit, qual é a divisão de responsabilidades em tentar resolver o problema? Quem faz o quê?
DE: O sistema do Airbus é você ter um piloto voando [pilotando = Pilot-Flying] e um piloto monitorando [Pilot-Not-Flying]. O Comandante era o ‘Pilot-Flying’, Ricard de Crespigny, e a resposta inicial é [para] ações do ECAM. Como o ‘Pilot-Flying’ faz a chamada dessas respostas, ele assume a responsabilidade de pilotar o avião e se comunicar pelo rádio. O Primeiro Oficial então prossegue para ações da lista de verificação. E nosso papel, meu papel como um observador na cockpit nesse momento foi literalmente de tripulante extra – nós estávamos observando as ações.

ASChan: How controllable was the aircraft after the incident? Do you think if it happened further into the flight, away from a diversion field the rest of the systems may have packed up?

ASChan: Quanto controlável estava a aeronave após o incidente? Você acha que se ele acontecesse mais adiante no vôo, longe de um aeroporto de alternativa o resto dos sistemas podiam ter parado de funcionar?

The view out of the wing following the explosion. The nearest hole was the path taken by the turbine disc, which is still missing.

A visão do lado de fora da asa em seguida à explosão. O buraco mais perto foi a trajetória tomada pelo disco da turbina, o qual está ainda perdido.

DE: I don’t think so. The engine explosion, if it happened later in the flight, probably wouldn’t have made a lot of difference. We had a number of checklists to deal with and 43 ECAM messages in the first 60 seconds after the explosion and probably another ten after that. So it was nearly a two-hour process to go through those items and action each one (or not action them) depending on what the circumstances were. Our role in the backseat was to deal with some serious issues as we were doing each item. We were part of the CRM (Crew Resource Management) process, to either suggest to go ahead with the procedure or not. Certainly in the case of some of the fuel messages we elected not to open cross-feed valves and try and transfer fuel in a wing that had obvious damage.

DE: Eu acho que não. A explosão do motor, se ela acontecesse mais tarde no vôo, provavelmente não teria feito muita diferença. Nós tínhamos um número de verificações a lidar e 43 mensagens no ECAM nos primeiros 60 segundos após a explosão e provavelmente umas outras dez após isso. Desta forma era aproximadamente um processo de duas horas para chegar ao fim desses itens e cada ação (ou não ação) dependendo de quais circunstâncias eram. Nosso papel no assento traseiro foi lidar com algumas questões sérias quando nós estávamos fazendo cada item. Nós éramos parte do processo de CRM (Gerenciamento de Recursos de Tripulação), para ou sugerir ir adiante com um procedimento ou não. Certamente no caso de algumas das mensagens de combustível nós elegemos não abrir as válvulas de alimentação cruzada e tentar e transferir combustível numa asa que tinha avaria óbvia.

ASChan: What happened next? You’re dealing with the messages one by one – take us through recovery and getting back to the airport.

ASChan: O que aconteceu em seguida? Você estava lidando com mensagens uma a uma – leve-nos através da recuperação e retorno para o aeroporto.

The A380 glass cockpit – note the top centre panel showing only Engine 3 is operating normally – the Number 2 having suffered the uncontained failure, while 1 and 4 are operating in ‘degraded mode’.

A "cockpit de vidro” do A380 – note a parte de cima no painel central mostrando que somente o Motor nº 3 está funcionando normalmente – o [Motor] 2 tendo sofrido a falha incontida, enquanto os [Motores] 1 e 4 estão funcionando em ‘modo degradado’.

DE: I think the timeframe was nearly two hours which went by in the blink of an eye really. Certainly with the obvious damage to the aircraft the first thing we needed to establish was some calming PAs to the passengers, which actually was my role and I made the first PA. Then also co-ordinate our cabin crew and basically keep the passengers informed as best we could as we went through the process. We made it quite clear it was going to take some time and we would keep them informed as best we could. The process – the first things we dealt with were the engine overheat, as I mentioned, and the shutdown of the engine. In the shutdown process the ECAM has an option of ‘damaged’ or not and of course we chose ‘damaged’ which then leads you through discharging some fire bottles and shutting the engine down with the fire shut-off switch. We did that but unfortunately we got no confirmation of any fire bottles being discharged. Subsequently that was more wiring damage that didn’t give us the indication. As it turns out, we did have one discharged bottle and one that didn’t which was comforting.

DE: Eu acho que a estrutura de tempo era aproximadamente duas horas, a qual foi um piscar de olhos realmente. Certamente com os danos óbvios à aeronave, a primeira coisa que nós necessitávamos estabelecer era, alguns [avisos] de calma aos passageiros, o qual era realmente o meu papel e eu fiz o primeiro aviso pelo Passenger Advisory – PA.

The Engine 2 was shut down. Part of the damage caused Engines 1 & 4 to go into a ‘degraded’ mode. The engines were still operating and Engine 3 was the only engine that was operating normally. Basically, dealing with all those things took some time, then the next series of messages were hydraulic problems. We had indications that the green hydraulic system was losing all its fluid. The Airbus A380 carries two and, unlike most conventional aeroplanes, most flying surfaces aren’t powered by hydraulics, they have their own electric-hydraulic actuators. There is a green and yellow system and they spilt their duties between things like brakes, undercarriage retraction/extension. With the green system out we had to deploy the nose gear and body gear using the gravity extension system. With the loss of the green system we dealt with that and curiously we had the hydraulic pumps of Engine 4 indicating failed as well. Engine 3, the trusty engine, was the only engine that was producing hydraulics for the aircraft for the yellow system.

O Motor 2 foi "cortado". Parte da avaria causou aos Motores 1 e 4 entrar no ‘modo degradado’. Os motores estavam ainta funcionando e o Motor 3 era o único motor que estava funcionando normalmente. Basicamente, lidando com todas essas coisas, tomou algum tempo, então as próximas séries de mensagens foram problemas hidráulicos. Nós tínhamos indicações que o sistema hidráulico Verde estava perdendo todo seu fluido. O Airbus 380 carrega dois e, diferente da maioria dos aviões convencionais, muitas superfícies de vôo não são alimentadas pelos [sistemas] hidráulicos, elas têm seus próprios atuadores eletro-hidráulicos. Existe um sistema Verde e um Amarelo e eles dividem suas tarefas entre coisas como freios, extensão/retração dos trem de pouso. Com o sistema Verde fora, nós tínhamos que abrir [baixar] o trem de pouso do nariz e principais usando o sistema de extensão por gravidade. Com a perda do sistema Verde, nós lidamos com isso e curiosamente nós tínhamos as bombas hidráulicas do Motor 4 indicando que falharam também. O Motor 3, o motor com potência, era o único motor que estava produzindo [pressão] hidráulica para a aeronave pelo sistema Amarelo.

ASChan: When this was happening, what was going through your head in terms of ‘this seems more serious than an engine shutdown’?

DE: It was getting very confusing with the avalanche of messages we were getting. So the only course of action we have is the discipline of following the ECAM and dealing with each one as we came through with them. The engine shutdown was completed, the hydraulic systems were dealt with and then the next systems we were looking at were the loss of various flight controls. This was due to the degradation and the loss of some electrical buses, bus 1 and 2 had failed. Basically, just going through the ECAM actions, acknowledging them and working through the systems display to see what was working and was not.

ASChan: Quando isto estava acontecendo, o que estava passando pela sua cabeça em termos de ‘isto parece mais sério que um corte de motor”?
DE: Estava ficando muito confuso com a avalanche de mensagens que nós estávamos recebendo. Assim o único curso de ação que nós temos é a disciplina de seguir as [mensagens] do ECAM e lidar com cada uma quando nós deparamos com elas. O corte do motor estava completado, os sistemas hidráulicos foram tratados e depois os próximos sistemas, nós estávamos olhando neles que havia perda de vários controles de vôo. Isto era devido a degradação e a perda de algumas barras elétricas, barra 1 e 2 tinham falhado. Basicamente, justo tentado as ações do ECAM, reconhecendo-as e trabalhando através das telas de apresentação dos sistemas para ver o que estava funcionando e não estava.

"It was getting very confusing with the avalanche of messages" - Captain David Evans
The next thing we were dealing with was the fuel. We had some obvious leaks, some severe, out of the Engine 2 feedtank. We dispatched the second officer back to the cabin to have a look and there was a fairly significant fuel trail behind the aircraft – or fluid trail because at that stage we couldn’t determine whether it was hydraulic fluid or fuel. We were getting messages about imbalance, losing fuel out of one side and not the other. And those messages were some of the ECAM messages that we didn’t follow. We were very concerned the damage to the galleries, the forward and aft transfer galleries, whether they were intact, whether we should be transferring fuel. We elected not to.

“Estava ficando muito confuso com a avalanche de mensagens”, Comandante David Evans.
A próxima coisa que nós estávamos lidando era o combustível. Nós tínhamos alguns vazamentos óbvios. Alguns severos, fora do tanque de alimentação do Motor 2. Nós despachamos o Segundo Oficial de volta para a cabine para dar uma olhada e havia uma distintamente significante trilha de combustível atrás da aeronave – ou trilha de fluido porque naquele estágio nós não podíamos determinar se era fluido hidráulico ou combustível. Nós estávamos recebendo mensagens acerca de desbalanceamento, perda de combustível de um lado e não do outro. E essas mensagens foram algumas das mensagens do ECAM que nós não seguimos. Nós estávamos muito preocupados com avaria nas galerias, as galerias de transferência dianteira e traseira, se elas estivam intactas, se nós devíamos estar transferindo combustível. Nós escolhemos não transferir.

We ended up with quite a significant imbalance between the two – nearly ten tonnes of fuel. That took time to absorb and discuss whether we should or shouldn’t. Subsequent to the hydraulic system we lost some braking, the wing brakes went into what they call the emergency system – ‘accumulator only’- this gives about three or four applications before the accumulator runs out of brake energy. Also the anti-skid on the wing gear. Now with the antiskid being unserviceable on the wing gear its very important to have the aeroplane nose gear down that limits the braking on the wing gear to 1,000psi. If you have lift and not all the weight on the wing gear you run the risk of locking the brakes up and bursting tyres.

Then we come to the electrical system. Bus 1 and 2 we’d lost. We looked to start the APU but it wouldn’t take up any of the load. It just managed to burn fuel – that was all. Engine 1 drive had disconnected. Again there was a procedure to follow. We had pneumatic leaks. We had major air leaks, pneumatic leaks, in the left wing, Engine 2 bleed leak and outer wing leaks. The leak isolation system had taken over to seal up the holes for us – which was a good thing.

Nós terminamos com um bocado significante desbalanceamento entre as duas [asas] – aproximadamente dez toneladas de combustível. Nós consideramos dar partida no APU [Auxiliary Power Unit], mas ela não poderia utilizar qualquer carga [elétrica]. No mesmo momento decidimos queimar combustível – isso era tudo. A propulsão do Motor 1 tinha desconectado. Novamente havia um procedimento a seguir. Nós tínhamos vazamentos pneumáticos. Nós tínhamos vazamentos maiores de ar, na asa esquerda, o vazamento de sangria do Motor 2 e vazamentos externos da asa. O sistema de isolamento de vazamento tinha assumido vedar os buracos para nós – o que era uma boa coisa.

The crew saw the full damage to the R-R Trent 900 once on the ground.

We lost one of the landing gear computers and once we’d extended the undercarriage using the alternate system we had no indication it was down until we’d gone to the system page to make confirmation of that. Happily it indicated that the remaining system told us the wing gear had extended correctly. And then the autothrust – with two engines in degraded mode (including Engine 3) we’d lost the autothrust and all the thrust control was done manually. Various vent, air conditioning and cooling systems had also failed. With Engine 1 and 4 being in degraded mode it was discussed whether or not to really use those actively and the decision was made to leave them in a particular power setting and control the aircraft’s speed with Engine 3 only – the one engine that was in a normal mode.

Acima: A tripulação viu os danos totais ao [Motor] Rolls-Royce TRENT 900 quando já estava no solo.

Nós perdemos um dos computadores de trem de pouso e desde que nós estendemos o trem de pouso principal usando o sistema alternativo, nós não tínhamos indicação [se] ele estava em baixo até nós termos ido para a página do sistema para fazer a confirmação disso. Felizmente ela indicava que o sistema remanescente dizia-nos que o trem de pouso da asa tinha estendido corretamente. E depois o Autothrust [sistema de potência automática] – com os dois motores no ‘modo degradado’ (inclusive o Motor 3), nós tínhamos perdido o Autothrust e todo controle de potência estava [sendo] feito manualmente. Várias [portas] de ventilação, sistemas de ar condicionado e resfriamento tinham também falhado. Com os Motores 1 e 4 estando em ‘modo degradado’ era discutido se, ou não realmente usar esses [Motores] ativamente e a decisão foi feita para deixá-los em uma ajustagem de potência específica e controlar a velocidade da aeronave com o Motor 3 somente – o único motor que estava em modo normal.

And once we had established all that then we had to work out whether we could actually stop on the runway that was available to us. We didn’t have the ability to dump fuel, the fuel dumping system had failed and we were about 50 tonnes over our maximum landing weight. In the Airbus and the A380 we don’t carry performance and landing charts, we have a performance application. Putting in the ten items affecting landing performance on the initial pass, the computation failed. It gave a message saying it was unable to calculate that many failures. So we then looked at them in more detail and rejected ones that we considered minor and things that were affecting landing performance on wet runways. It was a beautiful day in Singapore thankfully and not wet so it obviously wasn’t going to affect our landing performance. After we’d eliminated about three or four items the computer happily made a calculation and it gave us a touchdown speed of about 165kt and showed us about 130m of surplus runway (it’s a 4,000m runway) so basically said we could stop on the runway. We had also lost the use of our leading-edge slats which consequently with the overweight condition made our approach speed quite fast – 35kt more than normal.

The other thing we were concerned with was because we had lost the ability to transfer fuel we were concerned whether the aircraft’s centre of gravity (CoG) was going outside limits. So we ran some weight and balance applications to determine where our CoG would be and also whether or not we could keep lateral balance. Thankfully it remained within the flight envelope.

E desde que nós tínhamos estabelecido tudo isso, então nós tivemos que calcular se nós poderíamos realmente parar na pista que estava disponível para nós. Nós não tínhamos a capacidade para fazer alijamento de combustível, o sistema de alijamento de combustível tinha falhado e nós estávamos cerca de 50 toneladas acima de nosso Peso Máximo de Pouso. No Airbus e o A380 nós não levamos tabelas de Performance e Pouso, nós temos um aplicativo de performance [software]. Propondo nos dez itens de Performance e Pouso no passo inicial, o cálculo falhou. Ele deu uma mensagem dizendo que ele estava incapacitado de calcular isso [devido a] muitas falhas. Assim, nós então olhamos um deles em maior detalhe e rejeitamos aqueles que nós consideramos menor e coisas que estivessem afetando a performance de pouso em pistas molhadas. Após nós eliminarmos cerca de três ou quatro itens, o computador felizmente fez um cálculo e ele basicamente disse que nós poderíamos parar na pista [no comprimento]. Nós tínhamos também perdido o uso de nosso SLATS de bordo de ataque, o qual consequentemente com a restrição de sobrepeso fez nossa velocidade de aproximação muito rápida – 35 Knots mais que o normal.

A outra coisa com a qual nós estávamos preocupados, era porque nós tínhamos perdido a capacidade de transferir combustível, nós estávamos preocupados se o Centro de Gravidade da aeronave (CoG) estava saindo dos limites. Então nós executamos alguns aplicativos de Peso e Balanceamento para determinar onde nosso CoG estaria e também se ou não, poderíamos manter balanceamento lateral. Agradecidamente ele permaneceu dentro do envelope de vôo.


QF32 on the ground at Singapore.
With no power to taxi, it took nearly an hour for airstairs to reach the aircraft.

Then we elected to commence the approach. With the loss of various flight controls we decided to do control checks as each flap setting was taken. Richard, who was flying at this stage, elected to take first stage of flap and run through some manoeuvres to make sure the aircraft was controllable at each stage down to configuration 3 (or flap 3). The aeroplane seemed to handle quite well, very sluggish because of the loss of flight controls. Then we elected to extend the undercarriage on the gravity system and then do another series of flight control checks, to make sure it was flyable (which it was) and advise the air traffic control we were ready to make an approach. So we commenced our approach about 20 miles out, at about 4,000ft, giving us a nice, long, stable approach. Thankfully the weather was fine, wind was quite calm and we made the approach successfully.

Acima: O vôo QF32 no solo em Singapura. Com nenhuma potência para o táxi, levou aproximadamente uma hora para escadas chegarem à aeronave.

Então nós escolhemos começar a aproximação. Com a perda de vários controles de vôo, nós decidimos fazer o controle de ‘checks’ [verificações] quando cada ajustagem de FLAP fosse tomada. Richard, que era o ‘Pilot-Flying’ nesta fase, escolheu ajustar o primeiro estágio de FLAP e executar algumas manobras para ter certeza de que a aeronave estava controlável em cada estágio [dos FLAPS] descendo para configuração 3 (ou FLAP 3). O avião pereceu manuseável muito bem, muito lerdo por causa da perda dos controles de voo. Então nós escolhemos estender os trem de pouso principais no sistema [de abaixamento] por gravidade e depois fazer outras séries de ‘checks’ de controles de vôo, para ter certeza de que estava fiável (a qual estava) e avisar ao Controle de Tráfego Aéreo que nós estávamos prontos para fazer uma aproximação. Assim nós começamos nossa aproximação cerca de 20 milhas fora [distante do aeroporto], a cerca de 4.000 pés [de altitude], dando-nos uma ótima, longa e estável aproximação. Agradecidamente a condição meteorológica estava ótima, vento muito calmo e nós fizemos a aproximação com sucesso.

ASChan: And there was no discussion to go around and try to burn more fuel off to get the weight down?
DE: Under the circumstances we were keen to get the aircraft on the ground. We’d spent nearly two hours in the air at that stage anyway and the longer we stayed in the air, the bigger the fuel imbalance was getting. We knew we could stop on the runway so there was no point in staying airborne any longer than we needed to be.

ASChan: E não houve discussão para arremeter e tentar queimar mais combustível para conseguir baixar o peso?
DE: Sob as circunstâncias nós estávamos ávidos para colocar a aeronave no solo. Nós tínhamos gastado de algum modo aproximadamente duas horas no ar naquela fase e quanto mais tempo estivemos no ar, o maior desbalanceamento de combustível foi obtido. Nós sabíamos que nós poderíamos parar na pista, assim não havia consideração relevante em ficar no ar mais tempo do que nós necessitávamos estar.

ASChan: So you landed – the next thing according to reports was one of the engines kept running?
DE: I think the biggest concern for us was when we had stopped on the runway. We’d organised the fire services to meet us at the end of the runway, which they did. We shut down in the normal way. As I mentioned earlier we had the APU running but sadly it wouldn’t take up any electrical load – so the aircraft went into ‘essential power’ or battery power, which gives you the use of only one VHF radio. That was dedicated to the fire commander, the fellow in charge on the ground. He advised us we still had an engine running. So they were very reluctant to come near the aircraft with the engine running. He also advised us we had some high-pressure fuel leaks coming out of the left-hand wing and as we had used maximum braking effort to stop the wing gear temperatures had gone over 900degs C, so raw fuel pouring on hot brakes… So our concerns were obviously fires and we ‘encouraged’ the fire service to come closer, which they did. We made all effort to try and shut down the No1 Engine but unfortunately it continued to run.

ASChan: Então vocês pousaram – a próxima coisa de acordo com os relatórios foi um dos motores manter-se funcionando?
DE: Eu acho que a maior preocupação para nós foi quando nós tínhamos parado na pista. Nós tínhamos orientado o serviço contra-incêndio a nos encontrar no fim da pista, o que eles fizeram. Nós cortamos [os motores] na maneira normal. Como eu mencionei antes, nós tínhamos a APU funcionando, mas tristemente ela não assumiria qualquer carca elétrica – então a aeronave entrou em ‘força elétrica essencial’ ou força elétrica da bateria, a qual dá a você o uso de somente um rádio VHF. Esse [rádio] estava dedicado ao comando dos bombeiros, o companheiro encarregado no solo. Ele avisou-nos que nós ainda tínhamos um motor funcionando. Então eles estavam muito relutantes em vir perto da aeronave com o motor funcionando. Ele também avisou-nos que nós ainda tínhamos alguns vazamentos de combustível em alta pressão saindo da asa esquerda e como nós tínhamos usado o máximo de esforço de freios para parar, as temperaturas dos trens de pouso das asas tinham ido acima de 900 graus Celsius, então combustível em estado natural escorrendo sobre freios quentes... Então nossas preocupações eram obviamente incêndios e nós “encorajamos’ o serviço contra-incêndio a vir mais perto, o que eles fizeram. Nós fizemos todo esforço para tentar e cortar o Motor 1, mas infelizmente ele continuou funcionando.

From then on, it became an exercise in preserving the passengers as best we could. We had the aircraft with no air conditioning and it’s about midday now in Singapore – so it’s getting very hot in the cabin. We’ve lost our satellite phone so the trusty mobile phones came out and called the company in Sydney to relay back to the company in Singapore, to dispatch some stairs and buses to the aircraft. We were 4,000m down the end of the runway and steps don’t go very fast so it was nearly an hour before we got the first set of stairs to the aircraft and another hour by the time the last passenger departed the aircraft. So it was nearly two hours on the ground with major fuel leaks and engines running.

Dessa altura em diante, isso tornou uma manobra em preserva os passageiros o mais que pudéssemos. Nós tínhamos a aeronave com nenhum ar condicionado e era cerca de meio-dia agora em Singapura – então estava ficando muito quente na cabine [de passageiro]. Nós perdemos nosso telefone por satélite então os fiéis telefones celulares surgiram e chamamos a companhia em Sydney para repassar [mensagens] para companhia em Singapura, para despacharem algumas escadas e ônibus para a aeronave. Nós estávamos 4.000 metros no final da pista e as ações não vão tão rápido, assim levou aproximadamente uma hora até o primeiro grupo de escadas chegar à aeronave e uma outra hora para o tempo dos últimos passageiros saírem da aeronave. Então foi aproximadamente duas horas no solo com vazamentos significantes de combustível e motores funcionando.

Below: View of the main gear after landing. Note the fire retardant foam. Brake temperatures reached 900deg C.

I think most probably the most serious part of the whole exercise, when you think back at it, was the time on the runway after we’d stopped. Because we were very concerned and conscious of evacuating the aircraft using slides. We had 433 passengers onboard, we had elderly, we had wheelchair passengers, so the moment you start evacuating, you are going to start injuring people. So a lot of discussion was had on the flight deck about where was the safest place for the passengers? We’ve got a situation where there is fuel, hot brakes and an engine that we can’t shut down. And really the safest place was onboard the aircraft until such time as things changed. So we had the cabin crew with an alert phase the whole time through ready to evacuate, open doors, inflate slides at any moment. As time went by, that danger abated and, thankfully, we were lucky enough to get everybody off very calmly and very methodically through one set of stairs.

Visão do trem de pouso principal após o pouso. Note a espuma de retardo de fogo. As temperaturas dos freios atingiram 900 ºC.

Eu acho muito provavelmente a parte mais séria da manobra total, quando você pensa de volta nela, foi a hora na pista após nós termos parado. Porque nós estávamos muito preocupados e conscientes de evacuar a aeronave usando as escadas deslizantes.

Nós tínhamos 433 passageiros a bordo, nós tínhamos idosos, nós tínhamos passageiros em cadeira de rodas, assim o momento que você inicia evacuar, você está indo começar a machucar pessoas. Então uma porção de discussão foi tida na cockpit acerca de onde era o local mais seguro para os passageiros? Nós possuíamos a situação onde há combustível, freios quentes e um motor que nós não pudemos cortar [desligar]. E realmente o local mais seguro era a bordo da aeronave até essa hora quando as coisas mudaram. Então nós tínhamos a tripulação de cabine [comissárias de vôo] com uma fase de alerta o tempo todo completamente pronta para evacuar, abrir portas, inflar escadas deslizantes a qualquer momento. Quando a hora chegou, esse perigo diminuiu e, agradecidamente, nós tivemos sorte bastante para retirar todas pessoas muito calmamente e muito metodicamente através de um grupo de escadas.

ASChan: Was that a difficult decision to take to keep everyone onboard the aircraft?
DE: Well of course, you’ve managed to get this thing back on the runway in one piece but you don’t really want to hurt anybody. It’s not a difficult decision, it’s a process you have to go through to see where is the safest place for passengers. It was a unanimous decision it was onboard the aircraft – until things changed if they had changed. We had the cabin crew primed and ready to go if things deteriorated.

ASChan: Essa foi um decisão difícil para tomar em manter todos a bordo da aeronave?
DE: Bem, certamente, você tem planejado trazer esta coisa de volta à pista em um trabalho, mas você não quer realmente ferir ninguém. Não é uma decisão difícil, é um processo que você tem que tentar para ver onde está o local mais seguro para os passageiros. Foi uma decisão unânime, ficaria a bordo da eronave – até as coisas mudarem se elas tivessem mudado. Nós tínhamos a tripulação de cabine preparada e pronta para agir se as coisas deteriorassem.

ASChan: Following the incident, what lessons have you learnt from this, what lessons has Qantas learnt from this? Is there anything you think you would have done differently or the crew should have done differently?
DE: It’s one of those things that because we had five of us on the flight deck – of course there are lessons to be learned but I think on the day we did absolutely everything. In hindsight I don’t think any of us would have done anything differently. Questions were asked ‘why did we spend so long in the air’? But we had to spend that time in the air to determine the state of the aircraft and it took that long to do that. I think we made the right decision to keep everyone on the aircraft. We had the contingency to evacuate the aeroplane at any moment if things deteriorated. We had fire services in attendance. Certainly we had an engine we couldn’t shut down and that engine continued to run for another five hours before the fire services drowned it with fire retardant.

ASChan: Seguindo o incidente, que lições você aprendeu disto, quais lições a Qantas aprendeu disto? Há alguma coisa que você acha que você teria feito diferentemente ou a tripulação deveria ter feito diferentemente?
DE: Foi uma dessas coisas que, por causa de nós termos cinco de nós na cockpit – certamente há lições a serem aprendidas, mas eu acho que no dia nós fizemos absolutamente tudo. Em percepção tardia eu não acho que qualquer de nós teria feito qualquer coisa diferentemente. Questões foram perguntadas ‘por que nós gastamos tanto tempo no ar’? Mas nós tínhamos que gastar esse tempo no ar para determinar o estado da aeronave e tomou isso muito tempo para fazermos isso. Eu acho que nós fizemos a decisão certa em manter todos na aeronave. Nós tínhamos a contingência para evacuar o avião a qualquer momento se as coisas deteriorassem. Nós tínhamos o serviço contra-incêndio em assistência. Certamente nós tínhamos um motor que nós não pudemos cortá-lo e esse motor continuou a funcionar por outras cinco horas antes dos bombeiros afogá-lo com [espuma] retardante de fogo.

Lessons learnt – Qantas had a very sound system in place – because we’d spent nearly two hours in the air, the crisis centre in Sydney had been convened. All things were going very well from a company point of view. I think the initial reports coming through, even before we had landed, was the aircraft had crashed. The company was aware of that – because we’d lost our No2 electrical bus we’d lost the satellite phone, so we couldn’t communicate airborne directly with the company. They were getting telemetry from the aircraft that it was still flying.

Lições aprendidas – A Qantas tinha um completo sistema de som no local – porque nós tínhamos gastado aproximadamente duas horas no ar, o centro de crise in Sydney tinha sido convocado. Todas coisas estavam indo muito bem de um ponto de vista da companhia. Eu acho que os relatórios iniciais surgindo, mesmo antes de nós termos pousado, era que a aeronave tinha caído. A companhia estava a par disso – porque nós tínhamos perdido nossa barra elétrica nº 2, nós tínhamos perdido o telefone por satélite, então nós não podíamos comunicar do ar diretamente com a companhia. Eles estiveram conseguindo telemetria da aeronave que estava ainda voando.

ASChan: You had five crew on the flight deck. Do you think a standard crew of two would have been able to cope?

ASChan: Você tinha cinco tripulantes na cockpit. Você acha que uma tripulação padrão de dois [pilotos] teria sido capaz de enfrentar [os problemas] com sucesso?

First Officer Matt Hicks and Senior Check Captain David Evans underneath the wing of VH-OQA after landing.

Primeiro Oficial Matt Hicks e o Comandante Examinador Sênior David Evans debaixo da asa do [avião] VH-OQA após o pouso.

DE: That’s a very interesting question. Really we’ll never know the answer to that. In reality I would hope to believe that a normal crew complement would have dealt with it, cope with it in exactly the same way as we had. We just had the luxury of two other individuals to confirm the decisions that were being made by the operating pilots.

DE: Essa é uma questão muito interessante. Realmente nós nunca saberemos a resposta para isso. Na realidade eu esperaria acreditar que um complemento de tripulação normal teria lidado com isso, enfrentaria isso em exatamente da mesma maneira como nós tivemos. Nós também tivemos o luxo de [ter] dois outros indivíduos para confirmar as decisões que estavam sendo feitas pelos pilotos em operação.

ASChan: So a standard crew would have done the same thing, but perhaps taken a little longer?
DE: May have done, may have done. But I think the end result would have been exactly the same.

ASChan: Então uma tripulação padrão teria feito a mesma coisa, mas talvez tomado um tempo maior?
DE: Podia ter feito, podia ter feito. Mas eu acho que o resultado final teria sido exatamente o mesmo.

ASChan: Going forward are there any recommendations for Qantas to modify its training, or Airbus to modify its training to perhaps generate these kind of ECAM messages in the sim?

ASChan: Indo adiante, há alguma recomendação para Qantas modificar seu treinamento, ou a Airbus modificar seu treinamento para talvez gerar estes tipos de mensagens de ECAM no simulador?

The A380 centre console – note the alerts on the centre MFD. It took the crew two hours to work through these before landing.

O console central do A380 – note os alertas no MFD [MultiFunction Display] central. Ela tomou da tripulação duas horas para executar cuidadosamente estes [procedimentos] antes do pouso.

DE: It’s interesting you ask that question. We tried to recreate it in the sim and we can’t! I think it was just such an extraordinary day. Yes, there are always lessons to be learnt, but training has been confirmed that we are training well. I’m sure Airbus will look back at its systems and there will probably be changes because, in our case, we had, as an example, messages that would say ‘aircraft CoG out of limits’ and was asking us to move fuel from horizontal stabiliser forward to bring it within limits and the next message would say the ‘THS transfer not available’. So one message contradicting another – that sort of thing, I’m sure would go back and be looked at. But at the end of the day common sense and airmanship takes over. We didn’t blindly follow the ECAMs. We looked at each one individually, analysed it, and either rejected it or actioned it as we thought we should. From a training point of view it doesn’t matter what aeroplane you are flying airmanship has to take over. In fact, Airbus has some golden rules which we all adhered to on the day – aviate, navigate and communicate – in that order.

DE: É interessante você fazer essa pergunta. Nós tentamos recriá-lo no simulador e nós não conseguimos! Eu acho que era realmente um tal dia extraordinário. Sim, há sempre lições a serem aprendidas, mas em treinamento tem sido confirmado que nós estamos treinando bem. Eu estou certo que a Airbus voltará a olhar no seus sistemas e provavelmente haverá mudanças porque, no nosso caso, nós tínhamos, como um exemplo, mensagens que diziam ‘centro de gravidade da aeronave fora dos limites’ e era pedido a nós para mover combustível do estabilizador horizontal frontal para trazê-lo [Centro de Gravidade] para dentro dos limites e a próxima mensagem dizia ‘trasnferidor THS não disponível’. Então uma mensagem contradizia outra – esse tipo de coisa, eu estou certo que [a Airbus] voltaria [aos seus sistemas] e [eles] seriam olhados [revisados]. Mas no final do dia o senso comum e a versatilidade de aviador assumiriam. Nós não seguimos cegamente as [mensagens] do ECAM. Nós olhávamos em cada uma individualmente, a analisávamos e, ou a rejeitávamos ou a acionávamos como nós pensávamos que nós devíamos. De um ponto de vista de treinamento não importa de qual avião você é piloto e tem que assumi-lo. De fato, Airbus tem algumas regras de ouro, as quais nós todos aderimos a elas no dia – voe a aeronave, navegue e comunique-se – nessa ordem.

ASChan: Interesting you mention airmanship. As a training/check captain are you personally worried about the next generation of pilots who may be fixated with the glass cockpits?

ASChan: Interessante você mencionar versatilidade de aviadores. Como um comandante instrutror/checador você está pessoalmente preocupado acerca da próxima geração de pilotos que pode estar com olhos focados nas ‘glass cockpits’?

Senior Check Captain David Evans and Route Check Captain Harry Wubben.

Comandante Examinador Sênior David Evans e Comandante Examinador em Rota Harry Wubben.

DE: Absolutely. Nothing will replace experience. In a legacy airline like Qantas where we have the luxury, if you like, of very experienced pilots (the most junior pilot to the most senior all have extensive backgrounds in aviation – whether it be military or general aviation). That can’t be replaced.

DE: Absolutamente. Nada substituirá experiência. Numa empresa de linha aérea com legado como a Qantas onde nós temos o luxo, se você gosta, de pilotos muito experientes (do piloto mais iniciante ao piloto mais antigo, todos têm extensivas formações em aviação – quer seja militar ou da aviação geral). Isso não pode ser substituído.

ASChan: What’s your opinion of the A380’s survivability compared to other types you have flown?
DE: Well I think the Airbus A380 – it’s a testament to the aircraft that we managed to get the aeroplane successfully on to the ground. The fly-by-wire system, albeit with the damage we were in an alternate law, it still was very flyable. Now comparing that to other types I have flown I am sure that Boeing types would have been equally flyable, but they would have been a lot more difficult, I’m sure.

ASChan: Qual é sua opinião da sobrevivência do A380 comparada a outros tipos [de avião] que você tem voado?
DE: Bem, eu acho que o Airbus 380 – é um atestado para a aeronave que nós gereciamos trazer o avião com sucesso ao solo. O sistema ‘fly-by-wire’, não obstante com as avarias, nós ficamos numa ‘diretriz alternativa’, ele ainda estava muito fiável. Agora comparando isso a outros tipos que eu tenho voado, eu estou certo que os tipos de Boeing teriam sido igualmente fiáveis, mas eles teriam sido uma porção mais difíceis, eu estou seguro.

ASChan: Finally how does this incident rate in terms of other emergencies you have faced in your career?
DE: It’s pretty well up there! I’ve had other incidents in the past. My background is not military it’s general aviation- I’ve had engine failures in light twins – and aircraft that don’t perform very well. But this is probably the most spectacular by far!

ASchan: Finalmente como este incidente classifica em termos de outras emergências que você tem encarado em sua profissão?
DE: Está bem classificado nesse ponto! Eu tive outros incidentes no passado. Meu conhecimento não é militar, é de aviação geral – eu tive falhas de motor em aviões bimotores leves – e aeronaves que não desempenham muito bem. Mas este [incidente] é provavelmente o mais espetacular, de longe.

ASChan: Thank you very much for your time.

ASChan: Muitissímo obrigado a você pelo seu tempo.

Conclusion

Conclusão

A relived QF32 crew the following morning in Singapore. (From L to R First Officer Matt Hicks, Check Captain Harry Wubben, PIC Captain Richard de Crespigny, Senior Check Captain David Evans, Second Officer Mark Johnson.)

As Captain Evans notes this crew had the ‘luxury’ of five experienced pilots to draw on when the incident occurred. But there are other salient points – the ‘avalanche’ of messages from the A380’s systems (some contradicting each other) meant that the crew drew on their full resources to decide which were important and which could be disregarded. Another key point was in ‘tricking’ the performance calculator to come up with an acceptable landing speed – again a demonstration of superb airmanship so vital in these incidents.

Another facet is the robust construction of the A380 – despite multiple failures in engines, hydraulics and electrics the aircraft degraded gracefully and was still flyable.

Finally Captain Evans draws attention to the training and professionalism of the 24 cabin crew, who kept anxious and increasingly hot passengers calm and under control, not only in the air but also on the ground while they waited for the stairs to arrive.

This incident then, while extremely unusual, goes to show the value of training, experience and the most professional type of CRM (Crew Resource Management) practised by Qantas.

A tripulação do vôo QF32 substituida  na manhã seguinte em Singapura. (da esquerda para direita: Primeiro Oficial Matt Hicks, Comandante Harry Wubben, Piloto-em-Comando Richard de Crespigny, Comandante Examinador Sênior David Evans, Segundo Oficial Mark Johnson).

Como o Comandante Evans menciona, esta tripulação teve o ‘luxo’ de [ter] cinco pilotos experientes para recorrer quando o incidente ocorreu. Mas há outros pontos notáveis – a ‘avalanche’ de mensagens dos sistemas do A380 (algumas contradizendo cada outra) significou que a tripulação recorreu aos seus recursos totais para decidir o que era importante e qual poderia ser descartado. Um outro ponto chave foi na “complicação” do calculador da performance propor uma velocidade de pouso aceitável – novamente a demonstração de esplêndidos aviadores tão vital nestes incidentes.

Uma outra faceta é a construção robusta do A380 – apesar de múltiplas falhas em motores, [sistemas] hidráulicos e elétricos da aeronave degradada graciosamente e ficou ainda fiável.

Finalmente o comandante Evans recorreu atenção para o treinamento e profissionalismo das 24 tripulantes de cabine [comissárias de vôo], que mantiveram calmos e sob controle, passageiros ansiosos e altamente com calor, não somente no ar, mas também no solo enquanto eles esperavam pelas escadas chegarem.

Este incidente então, enquanto extremamente inusual, vai mostrar o valor de treinamento, experiência e o tipo mais profissional de CRM (Crew Resource Management) praticado pela Qantas.

from the Royal Aeronautical Society
da Sociedade Real de Aeronáutica 

fonte/http://aviationtroubleshooting.blogspot.com/
Enhanced by Zemanta

MÍSTERIO REVELADO - ANTOINE SAINT-EXUPÉRY...

Foi um segredo guardado durante 64 anos. Horst Rippert, piloto alemão da Luftwaffe, admitiu, aos 88 anos, ter abatido Antoine de St Exu...