domingo, 6 de dezembro de 2009

ÍNDIA PROÍBE VOOS DO SU-30MKI FLANKER

A força aérea da Índia determinou que toda a frota de caças Su-30MKi, um derivado do caça da era soviética Su-27 «Flanker», seja proibida de voar, até que os problemas do modelo sejam resolvidos e explicados.
A decisão de cancelar temporariamente todos os voos da frota de cerca de 100 aeronaves, vem na sequência de um acidente ocorrido no passado dia 30 de Novembro, e de outro ocorrido em 30 de Abril com outro Sukhoi Su-30MKi.

A força aérea da Índia tem sofrido um enorme numero de acidentes com as suas aeronaves e este ano já se perderam 13 aeronaves de vários modelos, em diversos tipos de acidentes.
A força aérea da Índia tem sido acusada pela imprensa de ter standards muito baixos relativamente à gestão e operacionalidade da frota.

A tentativa de nacionalizar sistemas no país, para reduzir a dependência directa dos fornecedores russos, não tem resultado, os materiais não conseguem cumprir com os padrões mínimos e a opção continua a ser a de comprar aos russos.
No entanto, mesmo os padrões russos não são sempre de confiar. O mesmo equipamento pode ser fornecido por mais que uma empresa e os controles de qualidade são praticamente inexistentes.

Ainda recentemente as autoridades russas processaram uma empresa por ter fornecido materiais defeituosos para um fornecimento para caças Mig. Como não existe controlo efectivo de qualidade, a empresa apresentou peças de boa qualidade na proposta inicial, mas entregou materiais diferentes nos modelos de produção [1].

Se o numero de incidentes tem sido apontado à idade da frota e à necessidade de manter pilotos com um elevado numero de horas de voo – necessárias para manter uma alta operacionalidade – o facto de os Sukhoi Su-30MKi serem aeronaves muito recentes, deixa os analistas perplexos, pois em principio, uma aeronave recente, não deveria apresentar problemas que pudessem levar à queda de duas aeronaves em apenas sete meses.

Excesso de confiança
Entre as razões do problema poderá estar o excesso de confiança. O caça de origem russa, desenhado há mais de trinta anos, foi aprimorado para permitir aos pilotos uma manobrabilidade excepcional, que permitisse evitar os cada vez mais sofisticados mísseis ar-ar ocidentais.
No entanto, para beneficiar dessa manobrabilidade, é necessário correr um grande numero de riscos e ter uma preparação muito intensa e cara, que a maioria das forças pura e simplesmente não pode, nem quer pagar.
Para somar a isto, o Su-27, é visto como uma aeronave muito adequada para acrobacia aérea, mas, pelas razões acima referidas, nem todos os pilotos podem com facilidade efectuar as manobras, que sendo possíveis, são complicadas e perigosas, mesmo para pilotos de teste e demonstração.
O tipo, é muito apreciado em festivais aéreos, onde é sempre uma grande atracção, mas é também tristemente famoso pelo grande numero de acidentes, pois mesmo pilotos muito bem treinados têm perdido o controle do avião.

Record desastroso
No campo dos festivais aéreos, o ano de 2009 tem sido mau para o caça russo. Ainda no passado mês de Agosto, dois Su-27 chocaram em pleno voo durante um festival aéreo na Rússia, tendo morrido no acidente o comandante da força de acrobacia aérea russa.
Alguns dias mais tarde, uma aeronave do mesmo tipo, da força aérea da Bielorrússia, também se despenhou num festival aéreo na Polónia , num acidente do qual resultou a morte dos dois pilotos.
O caso mais grave ocorreu em 2002 na Ucrânia, quando um Su-27 da força aérea daquele país se despenhou sobre a multidão que assistia a um festival aéreo matando 85 pessoas.

O Su-27 e os seus derivados têm constituído uma dor de cabeça para os países utilizadores. Os elevados custos de manutenção, levaram ainda recentemente a que em vez de proceder à substituição do Su-27 pelo mais moderno Su-30 forças aéreas do sudoeste asiático tenham considerado a sua substituição pelo muito mais barato MiG-29.
[1] – A incapacidade da industria russa em dar garantias de controle de qualidade, foi não oficialmente uma das razões que levou à desqualificação sumária do caça Su-30/Su-35 no programa F-X/2 da Força Aérea Brasileira.

fonte/DefesaBR

AVIÃO DA AMERICA AIRLINES FAZ POUSO DE MERGÊNCIA NA FLÓRIDA

Na manhã deste domingo , um voo da American Airlines que realizava o voo AA-2460, do Aeroporto Chicago O'Hare, em Illinois, para o Aeroporto Fort Myers, na Flórida, ambos nos EUA, com 95 pessoas a bordo, ao descer para 5.000 pés na abordagem para Fort Myers, declarou emergência após os passageiros relatarem terem visto um pequeno incêndio na asa direita, a aproximadamente um metro da fuselagem. O comandadante, então, solicitou uma aterrissagem de emergência imediata.

Os pilotos informaram que estavam tendo problemas mecânicos com a McDonnell Douglas MD-82 e foram autorizados a aterrissar antes de outras aeronaves, informou Vicki Moreland, porta-voz do aeroporto.

Oito minutos depois, cerca de 10:15 hs., o avião pousou em segurança na pista 06 do aeroporto. Os bombeiros se aproximaram para verificar a asa. Eles comunicaram à torre não terem visto vestígios de chamas ou fumaça.


 
fonte/ Aviation Herald

AVIÃO DA LUFTHANSA FAZ POUSO DE ERMEGÊNCIA NA HUNGRIA

Após apresentar uma rachadura no para-brisa em pleno voo, o Airbus A319-100, prefixo D-AILY, da Lufthansa, foi obrigado a realizar um pouso não programado no Aeroporto de Budapeste, na Hungria, neste domingo .

Um porta-voz da companhia aérea disse que o Airbus A319 estava realizando o voo LH-3435, de Sofia, a capital da Bulgária, até Munique, na Alemanha a partir de 13:20 (hora local).

Os para-brisas das janelas do cockpit do avião são compostas por diferentes camadas e, em uma delas, uma rachadura foi notada. O incidente não foi considerado relevante em termos de risco à segurança do voo.

No entanto, o procedimento padrão da Lufthansa, em tal caso, determina que o comandante procure a base técnica da empresa mais próxima, no caso, em Budapeste, para realizar a substituição do vidro.


fonte/ Aviation Herald

AIRBUS A320 DA SATA RETOMA VOOS DEPOIS DE QUATRO MESES PARADO


A transportadora aérea açoriana SATA anunciou hoje que o Airbus A320 'Diáspora' (foto acima) foi reintegrado este sábado na programação de voos da empresa, quatro meses depois da aterragem com forte impacto no solo, que obrigou à paragem da aeronave.

Num breve comunicado divulgado ao final da tarde de hoje, em Ponta Delgada, a SATA revela que o avião realizou, no sábado, seis ligações aéreas entre Lisboa e Funchal e Lisboa e Ponta Delgada.

O Airbus A320-214, com a matrícula CS-TKO, entrou ao serviço da SATA em Junho, mas foi obrigado a parar no início de Agosto.

O incidente ocorreu a 4 de Agosto, às 20h40, quando o avião, com 166 passageiros e sete tripulantes a bordo, aterrou no Aeroporto João Paulo II, em Ponta Delgada, no final de um voo com origem em Lisboa.

Depois de um voo sem problemas, a aeronave realizou uma aterragem com forte impacto no solo, tecnicamente designada como hard landing.

Na altura, não foi detectado nenhum problema, pelo que o avião prosseguiu a sua programação normal, tendo continuado a voar durante dois dias, até à realização de uma inspecção periódica que obrigou à sua imobilização por terem sido detectados danos no aparelho.

No comunicado hoje divulgado, a transportadora aérea açoriana não revela pormenores sobre a intervenção a que o 'Diáspora' foi submetido, mas fontes da empresa já tinham anteriormente admitido que, entre outras operações, foram substituídos os trens de aterragem do avião.

fonte/ Ag. Lusa / SOL

MOTOCICLISTA MORRE ATROPELADO POR MONOMOTOR COM DROGAS EM HONDURAS

Um motociclista morreu atropelado no sábado (5) às 18:30(hora local) por um pequeno avião que aterrissava com uma carga de cocaína em uma estrada no norte de Honduras, informaram hoje autoridades locais.

A vítima foi identificada como Israel Martínez Euceda, de 18 anos, que viajava em sua moto na estrada e foi atingido pela aeronave, que pegou fogo depois de tocar o chão, disseram à imprensa fontes policiais e do Ministério Público.

O acidente aconteceu ontem à noite perto da aldeia de Punta de Ocote, no departamento de Yoro (norte).

O pequeno avião, um Cessna 402C Utililiner, com matrícula HK-4342 (colombiana), registrado para a empresa AvioCharter, se partiu em dois pedaços e pegou fogo, mas várias pessoas que estavam a sua espera salvaram o piloto e a maior parte da droga, cuja quantidade se desconhece.

Policiais e promotores que chegaram ao local encontraram apenas 25 quilos de cocaína.

fonte/EFE/iG / Tiempo e La Prensa

MÍSTERIO REVELADO - ANTOINE SAINT-EXUPÉRY...

Foi um segredo guardado durante 64 anos. Horst Rippert, piloto alemão da Luftwaffe, admitiu, aos 88 anos, ter abatido Antoine de St Exu...