terça-feira, 20 de outubro de 2009

QUADRO COMPARATIVO DE HELICÓPTEROS

REPRODUZIMOS O BELO TRABALHO QUE O CAP. PIFFER POSTOU NO SEU SITE . PARA OS AMANTES DAS ASAS ROTATIVAS.

helicompbyA13xP1-600x2849_01

helicompbyA13xP2-600x2820_02

fonte/vootatico

DIA DO CONTROLADOR DE VOO (ATCO) - PARABÉNS


Controlador de tráfego aéreo (também conhecido internacionalmente pelo acrônimo ATCO, do inglês Air Traffic Controller) é a pessoa encarregada de separar o tráfego de aeronaves no espaço aéreo e nos aeroportos de modo seguro, ordenado e rápido.

Os controladores de tráfego aéreo trabalham emitindo autorizações aos pilotos, ou seja, dando instruções e informações necessárias dentro do espaço aéreo de sua jurisdição com o objetivo de prevenir colisões entre aeronaves e entre aeronaves e obstáculos nas imediações dos aeroportos.

O controlador de tráfego aéreo é o elo do Sistema de Controle do Espaço Aéreo Brasileiro (SISCEAB) que faz a interface mais próxima a um acidente aeronáutico. Por isso seu trabalho é muito específico.

Controladores de Tráfego Aéreo:

Antigamente havia a denominação "controlador de vôo" a partir de cursos que levavam esse nome e que também existiam em outros países, mas com o tempo e com a crescente especialização dessa atividade, a denominação internacional "controlador de tráfego aéreo" é a tendência a ser utilizada.


Formação:

No Brasil, os controladores de tráfego aéreo são formados em dois locais: os controladores civis são formados na cidade de São José dos Campos, no ICEA - Instituto de Controle do Espaço Aéreo e os militares são formados na cidade de Guaratinguetá na EEAR - Escola de Especialistas da Aeronáutica. Ambas as instituições são da área de ensino da Força Aérea Brasileira.

Área de atuação:

Diferentemente de outros profissionais, o controlador de tráfego aéreo não pode ser facilmente alocado de uma áerea de trabalho para outra. Para isso são necessários meses de treinamento e adaptação a fim de obter o nível adequado de operacionalidade na nova localidade. A atividade é tão complexa que é dividida em cinco áreas:

Centro de Controle de Área;
Controle de Aproximação;
Torre de Controle;
Busca e Salvamento e Defesa Aérea.

Mesmo após formado, o controlador que for alocado de uma aérea para outra ou de uma localidade para outra dentro da mesma área de atuação precisa passar por meses de estágio operacional a fim de tornar-se capaz de realizar o serviço.

Parabéns pelo seu dia !!!

fonte/Wikipédia/aeroblog.

HELICÓPTERO DOADO PELA JUSTIÇA A ALAGOAS CAI EM MACEIÓ

Foto: Josenildo Torres/Tudo na Hora

Foto: Cláudia Galvão/Alagoas24horas

O helicóptero modelo Schweizer 269 C-1, prefixo PR-SCO, da Secretaria de Estado da Defesa Social (SDS), caiu no bairro Tabuleiro do Martins, em Maceió, Alagoas, na tarde desta segunda-feira (19), nas proximidades do campo do Corinthians Alagoano e de um novo shopping - que está sendo concluído na entrada para o Complexo Benedito Bentes.

Os dois tripulantes, o piloto tenente-coronel Antônio Souto Júnior e o capitão PM Assunção foram forçados a realizar uma aterrissagem de emergência em virtude de um problema mecânico. Após uma bateria de exames no Hospital Unimed, foi detectado que o coronel Júnior teve duas vértebras fraturadas. Já o capitão Assunção - atendido na Santa Casa de Misericórdia - sofreu um corte na cabeça que necessitou de uma sutura de sete pontos, além de outro no queixo fechado com dois pontos.

Tenente-coronel Júnior assim que o helicóptero caiu - Foto: Elisângela Nobre

Segundo testemunhas, o helicóptero perdeu o controle quando sobrevoava uma das principais avenidas da capital alagoana, a Via Expressa. A aeronave caiu sobre o muro de uma casa em construção, na rua Inhabuz, mas não atingiu nenhuma pessoa na hora da queda.

Elisângela Nobre Moura (na foto, ao lado do marido - Foto: Dulce Melo)foi a primeira pessoa a registrar a queda da aeronave. Ela disse que estava na porta da cada da sogra quando esta sobrevoava a região e ela teria percebido alguma coisa errada.

"Eu vi que saía umas faíscas fortes na calda do avião e disse esse avião vai cair. Em poucos instantes ele começou a rodopiar e rápido e eu acompanhei. Ele foi perdendo altura e então escutei o estouro. Saí correndo para ver de perto e lá vi as vítimas. O piloto não conseguia se mexer e o outro militar estava com um corte na cabeça, mas falava ao telefone"- disse Elisângela que estava muito nervosa.

Embora não tenha explodido, a colisão deixou o helicóptero completamente destruído. Ainda não há pistas sobre as causas do acidente. Segundo a SDS, a investigação sobre os motivos do acidente será feita pelo Cenipa (Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos).

No local do acidente estiveram representantes da Infraero, policiais militares e do Corpo de Bombeiros, o diretor do setor aéreo da Seds, coronel Marton Dowell, e também o subsecretário da Defesa Social, delegado Washington Luís.

O agente Charles, da Polícia Civil, que também é piloto da aeronave disse tê-la testado na sexta-feira sem perceber nenhum tipo de alteração.

"No entanto, somente uma investigação vai dizer a verdadeira causa do acidente, isso somente a perícia pode revelar", diz o piloto. A aeronave, segundo ele, estava com apenas um ano de uso.

O sargento Luciano Vieira, que integra o setor, disse que o helicóptero passou por uma inspeção de manutenção na sexta-feira passada (16) e que logo em seguida foi submetida a um voo experimental.

Ele disse que pelo avaliado, a aeronave não teve uma queda direta. "O piloto viu que estava caindo e procurou um lugar para o pouso. Então foi amortecendo o impacto e colidiu com o muro" explica o sargento que tem o curso de técnico em aeronaves.

Ainda segundo o militar, o Schweize-01 se dirigia ao Angara no aeroporto, onde pernoita. Os locais de pousos normais da aeronave geralmente são na Academia Senador Arnon de Mello, da Polícia Militar, ou no Palácio República dos Palmares.

A aeronave era de pequeno porte e tinha capacidade para apenas dois passageiros. Utilizada para reforçar o policiamento no Estado, a aeronave era a única utilizada para patrulhamento em Alagoas.

Segundo a assessoria da SDS, todas as manutenções da aeronave foram realizadas nas datas corretas. Segundo um militar ouvido pelo UOL Notícias, o helicóptero passou por manutenção preventiva na última semana e não apresentava nenhum problema mecânico aparente. O piloto do helicóptero, coronel Júnior, tinha mais de 1.500 horas de voo e é considerado um dos mais experientes do Estado.

Histórico

O helicóptero da SDS tinha pouco mais de dois anos de uso e foi doado pela Senasp (Secretaria Nacional de Segurança Pública), do Ministério da Justiça, em março de 2008. De fabricação norte-americana, o modelo H 269 custou R$ 885 mil. Sete deles foram utilizados pela Força Nacional de Segurança durante os jogos Pan-Americanos de 2007 e depois doados a governos estaduais.

Este é o segundo acidente com helicópteros do Estado em pouco mais de três anos. No dia 23 de abril de 2006, a aeronave Bell 206B Jet Ranger III, prefixo PT-HQY, também pertencente a Secretaria de Defesa Social, pilotada à época por uma major do Corpo de Bombeiros (CB), caiu, desta vez na Lagoa Mundaú (foto ao lado). Dois pilotos, dois salva-vidas e uma criança de dez anos, que estava sendo socorrida, estavam na aeronave. Ninguém se feriu. Até hoje não foi confeccionado o laudo definitivo sobre a causa do acidente.

Veja mais fotos:

Equipe analisa local do acidente - Foto: Dulce Melo

Subsecretário da Defesa Social, delegado Washington Luís, foi acompanhar de perto a ocorrência - Foto: Dulce Melo

Diretor da Infraero, Luiz Antônio, registrou imagens da aeronave - Foto: Dulce Melo

Parte dianteira do helicóptero - Foto: Elisângela Nobre

Destroços da aeronave - Foto: Elisângela Nobre

Militar observa aeronave - Foto: Elisângela Nobre

Destroços da aeronave - Foto: Elisângela Nobre

fontes/UOL Notícias/Gazetaweb) / ANAC

AIRBUS E FORNECEDORES SÃO PROCESSADOS POR ACIDENTE DO VOO AF447

Um advogado norte-americano entrou com processo contra a fabricante de aviões Airbus e várias fornecedoras do setor aéreo na segunda-feira, em busca de compensações não especificadas em nome dos familiares de oito dos 228 passageiros que morreram quando um voo da Air France caiu na costa brasileira em junho.

O processo afirma que os reclamantes, parentes de alguns dos mortos no acidente com o voo Air France 447, "sofreram uma perda de apoio", além de outras perdas como resultado das mortes. A ação foi enviada a um tribunal do Estado norte-americano de Illinois.

O avião Airbus A330 que caiu no oceano era "defeituoso e irracionalmente perigoso", afirma o advogado.

Também são alvo da ação as fabricantes de peças aeronáuticas Honeywell International, General Electric, Rockwell Collins, Thales e a fabricante de chips Intel.

A Airbus, uma unidade da EADS, não comentou o assunto. "Tomamos conhecimento disso. Não comentamos sobre processos", disse Mary Anne Greczyn, gerente de comunicações da Airbus nos EUA, em email.

O voo 447 caiu no Oceano Atlântico após decolar do Rio de Janeiro em direção a Paris no dia 31 de maio, matando 228 pessoas. Investigadores afirmam ainda não saber o que causou o acidente do A330. A investigação pode levar mais um ano.

"Estamos apenas buscando compensação financeira justa, apoio financeiro para as perdas deles", disse Floyd Wisner, advogado especializado em acidentes aéreos, que entrou com a ação. Ele afirmou que, entre os reclamantes, estão pais, cônjuges e filhos de vítimas do acidente oriundos de Hungria, França, Argentina e de outros países.

"Não existem evidências de que qualquer produto da Honeywell a bordo do voo 447 estava com defeito ou não funcionou adequadamente", disse a Honeywell International em comunicado.

"Como nem a caixa preta nem a maior parte dos destroços foi encontrada, a ação perpetrada na corte de Illinois é somente especulação. Vamos defender agressivamente nossa reputação e nossos produtos e continuar a usar nossa tecnologia para ajudar a garantir que um evento tão trágico como esse possa ser evitado no futuro", acrescentou o comunicado.

A Intel afirmou em nota que, após uma análise inicial, não acredita que a ação tenha mérito no que diz respeito à fabricante de chips.

O porta-voz da Intel, Chuck Mulloy, afirmou na nota que a ação não traz acusações específicas contra a Intel, somente acusações gerais. "A Intel não vende componentes no mercado aeroespacial por bem mais de uma década", disse Mulloy. "Então, no que diz respeito à Intel, o caso não tem mérito."

Entre outros alvos do processo, a Rockwell Collins afirmou que não comenta processos pendentes. Representantes da Hamilton Sundstrand, unidade da United Technologies, e da GE disseram que essas empresas não analisaram o processo ou não poderiam comentá-lo.

Motorola, Thales, Du Pont, Goodrich e Raychem não retornaram imediatamente os pedidos por comentáriois. A Judd Wire não foi encontrada para falar sobre o caso.

Em agosto, a Reuters informou, da França, que a família de uma comissária de bordo que morreu no acidente buscava uma ação legal contra a Air France, segundo o advogado que representa os familiares.

fonte/Reuters/Brasil Online/ O Globo

MÍSTERIO REVELADO - ANTOINE SAINT-EXUPÉRY...

Foi um segredo guardado durante 64 anos. Horst Rippert, piloto alemão da Luftwaffe, admitiu, aos 88 anos, ter abatido Antoine de St Exu...