Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Junho 6, 2010

ANAC AUTORIZA FUNCIONAMENTO DA LAGUNA LINHAS AÉREAS

A Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC) autorizou o funcionamento jurídico da companhia Laguna Linhas Aéreas, de Lorena , São Paulo,  conforme portaria SRE nº 536, de 12 de abril de 2010.

A companhia, tem um plano ambicioso no mercado doméstico, operando com 48 aeronaves e sede na cidade de São José dos Campos.
A Laguna terá uma frota composta  de 40  aeronaves Fokker 100, para 118 passageiros e  e oito aeronaves Fokker 50, com capacidade para 50 passageiros.
A empresa vai atuar no mercado regional, com voos para as grandes cidades como Porto Alegre, Curitiba, Salvador, Vitória, e etc, partindo de cidades como São José dos Campos, Londrina, Maringá, Araxá, Bauru, Limeira, atendendo 96 cidades em 14 estados.
fonte/ANAC/VoeLaguna

SUL-AFRICANO MORRE DURANTE VOO COM 104 CÁPSULAS DE COCAÍNA NO ESTÔMAGO

RECIFE -Um sul-africano, identificado como Louis Hendrik Odendaal, 32 anos, morreu com 104 cápsulas de cocaína no estômago e intestino. Ele passou mal na madrugada deste domingo, quando estava no espaço aéreo brasileiro, fazendo um voo proveniente da Argentina e com destino à Alemanha. 
A tripulação precisou fazer um pouso não programado em Recife, para que ele recebesse assistência médica. No entanto, quando o avião pousou, ele já estava morto. Após perícia, foi constatado, pela Polícia Federal (PF), que ele havia ingerido 104 cápsulas de cocaína. Uma delas havia estourado, causando a morte por overdose.

Aeronave  Boeing 747-400, da Lufthansa, registro D-ABVE, voo LH-511.



fonte/OGlobo/AvHerald

"VOAR FAZIA PARTE DELE" , DIZ IRMÃO DO PILOTO DO ULTRALEVE ACIDENTADO

Viajar era parte constante da vida do empresário Adalberto Padilha Silveira, de 49 anos. Foi a bordo de seu avião, um Conquest, que ele conheceu boa parte do país. Sempre que possível, era o ultraleve com autonomia de sete horas de vôo que Adalberto usava para se deslocar.

- Ele usava para lazer e para trabalhar, sempre que precisava. Voar fazia parte dele - conta o irmão Adriano Padilha da Silveira, de 45 anos, que fez companhia a Adalberto em vários vôos.

Os irmãos eram sócios em uma empresa do ramo de educação à distância com sedes em diversas cidades do país. Um dos motivos para que com apenas três anos tendo licença para pilotar, Adalberto já acumulasse mais de 1,2 mil horas de voo.

Segundo Adriano, o irmão, que deixa quatro filhos, nunca teve medo das alturas. Piloto consciente, o empresário entendia de mecânica - de automóveis e de aviões - e costumava realizar pequenos reparos no seu Conquest.

Há cerca de um ano, Adalberto namorava Joana D'arc Chaves, de…