sexta-feira, 17 de julho de 2009

CASAL DE ARGENTINOS QUE VIVE NO GALEÃO QUER PEGAR CARONA AÉREA PARA RORAIMA

Sem dinheiro para pagar as passgens de volta para o Panamá, país onde viveriam há três anos, o casal de argentinos, suas três filhas pequenas e a cunhada, aceitariam, de bom grado, uma "carona aréa" para Boa Vista, em Roraima.

Segundo a mãe Liliana Sava, assim eles ficariam próximos ao seu destino, e deixariam o saguão do aeroporto do Galeão, no Rio, onde vivem há 36 dias. O grupo conta com uma rede de solidariedade que se formou entre os funcionários, policiais e passageiros. Eles se sensibilizaram com a simpatia das três crianças.

Liliana explicou por que não aceitou a ajuda do Consulado da Argentina no Rio para regressar a Buenos Aires:

“Fomos a Buenos Aires visitar meu pai, que está muito doente. Por causa da doença do meu pai, minha mãe teve de vender tudo. Eles vivem num quarto e sala. Não há espaço para seis pessoas numa casa com uma pessoa que não reconhece ninguém. Minha mãe está muito idosa e não quero que ela tenha mais preocupações”, disse Liliana Sava, mãe das crianças.

Problemas no Panamá

Eles não receberam qualquer oferta de ajuda do consulado do Panamá no Rio. Liliana não sabe dizer por que, mas arrisca uma explicação: a família não tratou do visto de permanência no país da América Central.

“Nem sei se quero mais a cidadania. Queria ter a residência”, disse Liliana.

Ela afirma que não quer ajuda de ninguém e que só pretende obter as passagens para as seis pessoas – que custa cerca de R$ 8 mil – para voltar ao Panamá. E acredita que, se conseguisse ir até Boa Vista, em Roraima, teria mais facilidade para voltar para casa.

“Iria contatar um amigo que vive na Venezuela. Ele nos pegaria e levaria para Caracas. De lá, a passagem para chegar ao Panamá é mais barata. Lá, com R$ 2 a gente consegue comer alguma coisa na rua, aqui não. Tudo aqui é muito caro”, disse Liliana, que vem sobrevivendo com a família graças à generosidade das pessoas que trabalham no aeroporto.

Entenda o caso

A família veio de Buenos Aires para o Rio de ônibus. Uma amiga deles chegou a reservar as passagens aéreas do Brasil para o Panamá, com data de dia 6 de junho. Mas o grupo só pôde chegar ao Rio no dia 11 de junho.

"Nossa amiga não tinha comprado as passagens e, agora, não tem mais dinheiro. A crise está afetando todo mundo ", lamentou Liliana.

Correio Aéreo Nacional

Liliana contou ainda que uma outra opção partiria da prefeitura do Rio, através da Secretaria municipal de Assistência Social, que está tentando uma autorização para que a família possa viajar para o Panamá num avião do Correio Aéreo Nacional.

A prefeitura levou a família para um abrigo, mas eles acharam melhor voltar ao Tom Jobim. Segundo Liliana, o ambiente não era o mais apropriado para as três filhas.

Rede de solidariedade

O caso criou uma rede de solidariedade entre os funcionários das lojas do aeroporto. Desde que percebeu que aquelas seis pessoas estavam na área de restaurantes do Terminal 1 e que não embarcavam nunca, a cabeleireira Cláudia Cristina Machado procurou ajudá-los.

Cláudia disse que até hoje perde noites de sono pensando no desconforto das meninas Elizabeth, de 6 anos, Bianca, de 5 anos, e Joana, de 2 anos, que dormem nos bancos da lanchonete.

“Apesar de estarem vivendo aqui, as crianças são muito carinhosas, simpáticas e educadas. Todo mundo se comoveu com a história deles. Passei a conversar com a mãe e descobri que ela dava banho nas meninas no berçário e lavava a roupa delas à noite, no banheiro e as colocava para secar nos carrinhos de bagagem”, contou Cláudia.

Aos poucos, os funcionários passaram a oferecer comida aos argentinos. Quando souberam que as bagagens da família estavam presas no maleiro, fizeram uma “vaquinha” para liberar o armário.

Festa de aniversário na aeroporto

Até festinha de aniversário já teve no aeroporto, na última segunda-feira (13), quando a menina Bianca completou 5 anos. A manicure Ivonete Pereira contou que os funcionários trouxeram balões de gás, brinquedos e bolo para a menina.

Sensibilizado com a situação da família argentina, o PM José Walber Francisco dos Santos, desde que soube da situação, está fazendo de tudo para ajudá-los.

“Não temos como abrigar seis pessoas de uma vez. Mas juntamos toda a família, compramos frutas e fraldas para as crianças. Agora, estou preocupada porque as meninas estão começando a ficar resfriadas. Essa situação é toda muito triste”, disse a irmã do PM Walber, a dona de casa Dínis Fath Maria dos Santos.

Fonte: Alba Valéria Mendonça (G1)

BOEING ANUNCIA CORTE DE MIL VAGAS AOS FUNCIONÁRIOS

A empresa aérea Boeing cortará cerca de mil empregos do departamento de Sistemas Integrados de Defesa devido ao corte de investimentos do Pentágono, de acordo com um memorando repassado aos empregados. Esse número de cortes será adicionado aos cortes já previstos anteriormente.

Segundo a CNN, as notícias da Boeing, compiladas com o anunciado corte de empregos na NASA e na US Airways, demonstram que a situação da economia norte-americana continua precária. A US Airways cortará 600 empregos e a NASA, 400 empregos.

"Nas últimas semanas, os clientes nos orientaram a parar de trabalhar ou reduzir o nível de esforço em alguns programas específicos, pedindo para que tomássemos medidas imediatas para reduzir os empregos", disse o chefe dos Sistemas Integrados de Defesa, Jim Albaugh, à CNN

Programas que envolvem a defesa nacional, como o Midcourse Defense, relacionado à impedir ataques de mísseis aos Estados Unidos, também receberão cortes nos investimentos. Em janeiro, a Boeing anunciou um corte de 10 mil empregos neste ano.

Fonte: Invertia via Terra

HÁ 40 ANOS ERA LANÇADO A APOLLO 11

A Apollo 11 foi a quinta missão tripulada do Programa Apollo e primeira a pousar na Lua, em 20 de julho de 1969. Tripulada pelos astronautas Neil Armstrong, Edwin 'Buzz' Aldrin e Michael Collins, a missão cumpriu o objetivo final do presidente John F. Kennedy, que, em discurso ao povo norte-americano em 1962, estabeleceu o prazo do fim da década para que o programa espacial dos Estados Unidos realizasse este feito. Neil Armstrong, comandante da missão, foi o primeiro ser humano a pisar na superfície lunar.

Composta pelo módulo de comando Columbia, do módulo lunar Eagle e do módulo de serviço, a Apollo 11, com seus três tripulantes a bordo, foi lançada de Cabo Canaveral, na Flórida, às 13:32 UTC de 16 de julho, na ponta de um foguete Saturno V, sob as vistas de centenas de milhares de espectadores que lotavam estradas, praias e campos ao redor do Centro Espacial Kennedy e de milhões de espectadores pela televisão em todo o mundo, para a histórica missão de oito dias de duração, que culminou com as duas horas de caminhada de Armstrong e Aldrin na Lua.

A Tripulação

Neil Armstrong Comandante
Edwin Aldrin Piloto do módulo lunar
Michael Collins Piloto do módulo de comando

A Missão

Neil Armstrong, Michael Collins e Edwin Aldrin

“A Águia Pousou”

Neil Armstrong, Edwin “Buzz” Aldrin e Michael Collins, os tripulantes da nave Columbia e integrantes da missão Apollo 11, tiveram um lançamento perfeito da Terra, uma jornada longa e calma para a Lua e uma rotineira ignição dos motores para colocá-los em órbita lunar. Seu destino era um local chamado Mar da Tranqüilidade, uma grande área plana, formada de lava basáltica solidificada, na linha equatorial da face brilhante do satélite.

Após a separação dos módulos da Apollo, enquanto Michael Collins ficava no Módulo de Comando Columbia numa órbita cem quilômetros acima do satélite, Armstrong e Aldrin começaram sua descida ao Mar da Tranqüilidade a bordo do Módulo Lunar Eagle. Não havia assentos no ML. Armstrong e Aldrin voavam em pé, firmes nos lugares por cordas elásticas presas no chão. Durante o mergulho, eles olharam pelas janelas e cronometraram a passagem dos marcos das paisagens abaixo deles, através de uma escala marcada na janela de Armstrong, para confirmar o rastreamento de dados que a o controle da missão no Centro Espacial de Houston estava recebendo. Com a ajuda de Houston, eles também checaram e rechecaram a saúde do Módulo.

Se, como dizia Eugene Cernan - um ex-piloto da marinha americana que virou astronauta e comandou a última das missões a pousar na Lua, a Apollo 17 - pousar o Módulo Lunar era mais fácil que pousar um jato num porta-aviões durante a noite, uma das muitas vantagens era o fato de que o Eagle estava equipado com o que era, na época, um sofisticado computador de bordo, que fez a maior parte do trabalho de rotina do vôo de descida da espaçonave. Exceto nos momentos finais da aproximação do solo, voar na trajetória correta era apenas uma questão de analisar os dados de navegação dos sistemas de radar e de inércia e então ir delicadamente ajustando o impulso e a ação dos motores do Módulo Lunar. Era uma tarefa de trabalho intensivo e bem ajustado ao controle do computador.

Várias vezes durante a descida, porém, o computador soou alarmes. A trajetória da nave parecia boa, mas a mensagem de alerta “1202” trouxe alguns segundos tensos à tripulação até que Houston avisasse, que, ao que parecia, partes da memória do computador estavam sendo sobrecarregadas com estranhos dados do radar de aproximação, mas, felizmente, não apenas o computador havia sido programado de modo que continuasse a conduzir tarefas de alta prioridade como também a pessoa que melhor conhecia o computador — o homem que o criou, o engenheiro de sistemas Steve Bales — precisou de apenas alguns segundos para diagnosticar o problema e recomendar que o pouso continuasse. Mais tarde, Bales ficaria de pé ao lado da tripulação numa cerimônia na Casa Branca e foi condecorado por sua especial contribuição para o sucesso da missão.

Os seguidos alarmes e as quedas nas comunicações entre o Eagle e Houston eram irritantes, mas em todos os outros aspectos o computador do ML e o sistema de navegação tiveram um desempenho brilhante. Oito minutos e trinta segundos após a ignição do motor de descida, o computador colocou o Módulo quase ereto e Armstrong teve sua primeira visão em close-up do lugar para onde estava sendo levado pelo computador. Ele estava cerca de 1.600 m acima e 6.000 m a leste da área de pouso. Como planejado, ele tinha combustível para mais 5 minutos de vôo. Cada astronauta tinha uma janela pequena, triangular e de vidraça dupla a sua frente.

O Módulo Lunar em órbita

Em princípio, se Armstrong não gostasse do ponto escolhido pelo computador, poderia movimentar o “joy-stick” manual de controle para frente, para trás ou para qualquer lado, além de orientar o computador para mover um pouco o alvo na direção indicada. De acordo com o plano, Aldrin dava a Armstrong o ângulo de descida de poucos em poucos segundos, porém a arte de direção computadorizada ao tempo da Apollo 11 não era tão refinada como seria nas próximas missões e a fatalidade e o computador estavam colocando o Eagle dentro de um campo de rochas, a nordeste de uma cratera do tamanho de um campo de futebol.

Não havia problemas para Armstrong em pousar num campo de rochas. Não era essencial que o ML pousasse perfeitamente ereto. Uma inclinação de mais de quinze graus não causaria nenhum problema em particular para o lançamento de volta à órbita após a missão. Entretanto, se ele batesse o sino do motor ou uma das patas do trem de aterrissagem numa rocha grande, haveria uma chance real do Módulo Lunar sofrer um dano estrutural. Ele decidiu então seguir a velha máxima de pilotos: “Em caso de dúvida, pouse longe”. Para fazer isso ele teria que sobrevoar a cratera e pousar a oeste dela. E não havia maneira – nem tempo – de dar ao computador uma atualização de informações suficiente via controle manual. Então, a uma altitude de cerca de 150 metros do solo, Neil Armstrong assumiu completamente o controle manual da nave para a descida final., apontou o ML para frente, começou a voar como um helicóptero e levou o Eagle para 400 metros a oeste, sobre crateras e rochas.

Enquanto Armstrong conduzia o Módulo Lunar à procura de um bom ponto de pouso, sua atenção estava totalmente focada no trabalho que tinha em mãos. Aldrin foi quem virtualmente falou o tempo todo e também estava bastante ocupado. Ele lia os dados do computador para Armstrong dando a ele a altitude, a taxa de descida e a velocidade frontal. Em Houston, o Diretor do Vôo Gene Kranz e outros membros da equipe de apoio na Sala de Controle da missão, estavam vigiando a telemetria do ML. Eles não sabiam ainda sobre a cratera e o campo de rochas, mas era óbvio que a alunissagem estava demorando mais tempo que o planejado. Além disso, a cada segundo que passava, havia uma crescente inquietação quanto ao combustível que restava. Por causa das incertezas em ambos os calibradores nos tanques e nas estimativas que podiam ser feitas por dados de telemetria no motor funcionando, a quantidade de tempo restante até que o combustível acabasse era em torno de 20 segundos. Se eles chegassem a um nível muito baixo, Kranz teria que ordenar que o pouso fosse abortado.

Neil Armstrong, o primeiro homem a pisar na Lua, no Módulo Eagle

Um drama era a última coisa que alguém queria para o primeiro pouso na Lua. O evento em si já era monumental e excitante o bastante. Finalmente, Neil Armstrong achou um local que gostava, começou a cortar sua velocidade frontal e deixou o Módulo Lunar descer suavemente para a superfície. Quando eles baixaram para 25 m, Houston avisou que eles tinham 60 segundos de combustível restante e na cabine 'Buzz' Aldrin viu uma luz de aviso que dizia a mesma coisa. Mas agora eles estavam muito próximos e era apenas uma questão de pousarem suavemente. Armstrong tinha cortado quase toda a velocidade frontal do Eagle e agora que eles começaram a levantar poeira com o exaustor do motor, ele pediu a Aldrin para confirmar se eles ainda estavam se movendo um pouco para frente. Ele queria pousar numa superfície que pudesse ver à frente, em vez do solo que não podia ver atrás. Aldrin deu a confirmação que ele queria e oito segundos depois eles viram a luz de contato. As sondas de dez pés de comprimento que pendiam do trem de pouso haviam tocado a Lua. Um segundo ou dois depois, eles estavam pousados e cortaram o motor. Só tinham mais 20 segundos de combustível, mas estavam pousados. Então Armstrong falou no rádio a frase imortal: “Houston, Tranquility Base here. The Eagle has landed”. (“Houston, aqui Base da Tranqüilidade. A Águia pousou”). A mais de 300 mil quilômetros dali, o mundo, que acompanhava ao vivo as comunicações de rádio entre o Controle de Vôo no Centro Espacial Johnson em Houston e a Apolo 11, entrava em comoção e aplaudia e gritava freneticamente.

O Homem na Lua

Câmera de TV externa do ML Eagle mostra Neil Armstrong pisando na Lua

Em todas as direções que se olhasse, a terra era como o solo plano de uma planície. O horizonte circular era quebrado aqui e ali por suaves bordas de distantes crateras. A meia distância, Armstrong e Aldrin podiam ver pedras arredondadas e cumes, alguns deles com talvez 7 ou 10 metros de altura. Bem próximo, uma mistura de crateras deformava a superfície e havia pequenas rochas e seixos espalhados por toda parte. Era um local plano e nivelado mas pequenas variações davam às redondezas uma delicada beleza própria. E é claro, por ser este o pouso pioneiro na Lua, tudo era de enorme interesse. Entretanto, antes que Armstrong e Aldrin pudessem prestar muita atenção na vista ou pensar em sair da nave, eles tinham de se certificar de que tinham uma nave funcional e que o computador de navegação estava carregado corretamente com as informações necessárias para levá-los de volta à órbita para o encontro com Collins. Finalmente, duas horas após o pouso, eles e os engenheiros da NASA ficaram convencidos de que o Eagle estava pronto para voltar para casa quando fosse o momento.

"Buzz" Aldrin na Lua

De acordo com o plano de voo, Armstrong e Aldrin estavam instruídos a terem um descanso de cinco horas antes de sair da nave. Entretanto, a excitação normal pelo momento histórico, fez com que eles solicitassem a Houston permissão para se preparem para a saída, uma AEV - período de atividade extra-veicular, no jargão da NASA. Normalmente a preparação para uma AEV supostamente demorava cerca de duas horas, mas como essa seria a mais curta de todas as AEV das missões Apollo, ninguém – exceto talvez a audiência mundial que esperava impaciente pela TV – estava preocupado quando os preparativos duraram três horas e meia.

Finalmente, cerca de seis horas e meia após o pouso, eles abriram a escotilha do Módulo Lunar e Armstrong rastejou em direção a saída; primeiro os pés, depois as mãos e joelhos. Instantes depois ele pisou no degrau mais alto da escada, em frente à bancada de trabalho da nave, onde estavam acondicionados os equipamentos e experimentos científicos a serem usados na missão. A mais importante peça de equipamento nele era, sem dúvida, a câmera de TV preto e branco. Para os astronautas o pouso tinha sido o grande momento da missão. Mas para o mundo que aguardava ansioso, o grande momento ainda estava por vir.

Neil Armstrong precisou dar um pulo de um metro do último degrau da escada até o protetor das patas do Módulo. Dali ele estava apenas a dois centímetros de pisar na superfície lunar propriamente dita. Ele parou no suporte por um momento, testando o chão com a ponta de suas botas, antes de finalmente pisar no solo e dizer a frase épica da Era Espacial:

"Este é um pequeno passo para um homem, mas um enorme salto para a humanidade" — Neil Armstrong

Pegada humana na Lua

O solo era finamente granulado e tinha uma aparência empoeirada. Assim que ele o pisou, sua bota afundou talvez um par de polegadas, fazendo uma pegada perfeitamente definida. Por causa do campo gravitacional relativamente fraco da Lua (1/6 da Terra), o peso total de Armstrong – metade astronauta, metade roupa e equipamento de sobrevivência – era de apenas 30 quilos. Movimentar-se não era particularmente cansativo, mas devido ao dramático deslocamento para cima e para trás do seu centro de gravidade, causado pela mochila de sobrevivência às costas, ele tinha que se inclinar à frente para manter o equilíbrio e demorou alguns minutos até que pudesse andar confortavelmente. Para o caso de precisar encerrar a AEV repentinamente, Armstrong usou uma ferramenta de cabo comprido para juntar um pedacinho de rocha e terra dentro de um saco de Teflon. Ele suspendeu o saco, dobrou e então guardou num bolso da canela do macacão o primeiro pedaço de solo extra-terrestre da história.

'Buzz' Aldrin] juntou-se a Armstrong na superfície quinze minutos depois e durante as próximas duas horas e quarenta minutos, os astronautas examinaram o Módulo Lunar, montaram e colocaram para funcionar a câmera de TV, hastearam e prestaram continência à bandeira americana – os dois eram oficiais da Força Aérea - instalaram instrumentos científicos, deram pulos como cangurus experimentando a baixa gravidade lunar, tiraram cerca de 100 fotografias, coletaram mais amostras no solo e falaram ao vivo com o Presidente dos Estados Unidos, Richard Nixon, acompanhados pelos olhos e ouvidos de bilhões de pessoas ao redor do planeta, que assistiam a tudo pela televisão.

Fatos

Edwin "Buzz" Aldrin dentro do Módulo Lunar na Lua

- Após o pouso lunar, "Buzz", presbiteriano, retirou de um estojo que carregava os elementos para a Santa Ceia e comungou. Nesse período a NASA estava ainda travando uma ação judicial trazida pelo ateísta Madalyn O'Hair que havia objetada que os astronautas da Apollo 8 lessem uma passagem do livro bíblico de Gênesis) que exegia que os astronautas refreassem suas atividades religiosas enquanto estivessem no espaço. Assim, Aldrin evitou mencionar esse assunto. Manteve seu plano em segredo, até mesmo de sua esposa e não o comentou publicamente por vários anos. Nesse período Aldrin era presbítero na Webster Presbyterian Church, uma igreja presbiteriana em Webster, no Texas. O estojo usado na comunhão foi preparado por seu pastor, o Rev. Dean Woodruff. Aldrin descreveu sua comunhão na Lua e o envolvimento de seu pastor na mesma na edição de outubro de 1970 da revista Guideposts e em seu livro “Return to Earth”. A Webster Presbyterian Church ainda possui o cálice utilizado por Aldrin na Lua e comemora a Santa Ceia lunar todos os anos no domingo mais próximo de 20 de julho.

- Durante os meses que antecederam a missão e já escalado para o vôo pioneiro e sabendo que Neil Armstrong seria o comandante do vôo histórico (e portanto, o primeiro na Lua), Aldrin, um homem voluntarioso, bem humorado e de personalidade intensa, tentou de todo jeito junto a seus amigos, que trabalhavam na direção do Programa Apollo e na organização da missão, arrumar um esquema de troca de lugares dentro do Módulo na hora da saída, com a justificativa técnica que fosse, para que fosse ele, e não Armstrong, o primeiro homem a descer do Eagle e pisar na Lua.

- Os astronautas deixaram uma placa na Lua, onde se lê: Here Men From Planet Earth First Set Foot Upon The Moon. July 1969 A.D. We Came In Peace For All Mankind. (Aqui os homens do planeta Terra pisaram pela primeira vez na Lua. Julho de 1969. Viemos em paz, em nome de toda a humanidade). A placa foi assinada pelos três astronautas que participaram da Apolo 11 e pelo Presidente dos Estados Unidos, Richard Nixon.

- Existem muito poucas fotos de Neil Armstrong na Lua porque ele ficou quase todo o tempo com a câmera fotográfica. Assim, quase todas as fotos que mostram um astronauta sobre o solo lunar durante a missão Apollo 11 são de Edwin Aldrin.

Estatísticas da missão

Módulo de comando: Columbia
Módulo lunar: Eagle
Número de tripulantes: 3
Base de lançamento: LC 39A Centro Espacial Kennedy, Cabo Canaveral
Lançamento: 16 de julho de 1969 - 13:32:00 UTC
Alunissagem: 20 de julho de 1969 - 20:17:40 UTC
0° 40' 26.69" N 23° 28' 22.69" E
Mar da Tranquilidade
Aterrissagem: 24 de julho de 1969 - 16:50:35 UTC
13°19′N 169°9′W
Órbitas 30 (órbitas lunares)
Duração:
Total: 8 d 03 h 18 m 35 s
Órbita lunar: 59 h 30 m 25.79 s
Superfície lunar: 21 h 31 m 20 s

Fonte: Wikipédia - Imagens: NASA - blogs e sites na internet

COMEMORAÇÕES MARCAM OS 40 ANOS DO LANÇAMENTO DA APOLLO 11

Aniversário de missão que levou os primeiros astronautas à Lua pode ser acompanhado pela internet.

Uma série de eventos marca, nesta quinta-feira, o 40º aniversário da missão espacial Apollo 11, lançada em 16 de julho de 1969 e que, em quatro dias, levou os primeiros astronautas à Lua.

No Cabo Canaveral, no Estado americano da Flórida, ponto de lançamento de todas as missões Apollo, ex-astronautas de diversas missões espaciais americanas se reúnem para marcar o aniversário. Entre eles estará Buzz Aldrin, piloto do módulo espacial da Apollo 11.

Também nesta quinta-feira, uma exposição no Apollo-Saturn 5 Center, um museu que fica no complexo Kennedy Space Center, também no Cabo Canaveral, será inaugurada.

A mostra traz um acervo raro de trajes espaciais e outros equipamentos usados pelos astronautas das missões Apollo para explorar a superfície lunar.

Internet

As comemorações do lançamento também poderão ser acompanhadas pela internet.

A Nasa, agência espacial dos Estados Unidos, disponibiliza em seu site vídeos, fotos e material de áudio sobre a missão Apollo 11.

O áudio da comunicação entre os astronautas e o comando da missão em terra estará disponível na internet e será transmitida nos mesmos dias e horários em que foram feitos em 1969.

Além disso, há no site da Nasa vídeos restaurados das caminhadas dos astronautas na Lua.

A Biblioteca Presidencial John F. Kennedy também lançou uma página especial de internet para comemorar os 40 anos da missão Apollo 11.

Por meio do site We Choose the Moon (http://www.wechoosethemoon.org/) será possível ter informações sobre a evolução da missão em tempo real, como em 1969.

As informações também serão disponibilizadas por meio do site de relacionamentos Twitter.

Fonte: BBC via G1

AVIÃO DA TAM É ESVAZIADO NO RECIFE APÓS SUSPEITA DE GRIPE A

Passageiros do voo 3505 da TAM que fazia o percurso São Paulo - Recife - São Paulo, foram obrigados a descer da aeronave depois que foi notificado que um deles seria suspeito de estar contaminado com a nova gripe.

A suspeita de estar com o vírus da nova gripe é a vendedora Renata Pessoa, 32 anos. Ela veio com as duas filhas pequenas de São Paulo. Dentro do avião disse à aeromoça que estava com sintomas de gripe. “Ela [a aeromoça] já passou a máscara para gente. Por enquanto estou sentindo o corpo meio mole”, disse a vendedora.

Depois de ter sido esvaziada, a aeronave foi vistoriada por técnicos da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). O avião passou por um processo de descontaminação, desinfecção e limpeza geral, que levou aproximadamente uma hora.

Depois do procedimento, os passageiros voltaram à aeronave usando máscaras. O voo, que deveria ter decolado às 17h10, só seguiu para São Paulo próximo das 18h.

De acordo com a coordenadora da Anvisa de Pernambuco, Milka Adegas, a passageira que apresentou os sintomas de infecção com o vírus A (H1N1) foi atendida no posto da Anvisa do Aeroporto Internacional dos Guararapes, de onde foi encaminhada para o Hospital Universitário Oswaldo Cruz (HUOC), centro de referência da nova gripe em Pernambuco.

Depois de ser atendida no posto da Anvisa, Renata Pessoa foi encontrada no saguão do aeroporto duas horas depois de ter desembarcado. Ela circulou pelo saguão sem saber onde estava a bagagem que ainda não havia recuperado. Depois de pedir informações aos guardas ela recuperou as malas com um funcionário da TAM, o único usando máscara.

De acordo com a assessoria de comunicação da Secretaria de Saúde do Estado, no HUOC a paciente foi atendida pelo infectologista de plantão, que analisou o quadro de saúde dela através da frequencia respiratória, pressão arterial e investigação de doença associada que pudesse agravar o caso.

Ainda de acordo com a assessoria, a paciente foi avaliada como um caso comum e foi liberada para se recuperar em casa, como diz o protocolo padrão do Ministério da Saúde, que recomenda internamento e medicação apenas para os pacientes do grupo de risco, que são as mulheres grávidas, os idosos, as crianças abaixo de dois anos e pessoas com outras doenças associadas que possam agravar o caso.

Em Pernambuco, 22 casos da nova gripe foram confirmados e quatro casos estão sendo monitorados pela Secretaria de Saúde.

Fonte: pe360graus.com

FAB REFORÇA BUSCAS A AVIÃO BEECHCRAFT BONANZA DE EXECUTIVO MINEIRO

O terceiro dia de buscas ao avião monomotor Beechcraft, modelo BE-36 A Bonanza, prefixo N354RA, em que viajavam os mineiros Maurício Lustosa de Castro, de 40 anos, diretor da Magnesita Refratários, e o empresário e piloto Alessandro Traugott Ninder Morais, de 28, voltou a ser prejudicado pelo mau tempo no Sudeste da Venezuela.

O Transmissor de Localização de Emergência (TLE), sistema acionado automaticamente quando o motor da aeronave tem uma parada brusca, continua emitindo sinais, que são captados pelo Centro de Coordenação de Salvamento (RCC) do Aeroporto Internacional de Maiquetia. Mas, segundo o oficial de salvamento venezuelando Marcos Rojos, somente pela manhã foi possível sobrevoar a área, já que à tarde a nebulosidade impediu os voos da equipe.

Nesta quinta-feira, 22 militares da Força Aérea Brasileira (FAB) vão reforçar as buscas. Um avião Bandeirantes SAR (Search And Recue) e um helicóptero H-60 Balck Hawk 8906 partem da base de Boa Vista, em Roraima, para sobrevoar uma área formada por uma cadeia de montanhas, no Parque Nacional Canaima. O avião brasileiro, além de contar com equipamentos que permitem capitar os sinais do TLE, leva uma equipe de seis observadores, um mecânico de vôo e piloto e copiloto.

O local de concentração das buscas na Venezuela, a 100 quilômetros da fronteira do Brasil, é uma região de difícil acesso, cercada por uma cadeia de montanhas, que dificulta o acesso de equipes terrestres. Um tio do piloto, que é instrutor de vôo, seguiu para o local em uma aeronave particular de pequeno porte, e também sobrevoa a área, numa busca pessoal.

Maurício Lustosa e Alessandro Morais partiram na manhã do sábado de Miami, nos Estados Unidos, com destino a Belo Horizonte, onde pretendiam chegar na madrugada do domingo. O piloto foi buscar o monomotor, ano 2004, adquirido pelo executivo.

Depois de uma escala, a aeronave seguia de Granada no Mar do Caribe, em direção a Boa Vista, onde faria mais uma parada de reabastecimento na noite do sábado. Porém, o monomotor desapareceu quando sobrevoava o Parque Nacional Canaima, sudeste da Venezuela. O último contato do piloto foi às 18h30, com o Centro de Controle Maiquetía.

Fonte: Landercy Hemerson (Estado de Minas)

FAB REFORÇA BUSCAS A AVIÃO BEECHCRAFT BONANZA DE EXECUTIVO MINEIRO

O terceiro dia de buscas ao avião monomotor Beechcraft, modelo BE-36 A Bonanza, prefixo N354RA, em que viajavam os mineiros Maurício Lustosa de Castro, de 40 anos, diretor da Magnesita Refratários, e o empresário e piloto Alessandro Traugott Ninder Morais, de 28, voltou a ser prejudicado pelo mau tempo no Sudeste da Venezuela.

O Transmissor de Localização de Emergência (TLE), sistema acionado automaticamente quando o motor da aeronave tem uma parada brusca, continua emitindo sinais, que são captados pelo Centro de Coordenação de Salvamento (RCC) do Aeroporto Internacional de Maiquetia. Mas, segundo o oficial de salvamento venezuelando Marcos Rojos, somente pela manhã foi possível sobrevoar a área, já que à tarde a nebulosidade impediu os voos da equipe.

Nesta quinta-feira, 22 militares da Força Aérea Brasileira (FAB) vão reforçar as buscas. Um avião Bandeirantes SAR (Search And Recue) e um helicóptero H-60 Balck Hawk 8906 partem da base de Boa Vista, em Roraima, para sobrevoar uma área formada por uma cadeia de montanhas, no Parque Nacional Canaima. O avião brasileiro, além de contar com equipamentos que permitem capitar os sinais do TLE, leva uma equipe de seis observadores, um mecânico de vôo e piloto e copiloto.

O local de concentração das buscas na Venezuela, a 100 quilômetros da fronteira do Brasil, é uma região de difícil acesso, cercada por uma cadeia de montanhas, que dificulta o acesso de equipes terrestres. Um tio do piloto, que é instrutor de vôo, seguiu para o local em uma aeronave particular de pequeno porte, e também sobrevoa a área, numa busca pessoal.

Maurício Lustosa e Alessandro Morais partiram na manhã do sábado de Miami, nos Estados Unidos, com destino a Belo Horizonte, onde pretendiam chegar na madrugada do domingo. O piloto foi buscar o monomotor, ano 2004, adquirido pelo executivo.

Depois de uma escala, a aeronave seguia de Granada no Mar do Caribe, em direção a Boa Vista, onde faria mais uma parada de reabastecimento na noite do sábado. Porém, o monomotor desapareceu quando sobrevoava o Parque Nacional Canaima, sudeste da Venezuela. O último contato do piloto foi às 18h30, com o Centro de Controle Maiquetía.

Fonte: Landercy Hemerson (Estado de Minas)

BUSCA DAS CAIXAS-PRETAS DO AF447 RECOMEÇA NA PRÓXIMA SEMANA


A busca das caixas-pretas do Airbus A330 da Air France que caiu no Oceano Atlântico em 1º de junho, quando voava entre Rio de Janeiro e Paris, será retomada na próxima semana, anunciou o Bureau de Investigações e Análises (BEA).

A busca por meios acústicos das balizas dos registros de voo terminaram na sexta-feira passada, quando supostamente deixaram de ser emitidas.

"Na próxima semana começa uma nova fase de buscas submarinas de mais ou menos um mês com veículos submarinos e um sonar de arrasto", afirma um comunicado do BEA, responsável pela investigação técnica do acidente.

As buscas acontecerão a partid de um navio do Instituto Francês de Pesquisas para a Exploração do Mar (IFREMER), o "Pourquoi Pas", equipado com dois veículos submarinos, o minissubmarino "Nautile" e o robô Victor.

Os registros de voo ou caixas-pretas são determinantes para explicar o acidente.

A tarefa é muito difícil, levando em consideração a profundidade - entre 3.000 e 3.500 metros - e o relevo do Oceano Atlântico na zona do acidente.

O voo AF447 caiu no mar com 228 pessoas a bordo.

fonte: AFP

HELIBRAS BUSCA EM MINAS GERAIS FABRICANTES DE PEÇAS PARA 50 HELICÓPTEROS


Imagem

As empresas mineiras não conseguirão formar um polo para atender a demanda da expansão da fabricante de helicópteros Helibras, subsidiária da francesa Eurocopter, em Itajubá (Sul de Minas), que promete entregar 50 modelos militares EC725 para a Força Aérea Brasileira (FAB) a partir de 2011. Pelo menos não em um primeiro momento. “A empresa precisa já ter o domínio do produto para ser fornecedora. Por isso, não há a menor chance de o polo ser erguido até o início da produção”, disse ontem o vice-presidente da Helibras, Luiz Eduardo Mauad, durante encontro com empresários na Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais (Fiemg).

Ele explicou que, com a consolidação das atividades da Empresa Brasileira de Aeronáutica (Embraer), foi formado em São José dos Campos (SP) o terceiro maior polo mundial do setor. “Ali estão os principais fornecedores. Mas queremos criar um novo tecido industrial no nosso entorno. Por isso, vamos fazer a ponte entre o sócio europeu e a empresa”, disse. “O polo, uma prioridade do governo de Minas, partirá da demanda. Para as empresas mineiras se adequarem rapidamente, o estado, com a federação das indústrias e organismos financeiros, oferece, inclusive, linha de crédito específica”, destacou o subsecretário de Estado de Assuntos Internacionais, Luiz Antônio Athayde.

A nacionalização de 50% dos componentes, acordada no momento da assinatura do contrato entre os governos brasileiro e europeu, em dezembro do ano passado, será atingida até o fim da entrega da primeira encomenda, em 2016, conforme Mauad. O acordo militar com a França, que envolve cerca de 2 bilhões de euros (cerca de R$ 5,74 bilhões), prevê a construção no Brasil de cinco submarinos, além dos 50 helicópteros. Em ambos os casos, a maior vantagem do negócio é a transferência de tecnologia. Para receber a nova linha, a Helibras vai investir em torno de US$ 300 milhões na expansão.

O projeto está com o “cronograma apertado”, segundo Mauad. “O presidente Lula já sancionou a lei que autoriza a compra dos helicópteros para a FAB, mas faltam documentos das partes. Depois, volta para o Ministério do Planejamento para liberação da primeira parte dos recursos. Em paralelo, o ministro da Defesa, Nelson Jobim, está na França acertando os últimos detalhes”, esclareceu. Segundo ele, o projeto arquitetônico será aprovado em agosto, a construtora será escolhida em seguida, as obras começam em janeiro de 2010 e a operação está prevista para 2011. “A entrega será na data acordada”, frisou.

Os empresários mineiros veem oportunidades. “Eles não usam sistema de imagem e visão computacional para inspeção, automação e controle de processos industriais. Isso abre espaço para a gente”, disse Geraldo Pedrosa, diretor de Novos Negócios da Nansen, de Belo Horizonte. “Já somos fornecedores da Helibras na área de eletromecânica e engenharia elétrica. Para atender a nova demanda, já planejamos aumentar nosso quadro, hoje com 16 funcionários”, afirmou Alexandre Ribeiro da Luz, diretor-comercial da Artrel, de Itajubá. “Ainda há uma neblina. Para saber se vale a pena é preciso conhecer os detalhes, porque a demanda é específica e a quantidade é pequena”, ponderou Carlos Alberto Fructuoso, diretor-administrativo da Linear Equipamentos Eletrônicos, de Santa Rita do Sapucaí (Sul de Minas).

Mais contratações

A Helibras começou a seleção de 300 profissionais para dobrar seu quadro de funcionários. Para a expansão da fábrica de Itajubá (Sul de Minas) serão contratados cerca de 200 mecânicos de montagem, chapeadores e eletricistas, com salário entre R$ 2 mil e R$ 3 mil. Admite ainda 25 mecânicos de manutenção aeronáutica, com vencimentos de pelo menos R$ 4 mil. As inscrições devem ser feitas no site www.helibras.com.br. O governo de Minas anuncia nas próximas semanas os detalhes da abertura de 240 vagas para curso profissionalizante de mecânico de avião.
fonte: Estado de Minas

F-5F DE TAIWAN DESAPARECE NO ESTREITO DE FORMOSA


Um avião de combate taiuanês F-5F, de fabricação americana, desapareceu hoje no Estreito de Formosa quando realizava um voo de treino rotineiro, informaram as Forças Aéreas da ilha.

Patrulhas de salvamento compostas por navios e helicópteros já foram enviadas em busca do avião.

O F-5F desapareceu dos radares pouco depois de decolar da base aérea de Chingchuankang, na região central da ilha, enquanto realizava um treino de bombardeio sobre o estreito, explica em comunicado da Força Aérea taiuanesa.

Sequencia de Imagens de um acidente com um F-5F de Taiwan em Chiayi County

Na hora do desaparecimento, o avião voava na metade do caminho entre Taiwan e China, segundo a rede de televisão taiuanesa "ETTV".

Até o momento, não foram encontrados restos do avião supostamente acidentado.

FONTE: EFE/G1

MÍSTERIO REVELADO - ANTOINE SAINT-EXUPÉRY...

Foi um segredo guardado durante 64 anos. Horst Rippert, piloto alemão da Luftwaffe, admitiu, aos 88 anos, ter abatido Antoine de St Exu...