terça-feira, 29 de junho de 2010

COMO FAZER A VIDA A 800KM/H


Todo mundo, em algum ponto da vida, já quis pilotar um avião. 

Brett e Kate McKay, do The Art of Manliness, conversaram com um piloto profissional, e perguntaram a ele o que é necessário para tal. Quer viver nos céus? A gente - ou melhor, Mark Maxwell - explica como.

Tornar-se um piloto é algo que, imagino, muitos de nós sonhamos quando garotos. Enquanto voávamos para visitar a vovó, a gentil aeromoça nos deixava visitar os pilotos no cockpit. Hoje em dia, as crianças não podem mais visitar o cockpit, e o glamour do ramo da aviação não é mais o que costumava ser um dia - o salário pode ser baixo e as agendas maltratam. Mas, como Mark Maxwell explica, para aqueles que nasceram para voar, o chamado dos céus não pode ser simplesmente ignorado.

Fale um pouco de você (Onde você nasceu? Quantos anos você tem? Onde você estudou? Descreva seu trabalho e há quanto tempo você está nele, etc).
Eu sou de Virginia Beach, Virginia. Embora tenha crescido lá, já morei em meia dúzia de lugares por causa da natureza da indústria. Tenho 28 anos. Depois de me formar no colégio, completei minha licença de Piloto Particular e me mudei para a Flórida, para poder frequentar a Delta Connection Academy em tempo integral. Após completar todos os exames e obter meu certificado de instrutor de voo, consegui um emprego como instrutor em uma escola de pilotagem na Carolina do Norte, aos 19 anos. Trabalhei lá por dois anos e meio, até decidir fazer voos de carga. Fiz isso por pouco mais de um ano, até que a empresa em que eu trabalhava foi vendida. Depois daquilo, fui contratado pela empresa de linhas aéreas na qual trabalho até hoje. Vai fazer cinco anos agora.

Por que você decidiu se tornar um piloto? Quando você soube que era isso que queria fazer?
Quando eu era pequeno, provavelmente com oito anos de idade, meu pai decidiu correr atrás de seu sonho de conseguir sua licença de pilotagem. Li todas as revistas de aviação que eles tinham no lobby. Nos fins de semana, ele estudava para os testes práticos e escritos. Eu não tinha escolha se não assistir aquelas fitas preparatórias chatas. Depois de conseguir sua licença, ele me levou para dar um passeio em um avião alugado, para não perder a prática. Voávamos sobre as casas e de vez em quando me deixava assumir o controle. Foi na época do colégio que eu decidi que queria ganhar a vida voando. No meu ano de formatura, tivemos que fazer um projeto sobre carreiras. Cada estudante precisava escolher uma profissão que ele ou ela quisesse seguir, pesquisar a respeito, e fazer uma apresentação. Eu escolhi piloto de aviões. Pesquisei a fundo, e durante a pesquisa decidi fazer algumas aulas de pilotagem para ver se eu gostaria. Eu fiquei doido. É uma daquelas coisas que você simplesmente sabe que nasceu para fazer.

Há alguns caminhos diferentes que se pode seguir no ramo de aviação. Alguns pilotos vem da força aérea, outros vão para a escola de pilotagem para conseguir suas licenças. Quais são as vantagens e desvantagens dos diferentes caminhos?
No passado, a melhor forma de um piloto iniciante conseguir um emprego em uma companhia de linhas aéreas era através do serviço militar. As companhias aéreas costumavam dar preferência a ex-pilotos militares ao contratar, mas as coisas mudaram. A Força Aérea conta com bem menos pilotos hoje do que há 30 anos, e esse número vem encolhendo ainda mais, devido à crescente utilização de veículos aéreos não tripulados ao invés dos tradicionais modelos tripulados. O serviço militar também fica com os aviadores por mais tempo. Da última vez que eu chequei, a Força Aérea e a Marinha requeria um contrato de dez anos após a conclusão do treinamento de voo. Hoje em dia, as companhias aéreas buscam pilotos com experiência com aeronaves similares às que eles operam. Isso não significa que um piloto militar não seja opção para ocupar a vaga, mas eles priorizam um cara com sete anos de experiência em voos civis sobre alguém que voou na Força Aérea por dez anos. Se você planeja entrar para o serviço militar para voar, tenha certeza de está fazendo isso pelos motivos certos.
Se decidir acumular horas de voo de forma comercial, há várias coisas a analisar. A primeira, e mais importante, é o custo: é muito alto. Atualmente, o preço médio de todos os seus créditos de voo é quase o mesmo de uma Mercedes-Benz. Se você resolver ir a uma escola de pilotagem de alto nível, que seja atrelada a uma universidade, espere gastar mais do que um estudante de medicina.
Você pode conseguir horas de voo suficientes em pouco mais de um ano, se voar todos os dias, mas a maioria das pessoas leva mais tempo. Se você planeja continuar no seu emprego normal, e voar depois do expediente e nos fins de semana, poderá levar alguns anos até conseguir horas suficientes para poder voar profissionalmente pela primeira vez. Seu primeiro trabalho como aviador não sera glamouroso, nem bem pago, mas vai ser seu pontapé inicial.

Pilotos jovens começam carreiras regionais e trabalham duro até entrar para alguma companhia grande. Como  alguém pode fazer isso, e quanto tempo leva?

Isso é quase totalmente verdade. Há várias maneiras de se subir na carreira de piloto profissional. A maior parte das pessoas começa como instrutor de voo. Alguns preferem não ensinar, e encontram vagas como patrulheiro de redes elétricas e de tubulação, vigilante de tráfico, ou fazem geomapeamento, etc. Há muitos empregos diferentes para aviadores, e todos podem ajudá-lo a ganhar experiência e horas de voo, que o possibilitarão encontrar uma vaga em alguma companhia regional. A velocidade com que você avança em sua carreira costuma oscilar junto com o estado atual da indústria aérea. E uma questão de timing. Quando eu estava tendo aulas de voo, as companhias estavam contratando muito. Os caras (e as garotas) eram contratados por empresas regionais com menos de 500 horas de voo (um número muito baixo), permanecendo por alguns anos, e avançando para as companhias maiores logo depois. Então aconteceu o 11 de Setembro, e isso acabou. Muitos pilotos se viram desempregados de repente, pois as companhias fizeram cortes de pessoal e reduziram seus horários, para compensar a menor quantidade de passageiros. Por volta de 2004, a indústria da aviação estava a todo vapor novamente, e novamente houve um aumento nas contratações, que durou até a atual crise econômica. E agora estamos vendo o início de outro bom momento. Temos um velho ditado: “Se você não gosta do jeito que as coisas estão, espere só um minuto, e tudo vai mudar novamente.” É totalmente verdadeiro. Você só precisa ser paciente e ir com a correnteza, para o bem ou para o mal. Geralmente, você vai trabalhar para uma companhia regional durante 5 a 8 anos, antes de ter uma chance em uma empresa maior.

Qual é a melhor parte do seu trabalho?
Voar, com certeza! Você já viu o nascer do sol a 36 mil pés de altitude? Sério, todos nós entramos para essa vida porque amamos voar. Você não faz pelo dinheiro. Não somos tão bem pagos quanto as pessoas pensam, mas a coisa boa desse emprego é que nós numca levamos trabalho para casa. Assim que saímos da aeronave no último dia, acabou.

E qual é a pior parte?
Eu diria que, de início, o pagamento, e algumas vezes a agenda. É inevitável o fato de que quando você começa como primeiro oficial de uma regional, você consegue menos de 27 mil dólares por ano. Em algumas, menos de 20 mil. Além disso, dependendo da companhia em que você trabalha, e da época do ano, sua agenda pode ser muito ruim. Uma agenda ruim siginifica trabalhar de 90 a 95 horas e ter só 12 dias de folga. Algumas companhias chegam a te dar apenas 8 dias de folga.

Como é o equilíbrio entre trabalho, família e vida?

Bem, para mim, quando estou trabalhando, fico bastante desconectado de tudo em casa. Minha namorada sabe que se algo acontecer, como um vazamento de combustível ou pane, e eu estiver a mais de 800 km de casa, então não há nada que se possa fazer. Ela acabou aprendendo a lidar bem com essas coisas. Se você tem filhos, acostume-se com a ideia de perder alguns jogos de futebol, aniversários, e feriados. As companhias aéreas funcionam 365 dias por ano. Eu não tive folga para o Natal até uns dois anos atrás.
Às vezes, depois de uma viagem cansativa, você pode precisar de todo o dia seguinte para se recuperar e descansar. Você tem que escolher. Eu costumo assistir os programas de TV que perdi, mas foram gravados, ler meus e-mails, pagar contas, limpar a casa, etc. Todas aquelas coisas que as pessoas normais fazem todos os dias depois de chegar do trabalho.

Qual é a maior concepção errada que as pessoas tem sobre o seu trabalho?

O salário, como eu disse antes. Os pilotos costumavam fazer um ótimo dinheiro e tinham agendas tranquilas. Esses dias acabaram no 11 de Setembro. Quase todo os piloto sofreu um corte violento no salários depois daquele dia, para que sua companhia não fosse à falência. Infelizmente, só agora começamos a receber de volta parte desse dinheiro
Outro engano é sobre nossas agendas. As pessoas pensam que chegamos no trabalho, voamos uma escala e acabou. Eu já cheguei a fazer sete escalas em um único dia. Nossos dias começam às 4:30 da manhã (no aeroporto) e pode acabar depois da meia-noite. Nossos horários devem chegar a um máximo de 14 horas de trabalho por dia, mas podemos ser obrigados a trabalhar 16 horas, por problemas mecânicos ou mau tempo. Esses dias são brutais.

Já li vários artigos reclamando do atual estado da profissão, dizendo que os pilotos, especialmente de companhias regionais, vem trabalhando em excesso e tem péssimos salários. Sully Sullenberger disse ao Congresso que os pilotos deixaram de dizer a seus filhos para seguir a mesma profissão que eles. Qual é a sua opinião sobre o estado atual da profissão? Você recomendaria seu emprego para as outras pessoas?
Eu tenho um tremendo respeito pelo Capitão Sullenberger e concordo com a maior parte do que ele disse. O único conselho que posso dar agora é que você precisa ter uma boa ideia de onde quer chegar antes de optar por essa profissão. Alguns gostam do que fazem, outros não. Se meu filho se virasse para mim e dissesse que quer se tornar um piloto, eu diria “não”, mas faria com que ele soubesse de toda a verdade por trás desse “não”.  Outra coisa que se deve entender é que a indústria aérea muda constantemente. Há altos e baixos. Uma coisa para se ter em mente é que os pilotos são obrigados a se aposentar aos 65 anos. Daqui a 5-7 anos, muitos pilotos vão pendurar as asas. Com a escassez de alunos frequentando hoje as escolas de pilotagem, é provável que pilotos qualificados serão procurados mais uma vez e, com sorte, vamos recuperar o que perdemos. Vamos ver.

Algum outro conselho, dica ou história que você gostaria de compartilhar?
1. Sempre confie em seus instintos
2. Sempre esteja por dentro do seu contrato
3. Jamais confie em um coordenador de pessoal
4. Nunca tente pegar um atalho na carreira para passar a frente. Esses caras sempre se dão mal no final. Pague o que deve e aproveite a viagem.
5. Sempre respeite e seja educado com seus passageiros. Sem eles você não teria um emprego.

fonte/TheArtOfManliness/Jalopnik

CARRO VOADOR É APROVADO PELO DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL DOS EUA, FAA



A Federal Aviation Administration (FAA - a entidade que controla a aviação civil nos EUA) garantiu ao avião-carro Terrafugia Transition a isenção que ele precisava para nos deixar mais perto dos carros voadores.

O Terrafugia tem sido a melhor esperança de um carro voador desde que fez sua viagem inaugural em março. O veículo é um avião de dois lugares movido a gasolina comum do posto da esquina. Quando voa, seu motor permite viajar a aproximadamente 185 km/h por cerca de 720 km.

De acordo com a Terrafugia, o avião pode ser convertido em carro em somente 30 segundos, com a mesma fonte de combustível movendo as rodas dianteiras do avião. Ele é capaz de rodar a cerca de 105 km/h, consumindo 12,7 km/l. Um problema que ainda precisa ser resolvido é a classificação por peso. A Terrafugia quis que o avião fosse classificado como "Aeronave de Voo Esportivo" para que os proprietários precisassem de somente 20 horas de voo para se habilitar na aeronave. Mas para tornar o carro transitável em vias públicas e passar pelos padrões de segurança, ele precisa do peso extra das zonas de deformação e dos equipamentos de segurança. Ou seja: ao contrário do que se poderia imaginar, o avião precisa ser mais carro, e não o contrário. 



A FAA somente concedeu uma isenção pelos 50 quilos extra, e o Terrafugia portanto está certificado para voar. Já pode ser vendido, desde que notifique os compradores sobre a diferença de peso.

Ainda há algumas etapas a serem cumpridas nessa jornada, incluindo os testes de impacto e o lançamento de um protótipo de produção nesse verão (inverno, no hemisfério Sul). Ainda assim, a empresa afirma que as primeiras unidades serão entregues no último trimestre de 2011. O preço é de 194.000 dólares, com entrada de 10.000 dólares pagos em depósito, caso a companhia declare falência.





fonte/The Telegraph/Jalopnik/foto/divulgação
Enhanced by Zemanta

AZUL PLANEJA CONTRATAR MAIS 700 FUNCIONÁRIOS ATÉ DEZEMBRO


A Azul alcançou este mês a marca de 2 mil funcionários, ou 2 mil tripulantes-Azul, como são chamados internamente todos os que trabalham na companhia aérea. A empresa, que começou a operar em dezembro de 2008, quer fechar o ano de 2010 com 2.700 funcionários.

De acordo com o diretor de Recursos Humanos e Desenvolvimento Organizacional, Johannes Castellano, as próximas contratações devem se concentrar em agentes de call center, agentes de aeroporto, especialmente para as novas bases operacionais, técnicos de manutenção, pilotos e comissários.
 
"Estamos crescendo em ritmo acelerado e já contamos com os melhores profissionais do mercado", disse Castellano. A Azul começou a voar no dia 15 de dezembro de 2008, inicialmente ligando Campinas a Porto Alegre e Campinas a Salvador, em frequências diárias, sem escalas.
 
Hoje a nova companhia aérea conecta 21 destinos: Campinas, Porto Alegre, Curitiba, Maringá, Navegantes, Florianópolis, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Campo Grande, Vitória, Salvador, Recife, Maceió, Fortaleza, Natal, Manaus, Goiânia, Porto Seguro, São Paulo, Cuiabá e, em agosto, Brasília.
 
Com as linhas de ônibus, são 25 as cidades conectadas pela Azul. A companhia é a única com uma frota de jatos 100% brasileira, os modernos E-Jets fabricados pela Embraer. Atualmente a Azul conta com uma frota composta por 10 aeronaves Embraer 190 e 6 Embraer 195.
 
fonte/Mercado&Eventos

ANAC PROMOVE CURSOS GRATUITOS DE CAPACITAÇÃO EM CINCO CIDADES BRASILEIRAS


Para o mês de julho, a Anac programou cursos gratuitos de capacitação em cinco cidades brasileiras. Do dia 5 ao dia 9, no Rio de Janeiro, será ministrado o Treinamento para Instrutores em Segurança da Aviação Civil (AVSEC), destinado aos servidores da administração aeroportuária, empregados das empresas de transportes aéreos e de serviços auxiliares indicados para serem instrutores em segurança contra atos ilícitos (security).

De 12 a 16, em Goiânia, será a vez de pequenos provedores de serviços de aviação civil participarem do curso Sistema de Gerenciamento da Segurança Operacional (SGSO). Já os tripulantes de empresas aéreas, profissionais dos centros de treinamentos e escolas de aviação civil poderão participar do Seminário para Formação de Examinadores Credenciados, que acontece nos dias 12 e 13, em Belém, nos dias 19 e 20, no Recife, e nos dias 26 e 27, em Manaus.

fonte/Mercados&Eventos

MITSUBISHI DESAFIA EMBRAER

Mitsubishi Group's logo. Or MITSUBISHI PENCIL'... 



A Mitsubishi Aircraft, a fabricante da primeira aeronave japonesa de passageiros, informou que espera que cerca de 30% das ordens venha da Europa, desafiando a francesa Bombardier e a brasileira Embraer.

"Temos um bom sentimento sobre a Europa", disse Hideo Egawa, presidente da unidade da Mitsubishi Heavy Industries, durante uma entrevista em Tóquio na sexta-feira. "Muitas empresas aéreas de lá mostraram interesse", completou o executivo.

A fabricante japonesa de aviões, que até agora já tem 125 pedidos para o seu Mitsubishi Regional Jet, planeja abrir um escritório de vendas na Europa ainda este ano e está estudando construir uma versão de 100 lugares da aeronave para conquistar clientes na região.

A produção do primeiro MRJ deve começar ainda este ano, prevê a companhia. A All Nippon Airways Co., que pediu 25 desses aviões, incluindo 10 opções futuras de vendas, deve receber a primeira unidade em 2014. O primeiro cliente estrangeiro, o Trans States Holdings, fez um pedido no ano passado de 100 aviões, incluindo 50 opções de compra.

A Mitsubishi Aircraft está fabricando o MRJ com 78 ou 92 assentos. A aeronave japonesa tem uma autonomia de voo de até 3.410 quilômetros. A empresa planeja vender 1.000 jatos regionais nos próximos 20 anos, disse Egawa. A embraer fabrica jatos da família 170/190, com aviões de 70 a 120 lugares. 
 
fonte/ValorEconomico
Enhanced by Zemanta

GRPAe INICIA RESGATE AEROMÉDICO NA BRPAe - CAMPINAS

Campinas – Com o objetivo de diminuir a mortalidade dos feridos e doentes com necessidade de remoção urgente na cidade de Campinas e em sua região metropolitana, num raio de 20 minutos de voo, cobrindo aproximadamente 50 municípios, a Polícia Militar irá estender a abrangência do seu serviço de resgate aeromédico, através de um convênio estabelecido entre a Secretaria da Segurança Pública e a Secretaria de Saúde do Estado de São Paulo.

A solenidade de lançamento do Resgate Aeromédico da Polícia Militar será realizada às 10h desta quarta-feira (30), na sede do quartel do Comando do Policiamento do Interior – 2 (CPI-2), localizado na Rua Luiz Gama, 298, bairro do Bonfim, em Campinas.

A atividade irá integrar profissionais do Corpo de Bombeiros, policiais militares da Base de Radiopatrulha Aérea de Campinas e médicos do Grupo de Atenção às Urgências (GRAU) da Secretaria de Estado da Saúde, que também destinará equipamentos e remédios para realizar o atendimento pré-hospitalar de urgência médica às vítimas de acidentes e traumas da região.

A resolução SS–SSP-42, de 22/05/89, dispõe sobre a atuação conjunta em situações de emergência, e determina que a Polícia Militar execute o serviço de atendimento pré-hospitalar em casos de emergências, reconhecendo que devido ao número de acidentes, torna-se necessário viabilizar recursos que façam frente, de forma sistêmica, às demandas da comunidade.

O helicóptero que será utilizado no resgate aeromédico faz parte da frota da Polícia Militar; os pilotos são policiais militares que trabalham na Base de Radiopatrulha Aérea de Campinas, os pronto socorristas são policiais militares do 7º Grupamento de Bombeiros, que serão apoiados por médicos e enfermeiros do GRAU.

fonte/SSP SP/PilotoPolicial
Enhanced by Zemanta

MAIS DETALHES DO INCIDENTE COM AVIÃO DA TRIP EM IPATINGA, MINAS GERAIS





DA REDAÇÃO – Um avião modelo ATR 12 ficou descontrolado ao pousar às 10h30 desta segunda-feira (28), no aeroporto da Usiminas, em Santana do Paraíso. Ele vinha de Guarulhos, no interior paulista e, após tocar na pista, seguiu em alta velocidade, indo parar três quilômetros adiante do aeroporto. Estavam a bordo 47 pessoas, mas felizmente ninguém ficou ferido. A garotinha Isabela MatosTakahashi, 9 anos e seu pai Hiroshi, que estiveram na África do Sul desfrutando promoção de uma rede de fast-food, também estavam no vôo.

Em função do problema, cujas causas ainda não foram identificadas, o avião sofreu pequenos danos no trem de pouso, segundo a companhia aérea. Um passageiro disse que uma hélice também foi danificada. Em nota, a Trip Linhas Aéreas informou que o caso será investigado pela empresa. A Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) também deve emitir um laudo sobre as possíveis causas do acidente nos próximos dias.
Conforme os funcionários do aeroporto, no horário do pouso as condições de tempo eram boas e havia visibilidade da pista. Como a pista não foi obstruída, o aeroporto continuou operando normalmente durante toda esta segunda-feira.

Depoimentos
Dois passageiros do vôo aceitaram conversar com a reportagem do jornal VALE DO AÇO desde que não tivessem o nome, a profissão e a idade publicados. Eles contaram que ninguém se desesperou no momento do acidente. “O vôo em si foi tranqüilo. Mas percebi algo diferente quando fizemos escala no aeroporto de Cumbica, porque observei que um mecânico fazia manutenção no turbo hélice esquerdo do avião”, disse um dos homens.

O outro passageiro, que nunca esteve na cidade de Ipatinga e não conhecia a região do aeroporto, relatou que imaginou que algo grave fosse acontecer. “Na hora do pouso a aeronave disparou como se fosse decolar novamente. Aí o piloto virou o avião para o lado direito e entrou para o meio do mato. Fiquei muito assustado, esperando o avião bater em alguma coisa. Felizmente, ele só bateu em cerca e em colonião. Mas a nuvem de fumaça vermelha que subiu, por conta da terra, foi o que me deixou mais assustado”, recordou, realçando que muitos passageiros, que estavam com máquinas digitais e aparelhos celulares, registraram o acidente. A bagagem dos passageiros só foi liberada após o meio-dia.

Vôo para Vitória
O acidente implicou num atraso de quase duas horas para quem pretendia seguir com destino à cidade de Vitória (ES). O aposentado Sebastião Marciano, de 70 anos, iria embarcar no vôo para a capital capixaba e viu o momento em que o avião passou direto na pista de pouso. “Não sou acostumado a ver aviões pousarem. A primeira vez que entrei num avião foi na última sexta-feira (25), para vir visitar meus parentes aqui em Ipatinga. Hoje, às 10h45, estava marcado o meu retorno, mas o avião passou direto e o vôo atrasou. Fico pensando: eu custei para tomar coragem de andar de avião, e agora que resolvi passear acontece uma coisas dessas. Graças a Deus eu ainda não estava lá dentro”, desabafou.

Usiminas
A Usiminas também enviou uma nota informando que a siderúrgica, juntamente com a H&S (empresa responsável pela operação do aeroporto), deu acompanhamento e apoio à Trip nos trabalhos de manutenção e remoção da aeronave até o aeroporto, após o acidente. No entanto, até a noite dessa segunda-feira, a aeronave permanecia no local onde parou, no meio do mato.
fonte/foto/JornalValeDoAço
Enhanced by Zemanta

MÍSTERIO REVELADO - ANTOINE SAINT-EXUPÉRY...

Foi um segredo guardado durante 64 anos. Horst Rippert, piloto alemão da Luftwaffe, admitiu, aos 88 anos, ter abatido Antoine de St Exu...