domingo, 9 de agosto de 2009

FEIRA DE AVIAÇÃO EXECUTIVA ESPERA VENDER MAIS APESAR DA CRISE

A crise financeira e econômica internacional deve arrefecer, porém não brecar, o crescimento do setor de aviação executiva no Brasil. De acordo com a Associação Brasileira de Aviação Geral (Abag), a 6ª Latin America Business Aviation Conference & Exhibition (Labace) 2009, que será realizada em agosto no aeroporto de Congonhas, na zona sul de São Paulo, deve ter alta de 10% nas vendas em relação a edição anterior, que movimentou US$ 350 milhões.

Em 2008, esse crescimento foi de 60% na mesma base de comparação, informou a entidade. Para a edição de 2009, a feira terá área de 15 mil m² (ante 13 mil m² do ano anterior) e uma estimativa de superar 100 expositores (contra os 90 de 2008). Para o presidente da Abag, Rui Aquino, o crescimento da feira mostra a importância do mercado latino-americano e brasileiro.

"O segmento teve um crescimento de 9% em sua frota em 2008, entre turbo-hélices, helicópteros e jatos", disse Aquino. Mesmo com a queda na demanda por conta da crise, ele estima uma expansão de 4% a 5% neste mercado em 2009, o que representam "200 ou 300 aeronaves a mais".

A Abag informou que todos os grandes expositores de 2008 confirmaram sua participação este ano e destacou as presenças de Bombardier, Embraer, Gulfstream, Cessna, Raytheon e Dassault. Este ano, devem ser expostas cerca de 60 aeronaves, ante as 49 do ano passado.

Além dos negócios, a feira também contará com conferência para discutir os assuntos como segurança; utilização de aeroportos e espaço aéreo o novo Código Brasileiro de Aeronáutica (CBA), que segundo a Abag está em discussão no Congresso. "Atualmente a aviação comercial atende menos de 150 municípios dos 5.581 do Brasil. Queremos ser tratados com a devida importância nas discussões dessa regulamentação", explicou Aquino, destacando que a presença de autoridades contribui para que o setor seja ouvido.

A Labace 2009 vai acontecer de 13 a 15 de agosto, na antiga área da Vasp no aeroporto de Congonhas, zona sul de São Paulo. O público estimado para os três dias é de 13 mil a 15 mil visitantes, ante os 13 mil registrados em 2008. De acordo com os dados da Abag, o setor de aviação geral e executiva atualmente responde por 4% do total de passageiros transportados no País.

fonte: Invertia

REUNIÃO DE AVIAÇÃO DE TRANSPORTE ENCERRA-SE EM CAMPO GRANDE

Sob uma temperatura de 45º centígrados, suor escorrendo pelos olhos, o peso do capacete não incomoda. A atenção total no compartimento de carga da imensa "garça" impede que os olhares desviem do foco: o perfeito sincronismo entre os pilotos e a tripulação embarcada. Soa a sirene. A abertura da rampa alivia o calor e revela a paisagem do pantanal. Luz verde, hora de colocar todo o treinamento em prática e acertar o alvo no horário previsto. Situações comuns nos bastidores de trabalho de esquadrões que participaram da vigésima oitava da Reunião da Aviação de Transporte (RAT).

Durante oito dias, foram disputadas provas esportivas como vôlei, tiro com armas portáteis, prova de orientação ou nos testes intelectuais das diversas aeronaves, as equipes colocavam seus limites a prova e ainda revezavam nas competições operacionais: inspeção de fardo, manutenção de pré-vôo, abastecimento, pós-vôo e o principal, a navegação à baixa altura com lançamento de fardos e cumprimento de HSO (horário sobre o objetivo).

Foi essa a rotina da 2° Tenente Aviadora Camila Bolzan, primeira mulher a competir numa missão aérea da RAT. Integrante do 5° Esquadrão de Transporte Aéreo desde 2008, ela relata a importância da RAT como um aprendizado para as missões reais que sua unidade realiza.

No início da careira e com cerca de 500 horas de vôo, fez parte da equipe que se consagrou como a melhor surtida na 28° RAT. Apreensão, responsabilidade, motivação e cobrança pessoal foram os ingredientes que tornaram a experiência válida para a sua profissão, acrescentou a jovem piloto.

Destaque - Catorze unidades da FAB enfrentavam as disputas e, ao final, sagrou-se campeão o 1°/9° GAV, sediado em Manaus - AM. Operando com os C-105 Amazonas, o Esquadrão Arara realiza a cobertura de toda a região norte do país, além de participar de missões de grande destaque nacional como nas buscas ao voo AF 447, no Oceano Atlântico em junho desse ano.

Mais do que a disputa, era uníssono que ficava, ao final do evento, o sentimento de camaradagem entre os militares, o profissionalismo de todos as unidades da FAE V e a certeza de que o Brasil pode contar com o altíssimo nível dos integrantes da Força Aérea Brasileira.

Fonte: FAB/CECOMSAER

ÍNDIA ADQUIRE KAMOV KA-31


Num esforço para aumentar as capacidades de detecção de longo alcance para alvos aéreos e de superfície sobre o mar, o governo da Índia aprovou a aquisição de cinco helicópteros Kamov Ka-31 para sua Marinha.

O helicóptero russo é capaz de detectar e rastrear 40 alvos simultâneamente com seu radar E-801M Oko (Eye) escamoteável, que fica sob a aeronave. O radar tem alcance de até 200km, para alvos do tamanho de um caça. O contrato deve ser assinado entre a Índia e a Rússia nos próximos meses.

A Marinha da Índia já opera nove helicópteros Kamov, operados a bordo do NAe Viraat e das fragatas classe “Talwar”.

Fonte: Poder Nava

MÍSTERIO REVELADO - ANTOINE SAINT-EXUPÉRY...

Foi um segredo guardado durante 64 anos. Horst Rippert, piloto alemão da Luftwaffe, admitiu, aos 88 anos, ter abatido Antoine de St Exu...