segunda-feira, 14 de setembro de 2009

AVIÃO DA EMIRATES SOME DO RADAR E GERA MOMENTOS DE TERROR

Um Airbus da Emirates, desapareceu das telas de radar e por muito pouco, evitou a queda em um bairro populoso de Melbourne, após uma decolagem desastrada, em 20 de março de 2009.

O Airbus A340-500 passou a centímetros de uma cerca no final da pista, ao decolar do aeroporto de Melbourne, com destino à Dubai, e lutou para ganhar altitude após os pilotos calcularem errado o peso da aeronave em quase 100 toneladas, segundo informes da imprensa local.

Controladores de voo, horrizados , assistiram como o avião corria pela pista, lento demais para decolar e rápido demais para abortar e ainda viram as faíscas na pista, cada vez que a cauda do avião atingia o solo, o que aconteceu cinco vezes, até que o piloto conseguiu alçar voo.


Danos visíveis

Ainda assim, a luta para ganhar altitude continuou e por vários minutos, a aeronave continuou a voar baixo demais para aparecer nas telas de radar. Os controladores horrizados, aguardavam pela queda do avião, em algum bairro da zona sul de Melbourne. O voo 407, transportava 257 passageiros e 18 tripulantes.

´´ O avião desapareceu de nossas vistas, em direção ao pólo industrial sul, porque estava baixo demais para ser visto,´´ declarou Rob Mason, presidente da Civil Air, o sindicato dos controladores de tráfego aéreo da Austrália.

´´ Teria sido o pior desastre aéreo da história da Austrália,´´ disse Ben Sandilands, expert em aviação. ´´ Não haveria sobreviventes e certamente teríamos mortes no solo.´´

O incidente, ocorreu em março de 2009, mas somente agora veio à público, maiores detalhes do ocorrido. Tudo aconteceu porque o piloto calculou os parâmetros de decolagem de forma errônea,e inseriu no computador um peso de decolagem de 262 toneladas, quando na verdade, o valor correto seria 362. Uma discrepância de 100 toneladas.

Isto significa que os parâmeros estabelecidos não permitiriam a decolagem do avião. A única razão para o fato que o avião conseguiu decolar, no último minuto, foi devido ao fato que o piloto assumiu o comando e aplicou potência máxima nos motores, mesmo o avião já teno saido da pista, rolando pela grama em direção à cerca.

´´ Sabia que não podíamos parar,´´ afirmou o piloto posteriormente. ´´ Sabia que a única opção era continuar, mas pensei que fosse morrer.´´

No interior do avião, a maioria dos passageiros nem percebeu o quão perto a morte esteve presente, embora alguns tenham reclamado de solavancos e visto faíscas. Já no cockpit, a tripulação percebeu que a cauda havia sofrido severos danos durante a decolagem, e assim retornaram à Melbourne para um pouso de emergência,

Após o retorno do jato à Dubai, foi entregue aos pilotos, cartas de demissão e assim ambos deixaram a companhia aérea.

A Emirates informou que criou salvaguardas para evitar que este tipo de incidente ocorra de novo, incluindo-se ai checagem extra dos computadores de bordo.

O Australian Safety Transport Board ( ASTB ), orgão que investiga os acidentes aéreos na Austrália, divulgará um informe final sobre o incidente, até o fim de setembro.



Fontes: LondonTimes/Anne Barrowclough - The Australian - BGA

AVIAÇÃO GERAL PREPARA-SE PARA DECOLAR NA CHINA

Apesar que grande parte da atenção tem sido focada na indústria aeronáutica comercial chinesa, em meio ao rápido crescimento econômico do país, a atual crise econômica e a demanda doméstica trazem boas oportunidades à aviação geral.

Claro, existem vários empecilhos regulatórios, mas a China está revisando as regras como parte de uma revisão maior da indústria aeroespacial, e os estudos sendo feitos, levam em conta a opinião da indústria. O processo, contudo, é lento devidos os íntimos laços que este tipo de indústria mantêm com os militares.

Longe dos centros econômicos costeiros, existe um déficit de infraestrutura. O governo tem investido mais em aeroportos e na infraestrutura, como parte de um pacote de estímulo, visando combater a atual crise econômica e objetivando melhorar a acessibilidade de diversas regiões. Entretando, levará anos para que os efeitos sejam perceptíveis.

A aviação geral representava apenas 0,001% do PIB chinês e empregava 7.000 pessoas em 2007. Atualmente, existem na China, 900 aeronaves com registro civil e 74 operadores - cerca de um décimo da quantidade existente na Austrália, que tem apenas 2% da população da China. Existem alguns pequenos aeroportos e em sua maioria incapazes de receber a aviação geral ou fechados a ela.


Diamond Aicraft

Entretanto, de certa forma, a China lembra muito os EUA, décadas atrás. O país tem uma grande população espalhada por uma vasta área geográfica. A proliferação de companhias aéreas tem levado a uma grande demanda por pilotos e novas escolas de aviação. O interesse na aviação esportiva está apenas começando. O uso de helicópteros no setor civil começa a crescer, notadamente, no segmento de busca e resgate.

Nos EUA, a GAMA, (General Aviation Manufacturers Association), a associação dos fabricantes de aeronaves para a aviação geral, informa que existem 231.000 aeronaves pertencentes à aviação geral nos EUA, e que o setor emprega mais de 1.3 milhão de pessoas e contribui com 1% do PIB americano, ou seja, com 150 bilhões de dólares.

Existem quase 4.000 aeroportos com pista pavimentada nos EUA, comparado aos 500 para as companhias aéreas.

Boa parte disso deve-se aos grupos de lobby, tais como a GAMA e a National Business Aviation Association, (NBAA), que sempre estão lutando para trazer as autoridades a discutir os assuntos que afetam a aviação geral. Por enquanto, apesar de algumas tentativas de organizar associações semelhantes na China, a experiência não vingou, assim cabe à indústria lutar pelos benefícios.

´´A aviação geral contribui para a melhoria do sistema de transporte chinês, complementando serviços em pequenos mercados onde as companhias aéreas não chegam,´´ afirma Kevin Wu, vice-presidente da Textron China.

A Cessna, subsidiária da Textron, empresa que fabrica vários modelos de aviões para a aviação geral, acredita no crescimento contínuo da demanda pelos seus aviões, impulsionada pelos segmentos governamental ou para-governamental. O treinamento de pilotos continua a ser um segmento forte e assim os operadores procuram por aviões que vão desde os modelos a à pistão, até mesmo aos jatos para treinamento avançado.

Vários fabricantes têm tomado iniciativas pra fabricar seus aviões na China e atender assim à demanda. A Diamond Aircraft assim o fez quando em 2006 assinou um acordo para a fabricação do modelo monomotor DA40 na China, em uma joint venture com três outras empresas parceiras na província de Shandong. A fábrica quando pronta, terá 30.000 m2 e terá capacidade para fabricar 1.000 aviões por ano.

Engenheiros canadenses e alemães ajudarão seus colegas chineses a garantir que os aviões fabicados na China, estejam dentro dos padrões da EASA (European Aviation Safety Agency), e os aviões serão comercializados na China e em mercados importantes da Ásia.

Oficialmente,a aviação geral conta com 450 aviões de asa fixa, registrados na China. 152 deles são Diamond DA40 e DA42. Até o fim de 2009, serão 200 aviões deste modelo a voar na China.

Em 2007, a Cessna, anunciou a intenção de investir na fabricação dos aviões ultraleves esportivos 162 Skycatcher, em parceria com a Shenyang Aerospace. Espera-se que a produção atinja 700 unidades anuais, quando a produção atingir o ponto ideal. A Cessna aposta que o modelo terá um importante papel no treinamento de novos pilotos na China e a empresa pretende ter presença permanente no país.

Também em 2007, a Liberty Aerospace, assinou um acordo com a Anyang Angel Aero Science and Technology Development, para a fabricação de seu modelo biplace XL2, em uma joint venture que tem o objetivo de produzir 800 aeronaves destinadas às escolas de pilotagem chinesas. Os aviões serão fabricados pela mão-de-obra local que é muito mais barata.

A maioria dos helicópteros estão concentrados em dois segmentos: civil e para-público e alocados em sua maioria nos serviços de busca e resgate. Existem 124 helicópteros civis na China, em comparação a mais de 10.000 nos EUA.

Um importante fator que ajuda a promoção do mercado de helicópteros , é a lembrança da importância que eles tiveram logo após o devstador terremoto ocorrido na provìncia de Sichuan em maio de 2008. O terremoto derrubou milhares de construções, bloqueou estradas, destruiu ferrovias e pontes. Contudo, os helicópteros foram empregados com sucesso, no resgate de pessoas que estavam presas em locais inacessíveis, nas regiões montanhosas e vales profundos.

Eurocopter

Uma grande beneficiária é a Eurocopter. A empresa está presente na China por muitos anos, e lá é produzido sob licença, o modelo AS365/29 e em uma joint venture, produz o modelo EC120.

O mais novo projeto é uma joint venture com a Avicopter, para desenvolver e produzir o modelo EC175/Z15. A empresa, inclusive, identificou parceiros para a criação de uma escola de pilotagem e um centro dotado de simuladores de voo. A Eurocopter espera tirar vantagem da crescente necessidade de helicópteros na China; principalmente, nos já citados segmentos de busca e resgate e também, na indústria petrolifera. Outros segmentos carentes de helicópteros, são as operações policiais e os serviços de emergência hospitalar. O objetivo da empresa é a manuntenção de uma longa tradição de cooperação e parcerias na China.

A companhia chinesa AVIC, está ansiosa em incentivar o segmento da aviação geral e tem aumentado sua capacidade de produção de helicópteros e está construindo uma fábrica para a produção de aeronaves de asa fixa, em Zhuhai. Está fábrica se somará às fábricas já existentes em Guizhou, Hanzhong, Jinmen e Shijiazhuang.

A fabricante não revelou o tipo de aeronave que pretende fabricar, contudo, tentou comprar uma empresa ocidental no segmento da aviação geral, objetivando adquirir tecnologia. Em 2007, lançou uma oferta pela divisão aeroespacial da firma holandesa Stork NV's, a qual acabou sendo adquirida pela empresa financeira britãnica Candover Investments.

A aviação geral encara numerosos desafios, sendo o maior deles, as restrições de uso do espaço aéreo chinês. Os militares dividiram o espaço aéreo em quatro setores e os controlam de forma estrita e assim os procedimentos de autorizações de planos de voo são lentos e consomem muito tempo.


O Eurocopter EC175 foi desenvolvido em parceria com a chinesa Avicopter

´´ Não é segredo que as restrições existentes no espaço aéreo chinês, deverão ser relaxadas para que a aviação geral possa florescer,´´ afirma Todd Dunke, diretor internacional de vendas do jato Citaton, da Cessna. ´´ Estamos trabalhando com os grupos regulatórios liderados pela CAAC (Civil Aviation Administration of China) e com a FAA, contudo, ainda há muito trabalho a fazer para conseguirmos mais espaços aéreos livres.´´

A China pensa em liberalizar as regras dos voos de baixa altitude, como componente de seu 11º plano quinquenal, abrangendo os anos de 2006 a 2010. Em agôsto, a CAAC aprovou um plano piloto que será iniciado em 2010, em preparação do primeiro parque industrial da aviação geral na China. O plano permitirá aos operadores a utlização do espaço aéreo abaixo dos 9.800 pés, para voos entre o aeroporto e pontos turísticos específicos. Talvez venha a ser um modelo para o futuro.

Outro grande problema é a infraestrutura, em particular a falta de pequenos aeroportos bem equipados e serviços relacionados. Devido o setor privado não poder administrar aeroportos, a tarefa recai toda sobre o governo e assim levará algum tempo para ser resolvido. Também não existe separação clara entre a aviação geral e os voos comerciais regulares, especialmente no que se refere aos marcos regulatórios envolvendo a segurança de voo e às tarifas de importação cobradas para a entrada de aeronaves fabricadas no estrangeiro. Embora haja uma crescente quantidade de oficinas de manutenção, a aviação geral ainda depende muito de oficinas fora do país para a realização de manutenções e checks.

A Textron, proprietária da Cessna e da fabricante de helicópteros Bell, defende a tese que a China deve tomar várias medidas para ajudar a aviação geral a decolar e que o espaço aéreo deve ser liberado e uma coordenação entre civis e militares ser estabelecida para otimazar a capacidade da aviação civil e a segurança nacional.

A Textron, defende a redução de tarifas e taxas e a criação de mais aeroportos para a aviação geral, dotados de fornecimento de combustível e demais serviços. Claro que entre os serviços necessários, devem ser citados os equipamentos de segurança, tais como: luzes e instrumentos de aproximação e que os custos de utilização dos aeroportos seja mais convidativo à aviação geral.

Áreas adicionais de teste como uma existente em Xian, poderiam ser criadas para avaliar os resultados da nova infraestrutura e das novas políticas para o setor. Também serveriam para demonstrar a utilidade da existência de uma aviação geral forte e dinâmica, perante os governos locais e negócios fora do ramo aeronáutico.

Em um ambiente regulatório operacional e favorável, com a infraestrutura melhorada e os seviços correlatos em funcionamento, a Textron, estima que o mercado da aviação geral na China, poderia crescer a taxas anuais de 20%, entre 2010 e 2015. Isto movimentaria $ 1 bilhão de dólares anuais e criaria 43.000 empregos, afora outros benefícios indiretos.

Contudo, a China ainda está muito longe de atingir tais objetivos. ´´ A China ainda não está preparada para a aviação geral, tal como a entendemos. A burocracia ainda é o maior obstáculo,´´ afirma Feinig, da Diamond. ´´ Porém, sabemos que na China as coisas mudam muito rápido se houver vontade política. Esta vontade política já foi declarada pelo governo chinês.´´

A China e seus dragões e gaivotas


A AVIC planeja desenvolver novos aviões em sua sede em Zhuhai.

A AVIC General Aircraft está vendendo 30% de suas próprias ações, a companhias ligadas aos governos de Guangdong e Zhuhai e está mudando sua sede de Pequim para Zhuhai, que é uma cidade costeira no sul da China, uma região de rápido crescimento econômico, no delta do Rio Pérola.

A nova sede será no centro da cidade de Zhuhai, mas somente estará operacional em 2011, porque a construção dos novos edificíos nem começou. Contudo, a companhia já iniciou a construção de uma fábrica para a montagem dos aviões, no aeroporto de Zhuhai. A obra estará pronta em novembro de 2010 e lá vai exisitir um centro técnico de apoio aos clientes.


Grob

Ainda nao se sabe qual modelo de aeronave de asa fixa será montado em Zhuhai, mas existem várias póssibilidades.

A AVIC está desenvolvendo um pequeno avião anfíbio chamado Seagull, um monomotor destinado a usuários recreativos. Também manteve conversações com a PLC Mielec, objetivando produzir na China o avião polonês M18B Dromader, um avião utilitário. O departamento de agricultura da província de Heilongiiang, fez um pedido de compra de 15 M18Bs em 2007.

Enquanto tais iniciativas podem vir a fluir nos próximos anos, uma ambição de longo prazo da AVIC, é construir um grande avião anfíbio do tamanho do 737. Este avião, com o nome provisório de Dragon 600, seria eequipado com quatro motores tipo turboprop e seria utilizado em missões de resgate e combate a incêndios. A empresa está estudando a aquisição de alguma fabricante de aviões no Ocidente, para agilizar sua entrada no mercado ocidental.

Atualmente, existem dois aviões chineses certificados pela FAA, o Harbin Y12 para 19 passageiros e o Hongdu N5, um avião agrícola para lançar defensivos, contudo, nenhum dos dois vendeu bem nos EUA.

A aquisição de uma fabricante ocidental daria à AVIC, a posse de uma marca reconhecida nos mercados ocidentais, uma rede de apoio de produto, internacionalmente estabelecida e pessoal com experiência na obtenção das certificações ocidentais.

Administradores da extinta empresa alemã Grob Aerospace, revelaram em dezembro de 2008 que a AVIC estaria interessada na aquisição da companhia, mas outra empresa alemã acabou adquirindo a companhia.

Fontes ligadas à indústria aeronáutica nos EUA, afirmam que a AVIC General Aircraft, sondou a Piper Aircraft e a Spectrum Aeronautical.

A Spectrum é uma nova empresa baseada na Califórnia e que busca construir jatos executivos e tenta obter a certificação de seu primeiro avião, enquanto a Piper dispensa apresentações.

A Imprimis, uma empresa de invstimentos de Cingapura, adquiriu 100% da Piper em maio e a fabricante informou que pretende crescer no mercado asiático.

Fonte: FG / BGA

AMPLIAÇÃO E RENOVAÇÃO DO AEROPORTO DE EZEIZA, NA ARGENTINA

Começaram as obras do "novo Ezeiza, reformulação que vai custar E.U. $ 40 milhões. O Aeroporto Internacional de Buenos Aires terá sua ampliação concluida em um ano - o prazo previsto das obras é setembro de 2010 - e terá entre as principais, a construção de um novo Edifício para atender aos vôos domésticos com Capacidade para 2,5 milhões de passageiros / ano.

Para a construção, está sendo demolido o terminal C. No projeto, o novo Aeroporto será organizado em um conjunto de edifícios conectados. Na área operacional, terá cinco novas posições para o estacionamento de aviões com 17 dedos de embarque; 100 posições de check-in, 40 portões de embarque, uma nova torre de controle e 4,5 mil lugares no estacionamento.

Veja algumas imagens do projeto:


Fonte: Brasilturis - Imagens: airportnewsezeiza.com

AGRICULTOR USA AVIÃO PARA PLANTAR ARROZ


Agricultores de um assentamento em Querência do Norte, no Paraná, estão semeando o arroz de uma maneira um pouco diferente. As mudas chegam pelo ar.

Os banhados já estão prontos para o plantio. A região conhecida como Baixo Ivaí é responsável por 60% do arroz do estado. Quase todos que plantam ali são produtores assentados.

Há 10 anos, eles chegaram a sofrer para aprender como cultivar o arroz, mas aos poucos aperfeiçoaram as técnicas e hoje o trator só entra na plantação na hora de jogar o adubo. Antes, a máquina também era usada no plantio. “Dava muito serviço, muita mão de obra e às vezes você entrava na roça, quebrava o trator, não ficava bem semeado”, disse o agricultor José Fabaro.

Agora, na hora de plantar, nada de tratores. O pessoal já anda se acostumando a chamar os pilotos com os aviões. As aeronaves que são usadas para aplicar inseticidas nas lavouras fazem a plantação. Em cada avião, 400 quilos de arroz germinado, pronto para ser plantado.

O piloto tem que acertar a direção e também o momento de liberar os grãos. É uma tecnologia que ajuda no plantio e, além disso, dá um show no céu.

Fonte: G1

POUSO FORÇADO NA ALEMANHA

Um avião da companhia Contact Air, parceira regional da Lufthansa, no qual viajava o presidente do Partido Social-Democrata (SPD), Franz Müntefering, fez um pouso não programado no aeroporto de Stuttgart (sudoeste da Alemanha).

O avião, que partiu de manhã da capital Berlim, teve problemas no trem de pouso ao chegar a Stuttgart, por isso foi necessária uma aterrissagem de emergência sobre uma camada de espuma, informou a companhia aérea.


Fotos: Daniel Maurer/AP

A bordo do avião, do modelo Fokker 100, viajavam 73 passageiros e cinco tripulantes, segundo o gerente da companhia aérea, Manfred Gaertner, citado pela agência de notícias Associated Press.

Segundo a polícia, vários passageiros estão em estado de choque e uma das aeromoças ficou levemente ferida.


Fotos: Florian Conrad (Spiegel Online) / DPA

"Foi uma situação muito, muito séria. Ficamos dando voltas durante muito tempo, tentamos nos aproximar e tivemos que fazer um pouso não programado", explicou Müntefering, após chegar ao terminal.

O presidente do SPD elogiou o capitão do avião pela "execução magistral". Ele afirmou que os tripulantes administraram o incidente de forma "profissional".

Müntefering viajava a Stuttgart para participar de um ato eleitoral de seu partido por ocasião das eleições gerais da próxima semana.

A pista do aeroporto foi fechada após a aterrissagem.

fonte: Associated Press e Efe

CONFUSÃO E PÂNICO EM AVIÃO DA AER LINGUS


Passageiros à bordo de um avião da Aer Lingus, que voava de Dublin à Paris , tiveram um grande susto, sexta-feira, dia 11.

A tripulação de cabine anunciou que o avião passaria por uma área de turbulência e assim orientou aos passageiros que voltasse aos assentos.

Logo após , um anúncio pré-gravado, em francês, foi acionado, por engano, alertando aos passageiros que o avião faria um pouso de emergência, e orientando que fosse observada a localização da saída de emergência mais próxima.

Desnecessário dizer que a combinação de turbulência com o falso aviso, causou pânico entre os passageiros franceses.

Muitos choravam e a tripulação de cabine demorou a perceber o seu erro.


A companhia aérea classificou o incidente como uma ´´ ocorrência incomum.´´ Ocorre porém que este tipo de erro, ou seja, gravações erradas sendo divulgadas aos passageiros, tem ocorrido com certa frequência.

Não custa nada a tripulação conferir as gravações e impedir tais erros, contudo, onde há pessoas envolvidas, as coisas podem dar errado.

Fonte: BGA

AVIÃO DO PRESIDENTE DE PARTIDO ALEMÃO FAZ POUSO DE EMERGÊNCIA

Um avião da companhia Contact Air, filial da Lufthansa, onde viajava o presidente do Partido Social-Democrata (SPD), Franz Müntefering, fez hoje um pouso de emergência no aeroporto de Stuttgart (sudoeste da Alemanha).

O avião, que partiu de manhã de Berlim, teve problemas no trem de pouso ao chegar a Stuttgart, por isso foi necessária uma aterrissagem de emergência sobre uma camada de espuma, informou a companhia aérea.

A bordo do avião, do modelo Fokker 100, viajavam 82 passageiros e cinco tripulantes.

Segundo a Polícia, vários passageiros estão em estado de choque e uma das aeromoças ficou levemente ferida.

"Foi uma situação muito, muito séria. Ficamos dando voltas durante muito tempo, tentamos nos aproximar e tivemos que fazer um pouso de emergência", explicou à imprensa Müntefering, após chegar ao terminal.

O presidente do SPD manifestou seu agradecimento ao capitão do avião devido à "execução magistral" da operação e elogiou os outros funcionários do avião, que, segundo ele, administraram o incidente de forma "profissional".

Müntefering viajava a Stuttgart para participar de um ato eleitoral de seu partido por ocasião das eleições gerais da próxima semana.

fonte: EFE

JATINHO DO BISPO MACEDO

Edir Macedo vendeu há meses um jato Global Express que tinha. E daí? Mesmo na mira do MP paulista, ele acaba de comprar outro, que descerá em Sorocaba (SP), estalando de novo. O avião, com matrícula americana, ganhará um registro na Anac. É uma casa – lavabo, minibar, mesas adaptadas para refeição e sofá.

O líder da Igreja Universal usará o jato pela Alliance Jet para viagens internacionais. Custa a bagatela de US$ 50 milhões. Macedo, ou a Alliance, já tem um Falcon 2000 (US$ 25 milhões) e um Citation X (US$ 15 milhões).

Fonte: Jornal do Brasil - Foto: JB

REGIÃO DA RUA FUNCHAL TEM MAIS HELIPONTOS QUE PONTO DE ÔNIBUS

Embaixo, a movimentação é intensa para acessar esse trecho nobre da Vila Olímpia (zona oeste), nas imediações da rua Funchal, mas a infraestrutura do transporte terrestre deixa a desejar. As vias são estreitas para os carros, que enfrentam congestionamentos até nas garagens; os ônibus, às vezes distantes, não atraem.

Forma-se, assim, um cenário exótico: a quantidade de 25 helipontos é maior que a dos 24 pontos de ônibus nesse miolo de comércio e escritórios da Vila Olímpia, formado por dez vias.

O levantamento da Folha, feito a partir de registros da Anac (Agência Nacional de Aviação Civil) e da SPTrans (empresa de transporte da prefeitura), reforça as conclusões de outro mapeamento preparado por técnicos municipais em parte do eixo empresarial da Faria Lima à Berrini.

Este identificou por imagens de satélite 75 helipontos numa região que abriga 60 paradas de ônibus -sem contar "pontos gêmeos", nos dois lados da rua.

Em ambos os casos, trata-se de uma constatação apenas simbólica, sem rigor científico.

Mas a peculiaridade da infraestrutura do transporte terrestre e aéreo nas imediações da Vila Olímpia serve, na avaliação de técnicos, como exemplo da falta de planejamento urbano com a expansão da área a partir da década de 1990.

Um dos motivos para a região ter tantos helipontos é que ela concentra edifícios novos e modernos --frequentados por uma elite empresarial que, por minoria da minoria que seja, já aderiu ou pretende aderir ao transporte aéreo urbano.

Essa condição resulta em malabarismo no controle de voo para evitar conflitos com aviões da rota de Congonhas. E, para reunir helipontos sem burlar a norma que fixa a distância mínima de 400 m entre eles, de novo é preciso malabarismo.

De outro lado, embora a prefeitura diga que há 22 linhas de ônibus passando em alguma parte do bairro, não há conexão rápida de transporte coletivo para regiões estratégicas, como a central ou a da Paulista. E a linha metroferroviária mais próxima, a 9-Esmeralda da CPTM, leva os usuários a trechos mais periféricos (Osasco-Grajaú).

"Os polos empresariais não são decididos por quem vai trabalhar lá. A Berrini ficava longe de tudo, mas perto de onde os donos das empresas moravam ou gostariam de morar. Hoje tudo é definido pela conveniência da cúpula. Se ela, por pequena que seja, começa a adotar um meio de transporte exótico, como por helicóptero, as coisas fogem ainda mais de controle", diz Cláudio Senna Frederico, engenheiro e ex-secretário dos Transportes Metropolitanos.

fonte: Folha São Paulo

MÍSTERIO REVELADO - ANTOINE SAINT-EXUPÉRY...

Foi um segredo guardado durante 64 anos. Horst Rippert, piloto alemão da Luftwaffe, admitiu, aos 88 anos, ter abatido Antoine de St Exu...