quarta-feira, 25 de março de 2009

EMBRAER ENTREGA JATO PHENOM 100 À FORÇA AÉREA DO PAQUISTÃO


A Embraer entregou ontem, na sede da Empresa, em São José dos Campos, o primeiro jato Phenom 100 à Força Aérea do Paquistão. O governo paquistanês adquiriu um total de quatro aeronaves desse modelo, a serem utilizadas para o transporte de autoridades daquele país. Esta encomenda já está incluída na carteira de pedidos firmes a entregar da Embraer referente ao quarto trimestre de 2008.
“É uma honra para a Embraer ter a confiança do Governo do Paquistão para operar nossos produtos”, disse Orlando José Ferreira Neto, Vice-Presidente Executivo da Embraer para o Mercado de Defesa e Governo. “O Phenom 100 é uma excelente aeronave que atende aos mais variados requisitos de transporte e, seguindo o caminho aberto pela Força Aérea do Paquistão no mercado internacional, percebemos crescente interesse por este modelo em várias outras regiões.”
Esta é a primeira aeronave da Embraer entregue para um cliente no Paquistão e também o primeiro Phenom 100 a ser operado por um governo. A Força Aérea do país optou pelo modelo após uma análise detalhada, que levou em consideração aspectos como desempenho, conforto, tecnologia, preço de aquisição e custo operacional, entre outros.
O jato Phenom 100 tem capacidade para até oito ocupantes. Com alcance de 2.182 km (1.178 milhas náuticas), incluindo reservas de combustível NBAA IFR, é capaz de voar de São Paulo para Montevidéu (Uruguai) ou de Islamabad (Paquistão) para Karachi (Paquistão) ou Katmandu (Nepal) sem escalas. O jato foi certificado em dezembro de 2008 e confirmou ser o mais rápido e com a maior capacidade de bagagem da sua categoria. O Phenom 100 tem uma avançada cabine de pilotagem e possui um lavatório traseiro privativo como alguns de seus diferenciais competitivos.

fonte:Agora Vale

PRESIDENTE DA EMBRAER GARANTE QUE VAI MANTER INVESTIMENTO EM ÉVORA


O presidente da Embraer Aviation, Luiz Fernando Fuchs, garantiu hoje em Lisboa que a construtora aeronáutica brasileira "vai manter o investimento" em Évora apesar da difícil conjuntura económica internacional. Luiz Fernando Fuchs, que hoje esteve em Lisboa para assistir a apresentação do Plano de Qualificação para o Sector Aeronáutico, garantiu que a empresa aeronáutica "vai manter o investimento" em Évora apesar da difícil conjuntura económica, que já levou aquele grupo anunciar despedimentos noutros países.Os contratos de investimento em Portugal, "por enquanto, ainda não serão afectados pela crise", salientou o presidente da segunda maior empresa exportadora do Brasil, com participação na OGMA - Indústria Aeronáutica de Portugal.Na sua intervenção, Luiz Fernando Fuchs falou sobre a presença da empresa em Portugal no quadro da sua estratégia europeia, salientando o "interesse de trabalhar com o Governo português para reforçar o interesse no sector em Portugal".Lembrando que o "mercado predominante em termos de concentração de vendas situa-se nos Estados Unidos e só depois na Europa", Luiz Fernando Fuchs salientou que o investimento em Portugal, estimado em 170 milhões de euros, "poderá acelerar o processo" em território europeu.A construtora Embraer pretende instalar duas fábricas no futuro parque aeronáutico de Évora, uma delas para a produção de aeronaves e a outra para fabricar materiais compósitos, criando cerca de 570 postos de trabalho.Por sua vez, o presidente da Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal (AICEP), Basílio Horta, salientou que a criação e consolidação de um cluster de empresas nacionais que operem no ramo aeronáutico é "possível", referindo que em Portugal a "competitividade neste sector já está demonstrada""Este é o primeiro passo para que, a médio prazo, entre três a cinco anos, um grupo de empresas nacionais qualificadas trabalhem como fornecedoras da indústria aeronáutica mundial e para que, em Portugal, seja criado um cluster significativo neste sector", afirmou.O responsável salientou que, apesar de uma "presença ainda reduzida" no país, existe em Portugal "know-how de engenharia técnica, motivação e disponibilidade das empresas para apostarem no sector e um elevado número de empresas qualificadas".Basílio Horta também lembrou que, actualmente, há "uma visão e óptica que recomendam um melhor envolvimento da indústria aeronáutica" por ser "um sector em crescimento", que é reconhecido pelo seu "elevado investimento no desenvolvimento tecnológico" e "significativo efeito de criação de postos de trabalho directos e indirectos altamente qualificados"."Há, contudo, um conjunto de características que têm de ser melhoradas, designadamente o melhoramento da qualificação das empresas portuguesas do sector", frisou.Opinião partilhada por Joaquim Menezes, vice-presidente da Direcção da Associação Pool.Net, que, no encontro, apresentou a "Estratégia de Sensibilização e Qualificação para o Sector Aeronáutico na área de Engineering and Tooling", que integrará oito workshops nos próximos meses.Segundo o responsável, esta estratégia visa "dotar os gestores de conhecimentos mais profundos da industria aeronáutica e, numa segunda fase, de competências específicas que lhes permitam o alinhamento das suas estratégias internas com a estratégia de criação de um cluster em Portugal, fornecedor do sector aeronáutico mundial"."É preciso potenciar capacidades existentes nas empresas e no sector, bem como criar ferramentas que nos permitam ser um valor acrescentado", sublinhou, ressalvando que o interesse em apostar no sector aeronáutico "não deriva da crise", foi "identificado antes numa lógica de oportunidades e inovação".


fonte : RTP

CAÇA J-10 SOFRE PANE DE MOTOR

Segundo matéria divulgada pela China Central Television, no dia 7 de março último um caça J-10A da Força Aérea da China realizou um pouso de emergência depois que a sua turbina entrou em pane e parou de funcionar.O Piloto, Li Feng, que estava nos comandos do caça, é comendante de um dos regimentos da Força Aérea da China e estava realizando uma missão de treinamento, quando alguns alarmes soaram no painel de instrumentos, alertando para um possível apagamento da única turbina do J-10A.Imediatamente, Li Feng decidiu retornar para a base e, quando estava a 7km de distância, o motor parou de funcionar completamente.Com perícia e tranqüilidade, Li Feng planou com a aeronave e realizou o pouso de emergência e, por estar sem o sistema hidráulico, o trem de pouso do nariz do J-10 não abaixou, fazendo com que a aeronave sofresse danos leves no radome do radar e na entrada de ar da turbina.
fonte : china news

MÍSTERIO REVELADO - ANTOINE SAINT-EXUPÉRY...

Foi um segredo guardado durante 64 anos. Horst Rippert, piloto alemão da Luftwaffe, admitiu, aos 88 anos, ter abatido Antoine de St Exu...