Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Agosto 17, 2014

POR QUE OCORREM ACIDENTES AÉREOS

Queda do jato que levava Campos foi em uma operação de aterrissagem (na foto, a caixa-preta) Foto: Cenipa / Reprodução No caso da queda do jatinho em área residencial em Santos, chovia e havia nevoeiro no momento da tentativa de pouso. A queda do jato que levava Campos foi em uma operação de aterrissagem e, mais uma vez, se enquadra nas estatísticas: 80% dos acidentes aéreos ocorrem durante os procedimentos de decolagem ou de pouso. Resta saber se a aeronave teve alguma pane. Se houve isso, é o coquetel de ingredientes clássico para gerar tragédias. Uma resposta que vai demorar, já que as investigações estão no início. O Cessna Citation era novíssimo para os padrões da aviação. A tripulação, treinada. Então o que deu errado e provocou o acidente que matou, na quarta-feira passada, o presidenciável Eduardo Campos e mais seis pessoas em Santos? Só a investigação conduzida pela Aeronáutica poderá responder, em um trabalho que consome de meses a anos.

Esta…

O RISCO DOS JATINHOS

Um grande empresário brasileiro é muito famoso entre os pilotos de jatos privados. Não pelas vantagens de se trabalhar para ele, receber um ótimo salário e pilotar sua moderna aeronave rumo a destinos exóticos. O nome dele é sempre lembrado por razões nada edificantes: o milionário tem fama de demitir pilotos com muita facilidade. O caminho da rua é temido sempre que o comandante o orienta a não levantar voo em razão do mau tempo, ou hesita em pousar onde o dedo do empresário aponta quando visita suas fazendas.
“Por que não? O avião é meu”, costuma dizer o dono do jatinho, com o peito cheio. Embora sua história seja corriqueira e repetida aos quatro ventos nos bastidores dos aeroportos do Brasil, ninguém ousa revelar a identidade do cidadão a um estranho. Num mercado de trabalho restrito e extremamente fechado, pilotos têm o receio de ficar marcados pela exposição de quem tem poder e influência para dizer quem deve ou não ser contratado. Essa triste realidade em pleno sé…

CARTÉIS DE DROGA ABANDONAM AERONAVES EM ZONAS DO CARIBE HONDURENHO

As autoridades militares das Honduras anunciaram ontem, dia 15 de Agosto, que encontraram duas aeronaves abandonadas em zonas de selva e reserva florestal, no Departamento de Gracias a Dios, no litoral do Caribe. Sobre ambas recai a suspeita de estarem a ser utilizadas no transporte de droga, o que, infelizmente, é corrente naquela área geográfica.
O porta-voz das Forças Armadas hondurenhas disse que estão a investigar a proveniência de um avião ligeiro, de dois motores, que foi encontrado em La Mosquitia, na fronteira com a Nicarágua. Embora os militares tenham referido que o avião está totalmente destruído, fotografias chegadas aos jornais mostram apenas o trem quebrado e alguns estragos na fuselagem, não tão graves para considerá-lo como perda total. Não foi encontrado plano de voo nem qualquer referência ao sobrevoo do espaço aéreo das Honduras relacionados com a aeronave.

No dia anterior, 14 de Agosto, tinha sido encontrado, em Brus Laguna, no mesmo departamento de Gra…

FAB LIBERA DOCUMENTOS SOBRE APARIÇÃO DE OVNIS EM SÃO JOSÉ DOS CAMPOS

Era uma segunda-feira como outra qualquer em São José dos Campos. Chegada a noite, a torre de controle do aeroporto da cidade via os voos rarearem. Mas algo inacreditável marcaria aquela noite na história do país.
Às 20h15, os radares da torre detectam um objeto desconhecido pairando sobre a cidade, com comportamento estranho e inusitado.
No mesmo instante, o avião Xingu prefixo PT-MBZ, que trazia o coronel Ozires Silva, então presidente da Petrobras, também detectou as luzes. Mais do que isso: o piloto e Ozires as viram no céu, reluzentes e multicoloridas.
“As luzes tinham presenças reais, eram alvos primários no radar, alvos positivos, uma coisa concreta”, lembra o ex-presidente da Embraer e atual reitor da Unimonte (Centro Universitário Monte Serrat).
Do chão, dezenas de pessoas também viram os objetos. “Recebemos mais de 60 ligações naquela noite”, diz o fotógrafo Adenir Britto, que trabalhava no jornal Valeparaibano na época.
Os radares em São Paulo e Brasília detectar…