sábado, 5 de dezembro de 2009

MARINHA DO JAPÃO RECEBE PRIMEIRO EC-135

EC135

A Eurocopter Japan entregou no último dia 3 de dezembro o primeiro helicóptero de treinamento EC135T2i para a JMSDF (Força Marítima para Auto-Defesa do Japão). A cerimônia ocorreu no heliporto de Tóquio e contou com a participação do ministro da defesa japonês e representantes dos governos alemão e francês.

O Ministério da Defesa japonês assinou um contrato para a aquisiçao do de dois helicópteros EC135 em fevereiro deste ano. O segundo deverá ser entregue em fevereiro de 2010.

A aeronave será avaliada antes de ser empregada no treinamento de pilotos japoneses, previsto para iniciar no segundo semestre de 2010.

Um segundo contrato para a compra de outros três helicópteros poderá ocorrer em breve e a expectativa é de formar uma frota com 15 aeronaves.

Eurocopter Japan Co., Ltd foi criada em abril de 2009 e pertence à própria Eurocopter (90%) e a Itochu Corporation (10%).

fonte/Defensetalk/foto/Divulgação

PILOTOS DA ESQUADRILHA DA FUMAÇA FAZEM INTERCÂMBIO COM OS RED ARROWS

EDA-RedArrows

Em meio ao Circuito Nordeste, dois pilotos da Esquadrilha da Fumaça deixaram a equipe com o nobre objetivo de realizar uma viagem de intercâmbio com os Red Arrows, Esquadrão de Demonstração Aérea da Força Aérea Inglesa.

O Cap Av Ricardo Felzcky e o Cap Av Anderson Amaro Fernandes decolaram de Fortaleza/CE a bordo de um avião comercial, no dia 15 de novembro.

No percurso, escala em Lisboa, pouso em Londres e uma viagem de carro até Lincoln, distante 300 km da capital inglesa, onde fica a sede da Royal Air Force Aerobatic Team.

Durante quatro dias, nossos pilotos voaram isolados e em formação a bordo das aeronaves Hawk. Antes, porém, submeteram-se a detalhados exames, que atestaram uma perfeita saúde para se aventurar na aeronave estrangeira.

Além das atividades aéreas, os dois pilotos foram recepcionados com um jantar de confraternização e até um jogo de futebol.

Dentre outras curiosidades e particularidades, os pilotos destacaram o fato dos ingleses não almoçarem, fazem apenas um lanche durante o dia, e; terem dedicação exclusiva ao voo, diferente do brasileiro que se ocupa também com atividades administrativas.

No dia 21 de novembro, os pilotos voltaram ao Brasil, pousando em Recife/PE, para se vincularem ao Circuito Nordeste novamente.

Na mala, algumas histórias para contar e a impressão inglesa que já é mundialmente conhecida. “O que mais me impressionou foi a pontualidade dos Red Arrows”, afirmou o Cap Felzcky, que voltou cheio de ideias de melhorias para o Esquadrão brasileiro, cumprindo com a finalidade do intercâmbio.

De qualquer forma, o EDA não deixa nada a desejar em relação aos ingleses. “Não há como comparar os times, pois voamos aeronaves diferentes, mas a nossa estrutura física e a rotina de trabalho estão em grau de igualdade.”, finalizou o experiente piloto.

Cap Av Ricardo Felzcky e o Cap Av Anderson Amaro Fernandes

fonte/fotos/EDA

AVIÃO POUSA COM SEGURANÇA APÓS PROBLEMA COM OS FLAPS

Um avião Canadair CL-600-2B19 Regional Jet CRJ-200 da NWA Airlink (Mesaba Airlines), que faz voos regionais para a Northwest Airlines, pousou em segurança neste sábado (5), apesar dos flaps das asas não estarem funcionando.

O porta-voz do Aeroporto Internacional Gerald R. Ford, Bruce Schedlbauer, disse que o piloto informou o problema nos flaps para os controladores às 10:25 (hora local).

Equipes de emergência foram colocadas em estado de espera, mas não foi necessário sua utilização, já que o avião pousou em segurança no aeroporto às 10:38 hs na pista 26L.

O jato realizava o voo regular XJ-3408/NW-3408 de Minneapolis (MN) para Grand Rapids (MI) transportando 47 pessoas a bordo.

"Os pilotos são treinados para essa situação. Não é uma ocorrência normal, mas acontece ocasionalmente. Tripulações são treinadas para aterrissa sem flaps e os aviões são projetados para aterrissar em segurança nessa condição", informou Bruce Schedlbauer.

Não se sabe se o avião foi levado para reparos depois do desembarque.

fonte/Aviation Herald

AEROPORTO DE NATAL, RIO GRANDE DO NORTE, NÃO DISPÕE DE ESTRUTURA PARA A DEMANDA

Mais de um milhão e 500 mil pessoas já passaram, este ano, pelo Aeroporto Internacional Augusto Severo. A expectativa da Infraero é que até o final do ano este número chegue a dois milhões de pessoas. Uma boa notícia se não fosse pela falta de infraestrutura para atender à demanda. Na tarde de ontem, por volta das 13h30, o aeroporto estava lotado, as filas se estendiam por toda a área do check in. Sem falar no calor, que incomodava os passageiros.

Nos horários de embarque e desembarque os passageiros lotam o aeroporto e reclamam dos serviços

“Está complicado para embarcar aqui em Natal. O aeroporto é pequeno para a quantidade de passageiros. Na hora de fazer o check in confunde os passageiros porque as filas se misturam. Em horários de pico, como hoje, é uma loucura”, disse o turista mineiro, Gilmar Bolandini.

A empresária, também de Minas Gerais, Delmanes Renier, reclamou da falta de refrigeração e do serviço de bagagem. “Quando cheguei em Natal tive que esperar cerca de 40 minutos para pegar minha bagagem. E o local do desembarque onde ficam as esteiras era muito quente. Acho que por ser uma cidade turística, Natal precisaria de um aeroporto maior”, disse.

Essa é a mesma opinião do músico Vanderley Júnior. “É claro que houve uma melhora no aeroporto, mas também é notório que precisa de uma ampliação porque já está muito pequeno”, disse o músico.

Outra reclamação dos passageiros é com relação aos banheiros. “Nunca tinha entrado num banheiro tão fedido. Sem contar que tem até torneira quebrada”, reclamou uma passageira que não quis ser identificada

Segundo dados da Infraero, o Aeroporto Augusto Severo possui uma população fixa de aproximadamente 1.400 pessoas. Além disso, circulam diariamente mais três mil usuários em desembarque. Nos horários de maior movimento, entre as 13h e 17h, fica difícil até de desembarcar em frente ao aeroporto, devido à quantidade de veículos. Chega a se formar fila dupla.

O número de táxis não absorve a demanda de passageiros. A conseqüência disso é uma fila de passageiros esperando um carro para sair do aeroporto.

Mas as reclamações não se restringem aos passageiros. Para quem trabalha no local a situação é mais complicada. Segundo uma funcionária de uma agência de viagem, que não quis se identificar, disse que o aeroporto está abandonado. “Na semana passada os elevadores estavam quebrados, ficamos sem internet e, para variar, o ar condicionado também. Hoje o elevador está funcionando, mas o ar condicionado não”, disse a agente de viagem.

Não é difícil encontrar um funcionário que não reclame da estrutura do aeroporto, o problema é que nenhum deles quer se identificar com medo de represálias. Um deles procurou a reportagem da TN para falar sobre o estacionamento. Segundo ele, quem quiser ter um local seguro para deixar o carro tem que desembolsar R$75,00 por mês. “Só aqui que o funcionário paga R$75,00 para ter um lugar para estacionar o carros”, reclamou o funcionário.

Gerente garante reforma das instalações

Para o gerente comercial da Infraero, Roberto Caldeira Filho, o Aeroporto Internacional Augusto Severo tem condições de receber os cerca de 500 mil passageiros que devem passar por Natal até o final do ano. Já que a estimativa é que em 2009, dois milhões de pessoas passem pelo aeroporto.

“Estamos providenciando reparo onde existe problema. O sistema de ar condicionado, por exemplo, estará funcionando a contento até o próximo dia 15 de dezembro. Nas escadas rolantes, temos manutenção constante, tanto que faz muito tempo que não quebra”, disse Roberto Caldeira Filho.

Com relação aos elevadores, Caldeira reconheceu que eles são antigos e quebram com frequência, mas garantiu que serão substituídos. “Estamos abrindo uma licitação para a compra de dois novos elevadores e no máximo em seis meses estarão funcionando”, disse o gerente comercial da Infraero.

Questionado sobre o estacionamento do aeroporto, Caldeira Filho disse que não houve um aumento no valor pago pelos funcionários e sim uma diminuição no desconto que era oferecido. “Uma empresa terceirizada administra o estacionamento, mas a gestão é da Infraero. E o valor do estacionamento para os funcionários é padrão em todos os aeroportos, equivalente a três diárias de 24 horas por mês”, disse.

Check in

Mas a boa notícia é que o Aeroporto Augusto Severo vai passar por uma grande reforma no próximo ano, que vai desafogar a atual área de check in. Isso porque as companhias de voos charters terão uma área para despacho de bagagem separada das companhias regulares.

“No prédio anexo ao aeroporto será construído um terminal para o check in dos passageiros de voos charters. No local atual, ficarão apenas as companhias regulares. O que vai diminuir e muito o aglomerado de passageiros”, explicou Roberto Caldeira Filho.

Ainda segundo ele, vai ser criada uma nova área de embarque doméstico e o internacional será ampliado. “Ainda não temos a data do início da reforma, mas será no próximo ano e deve durar entre 18 e 24 meses, pois vai ser uma reforma em todo o aeroporto. O valor da obra está estimado em R$14 milhões”, disse.
 
fonte/foto/ Tribuna do Norte

PARQQUEDISTAS ATROPELADOS DURANTE EXERCÍCIO EM PORTUGAL


Dezesseis militares foram atropelados por um carro que perdeu o controle nesta sexta-feira (4), quando efetuavam um exercício de marcha na estrada. O atropelamento deu-se à saída do quartel e provocou 14 feridos dos quais três se encontram em estado que inspira cuidados e foram levados para Lisboa.

Cinquenta e dois militares da Base Aérea de Tancos faziam como é habitual um exercício denominado "Marcor" - marcha corrida - na estrada para Constância quando uma viatura comercial ligeira que se deslocava no mesmo sentido, perdeu o controlo e atropelou os militares.

Os militares envolvidos no acidente pertencem ao Curso de Combate ministrado na Escola da Tropas Pára-quedistas de Tancos e cumpriam a primeira semana de treino. O Tenente-Coronel Hélder Perdigão, Porta-Voz do Exército, explicou que à saída da unidade, por volta das 07h00 da manhã, a cerca de 200 metros da unidade um carro desgovernado apanhou a cauda da coluna militar, provocando ferimentos em 16 dos paraquedistas.

Dado o alarme, várias equipas do INEM se deslocaram de imediato para o local onde estão a prestar os primeiros cuidados aos paraquedistas sinistrados. As equipas do INEM vieram da região de Abrantes, Entroncamento e Barquinha. O Porta-Voz do Exército informou que parte dos militares sinistrados já se encontram nos hospitais militares e para os Hospitais de Abrantes e Torres Novas, tendo sido evacuados de helicóptero para Lisboa três militares que são os casos mais complicados e que inspiram mais cuidados.

Os três feridos graves deram entrada nos Serviços de Urgência do Hospital de Santa Maria e do Hospital de S. José para onde foram transportados numa ambulância do INEM (Instituto Nacional de Emergência Médica).

Versões contraditórias ao longo da manhã

Os Paraquedistas que efectuavam um exercício habitual, seguiam pela estrada onde também é habitual com uma frequência que é, segundo Hélder Perdigão, quase diária. O porta-voz do Exército, Tenente-Coronel Hélder Perdigão veio a meio da manhã confirmar que a coluna seguia sem coletes reflectores ao contrário de informações dadas ao início da manhã à RTP de que os militares seguiriam com coletes reflectores "conforme mandam as regras neste tipo de situações". "Efectivamente não usavam colectes. Vinham dois elementos à frente e dois atrás para sinalizar a coluna militar, de forma gestual", explicou o porta-voz do Exército

Faziam marcha no sentido de Tancos para Constância e foi precisamente nesse sentido que se deu o acidente. O condutor da viatura que provocou o acidente saiu ileso do mesmo e a patrulha da Guarda Nacional Republicana tomou conta da ocorrência.

Condutor não apresentou taxa de alcoolemia

O comandante do destacamento de Torres Novas da GNR , Pedro Reis, informou o que se terá passado. "Ao que tudo indica, o veículo ligeiro de mercadorias dirigia-se na direcção Tancos-Praia do Ribatejo e deparou-se com um indivíduo a fazer sinal para ele se desviar do sentido normal do trânsito, tendo o condutor efectuado essas manobra de recursos entrando na via de sentido contrário", disse.

"Ao retomar o seu sentido de marcha não se apercebeu quer estava na presença de um pelotão de 52 elementos formado em coluna por dois militares", adiantou. De acordo com o comandante do destacamento de Torres Novas da GNR, o condutor foi submetido a testes para detectar substâncias psicotrópicas e álcool, que deram resultados negativos. Condutor que atropelou militares diz que pelotão não estava identificado com coletes. Chama-se José Filipe e conduzia um veiculo comercial no percurso Tancos - Praia do Ribatejo onde ia fazer a habitual distribuição de jornais.

Eram 7h00 da madrugada e o local apresentava-se, segundo o condutor, escuro. José Filipe é peremptório a afirmar que os militares "não estavam identificados com coletes" numa versão que contradiz em absoluto a apresentada pelo exército através do seu porta-voz Tenente-Coronel Hélder Perdigão que garantiu à RTP que os militares usavam coletes reflectores "como mandam as regras neste tipo de situação".

"Estava escuro. Eles não vinham identificados com coletes nem com camisolas brancas. Tentei desviar-me mas não consegui e apanhei o pelotão", declarou José Filipe. O condutor clarificou que os militares vestiam t-shirts e calças verdes. "As primeiras ambulâncias e as autoridades policiais a chegarem ao local podem comprovar que eles vestiam t-shirts e calças verdes. Eu bati na minha mão", falando da faixa em que seguia.

Estrada com muitos acidentes

O comandante dos Bombeiros Voluntários de Barquinha, Carlos Gonçalves, confirma que "têm ocorrido muitos acidentes naquele local, alguns com gravidade, mas nunca envolveram militares em treino". "Trata-se de um recta que atravessa o polígono militar. Têm ocorrido muitos acidentes envolvendo viaturas que circulam a grandes velocidades, mas nunca com militares em treino", disse o comandante.


Maioria dos militares atropelados já recebeu alta

A maioria dos 16 militares atropelados esta manhã na zona de Tancos já recebeu alta médica, avançou ao "Público" o tenente-coronel Hélder Perdigão, relações públicas do Exército. O mesmo responsável confirmou que os recrutas não levavam coletes reflectores, mas salientou que um dos militares avisou o condutor, por gestos, da presença do pelotão.

Os feridos receberam tratamento hospitalar imediato, tendo dois deles sido transportados de helicóptero para Lisboa - um para o Hospital de Santa Maria e o outro para o Hospital de São José. Estes dois homens têm "prognóstico reservado", de acordo com os mais recentes dados fornecidos pelo Exército.
 
fonte/RTP/Agência Lusa/Público

REPÚBLICA DOMINICANA RECEBERÁ 2 AVIÕES COMPRADOS DO BRASIL NO DIA 9 DE DEZEMBRO


A República Dominicana receberá na próxima quarta-feira dois dos oito aviões da linha de defesa Super Tucanos comprados do Brasil e que serão utilizados na luta contra o narcotráfico e na perseguição de aparelhos suspeitos que violarem o espaço aéreo, informou neste sábado a imprensa local.

Os aviões serão recebidos pelo presidente dominicano, Leonel Fernández, em cerimônia especial na Base Aérea de San Isidro, a leste de Santo Domingo, informou o jornal "Listín Diario".

Oito aviões foram comprados da Embraer depois da assinatura no ano passado de um pré-contrato do negócio.

O ministro das Forças Armadas dominicano, Pedro Rafael Peña Antonio, disse que o país não só receberá aviões, mas garantirá "a segurança dos céus e a segurança de todas as nossas famílias".

Peña Antonio viajou esta semana ao Brasil para receber o contrato de propriedade dos aviões.

Os aparelhos são controlados por computadores, possuem duas metralhadoras calibre 0.50 com capacidade para disparar 250 cartuchos por minuto e dispõem de pontos para instalar foguetes, mísseis ou tanques adicionais de combustível, segundo os detalhes do jornal local.

Além disso, podem voar de três a quatro horas contínuas e deslocar-se a 37 mil pés de altura.

O Super Tucano é o único avião com produção em larga escala no mundo capaz de realizar missões de treino avançado e de vigilância durante a noite.
 
fonte/EFE/EPA

PASSAGEIROS LEVAM ATÉ DUAS HORAS PARA LIBERAR BAGAGENS NO SANTOS DUMONT

No momento em que cresce a preocupação em mostrar o Rio como uma cidade cosmopolita, escolhida para sediar as Olimpíadas de 2016, a demora no desembaraço de malas e a burocracia considerada excessiva no Aeroporto Internacional Antônio Carlos Jobim (Galeão) têm irritado cada vez mais cariocas e turistas. Não são incomuns casos de bagagens que tardam mais de duas horas entre os porões da aeronave e as mãos dos donos, já em solo, mostra reportagem de Henrique Gomes Batista, publicada neste domingo pelo jornal O GLOBO.

Autoridades brasileiras batem cabeça e trocam acusações sobre suas causas aqui, prejudicando o viajante que utiliza o Rio como porta de entrada do Brasil. A suíça Kistler Margerith, de férias na cidade, se surpreendeu ao ficar mais de uma hora esperando sua mala:

- Cheguei a pensar que tinha ocorrido algum problema, mas não. Não fui chamada para a Alfândega, nada. Foi uma demora apenas, mas acima do que vemos em outros aeroportos internacionais.

Quem é o culpado? Infraero, Receita Federal, Polícia Federal (PF), Ministério da Agricultura e empresas aéreas se acusam. A PF informou que é o órgão que menos atrapalha a vida dos passageiros. Sua fila, explica, é originada pela conferência dos passaportes, que ocorre antes da espera da mala. Segundo a PF, a rigidez deve existir, e o procedimento é mais rápido que em outras nações. A Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), órgão regulador, admite que está atenta a atrasos com bagagens, mas não soube apontar culpados nem soluções.

A Receita passa Raios X em 100% das malas que chegam no aeroporto, antes da esteira. Mas isso não causa atraso, avisa o órgão. Márcio Roberto Santezo Baptista, chefe da equipe de conferência de bagagem da Receita no Galeão é contundente: a culpa é da Infraero, estatal responsável pelos aeroportos.

André Luis Marques, superintendente do Galeão, contra-ataca e diz que não há mais esteiras inoperantes no Terminal 1:

- A última quebrada a gente arrumou ontem (quarta-feira).

Ele diz que dá todas as condições para o desembarque e afirma que o Galeão está em franca melhoria e faz obras de modernização no Terminal 2 - atrasadas em apenas "dois meses, o que não pode nem ser considerado um atraso".

Marques acusa a Anac - "o órgão fiscalizador é que tem o cajado para intervir diretamente " - e as companhias aéreas por não fazerem o trabalho de solo, muitas vezes, em tempo hábil.
 
fonte/O Globo

MÍSTERIO REVELADO - ANTOINE SAINT-EXUPÉRY...

Foi um segredo guardado durante 64 anos. Horst Rippert, piloto alemão da Luftwaffe, admitiu, aos 88 anos, ter abatido Antoine de St Exu...