sábado, 24 de setembro de 2011

VÍDEO - FOGO EM TREM DE POUSO EM AVIÃO DA AZUL

VÍDEO - DECOLAGEM B767 COM EMOÇÃO - RÚSSIA

PARAGUAI COMPRA FOKKER 100 PARA AVIÃO PRESIDENCIAL

Fokker-100 F-28-0100Image via Wikipedia
Depois de analisar várias propostas, o governo do Paraguai aprovou a compra de um Fokker 100 de uma empresa de charter européia, notícia comfirmada no dia 21 de setembro pelo general de Divisão da FAP, Miguel Cristo Jacobs.

A operação custaria 7 milhões de dólares, incluindo a revisão da fuselagem, cabine de comando e motores. O pacote inclui a formação de pessoal e o translado para o Paraguai.

De acordo com a ABC Digital, Cristo informou que o PAF não tem todos os dados técnicos, mas aa aeronave inda tem 8 anos de ciclo de vida, e os motores 2.600 horas e outro 2000 , o que siginifica  cerca de 10 a 15 anos de uso.
 
Técnicos da PAF serão enviados à Europa para observar o equipamento e analisar o seu histórico de manutenção, horas de vôo, para continuar as negociações. Cristo, por outro lado, reconheceu que a produção de Fokker 100 (até ~ 100 passageiros) foi descontinuado pela falência da empresa no início de 2000, mas disse que muitas empresas continuam a fabricar peças e componentes , que "garante um funcionamento por mais 25 anos."

Tendo operado no Paraguai por dez anos pela TAM Mercosul, as aeronaves Fokker , deixaram  pessoal treinado na manutenção e operação.

A busca por um avião presidencial teria começado em meados do ano, com base em uma recomendação da Direção de Operações da FAP, nesse sentido. A empresa brasileira Embraer EMB teria oferecido uma aeronave Legacy 600, com autonomia de 6.000 km, e a um custo aproximado de 28,45 milhões de dólares, 40% adiantado, 20% após o treinamento de pilotos e técnicos e 20% contra -entrega.  A EMBRAER também teria oferecido ajuda na obtenção de linhas de crédito para financiar a operação.

fonte/ABCDigital
Enhanced by Zemanta
Um projeto da Aeronáutica promete revolucionar a navegação aérea do país, reduzindo tanto o impacto ambiental nas proximidades dos aeroportos como o tempo de viagem, através de trajetórias de voo muito mais precisas. No novo conceito CNS/ATM de navegação aérea, que será implementado pelo Departamento de Controle do Espaço Aéreo (DECEA), a rota da aeronave não é delimitada por auxílios de solo, mas, sim, orientada por satélites

A chamada Navegação Baseada em Performance, ou PBN (do inglês Performance Based Navigation), redesenha e otimiza a estrutura dos trajetos de navegação, permitindo que o caminho percorrido entre um aeroporto e outro seja mais reto e direto.  


Com o novo sistema, as aeronaves não precisarão mais fazer curvas e desviar da direção da cidade-destino entre os auxílios baseados na superfície para alcançar seus destinos e voarão diretamente de um ponto para o outro. O número de alternativas para novas rotas do gênero vão agilizar os pousos e decolagens, ajudando a desobstruir os terminais aéreos.


As vantagens para o novo sistema de navegação, segundo a Aeronáutica, são rotas menores, menos gastos de combustível, menos emissões de poluentes, pousos de precisão por satélites, aproximações com descida contínua, maior flexibilidade de voo, trajetórias de voo muito mais precisas. 

fonte/|Estadão

MP REABRE INQUÉRITO PARA TENTAR DESCOBRIR PORQUE HELICÓPTERO DE MARRONE CAIU


  • Helicóptero em que estava Marrone, logo após acidente no interior de São Paulo, em maio deste ano Helicóptero em que estava Marrone, logo após acidente no interior de São Paulo, em maio deste ano
O promotor Fábio José Matoso Miskulin, da 11ª. Promotoria de Justiça Criminal de São José do Rio Preto (438 km de São Paulo), disse nesta terça-feira (20) ao UOL Notícias que pediu a reabertura do inquérito do caso Marrone porque quer saber qual o motivo da queda do helicóptero do cantor. “Quem estava pilotando não é o mais importante”, disse Miskulin.

O helicóptero caiu no último dia 2 de maio, logo depois de decolar do aeroporto Eribelto Manoel Reino, em São José do Rio Preto, com destino a Goiânia. O piloto, Almir Carlos Bezerra, teve parte da perna amputada, e o primo e assessor de Marrone, Jardel Alves Borges, sofreu traumatismo craniano e passou vários dias internado na UTI (unidade de terapia intensiva) do Hospital de Base.

Marrone sofreu apenas escoriações leves. O cantor disse que estava aprendendo a pilotar, e daí surgiu a suspeita de que ele estivesse conduzindo a aeronave no momento do acidente.

Durante seu depoimento em São Paulo, no mês de agosto, através de carta precatória, o cantor admitiu que já havia assumido o comando da aeronave por alguns minutos enquanto o piloto consultava o mapa no trajeto entre Curitiba (PR) e São José do Rio Preto, de onde a aeronave partiu.

O promotor considera que é preciso definir se a aeronave caiu por falha humana ou mecânica. “Foi falha mecânica? Foi uma revisão malfeita? Foi combustível errado? Um helicóptero não cai fácil assim”, afirmou ele.

Miskulin considerou que o inquérito realizado pela Polícia Civil ficou incompleto, pois não incluiu o laudo do Instituto de Criminalística nem a avaliação técnica da Seripa (Serviço Regional de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos), órgão da aeronáutica. “O primo do cantor, o Jardel, será ouvido através de carta precatória nos próximos dias. Ele mora em Goiânia e deve responder na delegacia lá.” 

O inquérito conduzido pelo delegado do 2º. Distrito Policial de São José do Rio Preto, Luiz Chaim, está retido em juízo até que retornem a carta precatória de Jardel e os laudos da Seripa. “Só depois disso vamos decidir sobre novas diligências”, disse o promotor. O delegado não atende mais à imprensa. Ele afirma ainda que o caso não tem data para ser concluído. “O laudo da aeronáutica vai nos indicar o sentido que teremos de tomar nas investigações”.

O cantor Marrone anunciou seu afastamento dos shows. Ele estaria sofrendo de depressão devido às conseqüências do acidente e pediu tempo para se recuperar emocionalmente. Bruno vai cumprir a agenda de apresentações, que inclui um show em São José do Rio Preto em outubro, durante a 50ª. Expo Rio Preto.

fonte/UOL/foto/UOL

CONTINUO RECEBENDO RECLAMAÇÃOES DE PROGRAMAS DE MILHAGEM, REPORTAGEM DE JUNHO/2001

Roubo de milhas: empresas são obrigadas a ressarcir os consumidores, diz advogado


SÃO PAULO – Os consumidores devem estar mais conscientes de que o desvio de milhagens aéreas tem acontecido com certa frequência atualmente, de acordo com o presidente da Comissão de Crimes de Alta Tecnologia da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) de São Paulo, Coriolano Almeida Camargo.

“Muitas vezes não é culpa da companhia aérea. Há hackers que invadem o banco de dados da empresa e eles têm poder de crime virtual muito grande. A empresa não tem culpa”, explica o advogado.


Apesar disso, ele alerta que, uma vez que a companhia aérea seja notificada sobre o roubo de milhagens, ela é sempre obrigada a ressarcir o consumidor. “O cliente já ganhou aquilo e, juridicamente falando, as milhas não pertencem à companhia. A empresa só está gerenciando um bem que é de terceiros”, afirma.


Isso significa que a empresa responde pelas milhas dos consumidores, alerta Carmargo, pois ela tem a guarda daqueles dados. “As milhas são informações guardadas em um banco de dados”.


Devolução das milhas

Assim que o consumidor perceber que sumiram milhas de sua conta, ele deve entrar com uma notificação pedindo que a empresa devolva os pontos adquiridos. “Ele também deve pedir um documento afirmando que as informações dele foram divulgadas para terceiros”, completa o advogado.

Ele explica que a pessoa não precisa provar que as milhas sumiram. “A companhia aérea que precisa provar se o consumidor não tinha os pontos. Eles têm arquivos backup e conseguem essas informações rapidamente”, diz Camargo, destacando que, se o consumidor tiver extratos que mostrem que ele possuía as milhagens, é melhor já mostrar, para acelerar o processo.


Quando o problema aumenta

A notificação serve para gerar um acordo com a empresa. “A companhia aérea precisa reagir bem a isso. Não pode cruzar os braços, mas deve ressarcir essas pessoas rapidamente”, aconselha, pois, ela não precisará pagar indenizar o consumidor por danos morais.

Isso pode ocorrer, por exemplo, se o consumidor usaria as milhas para viajar durante as férias do trabalho marcadas para julho. Ele entra em sua conta no programa de fidelidade, mas não possui mais as milhas e faz a notificação à empresa. Porém, ela demora para agir, devolve as milhas apenas em agosto e a pessoa perde o período de férias.


Neste caso, o advogado aconselha a pedir um ressarcimento por danos morais. “Ele vai pedir dinheiro por suas dores, angústias e aflições. As milhas representam qualidade de vida e é um desgaste emocional não poder usá-las para a viagem de férias”.


Se o acordo não der certo, aí a pessoa deve entrar com uma ação judicial de reparação de danos. “O consumidor só pode fazer isso sendo representado por um advogado. Então, ele pede, através do advogado, as milhas e o dinheiro”, indica Camargo.


TAM avalia reclamações recebidas

A TAM informou, por meio de nota, que “todas as reclamações estão sendo analisadas e os clientes afetados estão sendo contatados pela empresa para esclarecimento”. Mas a empresa não informou se já está devolvendo os pontos roubados.

A companhia ainda destacou que se tratam de casos pontuais e tranquiliza os usuários que seu site não foi invadido.


Ela esclarece ainda que adota diversos procedimentos para garantir a segurança do site, como exigir assinatura eletrônica e senha de resgate, pessoal e diferente da assinatura, para a emissão de passagens.


Já a GOL, por meio de sua assessoria, informou que não recebeu nenhuma notificação dos clientes e que "as emissões de passagem somente são realizadas através de confirmação do número Smile e senha, que é pessoal e solicitada no momento da emissão". A companhia ainda destaca que o programa não permite transferência de milhas entre contas.


Erro do consumidor

Outra situação possível é quando o desvio de milhas é um caso isolado: só aconteceu com um consumidor que não possui antivírus em sua máquina usa softwares piratas e acessa portais maliciosos.

“Nesse caso, a companhia aérea também tem que provar que a pessoa se expôs, colocando suas informações em risco, ao permitir que terceiros tenham acesso a elas”, explica. O computador do cliente vai passar por uma perícia para verificar se está infectado e, se confirmada essa exposição, a empresa não será responsabilizada.


Por isso, é importante tomar cuidados mínimos para se proteger, como ter pelo menos um antivírus e um sistema operacional sempre atualizado e que não seja pirata. “A pessoa tem que saber onde ela anda e com quem ela anda. Não é porque está na internet que vai navegar em qualquer site”, alerta o advogado.

fonte/UOL

ATR DA AZUL TENTA DECOLAR DUAS VEZES E RODA PEGA FOGO

Uma tentativa de decolagem na manhã deste sábado causou pânico a 67 passageiros da companhia aérea Azul em São José do Rio Preto, interior de São Paulo. Uma das rodas da aeronave, que fazia o voo 4311 (destino Campinas), pegou fogo e os clientes foram evacuados.

Na primeira tentativa, o avião não conseguiu decolar devido à presença de pássaros na pista. Na segunda, o sistema de freios superaqueceu, causando o fogo. Conforme a empresa, os passageiros receberam assistência e foram remanejados em outros voos.

fonte/Terra

MÍSTERIO REVELADO - ANTOINE SAINT-EXUPÉRY...

Foi um segredo guardado durante 64 anos. Horst Rippert, piloto alemão da Luftwaffe, admitiu, aos 88 anos, ter abatido Antoine de St Exu...