quinta-feira, 30 de abril de 2015

EMBRAER DIVULGA OS RESULTADOS DO 1º TRIMESTRE DE 2015

 
​São José dos Campos, 30 de abril de 2015 - (BM&FBOVESPA: EMBR3, NYSE: ERJ) As informações operacionais e financeiras da Empresa, exceto quando de outra forma indicadas, são apresentadas com base em números consolidados de acordo com as normas contábeis IFRS (International Financial Reporting Standards) e em Reais. Os dados financeiros correspondentes aos trimestres são derivados de demonstrações financeiras não auditadas, enquanto aqueles correspondentes aos períodos anuais são auditados, exceto quando de outra forma indicado.


DESTAQUES


- No 1º trimestre de 2015 (1T15), a Embraer entregou 20 aeronaves comerciais e 12 executivas (sendo dez jatos leves e dois grandes);

- A carteira de pedidos firmes (backlog) terminou o trimestre em US$ 20,4 bilhões, comparada aos US$ 19,2 bilhões do 1T14 e aos US$ 20,9 bilhões do final de 2014;

- Como resultado das entregas de aeronaves bem como da receita do negócio de Defesa & Segurança, a Receita líquida atingiu R$ 3.068,3 milhões no 1T15;

- As margens EBIT  e EBITDA² atingiram 7,5% e 14,0%, respectivamente no 1T15 - maiores que os 7,4% e 12,1%, respectivamente, alcançados no 1T14;

- O Prejuízo líquido atribuído aos acionistas da Embraer foi de R$ 196,0 milhões e o Prejuízo por ação foi de R$ 0,2676 no 1T15;

- Lucro líquido ajustado (excluídos o Imposto de renda e contribuição social diferidos)3 foi de R$ 131,2 milhões no 1T15;

- A Embraer encerrou o 1T15 com uma posição de Caixa total de R$ 5.800,0 milhões, com um Total de financiamento de R$ 7.665,4 milhões, resultando em uma Dívida líquida de R$ 1.865,4 milhões no trimestre.


 


fonte/Embraer/foto/RobertoFantinel

HELICÓPETRO EUROCPTER EC 155 B1 TINHA PÁ QUEBRADA EM ACIDENTE QUE MATOU FILHO DO GOVERNADOR DE SÃO PAULO

Investigadores da Polícia Civil e da Aeronáutica ouvidos pelo G1 disseram ter concluído preliminarmente que houve quebra das pás do helicóptero que caiu em Carapicuíba, na Grande São Paulo. Ao menos uma delas teria se partido durante o voo, antes de a aeronave cair. Inicialmente, especialistas em aviação apontaram a possibilidade de elas terem se soltado do rotor ao analisarem filmagem da queda em 2 de abril (veja acima vídeo feito com imagens anteriores e recentes do local atingido pelos destroços).

A hipótese de quebra do conjunto de pás que compõem a hélice principal é uma das linhas da investigação para explicar a queda do helicóptero que matou cinco pessoas, incluindo o filho caçula do governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), e que completa um mês no sábado (2). 

Na próxima quarta-feira (6), a Polícia Civil deverá pedir à Justiça a prorrogação do prazo para concluir a investigação que apura se a queda do helicóptero que deixou cinco mortos foi acidental ou intencional. Procurada, a Força Aérea Brasileira (FAB) informou que a apuração está na fase de coleta de dados e, por isso, não poderia se pronunciar oficialmente sobre o que foi encontrado.

A equipe de reportagem apurou que a perícia quer saber agora o que quebrou essas pás enquanto o helicóptero estava no ar. Motor, rotor principal, as cinco pás quebradas e parte dos destroços encontrados estão sendo montados no Campo de Marte, na capital paulista, para tentar reconstruir parte do helicóptero. A análise desses objetos poderá dar pistas sobre as possíveis causas da queda da aeronave.

Foto feita logo após a queda do rotor do helicóptero no banheiro do casal Fuchs: imagem mostra pá do conjunto de hélices quebrada (Foto: Divulgação / Arquivo pessoal) 
Foto feita logo após a queda do rotor do helicóptero no banheiro do casal Fuchs: imagem mostra pá do conjunto de hélices quebrada (Foto: Divulgação / Arquivo pessoal)
 
Nesta semana, o G1 acompanhou a visita de representantes da Aeronáutica, da polícia e do Escritório de investigação e Análise da aviação civil francesa (BEA) à casa atingida pelo rotor do helicóptero. Proprietário do imóvel, o engenheiro Ricardo Fuchs afirma que os pinos de sustentação das cinco pás continuavam intactos após a queda (veja foto acima).

“Achei um pedaço da pá que estava trincado, quebrado”, disse ele. “Mas vi no rotor que prendia as pás que todo sistema de articulação estava intacto, ou seja: as pás não se soltaram como disseram antes; elas, na verdade, se quebraram.”

Hipótese para queda
De acordo com a investigação, a quebra de ao menos uma das pás já seria capaz de desestabilizar o helicóptero de fabricação francesa, danificando as outras pás, gerando instabilidade e perda de sustentação no ar. Essa é uma das hipóteses apuradas para tentar explicar a queda da aeronave sobre duas casas do Condomínio Fazendinha, em Carapicuíba.

Como o caso corre sob segredo de Justiça, policiais civis, peritos da Superintendência da Polícia Técnico-Científica e militares da FAB que participam da investigação foram ouvidos sob a condição de que seus nomes não fossem divulgados.

De acordo com eles, uma das pás pode ter se quebrado durante o voo devido à vibração. Duas pás teriam sido danificadas por essa situação. Cada pá é feita para suportar uma certa trepidação, mas se alguma peça for colocada de forma inadequada existe o risco de que a aceleração cause fissura no componente.

Entre as possibilidades avaliadas estão: erro de manutenção, falha do material usado ou batida em pássaro.

Quase um mês depois, Ricardo Fuchs aponta para buraco no teto do banheiro por onde passou rotor, que destruiu detalho e estrutura de concreto até parar no piso (Foto: Kleber Tomaz / G1)Quase um mês depois, Ricardo Fuchs aponta para buraco no teto do banheiro por onde passou rotor, que destruiu o telhado e estrutura de concreto até parar no piso. Ele e a mulher estão morando num imóvel cedido pela Seripatri, dona do helicóptero, até que a casa deles seja reformada pela empresa (Foto: Kleber Tomaz / G1)
 
Além das análises técnicas da perícia, o que corrobora a tese de quebra das pás e não de soltura delas são depoimentos de testemunhas que viram a queda do helicóptero. Ao menos duas pessoas disseram aos policiais do 1º Distrito Policial (DP) de Carapicuíba e aos técnicos do Serviço Regional de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Seripa) ter visto as pás se quebrarem no ar ou serem encontradas quebradas.

O auxiliar Odair Rodrigues Condé disse à investigação e ao SPTV ter presenciado os últimos instantes do helicóptero, antes da queda. "A hélice saiu e bateu na lateral dele. Aí ele começou a girar no ar alto, girar, girar, girar, e caiu lá embaixo. Eu vi a pá dele caindo aqui embaixo também, beirando a cerca", afirmou.

O engenheiro Ricardo Fuchs, que viu a aeronave cair no seu quintal e o rotor dela atravessar o telhado e parar no banheiro, falou ao G1 o que contou à polícia sobre a quebra das pás e como escapou de ser atingido pelo helicóptero. "Vi o aparelho instável, caindo, dei cinco passos e o chão tremeu, como terremoto. Ainda fui perto para ver se alguém estava vivo. O rotor que caiu no banheiro mostrou que as pás da hélice foram quebradas".

Membros da BEA, Aeronáutica e Polícia Civil visitam uma das casas onde aeronave caiu (Foto: Kleber Tomaz / G1) 
Membros da BEA, Aeronáutica e Polícia Civil visitam
uma das casas onde aeronave caiu
(Foto: Kleber Tomaz / G1)
 
Polícia e Aeronáutica já ouviram os depoimentos de mais de dez pessoas. São e serão ouvidas testemunhas que viram a queda da aeronave, representantes da Seripatri Participações, dona do helicóptero, da Helipark, responsável pela manutenção da aeronave, e da Helibrás, que fez a manutenção das pás das hélices.

O Instituto de Criminalística (IC) ainda fez um mapeamento aéreo da queda. Imagens de câmeras de segurança que mostram um objeto, semelhante a uma pá, se desprender do helicóptero antes da queda, também estão sendo analisadas
.
 
Queda
O helicóptero modelo EC 155 B1, fabricado pela Eurocopter France, prefixo PPLLS, pertencia à Seripatri Participações, empresa de investimentos de José Seripieri Jr., fundador da Qualicorp, que administra planos de saúde coletivos.

O piloto Carlos Gonçalves e o mecânico Paulo Moraes eram da Seripatri. Erick Martinho e Leandro Souza eram mecânicos da Helipark. Thomaz Alckmin teria sido convidado pelo piloto para participar do voo teste para balanceamento da aeronave.

O helicóptero havia passado por manutenção preventiva na Helipark, que fica a cerca de 2 quilômetros do local da queda, e de onde o aparelho decolou às 17h02. Seis minutos depois, a aeronave caiu.

fonte/foto/G1

HOMEM MORRE AO PASSAR MAL EM VOO E AVIÃO FAZ POUSO EM VITÓRIA

Um homem morreu após passar mal a bordo de uma aeronave da Gol, na manhã desta quinta-feira (30). Segundo a Infraero, o passageiro saiu de Salvador , na Bahia com destino ao Rio de Janeiro, mas apresentou complicações de saúde dentro do avião e o piloto precisou pousar em Vitória.

Ainda segundo a Infraero, equipes de emergência com ambulância já aguardavam o passageiro em solo. Quando o avião pousou, ele recebeu atendimento ainda dentro da aeronave, mas acabou morrendo.

O tipo de complicação de saúde do homem e a situação dos outros passageiros que estavam no avião ainda não foram informados pela Gol.

Nota da companhia
"A GOL Linhas Aéreas Inteligentes informa que o voo G3 1961 (Salvador – Rio de Janeiro), nesta manhã (30/4), alternou para o aeroporto de Vitória após um dos seus passageiros passar mal durante o voo. A companhia prestou imediatamente toda a assistência ao cliente e solicitou a presença do Serviço de Atendimento Movél de Urgência (SAMU) logo após o pouso, mas, infelizmente, antes de ser levado a um hospital, foi constatado o falecimento deste passageiro. A GOL lamenta o ocorrido e se solidariza com os familiares do cliente".

fonte/G1

AVIÃO DA EASYFLY SAI DA PISTA NA COLÔMBIA

EasyFly BA_Jetstream41_LaCaraño 28abr15 800px

Um turbo-hélice BA Jetstream 41 da companhia colombiana de voos regionais colombiana Easyfly (matrícula KH-4585) com 32 pessoas a bordo saiu da pista após o pouso no Aeroporto de El Caraño, na cidade de Quibdó, departamento [província] de Chocó, na parte ocidental do país. O avião procedia de Medellín.

Trata-se de um aeroporto que está situado numa zona montanhosa, caracterizada por chuvas persistentes e com uma pista exígua.

Um comunicado da Aeronáutica Civil confirmou o incidente e esclareceu que todos os 32 ocupantes da aeronave se encontram bem, embora cinco tenham sofrido leves escoriações no local da ocorrência. Os danos visíveis na aeronave são de pouca monta.

EasyFly BA_Jetstream41_LaCaraño 28abr15 750px

O Governo da Colômbia tem em execução um plano de melhoramentos da rede aeroportuária do país, sendo El Caraño, um dos aeroportos contemplado com obras que dotarão a pista de tamanho semelhante à média dos aeroportos de capitais provinciais.

As obras só deverão estar completas em 2016 e compreendem o redesenho da pista e sua repavimentação de forma a receber aviões de até 150 passageiros de lotação em melhores condições de segurança. Também estão previstos melhoramentos na actual aerogare e serviços de apoio aos passageiros, tendo em conta que El Caraño é uma das zonas que mais chove durante o ano em todo o mundo.

fonte/foto/NewsAvia

VÍDEO DO ATAQUE AO AEROPORTO DE SANA PELA COALIZÃO ÁRABE


quarta-feira, 29 de abril de 2015

BRASIL QUESTIONA SUBSÍDIOS JAPONESES A RIVAL DA EMBRAER


Genebra - O Brasil questiona na Organização Mundial do Comércio OMC os subsídios dados pelo Japão à fabricação de jatos, acusando Tóquio de estar distorcendo o mercado e prejudicando as vendas da Embraer

Os japoneses planejam entrar no mercado de jatos regionais neste ano, com um modelo que promete ser mais eficiente em termos de consumo.

O caso foi apresentado na terça-feira, 28, em Genebra pelo Itamaraty, mesmo não se tratando ainda de uma disputa comercial nos órgãos de solução de controvérsias. 

O Brasil cobra uma explicação sobre o dinheiro concedido pelo governo à Mitsubishi, que está desenvolvendo a linha de jatos MitsubishiRegional Jet.

Segundo o Itamaraty, quase 3 bilhões de ienes foram destinados a um programa para pesquisa e desenvolvimento de eficiência na aviação. 

A suspeita é de que esses recursos seriam subsídios ilegais e violariam as regras da OMC. Isso porque, ao receber essa ajuda, os jatos japoneses estariam concorrendo no mercado internacional em melhores condições que a Embraer. 

O Brasil pediu que Tóquio informasse a dimensão dessa ajuda e o motivo pelo qual o Japão não notificou a OMC da existência desse programa.

Reação
Em resposta, o governo do Japão garantiu que sua política para o setor da aviação era "consistente" com as regras da OMC e com os acordos de subsídios. Além disso, Tóquio garante que notificou a organização de comércio sobre seu projeto. 

Sobre os programas não notificados, como o que o Brasil questionou, a diplomacia japonesa apenas indicou que eles se referem a financiamento para a pesquisa e que não são destinados a uma empresa específica, o que ficaria isento de notificações na OMC.

Há quatro anos o Brasil levantou pela primeira vez o assunto. Hoje, o mercado de jatos regionais é dominado por Brasil e Canadá.

Neste ano, Tóquio se prepara para lançar um modelo para 92 pessoas. E já conta com 223 encomendas. A americana SkyWest, por exemplo, fez uma encomenda de 100 jatos, com opção para mais 100. 

A meta do Japão é controlar 20% do mercado mundial desse segmento e, assim, recuperar investimentos de US$ 1,5 bilhão gastos no desenvolvimento do modelo.

Em 2011, Brasil, Japão, EUA, Canadá e Europa assinaram um acordo estabelecendo limites para a ajuda dos Estados ao setor aéreo, na esperança de pôr fim à crise e às guerras comerciais. Mas o tratado não impediu novas acusações. 

De acordo com a Mitsubishi, seu novo modelo é 20% mais eficiente em termos de consumo de combustível que a média do segmento. 

O jato também será mais silencioso que os concorrentes, segundo a empresa. Aguardado como o "jato regional mais confortável do mundo", o Mitsubishi Regional Jet ainda promete uma redução significativa de poluentes.

Concorrência
A história da aviação no Japão está ligada à Segunda Guerra Mundial. Nos anos 40, a Fuji Heavy Industries produziu 11 mil caças.
Mas centenas deles foram usados em ataques kamikazes. Quando Tóquio foi derrotada na guerra, o governo americano proibiu a fabricação de aviões pelos japoneses.
Décadas depois, a indústria japonesa foi retomada, mas apenas como fornecedor de peças para a Boeing, inclusive para o modelo 787 Dreamliner.
Os japoneses ainda têm tecnologia de ponta para diversos segmentos da produção de jatos. Mas até agora não tinham conseguido integrá-los em um jato comercial inteiramente produzido no Japão. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

fonte/Exame/foto/RobertoFantinel

FALHA EM APLICATIVO IMPEDE VOOS DA AMERICAN AIRLINES


Diversos voos da American Airlines não conseguiram decolar na noite da terça-feira (28) devido a um problema no aplicativoFliteDeck para iPad usado pelos pilotos dos aviões. "Alguns voos estão passando por um problema com o software no iPad dos pilotos", afirmou uma porta-voz da companhia aérea ao site The Verge.

"Em alguns casos, o voo teve que voltar ao portão de embarque para acessar uma conexão Wi-fi e resolver o problema", afirmou Andrea Huguely. Em alguns casos, os passageiros foram obrigados a desembarcar do avião e trocar de aeronave, após esperar por algumas horas até que o iPad da tripulação fosse reiniciado.

Em 2012, a American Airlines tornou-se a primeira empresa aérea a ser autorizada pela Agência de Aviação Americana para usar iPad em todos os estágios de um voo.
Muitas companhias aéreas usam o iPad para economizar peso em seus aviões. O tablet da Apple pode substituir equipamentos pesados na cabine, aumentando a eficiência no uso de combustível.

fonte/UOL/FolhaSP/Info 


TRABALHADORES DE TERRA DA TAP EM MARCHA SILENCIOSA CONTRA GREVE DE PILOTOS

“É muito importante que o Sindicato dos Pilotos perceba que existem rostos para além do seu pequeno mundo, que estão em completo desacordo com tamanha insensatez”, escreve o trabalhador da TAP Fernando Santos numa mensagem que hoje, terça-feira, dia 28 de Abril, mandou aos seus colegas que trabalham no edifício sede da companhia aérea portuguesa, no Aeroporto de Lisboa, em que os convida a participar numa marcha silenciosa e concentração, marcada para amanhã, dia 29 de Abril.
Segundo a convocação enviada aos trabalhadores de terra da TAP a iniciativa decorrerá da seguinte forma:
  • 12:00 – Concentração junto à portaria do reduto TAP;
  • 12:30 – Saída do reduto TAP e início da marcha em direção à rotunda das chegadas, seguindo até à rotunda das partidas e até ao Terminal de Tripulações TAP;
  • 12:45 – Concentração junto do Terminal de Tripulações TAP;
  • 13:00 – Fim da concentração.

Fernando Santos, responsável pela programação dos voos da TAP para África, tem estado em foco nos últimos dias, depois de se ter assumido pessoalmente como autor de uma carta que enviou aos seus colegas pilotos da companhia aérea, procurando demovê-los da greve de 10 dias que está marcada para decorrer entre os dias 1 e 10 do próximo mês de Maio.
Fazendo eco da opinião do que diz ser a grande maioria dos trabalhadores da companhia, alerta que a paralisação não está a colocar apenas em causa o futuro da TAP – com prejuízos estimados de 70 milhões de euros – mas também as famílias dos 10.800 funcionários do grupo. "Existe empresa para além de vós", recorda ao SPAC.
Caso a greve avance, os trabalhadores do grupo TAP ponderam um outro movimento de contestação no Aeroporto de Lisboa, para a qual convidarão todos os portugueses.
fonte/NewsAvia

CINZAS DO VULCÃO CHILENO SÃO ENCONTRADAS EM AERONAVE DA AZUL

Clientes da Azul entraram em contato com a reportagem para reclamar do cancelamento do voo da Azul que partiria de Porto Alegre com destino a Santa Maria às 14h55min da segunda-feira.

Segundo um funcionário da Azul, a aeronave que pousou na Aeroporto Salgado Filho passou por uma inspeção de rotina antes partir para Santa Maria, quando foi constatada a presença de cinzas do vulcão nas turbinas e motor.
A companhia decidiu, então, cancelar o voo por medida de segurança. A decisão também afetou o voo que partiria de Santa Maria para Porto Alegre às 16h20min.
Alguns passageiros de Porto Alegre foram acomodados em ônibus, enquanto outros preferiram aguardar pelo próximo voo, que sai da capital gaúcha às 23h38min.
Segundo a assessoria de imprensa da companhia aerea, este é um caso isolado e não há previsão de novos cancelamentos.
fonte/ZeroHora 

terça-feira, 28 de abril de 2015

EMBRAER BUSCA NOVO MERCADO



A Embraer Defesa & Segurança estuda ampliar sua presença no programa espacial brasileiro e inclui a possibilidade de explorar projetos na área de foguetes.
A meta, segundo o presidente da unidade, Jackson Schneider, é ter uma empresa integradora na área espacial. “Isso pode incluir desenvolvimento de veículo lançador e de novos satélites”.
A empresa iniciou seus negócios na área espacial em 2013 com o projeto do Satélite Geoestacionário de Defesa e Comunicações Estratégicas, no qual é responsável pela gestão dos fornecedores e do lançador, além da integração dos sistemas.
O satélite é produzido pela empresa francesa Thales Alenia Space e o lançamento será feito pela Arianespace, no segundo semestre de 2016. O custo total do projeto é de R$ 1,3 bilhão.
Em 10 de março deste ano, a Thales inaugurou em parceria com a Omnisys um Centro Tecnológico para Espaço e Defesa, em São José.

Rompimento. Para o comandante da Aeronáutica, tenente-brigadeiro do ar Nivaldo Luiz Rossato, a decisão do governo federal de romper o acordo com a Ucrânia para o lançamento do foguete Cyclone-4, do Centro de Lançamento de Alcântara, no Maranhão, abrirá outras perspectivas para o programa espacial brasileiro.
“A Embraer tem demonstrado interesse no nosso VLM (Veículo Lançador de Microssatélites)”, disse o comandante, em nota.

Foguete. O projeto do VLM é prioritário no programa espacial brasileiro. O foguete é desenvolvido em parceria com o Centro Espacial Alemão e prevê a participação da indústria nacional desde as primeiras fases de concepção.
Segundo estudos já feitos por especialistas, o VLM tem potencial de mercado promissor, tendo em vista que ainda não existe nenhum outro foguete dedicado para atender a essa faixa de mercado (cargas úteis de 120 a 150 quilos).
“Estamos interessados em avançar na área espacial, o que abre espaço para atuarmos junto aos principais participantes desse processo”, afirma Schneider, por meio de nota.

Ipanema. A Embraer mostrará na 22ª edição da Agrishow, feira em Ribeirão Preto (SP), o novo avião agrícola, o Ipanema 203, que é maior do que a versão anterior, com 1.360 unidades vendidas. A unidade pré-série do novo Ipanema 203 realizou seu primeiro voo no último dia 16 de abril.

fonte/Ovale

segunda-feira, 27 de abril de 2015

FERNANDO PINTO PERDE ESPERANÇAS E DÁ POR ENCERRADAS NEGOCIAÇÕES COM O SPAC

Fernando Pinto, presidente executivo da TAP, deu nesta segunda-feira, dia 27 de Abril, por encerradas as negociações com o Sindicato dos Pilotos (SPAC) para a desconvocação da greve que marcaram para os dias 1 a 10 de Maio, quando ainda na sexta-feira, após audiência com o Presidente da República tinha afirmado que a paralisação ainda poderia ser desconvocada.
Em conferência de imprensa de última hora na sede da companhia aérea, Fernando Pinto, anunciou à imprensa que considera finalizado o processo de conversações com o SPAC, porque a posição do sindicato foi de não recuar com a paralisação.
Fernando Pinto anunciou também que a preocupação da companhia vai centrar-se exclusivamente em minorar o impacto para os clientes e avançou ter a perspectiva de que haja pilotos que vão fazer voos não obrigatórios pelos serviços mínimos.
Sobre o que se passou para caírem por terra as expectativas que deixara na sexta-feira, Fernando Pinto disse que nessas conversações houve a tentativa de “explorar outros pontos, aconteceram propostas extremamente interessantes, houve um grande empenho da empresa”.
“Confesso que tive esperança ao longo do processo” acrescentou, admitindo que essa esperança “durou até à meia-noite de sexta-feira”, face à decisão do SPAC de que “não iam voltar atrás com a greve”.
fonte/NewsAvia

VÍDEO - NOVO IPANEMA 203


MUSEU ????? DA BASE AÉREA VAI PASSAR POR REVITALIZAÇÃO

9513 museubasaaerea PB

O Museu da Base Aérea, no município de Amapá, distante 302km de Macapá, foi encontrado em completo abandono pela equipe da Secretaria de Estado da Cultura (Secult). Na quarta-feira, 22, a comitiva da secretaria  esteve no local para fazer um relatório sobre as condições do museu a céu aberto. O documento será entregue junto com o projeto de revitalização do local.

Atualmente, o espaço mais parece com um cenário de uma cidade fantasma. No local há apenas um vigilante e difícil é encontrar alguém por perto e que saiba dar alguma informação. Essa é a realidade do museu. A Base Aérea americana foi criada em 1941. O local foi utilizado como ponto de apoio durante a 2ª Guerra Mundial. Em 1946, foi desativada e passou a ser um Centro Aéreo de Treinamento da Força Aérea Brasileira (FAB). Somente na década de 90, passou a ser um museu a céu aberto.

Atualmente, o local está deteriorado e muitas peças foram roubadas. A sala onde ficavam as informações do museu está abandonada e até mesmo os documentos históricos foram levados. De acordo com o vigilante, há pelo menos dois anos ninguém do governo aparecia no espaço. “Estou muito triste com a situação desse museu, que poderia está sendo visitado pelos amapaenses e turistas, mas está abandonado”, lamentou o secretário da Secult, Disney Silva. O mato tomou conta do espaço, mas ainda é possível ver a torre onde os zeppelins (dirigíveis da época) pousavam e paióis de munições. De acordo com o secretário a equipe está planejando organizar um espaço no próprio museu para reunir os tanques e carros antigos, que ainda estão no local, além de tornar o museu a céu aberto um espaço com condições de receber visitantes. “Precisamos valorizar o potencial histórico cultural do nosso Estado e garantir à população a oportunidade de conhecer locais como esse. Essa é a nossa história e precisamos valorizá-la”, enfatizou Disney.

A Secretaria de Estado da Cultura (Secult) fará um relatório sobre a situação da museu e encaminhará ao governador Waldez Góes, junto com um projeto de revitalização do local.

fonte/foto/JornaldoDia

domingo, 26 de abril de 2015

HELIBRAS RECUPERA EB-1001 DO CAVEX



Uma das estrelas da Helibras na edição deste ano da Laad Defence & Security foi o helicóptero Fennec modernizado para o Cavex (Comando de Aviação do Exército) de Taubaté. A maior feira de defesa, segurança pública e indústria militar da América Latina terminou em 17 de abril no Rio de Janeiro.
Até agora, segundo a Helibras, foram entregues seis unidades revitalizadas, de um total de 36. O Fennec entregue na Laad foi o primeiro a ser operado pelo Exército, em 1989, e tem o prefixo EB-1001. Com a modernização, a sua operação está garantida por mais 25 anos.

Mudanças. Os Fennec modernizados possuem novo glass cockpit, piloto automático de dois eixos, novos sistemas de comunicação e navegação, sistema de back up digital, compatibilização da iluminação interna e externa com óculos de visão noturna, bancos com absorção de energia e ajuste em altura, proteção balística, novos braços, suporte para armamento e degraus alongados.
Os trabalhos devem ser concluídos em 2018. As aeronaves foram certificadas pelo DCTA/IFI (Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial e Instituto de Fomento e Coordenação Industrial).
O contrato de modernização dos Fennec, assinado no ano de 2011, tem o valor total de R$ 260 milhões.

Panteras. Também são objeto de modernização os 34 helicópteros Pantera. Em setembro de 2014, o Exército aprovou as modificações na primeira aeronave. Assinado em 2009, o contrato de modernização é de R$ 347 milhões e inclui novos motores, e aviônicos, sistemas de radiocomunicação e a habilitação para óculos de visão noturna. O prazo final de entrega, para 2021, deve ser antecipado.

fonte/foto/OVale

PILOTOS DE PROVA TROCAM XAVANTE POR SUPER TUCANO



Supertucano faz passagem sobre a pista do Aeroporto de São José. Foto: Claudio Vieira
Supertucano faz passagem sobre a pista do Aeroporto de São José. Foto: Claudio Vieira
Primeiro caça fabricado pela Embraer em São José dos Campos foi aposentado em 2013 no Instituto de Pesquisas e Ensaios em Voo do DCTA; nova turma passa a usar o turboélice 

Ao invés do estrondo da turbina do Xavante rasgando o céu de São José dos Campos a baixa altitude, a discrição do motor turboélice do Supertucano. Após a aposentadoria do primeiro caça fabricado pela Embraer em 2013, o Super Tucano foi escolhido para ser o substituto em parte das missões de formação dos pilotos e engenheiros de prova do Ipev (Instituto de Pesquisas e Ensaios em Voo).


Elite da Força Aérea Brasileira, estes profissionais passam por um curso intensivo de um ano de duração. 



O funil é estreito e poucos podem ostentar os codinomes de “prova” (piloto) ou “coringa” (engenheiro). Desde 1987, foram formados 104 “provas” e 76 “coringas”.



Os cursos são realizados a cada dois anos no Ipev, localizado no DCTA (Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial) em São José. 

Turma. Uma nova turma, composta por três pilotos e dois engenheiros, começou a ser formada este ano.
Ao longo dos próximos meses, os pilotos serão submetidos a uma maratona que inclui voos em 15 tipos diferentes de aeronaves. Aos engenheiros, cabe estudos dos sistemas destes equipamentos.
Além das aeronaves de asa fixa, helicópteros também fazem parte da rotina de treinamentos. Para isto, o Ipev utiliza um BlackHawk.

Investimento. A exclusividade na formação destes profissionais se revela nos custos envolvidos. 
Para se ter uma ideia, a formação de um piloto de prova nos Estados Unidos sai por US$ 1,5 milhão. Metade disto é o gasto para a formação de um engenheiro de prova.
“Poucos países do mundo têm essa capacidade. Formamos pilotos e engenheiros de prova desde 1987”, disse o major Diogo Silva Castilho, 35 anos, piloto de prova do Ipev. 
Entre as missões realizadas pela equipe estão os voos de calibração anemométrica, que começaram na última semana em São José.
Além dos militares da Aeronáutica, pilotos e engenheiros da Marinha e do Exército também participam de treinamentos no Ipev. 
O curso de recebimento de aeronaves, porém, é mais resumido, realizado em 4 meses. 


Memória



Acidente demanda criação de equipe

A investigação do acidente com um helicóptero protótipo Beija-Flor em 11 de julho de 1966 durante um teste resultou em recomendações que impunham "a formação de uma equipe fixa para execução de ensaios em voo, constituída por pilotos, engenheiros e instrumentadores”. A partir daí começou a formação dos especialistas brasileiros.


Aposentado



Carcaça do Xavante é usada para testes

Mesmo depois de aposentado, o Xavante ainda tem serventia para a realização de testes no Ipev em São José. Carcaças das aeronaves são empregadas para ensaios em solo, com testes com armamento, por exemplo. O Ipev mantém três carcaças de Xavantes. Foram fabricadas 182 unidades deste avião pela Embraer, das quais 166 para a FAB.


Projeto FX-2



Acordo deve ter início no 2º trimestre

Na publicação dos resultados de janeiro a março de 2015, a empresa de defesa e segurança Saab informou que aguarda para o segundo trimestre do ano o início do acordo firmado com o governo brasileiro, pelo qual serão produzidas 36 unidades do Gripen NG para a FAB. O contrato, assinado em outubro passado, foi fechado por US$ 5,4 bilhões.

Avião chega a dar rasantes a 500 km/h

Entre as missões realizadas pelos pilotos e engenheiros de prova do Ipev, os voos de calibração anemométrica eram os que mais geravam polêmica em São José dos Campos em função dos rasantes com o barulhento Xavante.
Isto agora acabou com o Supertucano, conhecido no meio militar como A-29 e bem mais “comportado” que o seu colega de origem italiana.

Rasantes. Neste ensaio, o avião faz uma sequência de passagens sobre a pista a uma mesma altitude. As passagens são captadas por câmeras e sensores.
Por meio de um canal tático, o piloto se comunica com o engenheiro de prova. 
Dados da aeronave são coletados e transmitidos à estação de telemetria. Nesta sala, os engenheiros analisam os dados e validam o ensaio em tempo real.
Entre pilotos, técnicos e engenheiros, cerca de 10 pessoas participam dos testes.
“São dezenas de parâmetros de ensaio. A telemetria em tempo real permite a economia de horas de voo”, disse o major Diogo Silva Castilho, 35 anos.
O VALE esteve no Ipev na última quinta-feira e teve permissão para acompanhar parte dos testes. As passagens do avião foram realizadas no sentido da cabeceira 33 para a cabeceira 15, em direção ao centro da cidade. Dentro da sala de telemetria, silêncio total para ouvir a comunicação e a validação dos dados enviados. Em sete telas diferentes era possível observar os parâmetros, como altitude e velocidade da aeronave.
Em cada passagem, o piloto variava a velocidade e chegou a atingir 500 km/h.
“Ele chega a atingir 260 nós no seu máximo”, disse o tenente João Vitor Zanette, 28 anos, engenheiro de prova..



fonte/foto/OVale

AERONAVE FAZ POUSO FORÇADO EM RODOVIA


Aeronave faz pouso forçado em rodovia  (Foto: Reprodução/Twitter)
(Foto: Reprodução/Twitter)
Uma aeronave realizou um pouso forçado na tarde deste domingo (26), em uma rodovia do município de Ourilândia do Norte, no sul do Pará.

















O avião estava a cerca de 300 metros da pista de pouso quando apresentou uma pane começou a cair.
A aeronave havia saído da cidade de São Félix do Xingu, distante em torno de 100 km, em direção a Ourilândia quando teve o problema. O piloto realizou o pouso forçado em uma rodovia da cidade, próximo à entrada do município de Água Azul do Norte.
Apesar de o avião ficar danificado, o piloto saiu ileso do incidente.
Não havia carros na via no momento do pouso. Até o fechamento desta reportagem, a aeronave ainda aguardava remoção do local. 
fonte/foto/DOL com informações de Paulo Francis/Rádio Clube

Dados da aeronave via RAB/pbs.twimg

 
MATRÍCULA: PRLIT 
 
 
Proprietário:
SERGIO DE SOUZA BUENO
CPF/CGC:

Operador:
SERGIO DE SOUZA BUENO
CPF/CGC:

 
Fabricante:
CESSNA AIRCRAFT
Modelo:
210L
Número de Série:
21061495
Tipo ICAO : 
C210
Tipo de Habilitação para Pilotos:
MNTE
Classe da Aeronave:
POUSO CONVECIONAL 1 MOTOR CONVENCIONAL
Peso Máximo de Decolagem:
1724 - Kg
Número Máximo de Passageiros:
005
Categoria de Registro:
PRIVADA SERVICO AEREO PRIVADOS
Número dos Certificados (CM - CA)
20622
Situação no RAB:
Data da Compra/Transferência:
150113
Data de Validade do CA: 
11/11/17
Data de Validade da IAM: 
200216
Situação de Aeronavegabilidade:
Normal
Motivo(s): 
Consulta realizada em: 26/04/2015 20:28:15

sábado, 25 de abril de 2015

RADICAL....


ACIDENTE COM A320 DA TURKISH AIRLINES







Um avião Airbus A320 (matrícula TC-JPE) da Turkish Airlines retornou nesta manhã de sábado, dia 25 de Abril, ao Aeroporto Internacional de Istambul/Ataturk, devido a um princípio de incêndio num dos motores, tendo aterrado em segurança, sem registo de feridos entre os 97 passageiros e seis tripulantes, que deveriam seguir para Milão, Itália, no voo TK1878.
Segundo os canais televisivos turcos e as agências internacionais, a aeronave solicitou uma aterragem de emergência, de retorno ao aeroporto de onde levantara voo momentos antes, ainda quando estava a subir para a altitude de cruzeiro.
O avião tentou a aterragem de emergência numa primeira vez, pelas 07h23 UTC, tentativa que saiu mal, pois a aeronave danificou o trem central e parte da asa.
Na segunda tentativa que se concretizou oito minutos depois, pelas 07h41 UTC, o A320 da Turkish devido à pancada anterior e consequentes danos no trem arrastou o motor do lado direito na pista, provocando labaredas.
Os passageiros foram evacuados ainda sobre a pista, no mesmo momento em que os bombeiros do aeroporto alertados para a situação de emergência atacaram o foco de incêndio provocado pelo arrastamento do motor no solo.

Fontes aeroportuárias destacaram o bom trabalho da tripulação do aparelho, nomeadamente na segunda aterragem, já com o avião avariado, quer no trem, quer na asa, e com um dos dois motores desligado, por via do incidente anterior, e que provocou o retorno à pista.
Convém, então, esclarecer o que terá acontecido, segundo relatos das testemunhas e dos meios de comunicação:
Primeiro o comandante resolveu solicitar a aterragem de emergência devido a fogo a bordo de um motor, que, entretanto se extinguiu. Na primeira tentativa de aterragem, por razões que se desconhecem, tem uma avaria no trem que danifica ainda a asa do lado direito. O comandante resolveu meter motor e alinhar para nova tentativa.
Segundo, na nova tentativa para aterrar, o que se concretizou com sucesso, em termos de ter imobilizado o avião, este arrasta o motor no solo, o que provoca novo incêndio, agora na cobertura do motor, e com maior espectacularidade para quem estava a observar, mas que foi prontamente controlado pelos bombeiros que estavam a aguardar o avião.

A agência de notícias turca Dogan refere esta manhã que este avião na passada quinta-feira teve de substituir um vidro das janelas do cockpit, que se quebrou quando fazia um voo entre Frankfurt e Istambul. Outro avião da mesma companhia, no mês passado divergiu para Nuremberga, na Alemanha, quando fazia um voo de Dusseldorfe para Istambul, também devido a uma rachadura num vidro do cockpit.
São incidentes que nada de relação têm com este, mas que estão a ser divulgados pela imprensa generalista, e que em nada contribuem para o entendimento do incidente desta manhã.
O Aeroporto de Istambul/Ataturk esteve encerrado até à hora de almoço, tendo o tráfego sido desviado para o Aeroporto de Istambusl/Sabiha Gokcen, na parte asiática da capital turca.

A Turkish Airlines tem prestado aos passageiros afectados o devido acolhimento, segundo as agências internacionais.
As autoridades aeronáuticas turcas abriram já um inquérito oficial que procurará entender as circunstâncias em que aconteceu este incidente com o Airbus A320 da Turkish, a maior companhia aérea do país e uma das maiores e mais importantes da Europa, com 240 de aviões na sua frota.

fonte/foto/AvHerald/NewsAvia/AgInter/Twitter

CINZAS DE VULCÃO COBREM QUASE TODO RIO GRANDE DO SUL

Cinzas de vulcão cobrem quase todo Rio Grande do Sul Climatempo/Divulgação
O vulcão Calbuco entrou em erupção na quinta-feira no ChileFoto: Climatempo / Divulgação

As cinzas do vulcão chileno Calbuco já cobrem grande parte do Rio Grande do Sul na manhã deste sábado, conforme mostram imagens de satélite. Segundo a Climatempo, apenas o Extremo Norte não está encoberto pela nuvem. O meteorologista do Grupo RBS Cléo Kuhn diz que as cinzas estão a uma altitude de 13 mil metros e, por isso, não afetam voos. 

O fenômeno chegou mais fraco ao sul do Brasil. Ao contrário do Chile e da Argentina, que tiveram chuva de cinzas, no Rio Grande do Sul, os gaúchos poderão ver uma névoa durante o dia e um céu mais acinzentado. A Infraero informou que o fenômeno não afeta as operações do Aeroporto Internacional Salgado Filho, na Capital. O terminal está aberto e opera por instrumentos por causa da neblina.
fonte/foto/ZeroHora

MÍSTERIO REVELADO - ANTOINE SAINT-EXUPÉRY...

Foi um segredo guardado durante 64 anos. Horst Rippert, piloto alemão da Luftwaffe, admitiu, aos 88 anos, ter abatido Antoine de St Exu...