segunda-feira, 27 de maio de 2013

BOEING DA EL AL QUASE COLIDE COM MONTANHA E AINDA INVADE ESPAÇO AÉREO EGÍPCIO

Um Boeing 737-800 da El Al, matrícula 4X-EKU, realizando voo LY-407 de Tel Aviv para Eilat (Israel) com 100 passageiros, interrompeu a aproximação para a pista 03 do aeroporto de Elat as 22:03 L (19 : 03Z) devido a uma aeronave que não conseguir liberar a pista com rapidez suficiente.  

A tripulação posteriormente não realizou o habitual tráfego padrão ( à esquerda) para outra aproximação, mas voou a rota em direção ao oeste, que trouxe a aeronave em conflito com terreno montanhoso e levou um alerta de EGPWS(aproximação com solo)

A tripulação consegui manobrar com segurança, mas penetrou em  espaço aéreo egípcio durante a manobra evasiva. A aeronave pousou em segurança na pista 03 após 12 minutos.

Autoridade da Aviação Civil de Israel abriram uma investigação sobre o incidente grave.


fonte/Avherald

 Metars:
LLET 272050Z VRB03KT 9000 NSC 29/07 Q1009
LLET 271950Z VRB02KT 9000 NSC 29/10 Q1009
LLET 271850Z 22005KT 9000 NSC 32/05 Q1008 RMK SCT080
LLET 271750Z 24005KT 9000 NSC 32/06 Q1008 RMK SCT080
LLET 271650Z VRB03KT 9000 NSC 31/09 Q1007 RMK SCT100

Flight Path of LY-407 (Graphics: AVH/Google Earth):




fonte/Avherald
Enhanced by Zemanta

SHOW DE IMAGEM - T-6 NR 3 - ESQUADRILHA BR


TURBULÊNCIA EM CÉU CLARO FERE SETE PASSAGEIROS

Um Airbus A380-800 da Singapore Airlines, matrícula 9V-SKH, realizando o voo SQ-308, de Singapura (Singapura) para Londres Heathrow, PT (UK), sofreu severa turbulência em céu claro em rota após 90 minutos em voo, em torno de 02:30 Z. 

Os comissários estavam servindo o café da manhã quando a aeronave desceu cerca de 100 metros e todos os itens soltos ficaram no ar. A aeronave continuou o vôo para Londres para uma aterrissagem segura após 13 horas da partida. Sete pessoas receberam ferimentos leves .

A aeronave não conseguiu realizar o voo de regresso (SQ-319), só decolando 28 horas após o desembarque.



fonte/AvHerald/foto/AlanCross

AEROPORTO DE BERLIN-BRADENBURG ADIA ABERTURA POR 'RAZÕES DE SEGURANÇA'



 O Aeroporto de Berlin Bradenburg que tinha inauguração prevista para 3 de Junho, adiou a abertura por razões de segurança, devendo começar a operar “depois das férias de Verão”. A TAP que anunciou o início de voos entre Lisboa e Berlim a 5 de Junho, com destino ao novo aeroporto alemão, está actualmente a “estudar o assunto" e a "ver alternativas”, disse ao PressTUR, André Serpa Soares, do Gabinete de comunicação da companhia.

“Razões técnicas ligadas a instalações de protecção de incêndios tornam necessário o adiamento da abertura do Aeroporto de Berlin Brandenburg”, informa o operador do aeroporto em comunicado, que diz também que a estrutura “vai começar a operar depois das férias do Verão”, mas sem data em concreto.
Os voos para a capital alemã vão continuar a ser geridos pelos dois actuais aeroportos, nomeadamente, Schönefeld e Tegel, a partir de 3 de Junho, diz ainda o comunicado.

TAP está a “estudar o assunto” e a “ver alternativas”
A decisão de adiamento do Aeroporto de Berlin Brandengurg “apanhou todos de surpresa”, disse ao PressTUR André Serpa Soares, do gabinete de comunicação da TAP que refere também que a companhia está “a estudar o assunto” e a “ver alternativas”, podendo ter uma resposta para breve.
A TAP anunciou em Dezembro passado o início de voos para Berlim a partir de 5 de Junho. A capital Alema é a quinta cidade alemã a ter voos da companhia portuguesa, e os voos seriam realizados para o novo aeroporto de Berlim, como indica o código do aeroporto no site da companhia (BER – Brandenburg).

Lufthansa e Air Berlim vão operar de e para Tegel
A Lufthansa que lamenta “especialmente não poder oferecer aos passageiros o comforto do novo aeroporto da Capital” indica que vai manter a extensão do programa de voos de Berlim, e que os voos adicionais “vão começar apesar dos actuais desenvolvimentos” e que está actualmente “em conversações com o Aeroporto de Tegel para assegurar os slots necessários”.
A Air Berlin, por seu lado, refere que até à abertura do novo aeroporto, “vai continuar a voar de e para Berlin-Tegel” e “fazer os possíveis para que o impacto nos passageiros seja mínimo”
. fonte/PressTur
 


AVIANCA TACA SERÁ APENAS AVIANCA A PARTIR DE AMANHÃ

A holding AviancaTaca será conhecida apenas com a marca Avianca a partir de amanhã (terça-feira), em apresentação oficial da nova logomarca, em Bogotá (Colômbia). De acordo com o anúncio da holding, no ano passado, a partir do lançamento oficial, a marca Avianca será adotada como nome comercial da Aerovias del Continente Americano e Tampa Cargo, na Colômbia, além da própria Avianca; da Aerolineas Galápagos, no Equador; e das companhias do Grupo Taca: a Taca International Airlines, incorporada em El Salvador; a Líneas Aéreas Costarricences, incorporada na Costa Rica; a Transamerican Airlines, no Peru; e a Aviateca, da Guatemala.


No Brasil, a incorporação da Ocean Air já havia determinado o desaparecimento da marca brasileira, conhecida somente como Avianca
fonte/PanRotas

PRIMEIRO AVIÃO DE QUATRO MOTORES NO MUNDO FAZ 100 ANOS




Na altura, muitos construtores europeus estavam tentando construir grandes aeroplanos multi-lugares. Suas experiências mal sucedidas deram origem a um preconceito, apoiado por cálculos de estudiosos veneráveis. Por exemplo, o engenheiro britânico Frederick William Lanchester publicou todo um estudo, no qual parece provar que os aviões já atingiram os limites de tamanho.
O relato do sucesso do construtor russo Igor Sikorsky de 24 anos teve o efeito de uma bomba explodindo. Seu Russky Vityaz era 4 vezes mais pesado, diz o autor de livros sobre Igor Sikorsky, doutor Vadim Mikheev:
“O Russky Vityaz é um evento marcante na história da aviação. Antes dele ninguém acreditava que era possível construir um avião assim. A principal realização de Sikorsky é que ele é o inventor do sistema multi-motor e ele realmente criou um avião multi-motor. Isto é comparável, se não ao primeiro voo no espaço, então, certamente com um voo de Buran ou do Shuttle. Aproximadamente desse nível.”

Em novembro do mesmo ano de 1913, Sikorsky, tendo aperfeiçoado o esquema, construiu o avião Ilia Muromets. Ele foi colocado em produção em série. Passado um ano, de tais máquinas criaram o “Esquadrão de aeronaves” russo. Esta unidade foi o primeiro esquadrão de bombardeiros estratégicos na história do mundo.

Em 1918, Igor Sikorsky, que foi incluído pelo novo governo na lista negra de monarquistas, foi forçado a deixar sua amada terra natal. Nos Estados Unidos, ele fundou uma empresa sobre seu próprio nome. Ele construía aviões anfíbios. E mais tarde, levantou ao ar o primeiro helicóptero monohélice do mundo.

Seu Russky Vityaz nos tempos soviéticos tinha uma missão especial, diz o editor-chefe do portal avia.ru Roman Gusarov:
“Durante muitos anos ele voou em paradas durante feriados nacionais com bandeiras. Cidadãos do país viam o poder da União Soviética e as suas realizações. É muito lamentável que Igor Sikorsky deixou a Rússia e se mudou para os Estados Unidos. Mas para nós ele não é menos caro. Os aviadores russos consideram Igor Sikorsky nosso compatriota e nosso construtor de aviões russo. Outros construtores de aviões pegaram sua bandeira. Principalmente Tupolev.”

Hoje, a aviação estratégica russa, cujo protótipo foi o “Esquadrão de aeronaves” de Igor Sikorsky, é uma das melhores do mundo. E o seu Russky Vityaz é considerado o avô da aviação civil.

fonte/VozDaRussia/foto/Ria

AS PERPECTIVAS DO MIG-29 NA ÍNDIA


As perspectivas do MiG-29 na Índia

MiG-29K 
 MiG-29K

Se realizou recentemente a cerimônia oficial de entrada ao serviço da aviação naval da Índia da sua 303 esquadrilha equipada com caças russos MiG-29K. Isso significa que a marinha indiana obtém uma capacidade radicalmente diferente de demonstrar o seu poderio longe da sua costa, a qual nenhuma marinha de outro país asiático ainda possui.

O MiG-29K é uma versão completamente modernizada do caça MiG-29. Ele tem uma baixa visibilidade a radares, um alcance acrescido e um radar poderoso. Uma especificidade importante do MiG-29K é o fato de ele além de poder ser reabastecido no ar, poder funcionar como reabastecedor se tiver o equipamento de abastecimento instalado. O alcance máximo desse avião, com tanques de combustível suplementares, é de 3.000 km, e é de 5.500 km com um reabastecimento.

Ao abrigo do primeiro contrato de compra de aviões MiG-29K e MiG-29KUB (a sua versão de dois lugares), assinado em 2004, a Índia recebeu 12 aviões (cuja entrega foi concluída em 2011). Em 2010 foi assinado um contrato para o fornecimento de mais 29 aparelhos no valor de 1,5 bilhões de dólares.

Segundo as declarações dos dirigentes militares indianos e o trabalho dos investigadores militares indianos, a marinha indiana tem como objetivo o aumento das suas capacidades de projeção de força na bacia do Oceano Índico e, no futuro, em regiões mais longínquas. Com a aquisição à Rússia do seu novo porta-aviões e com a entrada ao serviço da esquadrilha embarcada, composta por aviões modernos, foi dado um passo importante nessa direção.

O MiG-29K tem capacidades muito superiores às do Su-33 que serviu de base ao avião chinês J-15. O MiG-29K tem também dimensões inferiores, o que permite instalar no hangar do porta-aviões uma quantidade maior desses aviões. A marinha russa realizou em 2012 uma encomenda de 24 aviões MiG-29K e MiG-29KUB que irão constituir o esquadrão renovado do porta-aviões russo Admiral Kuznetsov.

A alteração do projeto MiG-29, realizada no âmbito do contrato com a marinha indiana, teve um resultado adicional importante com o aparecimento de modificações terrestres desse avião, o MiG-29M e o MiG-29M2 (de dois lugares). Com base nestes dois, foi criado o projeto de modernização do MiG-29 conhecido como o MiG-29UPG. Em 2008, foi assinado um contrato com a Força Aérea Indiana para a modernização de 53 caças MiG-29 indianos, da versão 9-12B, para a versão MiG-29UPG. Nove MiG-29UB de treino e combate da versão 9-51 estão a ser transformados em MiG-29UB-UPG.

Os primeiros aviões foram entregues à FA indiana em 2012. A modernização, com o aproveitamento dos desenvolvimentos do projeto MiG-29K, resulta num grande aumento das capacidades de combate desse avião. Não é de excluir que no futuro a Índia queira comprar aviões MiG-29UPG novos.

Ao criar modificações radicalmente renovadas dos aviões MiG-29, a Rússia pretende promover a sua exportação para os países que antes usavam os aviões MiG-29 das versões anteriores. Nesse caso, os compradores terão a possibilidade de economizar recursos consideráveis na criação da infraestrutura de baseamento e no treino do pessoal técnico para esses aviões. Os novos MiG se destinam aos compradores dos países em desenvolvimento, menos ricos, que não se podem permitir os caças mais pesados e potentes da marca Sukhoi. Os concorrentes principais dos MiG-29 serão os aviões chineses J-10 e FC-1.

fonte/VozDaRussia

SUCATÃO - GRAVE ACIDENTE EM PORTO PRÍNCIPE, HAITI


Sucatão da Força Aérea Brasileira sofre acidente com militares brasileiros a bordo no Haiti

O avião modelo Boeing 707, de matrícula KC-137, pousou de barriga após um problema em uma das turbinas, em Porto Príncipe (Haiti) Foto - Renato Machado


RENATO MACHADO
COLABORAÇÃO PARA A FOLHA DE PORTO PRÍNCIPE (HAITI)
Um avião com 143 militares brasileiros a bordo sofreu um acidente quando decolava na tarde deste domingo no Aeroporto Internacional Toussaint Louverture, em Porto Príncipe, capital do Haiti. Todos os passageiros são integrantes da Minustah (Missão das Nações Unidas para a Estabilização do Haiti), que é comandada militarmente pelo Brasil. Não houve feridos.


O acidente aconteceu com o Boeing 707 de matrícula KC-137, matrícula FAB2404, Trata-se do mesmo modelo do avião que recebeu o apelido de Sucatão, quando serviu à Presidência da República na gestão de Luiz Inácio Lula da Silva, e depois foi aposentado pelo Planalto.

O avião levava de volta ao Brasil 131 militares do Brabatt-2 (2º Batalhão de Infantaria de Forças de Paz), que haviam encerrado a sua missão no Haiti. Os demais ocupantes da aeronave eram da tripulação.


Por volta de 14h30, o avião decolava com destino a Manaus quando, a alguns metros do solo, uma das turbinas explodiu. O piloto desligou os motores e cortou o combustível para evitar um acidente maior. No entanto, ao voltar à pista, o trem de pouso do avião quebrou e por isso ele se arrastou "de barriga" pela pista principal.


Equipes de segurança foram acionadas, e o aeroporto permaneceu fechado pelo resto do dia.

foto/MTPP 260513

Nota Oficial - Ocorrência com aeronave da FAB no Haiti


Um avião KC-137 (Boeing 707) da Força Aérea Brasileira sofreu, neste domingo (26/5), um problema técnico que provocou sua saída da pista durante a decolagem do aeroporto de Porto Príncipe, no Haiti, com destino a Manaus. A ocorrência foi por volta das 15:30 (horário de Brasília) e não houve feridos.
Estavam a bordo doze tripulantes e 131 passageiros, todos militares do contigente da Missão de Paz no Haiti.

A Força Aérea Brasileira já iniciou as investigações para apurar os fatores contribuintes para a ocorrência.

Brasília, 26 de maio de 2013.

Brigadeiro do Ar Marcelo Kanitz Damasceno
Chefe do Centro de Comunicação Social da Aeronáutica


fonte/ CECOMSAER

MÍSTERIO REVELADO - ANTOINE SAINT-EXUPÉRY...

Foi um segredo guardado durante 64 anos. Horst Rippert, piloto alemão da Luftwaffe, admitiu, aos 88 anos, ter abatido Antoine de St Exu...