segunda-feira, 30 de novembro de 2009

ALUNO DERRUBA SIMULADOR DE VOO

A estória é impressionante e coloco abaixo a foto para vocês verem que não é mentira. Um estudante de uma escola de aviação nos EUA conseguiu a proeza de abater um simulador de vôo profissional, de um Boeing 737. Bubba Jemmah, natural de Gâmbia, um colega e um instrutor não ficaram feridos, mas o equipamento da escola SimFly, na Flórida, foi pro vinagre. D acordo com uma declaração do presidente da escola ao Tampa Sentinel, jamais algo assim havia ocorrido no mundo.







O simulador Frasca 737 é do tipo "full motion", ou seja, reproduz 100% do comportamento da aeronave. Para que isso possa ser feito com total similaridade, as pernas de apoio do equipamento precisam estar firmemente chumbadas no piso. Como se pode observar na foto, os pinos de fixação foram arrancados junto com as bases. Haja força. Jemmah estava na segunda semana de um curso de um mês - se feito integralmente no Frasca habilita o piloto a vôos comerciais sem sequer ter entrado em uma aeronave de verdade, de tão real que é, ou era. O prejuízo, segundo a empresa, é de US$ 2,5 milhões. Não havia seguro.

Enquanto era atendido por paramédicos - ele teve ferimentos leves no acidente por que pilotava sem afivelar os cintos de segurança - Jemmah afirmou que vinha tentando fazer alguns movimentos muito radicais com o simulador, especialmente "parafusos" em alta velocidade. A rotação imposta ao equipamento gerou um torque sobre os parafusos de fixação no solo que estes não conseguiram compensar.

Os problemas não acabam aí. A FAA, a NTSB e até a Homeland Security querem tomar depoimentos de Bubba Jemmah porque, no momento em que o Frasca começou a tombar o africano gritou algo no rádio que foi interpretado como o mesmo brado usado por terroristas islâmicos suicidas no momento de seu martírio. Precavidas as autoridades de segurança querem saber se Bubba não poderia ser um extremista treinando para um ataque usando o simulador (algo que chamaria muito menos atenção do que m curso normal de pilotagem como fizeram os homens do 11 de setembro) para aprender ou mesmo para forçar a detonação de uma bomba. Antes do depoimento, entretanto, o despacharam para Guantánamo, onde aguardará até que o caso seja esclarecido. Sabe-se lá quando.


fonte/PousadaDasNoticiasCmraDanieleCarreiro

QUEDA DE AVIÃO MATA SEIS NO CANADÁ


VANCOUVER, Canadá — Seis pessoas morreram e duas foram socorridas domingo à noite após a queda de um hidroavião no mar perto da região de Vancouver, no oeste do Canadá, informaram os socorristas canadenses na manhã desta segunda-feira.

Uma criança e sua mãe estão entre as vítimas encontradas dentro do aparelho, disse à AFP Bob Evans, porta-voz do Centro de Coordenação dos Socorros de Victoria.
As causas do acidente ainda são desconhecidas, e uma investigação foi lançada pelas autoridades.
Uma passageira e o piloto, DeHavilland Beaver, foram internados em um hospital de Victoria e o estado deles foi qualificado de "estável" pelos médicos, afirmou na noite de domingo outro porta-voz do Centro, o tenente Paul Pendergast.
O avião acabara de decolar da ilha de Saturna, perto da fronteira entre o Canadá e os Estados Unidos, onde tinha embarcado passageiros com destino a Vancouver, quando caiu no mar por motivo desconhecido.


fonte/AFP

AVIÃO DE RICK MARTIN POUSA EM EMERGÊNCIA

Ricky Martin passou o susto de sua vida no domingo (29), quando viajava de volta para casa, depois de passar o Dia de Ação de Graças em Porto Rico.

O cantor revelou em sua página no Twitter que o avião em que viajava teve uma pane, na hora de decolar.
"Estava viajando e, na decolagem, escutamos um som muito forte (para não chamar de explosão), que vinha da parte detrás da cabine, seguido por um calor brutal. A cabine ficou despressurizada.

Não é brincadeira! Voamos por 45 minutos para queimar combustível (...) aterrissamos, estamos bem. Mas, à merda! Hoje ninguém viaja! Talvez amanhã...", escreveu o cantor, assustado.

fonte/TERRA

AVIÃO DA TAM COLIDE COM AVE E FAZ POUSO DE EMERGÊNCIA NO AEROPORTO INTERNACIONAL TOM JOBIM

Rio - Complementando as informações sobre o acidente com o Airbus A-320 da TAM, vôo 3192 com destino a Maceio, ocorrido no final da manhã desta segunda-feira, por voltas das 11h50. A aeronave decolou da pista 28 e após a decolagem, ao sobrevoar a cabeceira da pista 28, atingindo uma altitude entre os 500 e 1000 pés, a aeronave colidiu com uma ave.

Houve um forte ruído e, em seguida, a aeronave emitiu um chamado de socorro informado sobre a emergência e solicitando retorno imediato ao aeroporto. O controle de vôo, torre  do Galeão, acionou as medidas necessárias e o pouso ocorreu normalmente na pista 10.

Provavelmente a aeronave sugou alguma ave numa das turbinas, pois após a colisão houve um estrondo e o Airbus A-320 passou a emitir um ruído absolutamente anormal do motor.

Os passageiros foram acomodados em uma outra aeronave. O voo 3190 deixou o Galeão em direção a Salvador às 15h30. Os passageiros que seguiriam para Maceió farão uma conexão em Maceió.

fonte/Terra

TERMINAL 2 DO AEROPORTO TOM JOBIM É ASSALTADO




Rio - A polícia informou, nesta segunda-feira, que o terminal 2 do Aeroporto Internacional Tom Jobim, na Ilha do Governador, foi assaltado nesta manhã. As autoridades, no entanto, ainda não sabe o que foi roubado.

Guarnições do 17º BPM (Ilha do Governador) e agentes da Delegacia do Aeroporto estão no local.

fonte/Terra

EMBRAER BUSCA REDUZIR CUSTO DE MANUTENÇÃO



A Embraer está desenvolvendo um programa de melhoria dos custos de manutenção dos seus jatos, ampliando o intervalo de tempo entre as revisões programadas feitas pelos operadores. O objetivo do programa, segundo o diretor de Suporte ao Cliente da aviação Comercial, Maurício Rodrigues Aveiro, é chegar a uma redução de 10% nos custos de manutenção das aeronaves, num prazo de três anos. O trabalho será feito com base em informações coletadas em campo e através do monitoramento do desempenho da frota junto às companhias aéreas.
Numa primeira etapa, segundo Aveiro, a empresa espera aumentar de 6 mil para 7,5 mil horas o intervalo de tempo para a manutenção pesada e de 600 para 750 horas as atividades de manutenção leve. Entre 2001 e 2008, mais de 40 projetos foram implantados pela empresa e seus operadores, visando à redução de custos de manutenção.
“Esses projetos resultaram em uma economia de US$ 50 por hora de voo, no caso dos jatos da família ERJ-145″, disse Aveiro. As aeronaves acumulam mais de 15 milhões de horas de voo, o que significa um ganho de US$ 750 milhões com a redução nos custos de manutenção dos operadores. A Embraer já entregou mais de 1,1 mil jatos ERJ-145 e outros 600 E-Jets, operados por 60 companhias aéreas de 36 países.
Segundo o diretor da Embraer, o mesmo tipo de trabalho feito com os jatos da família ERJ-145 será aplicado aos E-Jets, aeronaves de 70 a 120 assentos. “Já existe um plano de trabalho que será desenvolvido com os clientes desses jatos, que entraram há pouco tempo em operação no mercado e hoje já acumulam um total de 3 milhões de horas de voo”, explica o executivo da empresa.
Atualmente, segundo Aveiro, o índice de despachabilidade dos jatos Embraer, ou seja, o tempo que eles ficam disponíveis para voo, é de 99,8%, considerado um dos mais altos do mundo. “De cada 1000, só dois ficam parados por algum problema técnico.” O executivo ressalta que, nos últimos 12 meses, o nível de satisfação dos clientes da empresa com os serviços de suporte técnico e suporte às operações foi próximo de 100%.
Chegar a esse estágio, segundo o presidente da Embraer, Frederico Fleury Curado, não foi fácil. “Conquistamos o padrão dos melhores aviões e das linhas aéreas mais exigentes do mundo.” Além de aviões confiáveis, segundo Curado, a Embraer tem hoje uma estrutura de peças bem distribuída no mundo e uma infraestrutura de suporte compatível. “Isso não se aprende em um ou dois anos. Além de fazer o avião, dominamos a tarefa de apoiar esse avião por 20 ou 30 anos”, completou.
O monitoramento da frota total de aeronaves fabricadas pela Embraer, assim como da frota individual de cada cliente, é realizado através da rede de serviços da empresa, que conta hoje com três centros de excelência próprios e cinco oficinas autorizadas.
Os centros de serviços próprios estão em Gavião Peixoto (SP); Nashiville, nos EUA; e em Alverca, nas instalações da Ogma, em Portugal, responsável pelas operações de manutenção da Embraer na Europa. Adquirido em 2002, o centro de Nashiville desenvolve atividades de assistência técnica para a frota que opera nos EUA, Canadá e México.
O Suporte de Campo Embraer é baseado no trabalho dos chamados gerentes de conta. Todo proprietário de aeronave Embraer tem a sua disposição um gerente de conta, responsável por atende-lo em todos os aspectos de suas operações, incluindo manutenção, operações de voo e peças de reposição.
A Embraer mantém estoques de peças de reposição que podem ser disponibilizadas para seus clientes 24 horas por dia. Os serviços são prestados pelos Centros de Venda e Distribuição em São José dos Campos (Brasil), Fort Lauderdale (EUA) e Villepinte (França), ou pelo Centro de Distribuição da Embraer em Weybridge (Inglaterra).
O acesso dos clientes da Embraer aos seus serviços de pós venda também é facilitado pelo portal “FlyEmbraer”, uma ferramenta que oferece dados on-line para o suporte às atividades de engenharia e manutenção da frota de aeronaves, com maior nível de segurança e eficiência.


fonte/Valor Econômico

FOTO DE PASSAGEIRO OBESO EM AVIÃO OBRIGA COMPANHIA A SE EXPLICAR


A imagem de um passageiro obeso espremido numa poltrona da classe econômica reacendeu o debate nos Estados Unidos sobre como as empresas aéreas lidam com o grande número de passageiros acima do peso.

A foto, postada num blog sobre aviação, e publicada no site do inglês "Daily Telegraph", foi tirada por um dos clientes para ilustrar a dificuldade da empresa em acomodar os passageiros em seus assentos.


Foto: Reprodução / Telegraph.co.uk

Imagem postada em blog provocou debate sobre como empresas lidam com passageiros acima do peso (Foto: Reprodução / Telegraph.co.uk)

Não está claro, segundo o jornal, se o passageiro está consciente de que sua foto foi tirada ou se o voo, um avião de carreira da American Airlines, decolou com o passageiro com metade do corpo para fora do assento.

Segundo o "Telegraph", algumas empresas aéreas já oferecem cintos de segurança maiores para passageiros acima do peso em cumprimento a normas de segurança, mas boa parte dos voos de carreira insistem para que passageiros obesos comprem uma poltrona extra.
A americana Southwest tem uma política que orienta os passageiros que não se encaixam entre os dois braços das poltronas a comprar um segundo bilhete que é reembolsado caso o voo não esteja cheio.

A American Airlines não tem uma regra, mas pede aos passageiros para “identificar, antes do horário do voo, se precisará de dois assentos”.

A imagem, aparentemente feita num Boeing 757, foi postada no blog sobre aviação "Flightglobal", do escritor Kieran Daly.

O autor do blog disse ao diário inglês que a foto foi enviada para ele com “absoluta garantia de que é genuína por um comissário de bordo da American Airlines”.

Em um comunicado, a empresa afirmou que “não poderia ainda confirmar se a imagem foi feita ou não por algum membro da tripulação do voo" e que vai "investigar a situação internamente para determinar se algumas das políticas da empresa não foram corretamente aplicadas”.

“A American Airlines tem entre suas principais preocupações a segurança e o conforto dos seus passageiros e tripulações e, consequentemente, passageiros são orientados a reservar dois assentos se eles sabem que vão precisar. Se o voo não estiver lotado, todavia, as necessidades destes passageiros são atendidas sem custos, sempre que possível”, diz a empresa.


fonte/G1

A380 VOLTOU SEXTA-FEIRA A NOVA YORK APÓS FALHA NOS COMPUTADORES


Um Airbus A380 da Air France que fazia o voo entre Nova York e Paris se viu obrigado na sexta-feira a retornar ao aeroporto novaiorquino por uma falha "menor" nos computadores, afirmou à AFP um porta-voz da companhia.
"Foi na noite de sexta-feira. Depois de uma hora e meia de voo, o avião teve que retornar e pousar em Nova York. O avião está novo. Foi um problema de informática menor que provocava algumas imprecisões na navegação", explicou a fonte.

O primeiro Airbus A380 de Air France, o avião civil gigante da empresa europeia, decolou em 20 de novembro do aeroporto parisiense de Roissy rumo a Nova York com mais de 500 passageiros a bordo.
 

fonte/Último Segundo

SITE DA AZUL CHEGOU A TER MAIS VISITAS QUE O DA TAM EM NOVEMBRP


O aumento de acessos do site da Azul mostra o quão acirrada está a disputa com as líderes TAM e Gol, segundo estudo do Serasa Experian

A concorrência do setor aéreo chegou à internet. Estudo da Serasa Experian Hitwise com 90 mil intenautas mostra que o site da Azul Linhas Aéreas chegou a ultrapassar o da TAM em número de visitas, ficando atrás somente do da Gol durante a segunda semana de novembro.

A vice-liderança da Azul, no entanto, durou apenas uma semana e foi explicada pela Serasa por uma campanha de marketing mais agressiva da empresa nesse período.

Na semana passada, o ranking dos acessos a sites de empresas aéreas ficou assim: Gol, (42,96% das visitas), TAM, (32,46%), Azul (12,64%), Webjet (5,22%), Trip (3,76%) e OceanAir (2,97%).

Há uma grande diferença entre a quantidade de visitas a um site e sua participação nas vendas. Segundo os dados da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) de outubro, a TAM. segue na liderança do mercado brasileiro de aviação, com 44,6% dos voos domésticos. A empresa é seguida por Gol, (41,7%), Webjet (4,47%), Azul (4,45%) e OceanAir (2,28%).

 
fonte/Portal Exame foto/divulgação

MAIS VOOS NO AEROPORTO DE JOINVILLE


Não é só o passageiro que tem a vida afetada pelos problemas no Aeroporto de Joinville. Comerciantes e taxistas reclamam do fraco movimento

Sexta-feira, 15h30 em Joinville. Chove forte. No saguão do Aeroporto Lauro Carneiro de Loyola, três funcionários tomam café no quiosque. Na revistaria, o movimento é da funcionária e da dona, que arrumam o estoque de livros. A loja de chocolates, a de souvenirs e a de roupas também estão vazias. O último voo do dia foi cancelado por causa da chuva. Com isso, o jeito é pensar em dias melhores, quando o Aeroporto de Joinville tinha 26 voos diários e os negócios iam bem. E reafirmar a importância do terminal para o desenvolvimento da cidade. “Eu vejo até como um descaso com a cidade. Essa região é rica e tem um potencial muito grande”, defende Maurino Alípio Barbosa, dono do restaurante e do café do aeroporto.

Insistindo na esperança

Maurino Alípio Barbosa (foto), 71 anos, tem dez funcionários no restaurante e na cafeteria que mantém no Aeroporto de Joinville. A vontade dele é empregar mais gente, mas a falta de passageiros impede que ele expanda os negócios.

O empresário andou preocupado com o rumo dos negócios, principalmente quando a pista ainda estava com restrição nas operações noturnas. Apesar dos problemas, ele acredita que o aeroporto tem tudo para retomar o vigor de 12 anos atrás, quando tinha 26 voos para vários destinos.

A esperança move a expectativa de fazer seu empreendimento crescer. “Hoje, viajar de avião está ao alcance de todos. O aeroporto de Joinville merece ter mais destinos”, diz Maurino. A chegada de um ILS melhoraria as condições de operação no aeroporto, na opinião do empresário.

Menos bandeiradas

A queda no movimento de passageiros influencia diretamente os negócios de Amilton da Silva (foto), 48 anos. O taxista tem o ponto há sete anos no aeroporto. Há tempo o movimento não ficava tão fraco para a cooperativa de 15 taxistas que trabalha no local.

Antes, com a frequencia de 12 voos diários garantia cinco corridas. Com os cinco aviões que chegam no aeroporto hoje, ele faz apenas duas corridas. Para Amilton, esta é a pior crise que os taxistas que trabalham no aeroporto já enfrentaram.

Para o estacionamento, a redução no número de voos também causou queda no movimento. Antes, as 205 vagas costumavam ficar lotadas nos finais de semana. E 150 carros estacionados era uma média comum em dias de semana. Agora, caiu para 80 carros por dia.

Nem graxa, nem revista

Os sapatos dos passageiros garantem, há dez anos, os negócios do engraxate Wanderlei Paradela (foto). O personagem conhecido na cidade lamenta o movimento fraco no aeroporto. Se antes ele atendia 20 pessoas por dia, agora são apenas dez.

“O pessoal está indo todo para Curitiba, porque é mais barato e tem menos risco de o avião não sair”, opina Paradela. Em todo o tempo de negócios no aeroporto, este foi o mais fraco para o engraxate.

Na loja de revistas de Neli Zirmann, a queda no movimento foi sentida. Há três anos com o ponto, ela diz que este foi o período mais fraco para os negócios. O movimento piorou desde que a Aeronáutica fez as restrições na pista. Para acompanhar a queda no movimento, Neli tem fechado a loja mais cedo. “Antes, a gente ficava até 21 horas. Agora, fechamos às 18h30”.

Aeroporto, não! Estrada

O consultor em sistemas de informação Celio Martins (foto) trabalha em São Paulo e depende do aeroporto para viajar. Com a restrição da Aeronáutica, ele trocou a viagem de alguns minutos até o Lauro Carneiro de Loyola por 98 km até Curitiba. A esposa Edneia Reale é a motorista que encara a estrada às segundas e sextas-feiras, na ida e na volta de Celio.

Além do gasto – de cerca de R$ 150 em combustível –, a família também se preocupa com a segurança. “Às vezes ela viaja com as crianças”, diz o consultor. O trânsito também preocupa Edneia, já que, no retorno, ela precisa chegar a tempo de pegar os filhos do casal na escola.

“É mais seguro comprar a passagem lá, porque não há garantia se o voo aqui vai sair no horário”, declara. Como outros empresários, Celio espera que a situação do aeroporto seja resolvida.
 
fonte/foto A Notícia

O HOMEM DO VOO DA SOLIDARIEDADE


No dia 22, pendurado na lateral do helicóptero Esquilo que voava rasante, o sargento Hamilton Fernandes Ezequiel Pilla observou a multidão que clamava por ajuda nas áreas alagadas da zona rural de Camaquã.

Ezequiel ao lado do helicóptero em que voou pendurado para ajudar pessoas isoladas pela chuva em Camaquã
A cena evocava refugiados de uma catástrofe. E era mesmo: estavam sem comida, água potável e agasalhos devido às enchentes.

O sargento Ezequiel e seus colegas do Grupamento de Polícia Militar Aéreo (GPMA) da Brigada Militar realizaram inúmeros voos para amparar os flagelados. Primeiro, resgataram uma grávida e um idoso que estava infartando, levando-os para o hospital de Camaquã. Depois, transportaram cestas básicas de alimentos e água para os moradores da Ilha de Santo Antônio, na embocadura do Rio Camaquã com a Lagoa dos Patos.

Aos 44 anos, Ezequiel voava agarrado ao lado do helicóptero, no esqui (espécie de estribo), preso a um rabo de macaco – equipamento de segurança composto por cadeirinha, cabo e mosquetão. A posição era arriscada, mas necessária para controlar os pousos improvisados da aeronave em solo alagado, cheio de tocos e de árvores caídas.

– Ficava controlando, para a cauda do helicóptero não bater em obstáculos – diz o sargento.

De onde voava, protegido pelo macacão antifogo e o capacete aeronáutico, Ezequiel também pôde ver o cenário de devastação: pessoas desesperadas, árvores derrubadas, lavouras aniquiladas, casas alagadas, animais mortos. A Ilha de Santo Antônio ficou isolada com a interrupção do serviço de balsa.

– Uma calamidade – define.

A equipe do GPMA, cuja sede fica em Porto Alegre, precisou formar uma base numa estância de Camaquã para atender os desabrigados. Da fazenda até a Ilha de Santo Antônio, fez cinco viagens de helicóptero – 30 minutos ida e volta –, carregando cestas básicas e água.

Com a sucessão de temporais, o ano tem sido agitado para Ezequiel e seus companheiros. Não há trégua nos plantões de sobreaviso. Das 19h30min de sexta-feira até as 7h30min de segunda-feira, o sargento não pode se ausentar de Porto Alegre. A qualquer momento, pode soar a ordem via celular:

– Deslocar para o quartel. Entramos em ocorrência.

Casado, Ezequiel sabe que a filha Nicole, 10 anos, aflige-se com as imagens do pai suspenso no helicóptero sobrevoando regiões assoladas por tempestades. Mas fica orgulhoso ao ser informado de que a menina comenta sobre os voos da solidariedade entre as amigas da escola.

 
fonte/foto Zero Hora

ASPIRANTES APOSTAM EM RETORNO FINANCEIRO



O promissor mercado da aviação, além do fascínio despertado entre os jovens, também atrai grande quantidade de aspirantes a profissionais dos ares pela grande oferta de emprego, além da possibilidade de uma vida tranqüila em termos financeiros.

O alto custo na formação, apesar de afastar muitos candidatos, não é barreira intransponível. Uma das provas de que a vontade pode dar asas a quem não dispõe de condições financeiras para encarar as dispendiosas horas de vôo em treinamentos é a trajetória do instrutor de aviação Paulo Marcos dos Santos Barreto, que, de padeiro em Boracéia “decolou” para a nova profissão na base da superação.

Com uma renda mensal de R$ 600,00 na época, ele conta que não tinha dinheiro sequer para tomar o ônibus para ir as aulas na ITE. “Eu pegava carona numa ambulância da prefeitura de Boracéia. Quando não tinha vaga, eu me virava, pegando carona”, conta Barreto, que improvisou o meio de transporte para estudar ciências aeronáuticas durante três anos. A carteira de piloto profissional, conta, foi financiada com a ajuda de amigos e com recursos de um terreno que ele vendeu para poder custear o final dos estudos.

Atualmente instrutor da Escola de Aeronáutica de Itápolis, ele se orgulha de ter vencido essa etapa na formação e agora continua se preparando rumo à aviação executiva ou comercial. “Sempre sonhei em conhecer lugares diferentes. Usei todas as armas que tinha. A gente não pode pensar nos problemas e sim na solução”, ensina.

Para o co-piloto José Ricardo Quevedo Júnior, o sonho falou mais alto independentemente a questões de mercado. “A tendência do mercado é melhorar, acredito. Mas voar, para mim, sempre foi um sonho desde moleque”, testemunha o jovem, de 26 anos, natural de Jaú, por telefone, durante período de repouso em Porto Alegre (RS). “Outro dia até brinquei com um comandante, que é de Itápolis, ‘olha só, dois pés vermelhos do Interior ‘carregando’ um Boeing de US$ 50 milhões”, diverte-se.

‘Petróleo do futuro’

Não são apenas asas que novos profissionais da aviação estão ganhando – hélices também. Elas sobrevoam a recente descoberta de imensas reservas petrolíferas do pré-sal, faixa de 800 quilômetros que se estende embaixo do leito oceânico, entre os estados de Santa Catarina e Espírito Santo. A iminência da perfuração desses campos gera, consequentemente, maior fluxo de helicópteros entre o continente e as plataformas em alto mar. “Falta piloto hoje no Brasil”, comenta o bauruense Kleber Toccheto, de 32 anos – levou dois para se formar -, contratado pela empresa BHS (Brazilian Helicopter Service), firma cuja matriz é canadense, com sede nacional em Macaé, no litoral fluminense. “Com a ‘explosão’ do pré-sal, serão necessários muitos helicópteros”, informa o piloto, cuja empresa presta serviços diretamente à Petrobras.

Horas no cockpit devem ser aliadas à formação acadêmica de qualidade

Apesar da relevância da formação universitária, as horas dentro do cockpit, propiciadas principalmente nas instruções em aeroclubes, ainda são necessárias.

Prestes a concluir o curso na ITE, Lívia Karina Lopes Cariello Segantin, de 20 anos, conta que alçou os primeiros vôos ainda com planador no Aeroclube de Bauru – onde também é mantido curso de mecânica de aeronaves - , para onde pretende voltar após a formatura. Ela conta que o retorno visa à expedição de licença para operar em vôos executivos. “Nessa modalidade a gente fica em média 8 dias/mês fora de casa. Na aviação comercial são de 20 a 30”, compara a estudante, que conclui monografia, justamente, sobre a inclusão da mulher na aviação e que, habitualmente, afirma, é “confundida” como postulante ao cargo de comissária. “No início era mesmo, mas depois me apaixonei pela idéia em me tornar piloto”, assegura.

Para atestar a importância de se conjugar as duas vertentes, nada melhor do que quem já passou pelas duas. Aviador há mais de 30 anos, o professor Eurípedes Francisco de Almeida Filho, o “Chico”, como é mais conhecido no aeroclube, é formado pela primeira turma do curso da ITE. “Hoje, até de comissários é exigido o curso de piloto”, enfatiza Almeida Filho, que fez as primeiras decolagens na condição de autodidata. “Na faculdade encontrei o diferencial que buscava após passar pelas horas de vôo necessárias, pois encontrei a teoria que faltava. Mas, para ser piloto, tem que voar mesmo”, atesta José Quevedo Júnior, co-piloto da Gol, Linhas Aéreas, recém-formado no curso da ITE.

Não é mais ‘coisa para ricos’

O tempo em que aviação era considerada “coisa para rico”, de acordo com especialistas e profissionais do setor, ficou para trás. A prova de que o perfil dos usuários do transporte aéreo engloba diferentes classes sociais, lembra o professor Mitsuya, ironicamente, foi dada durante a crise aérea deflagrada após a tragédia do vôo 1907 da Gol, em 2006, quando 154 ocupantes de um avião da empresa morreram com a queda no Norte de Mato Grosso.

O acidente, na ocasião, evidenciou as más condições de trabalho dos controladores de voo, que monitoravam muitas rotas além do que podiam. Isso provocou uma “greve branca” da categoria, que deflagrou a chamada “Operação Padrão”, com o controle de vôo apenas dentro das possibilidades humanas, ocasionando atraso de vôos e intermináveis filas de passageiros nos aeroportos. “Infelizmente foi necessário um acidente de grandes proporções para mostrar que aviação não é coisa de rico”, comenta.

Entretanto, para que as linhas aéreas, de fato, se estabeleçam plenamente como um meio ‘democrático’, o setor no País, para o coordenador de curso, ainda necessita de desenvolvimento em parâmetros regionais, com o estabelecimento de vôos em distâncias menores, mas que economizariam grandes percursos. “Não faz sentido você ter que sair de Manaus para Miami e ter de passar por São Paulo”, exemplifica.

Para que isso ocorra, no entanto, é necessária maior infra-estrutura nos aeroportos fora dos grandes centros. “Em Bauru ainda não é possível o pouso por instrumentos. Tenho aluno já contratado pela Gol, recebendo salário para ficar em casa, porque o aeroporto daqui ainda não está apto a receber as aeronaves da empresa”, aponta.
 
fonte/Jornal da Cidade de Bauru

AEROPORTO DE PICO, NOS AÇORES, RECEBE PRIMEIRO VOO COMERCIAL NOTURNO


O Aeroporto do Pico

O aeroporto do Pico recebeu o seu primeiro voo comercial nocturno na sequência da conclusão de todo o processo de instalação, certificação e operacionalização do sistema de iluminação da pista, um investimento do Governo dos Açores superior a um milhão de euros.

Esta primeira operação foi realizada pelo voo da SATA Air Açores 652, assegurado por um dos novos aparelhos Dash Q200 da transportadora aérea regional, com 19 passageiros a bordo. O aparelho aterrou às 17h20 efectuando, depois, o voo 433 entre o Pico e Ponta Delgada.

Com a realização do primeiro voo comercial em horário nocturno fica assim concluída mais uma fase do plano de desenvolvimento do aeroporto do Pico que tem vindo a ser implementado pelo Governo dos Açores.

Nos últimos anos o investimento realizado naquela infra-estrutura ultrapassa os 25 milhões de euros em intervenções como a ampliação da pista, nova aerogare e toda a infra-estruturação em iluminação, sistemas de ajuda à navegação aérea, equipamentos de combate a incêndios, torre de controle e placa de estacionamento, entre outros.
 
fonte/Azores Digital/ Foto: acores.net

sábado, 28 de novembro de 2009

ALUNO QUE ESTAVA EM ULTRALEVE ACIDENTADO EM RIBEIRÃO PETO PASSA POR AVALIAÇÃO NEUROLÓGICA



Queda ocorreu na manhã desta quarta em Ribeirão Preto.

Instrutor de voo de 41 anos morreu no local do acidente.


A assessoria do Hospital São Lucas disse na tarde desta quarta-feira (16) que o homem de 50 anos que recebia instrução de voo em um ultraleve que caiu em Ribeirão Preto, a 313 km de São Paulo, passou por uma avaliação neurológica e um procedimento cirúrgico. O instrutor de 41 anos morreu no acidente, ocorrido nesta manhã.

O aluno está internado no Centro de Tratamento Intensivo (CTI) do hospital, em estado grave. A assessoria não detalhou o procedimento cirúrgico ao qual o homem foi submetido.

Um problema mecânico pode ter causado a queda da aeronave. O acidente ocorreu perto de um canavial, ao lado da Rodovia Mário Donegá. O ultraleve sobrevoava uma pista agrícola quando houve o acidente. A aeronave teria perdido potência e batido em um barranco. Como a aeronave não era registrada na Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), porque seria experimental, a perícia será conduzida pela Polícia Civil.


fonte/ G1

AVIÃO COM TARSO GENRO FAZ POUSO DE EMERGÊNCIA

Um avião com o ministro da Justiça, Tarso Genro, e o secretário de Justiça, Romeu Tuma Júnior, fez um pouso de emergência no aeroporto de Zurique, na Suíça, na madrugada deste sábado. O voo, da empresa Swiss, decolou da cidade europeia nesta sexta-feira e trazia as autoridades de volta para São Paulo, mas teve de retornar. Ninguém ficou ferido.

Genro foi ao país para tratar da devolução de valores referentes ao "Propinoduto". A Suíça vai devolver ao Brasil 28 milhões de dólares desviados dos cofres públicos, resultado de propinas pagas por empresas em troca de benefícios fiscais.

fonte/CBN

sexta-feira, 27 de novembro de 2009

ULTRALEVE CAI E DEIXA DOIS FERIDOS EM BRASÍLIA


 

Um ultraleve caiu na tarde desta sexta-feira, próximo ao depósito do Departamento Estadual de Trânsito (Detran), na Asa Norte, Distrito Federal. Segundo informações da DFTV, duas pessoas ficaram feridas e uma delas teve traumatismo craniano.

O ultraleve atingiu a rede de alta tensão. As vítimas foram encaminhadas para o Hospital de Base.

fonte/Terra

AUSTRÁLIA ANUNCIA A COMPRA DO PRIMEIRO LOTE DE F-35

2009-11-17 AF 1
O Governo da Austrália aprovou o programa de aquisição de $3,2 bilhões de dólares para 14 Joint Strike Fighters (JSF).

O ministro da Defesa, senador John Faulkner, disse que a decisão foi precedida por anos de avaliação e planejamento por todos os países envolvidos no desenvolvimento da aeronave.

Faulkner afirmou que o próximo lote de JSF será avaliado em 2012, de acordo com o compromisso do Livro Branco da Defesa, que planeja três esquadrões operacionais com pelo menos 72 aeronaves.

A aquisição de um esquadrão adicional, elevando o total de JSF para 100 aeronaves, será avaliada em conjunto com a futura decisão de aposentar o F/A-18F Super Hornet.

fonte/MinDefenseAustralian foto/divulgação

MOMENTO PARA A TAM EVITAR OS ALIENÍGENAS


A identidade de uma empresa é, na maioria das vezes, a essência do sucesso empresarial da companhia. Não existe no Brasil nenhuma empresa aérea tão identificada com o seu fundador como a TAM. O Comandante Rolim Amaro e a TAM se fundiram em um só ser. Hoje, os seus herdeiros, especialmente D. Noemy, Maria Claudia e Maurício Amaro são guardiões, não da sua herança ou da sua memória, mas do próprio Rolim.

A TAM, sem os seus ensinamentos, seria mais uma empresa aérea. Uma companhia de aviões e não o conjunto de valores inéditos que foram colocados em prática pela coragem do seu fundador.
Quem viveu a história da TAM, quem acompanhou a chegada dos primeiros F100 ou presenciou o voo rasante do primeiro A330 em Congonhas, sabe que a empresa surgiu como resultado de uma cultura capitaneada por um único homem.

Há alguns dias reencontrei D. Noemy e Maria Claudia em um evento para apresentação do novo serviço de bordo da empresa. Conversamos longamente e na presença delas eu sentia a presença do próprio Rolim. Era como se ele estivesse ali. Não se trata de nenhum fenômeno espiritual. Conversando com elas, observando a espontaneidade do sorriso, cheguei à conclusão que Rolim e sua família também formavam um só ser. O que ele foi em vida era fruto da família que possuía. Da esposa compreensível e amiga que sempre teve. Dos filhos que davam os primeiros passos na própria TAM.

Recordo do orgulho que ele tinha em ver todo o cuidado da Maria Claudia com o novo serviço internacional da TAM. No voo inaugural de Miami para São Paulo, ele foi me visitar na classe executiva e perguntou: “O que achou do serviço, Magnavita?” Ao expressar a minha satisfação com as riquezas dos detalhes, ele me disse: “Foi tudo cuidado pela Maria Claudia!”.

Lembro também do seu orgulho quando voamos de volta o primeiro Top TAM, de Recife para São Paulo, a bordo do Citation Excel que ele tinha acabado de receber. No cockpit estava Maurício Amaro, hoje comandante do A320 e cada vez mais parecido com o pai. Durante a viagem, ao lado de Luís Eduardo Falco e Rubel Thomas, Rolim não cansava de elogiar: “O Maurício é um grande piloto. Nasceu para voar!”. No mesmo voo, D. Noemy, que o comandante chamava carinhosamente de Nono, separava frutas, que haviam sido embarcadas pela comissária e repassava para o marido.

O Rolim que conhecemos é fruto desta unidade familiar que o fazia se sentir pleno. Uma unidade familiar que ele levava para a empresa, com os seus colaboradores mais íntimos como Umberto D'Angelis e Antônio Carlos Gabrielli. Tinha também o Falco, já citado, para quem ele delegava dizer os “nãos” e o serviço de artilharia pesada.

Neste cenário, a TAM cresceu e, hoje, a família, como principal acionista, tem a responsabilidade de escolher o seu futuro presidente. O comandante deve se arrepiar com a ideia de colocar um estranho no comando da empresa. Como um executivo, geralmente empavonados pelo glamour de presidir uma empresa aérea líder, irá entender tamanha simbiose e tamanha cultura particular?

A solução X, Y, Z ou até B, ou K... poderão levar a empresa a perigosos solavancos. A TAM que se reencontrou publicamente com o seu fundador na campanha de marketing há dois anos, não pode correr o risco de servir de laboratório de gestão para neófitos em aviação.

Nos quadros da TAM existem soluções fidelizadas com a identidade da companhia. Quem assumir, sabe que os acionistas majoritários são os guardiões dos princípios do fundador. Dificilmente um head hunter irá achar alguém que, no mundo externo, compreenda que Maria Claudia, Maurício e D. Noemy formam a essência do Comandante Rolim. Eles cresceram com a TAM e principalmente a TAM cresceu com eles. Conhecem cada segundo da história da companhia.

Presidir a TAM será, na realidade, dar continuidade a uma filosofia empresarial criada pelo próprio Rolim. Como alguém de fora poderá fazer isso? Os nomes externos que estão surgindo, antes mesmo de pisar na empresa, já começam a fazer jogo pela imprensa. Querem ser plenipotenciário em um campo que desconhecem e querem no fundo afastar a influência da família acionista.

É como se, em vida, algum maluco quisesse afastar Rolim da presidência da TAM. Façam um exercício mental e respondam, imaginem o Rolim em casa, de pijamas, afastado da presidência da TAM...

É exatamente algo parecido que poderá ocorrer com a escolha de algum nome de fora e que não conheça a aviação. Este é um momento em que a TAM precisa ouvir o seu fundador, acreditar na sua gente e nos seus acionistas.

Depois de conversar com Maria Claudia e D. Noemy no coquetel de lançamento do novo serviço de bordo, deixei o Morumbi convicto de que Rolim é fruto da família que tem e que a TAM e Rolim formam realmente uma só pessoa. Alguém que chegue de fora, cheio de empáfia e vaidade, só irá estragar essa essência de humildade e vontade de servir que transformou a TAM na maior empresa aérea do país.

Cláudio Magnavita é presidente da Associação Brasileira de Jornalistas de Turismo (Abrajet), membro do Conselho Nacional de Turismo e presidente da Aver Editora (Aviação em Revista e Jornal de Turismo).

fonte/Jornal do Brasil

CARGAS DE AVIÕES ESTÃO VULNERÁVEIS A ATAQUES


A Administração de Segurança de Transportes (TSA, na sigla em inglês) dos Estados Unidos não está garantindo plenas condições de segurança às cargas que são transportadas nos aviões de passageiros, deixando as aeronaves sob o risco de ataques terroristas, de acordo com um relatório obtido pelo jornal americano USA Today.

"As cargas no transporte aéreo estão vulneráveis", informou o relatório assinado pelo inspetor-geral do Departamento de Segurança Interna dos EUA. O documento cita repetidos problemas enfrentados pela TSA para evitar que terroristas escondam bombas dentro das dezenas de toneladas de carga levadas nos aviões todos os dias.

Os investigadores puderam circular livremente pelos "supostamente seguros depósitos" onde a carga é armazenada antes de ser levada aos aviões, segundo o relatório. O inspetor-geral Richard Skinner também encontrou alguns funcionários dessas áreas que não haviam recebido o treinamento necessário para aquele tipo de trabalho.

A TSA "não vem sendo efetiva" em fornecer segurança às companhias aéreas ao não cumprir as regras para transporte de cargas, escreveu Skinner no relatório. Como resposta, o administrador do órgão, Gale Rossides, disse que já "há acordos" para que o problema seja resolvido, inclusive o treinamento dos funcionários.


fonte/Terra

BRUXELAS LANÇA NOVA 'LISTA NEGRA' DE COMPANHIAS AÉREAS


O executivo comunitário, que atualizou a “lista negra” europeia das companhias proibidas de voar no espaço dos 27, manteve a TAAG entre as empresa a operar com restrições e sob determinadas condições, mas permitindo a utilização de mais aparelhos.

Em comunicado, diz reconhecer “os grandes esforços desenvolvidos pela autoridade angolana da aviação civil e pela transportadora para resolver progressivamente os problemas de segurança”, pelo que é “autorizada a aumentar o número de aeronaves utilizadas nas suas operações aéreas com destino a Portugal”.

A Comissão Europeia decidira em Julho passado levantar a proibição da TAAG em voar no espaço europeu, autorizando a companhia aérea angolana TAAG a retomar os voos para Portugal “apenas com certos aparelhos e segundo condições muito estritas”.

A nova lista passou a incluir transportadoras de três novos países, atendendo às deficiências de segurança detectadas no âmbito de auditorias.

“Não podemos aceitar compromissos no que respeita à segurança da aviação. Os cidadãos têm o direito de dispor de transportes aéreos seguros na Europa e em qualquer parte do mundo“, declarou o Vice-Presidente da Comissão, Antonio Tajani. “Não se trata apenas de estabelecer uma lista de companhias aéreas perigosas. Estamos dispostos a ajudar estes países a aumentarem a sua capacidade técnica e administrativa, a fim de garantir a segurança da sua aviação civil. Vamos intensificar a cooperação com a Organização da Aviação Civil Internacional, de modo a assegurar uma melhor coordenação de esforços e prestar assistência nas áreas onde é mais necessário”, concluiu.

Actualmente, a lista inclui cinco companhias aéreas cujas operações são totalmente proibidas na União Europeia: a Air Koryo (República Popular Democrática da Coreia), a Air West (Sudão), a Ariana Afghan Airlines (Afeganistão), a Siem Reap Airways International (Camboja) e a Silverback Cargo Freighters (Ruanda).

Há oito transportadoras aéreas que estão autorizadas a operar com restrições e sob determinadas condições: TAAG - Linhas Aéreas de Angola (Angola), Air Astana (Cazaquistão), Gabon Airlines , Afrijet e SN2AG (Gabão), Air Bangladesh, Air Service Comores e Ukrainian Mediterranean Airlines (Ucrânia).


  fonte/Pousada de Notícias Sobre Aviação

DEMISSÕES NA EMBRAER CONTINUAM, DIZ SINDICATO

Depois de demitir 4,2 mil trabalhadores no começo deste ano - o maior corte de pessoal realizado por uma empresa brasileira na crise -, a Embraer já mandou embora outros 600 metalúrgicos de sua fábrica em São José dos Campos (SP), segundo levantamento do Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos.


O balanço não considera o corte do começo do ano feito em todas as unidades da empresa. Segundo o sindicato, que fez seu levantamento com base nos pedidos de homologação entre janeiro e novembro, "somente nesta semana a Embraer já pediu o agendamento de 50 a 70 homologações".

A entidade calcula que, se forem consideradas as demissões de outras categorias, como engenheiros e funcionários administrativos, o número de demitidos pode ser ainda maior. De acordo com o sindicato, a Embraer possui cerca de 11,7 mil trabalhadores em sua fábrica em São José dos Campos.


O sindicato protocolou ontem uma carta pedindo que seja marcada uma reunião com o presidente da Embraer, Frederico Curado, para discussão sobre a manutenção de postos de trabalho e redução da jornada sem redução de salário e sem banco de horas.


Procurada pela reportagem da Agência Estado, a Embraer informou, por meio da assessoria de imprensa, que não havia representantes para comentar o assunto. A fabricante não confirmou nem desmentiu as 600 demissões.


No começo deste ano, o Sindicato fez vários alertas sobre a demissão em massa que estava sendo feita pela companhia. Na ocasião, a Embraer levou algum tempo para confirmar e divulgar os cortes.


RECUPERAÇÃO LENTA


Há alguns meses, o presidente da Embraer disse em entrevista que o pior da crise já havia passado, mas que o setor não se recuperaria antes de 2011. Na apresentação dos resultados do primeiro semestre, em agosto deste ano, a previsão da companhia era de queda de US$ 800 milhões de receita em 2009 - de US$ 6,3 bilhões para US$ 5,5 bilhões. Com o cancelamento de entregas, o ritmo da produção caiu 30% em relação ao ano passado. Só no primeiro semestre, foram 27 cancelamentos.


Para o ano, a empresa previa a entrega de 242 aeronaves, 38 a mais do que no ano passado. No entanto, a expectativa era de queda nas entregas de aviões de grande porte - portanto, mais caros - e de aumento no número de jatos pequenos.


fonte/Estadode Sao Paulo

HELICÓPTERO HUGHES 530 CAI NA COLÔMBIA

Um militar morreu na queda de um helicóptero Hughes 530 da Força Aérea da Colombia, matrícula "FAC-4301", que cumplria missão de reconhecimento vulcanológico ao sudoeste do país.

Segundo informe oficial, o aparelho se acidentou quando cumpria issão na província de Narino, fronteria com Equador. A bordo daaeronave viajavam o tenente Ricardo Andrés Cataño e o terceiro sagento técnico Mauricio Martinez Barrios, que foram transferidos para clínica San Pedro de Pasto, capital da provincia.



fonte/foto/AFP/EFE

AUSTRÁLIA COMEÇA A RECEBER OS BOEING WEDGETAIL

Wedgetail

A Defence Materiel Organisation da Austrália começou a receber as duas primeiras aeronaves AEW&C “Wedgetail” da Boeing.

A entrega das primeiras aeronaves vai permitir o treinamento e a familiarização das tripulações, enquanto a Boeing completa o programa de testes e atividades de aceitação.

Quando totalmente operacionais, os “Wedgetail” vão melhorar em muito a capacidade de vigilância, defesa aérea, apoio à forças navais e coordenação de operações conjuntas.

A Boeing planeja os testes iniciais de aceitação das duas primeiras aeronaves no segundo semestre de 2010, quando elas passarão a pertencer ao Commonwealth.

O Commonwealth eventualmente quer adquirir 6 “Wedgetail” ao custo de 4 bilhões de dólares australianos.

fonte/foto/Boeing

CARRO ATRAVESSA CERCA E BATE EM AVIÕES EM AEROPORTO DOS EUA


Veículo atingiu aeronaves no aeroporto de El Cajon, na Califórnia

O motorista estava dirigindo com seu cachorro no carro quando perdeu a consciência e atravessou uma grande, batendo em aviões estacionados no aeroporto. O homem e o cachorro não ficaram feridos.

fonte/Associated Press/G1 foto/AP

quinta-feira, 26 de novembro de 2009

VÍDEO - PRESENTE DE PAPAI NOEL

COLABORAÇÃO DO COMANDANTE ANDERSON CAYE

PASSAGEIRA COM DEFICIÊNCIA CHAMADA DE BÊBADA EM VOO DEVE RECEBER R$ 40 MIL DE INDENIZAÇÃO

O juiz da Segunda Vara Cível da Comarca de Várzea Grande, Marcos José Martins de Siqueira, condenou a empresa VRG Linhas Aéreas (grupo Gol) por causar constrangimento e transtornos emocionais a uma passageira de Cuiabá. Portadora de uma deficiência física que lhe causa dificuldades motoras, ela foi destratada por uma comissária de bordo antes da decolagem da aeronave com destino a São Paulo, no ano de 2007. A sentença fixa o valor de R$ 40 mil a título de indenização por danos morais, bem como ordena à companhia aérea o pagamento das custas processuais e honorários advocatícios. A companhia ainda pode recorrer da decisão.

De acordo com os autos da ação, a passageira se acomodou na poltrona do avião e foi abordada de forma ríspida e em voz alta por uma comissária de bordo, que exigiu que ela deixasse a aeronave por não apresentar condições de viajar. Em seguida, ainda segundo o processo, a funcionária da empresa teria acionado o interfone para questionar à equipe de solo a razão de terem permitido que uma "bêbada" entrasse na aeronave, ato testemunhado por vários passageiros. Parte deles confirmou todo o fato em juízo.

Forçada a deixar a aeronave, a passageira conseguiu retornar minutos depois, em prantos, depois que o mal entendido foi desfeito. Na verdade, a passageira seguia para São Paulo por motivo de tratamento de saúde de sua deficiência física. Portanto, não havia ingerido bebida alcoólica ou usado drogas.

Em sua defesa, a empresa alegou que não houve qualquer solicitação de assistência para portador de necessidades especiais e que a comissária, ao perceber que a passageira possuía movimentos involuntários, educadamente pediu que ela lhe acompanhasse para fora do avião para tratar do assunto de forma reservada, sem a presença de qualquer passageiro. Após a suposta negativa da passageira, ela teria retornado ao seu lugar sem problemas. Essa versão, no entanto, não foi confirmada pelas testemunhas do fato.

O magistrado, em sua sentença, ressaltou que os depoimentos dos passageiros foram coerentes e comprovaram a atitude imprópria da comissária de bordo contra a passageira que possui deficiência física.

- Por ser a aeromoça empregada de empresa que presta serviço de relevância social, deve estar preparada para enfrentar situações anômalas, como na espécie, acautelando-se para dispensar tratamento digno aos usuários daquele serviço. Logo, se assim não agiu, lançando conclusão equivocada sobre o verdadeiro estado físico da autora que, por sua vez, foi percebido pelos demais passageiros, proporcionou um desgaste à imagem e à honra da pessoa debilitada. Neste ponto é que consiste a prática do ato ilícito civil - sentenciou, citando o Código de Defesa do Consumidor.

fonte/TVCA/O Globo

VÍRUS CAMUFLADO EM SPAM DE PASSAGENS AÉREAS

CUIDADO!

A Trend Micro identificou um recente ataque de spam com mensagens que seguem a interface de uma companhia aérea brasileira e oferecem passagens por apenas R$ 1.

O texto da mensagem diz: “A promoção Voegol a R$ 1 está de volta, compre passagens de ida ou de volta para todo o Brasil por apenas R$ 1,00. Visite nosso atendimento online através do site http://www.voegol.com.br/Atendimento/ e mencione o código: VG1R. Após isso, espere o contato de um atendente e efetue a compra”.

O spam tenta se aproveitar das promoções verdadeiras que estão sendo oferecidas pela mesma companhia, porém, os links do e-mail não levam a nenhum lugar onde é possível comprar passagens baratas.

Os usuários são redirecionados a uma URL que faz o download de TROJ DLOADR.APX.O TROJ_DLOADR.APX e se conecta a outras URLs para fazer o download de TSPY BANKER.NGN. As variantes do TSPY_BANKER têm o objetivo de roubar informações pessoais de contas em bancos brasileiros.
 
fonte/ Decision Report

SÓ 1,2 % DA VERBA DE AEROPORTOS IRÁ PARA AFONSO PENA



O aeroporto Afonso Pena receberá 1,26% – R$ 70,1 milhões – dos R$ 5 bilhões previstos pela Infraero para investimentos nos 15 aeroportos de apoio às cidades que vão sediar jogos da Copa do Mundo de 2014. No ranking da distribuição de recursos, ele é o quarto menos favorecido, na frente apenas dos terminais de Salvador, Recife e da Pampulha (de Belo Horizonte).


Além disso, nenhum dos cinco empreendimentos previstos para São José dos Pinhais foi iniciado. Três deles começam em 2010 e outros dois em 2011.

Os trabalhos em 12 dos demais aeroportos já estão em andamento. Atualmente, a Infraero não realiza qualquer investimento nos três aeroportos que administra no Paraná (além do Afonso Pena, há uma unidade em Londrina e outra em Foz do Iguaçu).

Os números foram apresentados ontem pelo diretor de engenharia da Infraero, Jaime Henrique Caldas Parreira, durante uma audiência pública promovida em conjunto pelas comissões de Turismo, Desenvolvimento Urbano e Transportes da Câmara dos Deputados. O debate tratou dos investimentos em aeroportos para a Copa de 2014 e as Olimpíadas de 2016, no Rio de Janeiro.

“Em cada aeroporto nós focamos no que é necessário e as principais prioridades são obras em pistas ou terminais de cargas e passageiros. No caso do Afonso Pena, a meta principal é adequar o espaço à demanda de passageiros”, explicou Caldas. Nenhuma das propostas apresentadas ontem contempla a ampliação ou construção de uma terceira pista, reivindicação que mobiliza o Paraná há uma década. Após a audiência, parlamentares da bancada paranaense fizeram uma reunião com o presidente da Infraero, Murilo Marques Barboza, para cobrar mais investimentos.

“Foi uma surpresa que a pista tenha ficado de fora. Ele (Barboza) nos disse que temos de atuar politicamente para que a obra saia e é isso que nós vamos fazer”, disse o deputado paranaense Eduardo Sciarra (DEM), um dos organizadores da reunião.

Segundo o parlamentar, também está garantida a ampliação do terminal de cargas, projeto avaliado em R$ 10 milhões e que consta no Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) desde 2007. O empreendimento não foi incluído na relação da Copa porque não teria ligação com o evento.

Entre as cinco propostas de preparação para o Mundial de 2014 está a ampliação do sistema de pátios, com cinco novas posições para estacionamento de aeronaves. Para essa obra, o custo estimado é de R$ 30 milhões.

Durante a audiência, o presidente do Sindicato Nacional das Empresas Aeroviárias, José Márcio Mollo, disse que o Afonso Pena é atualmente um dos 12 aeroportos brasileiros em que as aeronaves são proibidas de passar a noite, por falta de espaço adequado, o que prejudica a programação dos voos. Mollo fez uma previsão pessimista sobre as obras listadas pela Infraero. “Se dependermos do planejamento que está sendo feito e do histórico da Infraero em descumprir prazos, vamos sofrer um novo apagão aéreo durante, ou mesmo antes da Copa de 2014.”

O deputado paranaense Gustavo Fruet (PSDB), que participou da audiência e foi membro da CPI do Apagão Aéreo, em 2007, também disse que não acredita no cumprimento do cronograma apresentado ontem. “É pouco dinheiro e, além disso, o fato é que não vai dar tempo de terminar tudo até 2014.”

As outras quatro propostas apresentadas ontem pela Infraero para o Afonso Pena são a reforma e adequação do terminal de passageiros (R$ 1,65 milhão), a execução das obras de reforma desse terminal (R$ 37,25 milhões), o projeto completo de infraestrutura da área para hangares da aviação executiva (R$ 120 mil) e a execução das obras desses hangares (R$ 1,08 milhão).

Lanterna

Dos 15 aeroportos brasileiros que serão modernizados por causa da Copa de 2014, 11 receberão mais investimentos do que o Afonso Pena, na região de Curitiba:

Aeroporto Recursos (em R$ milhões)

Guarulhos (SP) 1.391,8

Viracopos (Campinas) 936,8

Galeão (RJ) 735,55

Brasília 524,2

Porto Alegre 495,16

Confins (Belo Horizonte) 392,16

Congonhas (SP) 284,32

Manaus 238,53

Fortaleza 214,99

Cuiabá 85,26

Santos Dumont (RJ) 76,41

Curitiba 70,10

Salvador 44,29

Recife 33,00

Pampulha (Belo Horizonte) 5,08
 
fonte/Gazeta do Povo

CÂMARA APROVA AUMENTO DE EFETIVO DA AERONÁUTICA


A Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara aprovou, em caráter conclusivo, o projeto de lei que aumenta em 13.495 o número de militares do Comando da Aeronáutica. O efetivo passará de 67.442 para 80.937. Agora, o projeto seguirá para o Senado, a menos que haja recurso para que seja votado pelo plenário da Casa.

O ministro da Defesa, Nelson Jobim, que assina a proposta, ressalta a necessidade da medida para adequar os efetivos da Aeronáutica às crescentes demandas do transporte aéreo e para prestar um serviço seguro de controle do espaço aéreo.

Jobim também cita como argumento a criação de novas organizações militares nos últimos 25 anos e o crescimento das atribuições da Aeronáutica, como participação em missões da Organização das Nações Unidas, em campanhas de vacinação e em combate a incêndios ambientais.

Novos números

Pela proposta, a nova composição dos cargos sofrerá a seguinte variação:

- oficiais superiores: de 2.455 para 3.200;

- oficiais intermediários e subalternos: de 5.700 para 7.800;

- suboficiais e sargentos: de 26.200 para 34.000;

- cabos e soldados: de 31.000 para 34.100;

- taifeiros (responsáveis pelo serviço de câmara, como limpeza e arrumação): de 2.000 para 1.750.

A proposta foi aprovada com emenda da Comissão de Finanças e Tributação, que condiciona a criação dos cargos à sua autorização expressa em anexo específico da Lei Orçamentária Anual.

fonte/Agência Câmara/ O Globo

ENTREGA DO AIRBUS DA SATA VOLTA A SER ADIADA

O avião Diáspora ainda não foi entregue a SATA.

É a segunda vez que o prazo de entrega do avião não é cumprido.


Depois da aterrissagem brusca a 4 de agosto no aeroporto de Ponta Delgada, nos Açores, o Airbus foi entregue às oficinas da TAP em Lisboa para manutenção.

Após a análise das caixas negras, concluiu-se que o segundo embate no solo excedeu a violência aceitável pelo fabricante, tendo saltado 5 rebites do revestimento das asas.

Os trens de aterrissagem tiveram, também, de ser substituídos.

Por prevenção, todos os rebites de revestimento das asas foram substituidos, o que representa cerca de 100 unidades.

Fontes ligadas ao processo indicaram que ainda falta montar os trens de aterrissagem e os reatores e que, depois, o avião terá de ser submetido a testes.

O prazo para entrega do Airbus foi adiado de outubro para novembro.

Depois de em nenhuma das datas se ter verificado o regresso do Diáspora, fica em aberto o prazo de entrega, o que deverá acontecer antes do Natal.
 
fonte/Jornal da Tarde/via RTP Açores

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL INVESTE EM MELHORIAS PARA TRÊS AEROPORTOS DO INTERIOR



Os aeroportos de Caxias do Sul, Erechim e Passo Fundo começam a receber nos próximos dias investimentos de aproximadamente R$ 5,5 milhões do governo do Estado. Nesta quinta-feira (26), às 10h, o secretário de Infra-Estrutura e Logística, Daniel Andrade, e o diretor do Departamento Aeroportuário (DAP), Fernando Coronel, firmam contrato para começo das obras e aquisição de veículo de combate a incêndio. Os empreendimentos integram o programa estruturante Duplica RS. "O desenvolvimento do sistema aeroportuário prevê melhorias com objetivo de, além da intermodalidade, expandir o transporte aéreo de passageiros e de cargas e integrar a rede estadual de aeroportos", explica Andrade.

O terminal de passageiros do complexo de Caxias do Sul terá ampliação de 400m² de área edificada e 1.819m² de área a ser reformada, incluindo cobertura da entrada do prédio, aumento das salas de embarque e desembarque e ar-condicionado. A construção, no valor de R$ 2.394.150,98, tem prazo de 15 meses para ser concluída. Além disso, estão em andamento nas instalações serranas implantação do sistema de sinalização luminosa vertical na pista, taxiway e pátio, contratada em 29 de outubro deste ano, ao custo de R$ 184.331,95, com período fixado de 180 dias para entrega. Caxias do Sul se liga a São Paulo por voos diários.

O complexo de Erechim receberá restauração do pavimento asfáltico da pista de pouso e decolagem com 1,28 mil metros de comprimento e 30 metros de largura, taxiway com 65metros de comprimento e 15 metros de largura e pátio de aeronaves com 6.360 m². A melhoria está orçada em R$ 1.798.140,49 e tem prevista quatro meses para término. Em convênio com a prefeitura, ocorrem também ampliação e reforma do terminal de passageiros, em 65 m², no total de R$ 213.169,09, dos quais R$ 170.535,27 oriundos da Secretaria de Infra-Estrutura e Logística (Seinfra) e contrapartida de R$ 42.633,82 da administração municipal. Erechim é ponto de chegada e partida de aviões para Porto Alegre, Florianópolis e Curitiba.

Para aumentar a segurança do aeroporto de Passo Fundo, o DAP vai adquirir caminhão de combate a incêndio, no valor de R$ 1,265 milhão. O veículo tem de estar em operação em até seis meses. Linhas aéreas unem a comunidade do Planalto Médio a Porto Alegre, São Paulo, Curitiba, Joaçaba e Caçador. As informações são do Governo do Estado.

fonte/ Diário de Canoas

INAUGURADO O AEROPORTO DE SÃO MIGUEL DO ARAGAUAIA - GOIÁS

O governador Alcides Rodrigues inaugurou às 8h30 de hoje o balizamento noturno e o terminal aeroportuário do Aeródromo de São Miguel do Araguaia, em Goiás.

As obras receberam investimento de R$ 786,4 mil, trazendo mais conforto aos usuários e possibilitando o funcionamento do local 24 horas por dia. O balizamento estava paralisado desde 2005, mas as obras foram retomadas em dezembro do ano passado e concluídas este mês. Somente no balizamento o Governo investiu R$ 545,33 mil.
 
fonte/Goiás Agora

NIKI LAUDA CONFIRMA COMPRA DE MAIS DOIS JATOS EMBRAER


Embraer E-190 Niki Lauda

A Embraer assinou contrato com a segunda maior companhia aérea austríaca, Niki Luftfahrt, para venda de mais dois jatos modelo 190, confirmando direitos de compra de um acordo acertado em julho de 2008, informou a fabricante brasileira nesta quarta-feira.

O início das entregas desta nova encomenda feita pela aérea do ex-piloto e tricampeão de Fórmula 1 Niki Lauda está previsto para o primeiro semestre de 2011. De acordo com a empresa, a Niki se tornou a primeira empresa aérea de baixo custo européia a operar o Embraer 190 com 112 assentos.

Em maio deste ano, o ex-piloto compareceu à cerimônia de entrega do primeiro jato de uma encomenda de cinco, em São José dos Campos (SP). O avião atinge entre 800 e 900 km/h e pode percorrer 4 mil milhas.
Niki Lauda abriu sua companhia aérea de baixo custo em dezembro de 2003 e opera vôos para Frankfurt, Munique, Zurique, Paris, Milão, Roma e Estocolmo.
 
fonte/foto/Embraer

quarta-feira, 25 de novembro de 2009

MISTERIOSA ONDA DE ENTUPIMENTO DE PRIVADAS ATINGE AVIÕES DE EMPRESA AÉREA


Vários voos da companhia aérea Cathay Pacific, de Hong Kong, realizados por aviões Airbus, estão sendo atingidos por uma misteriosa onda de entupimentos das privadas das aeronaves.

No mais recente incidente, no dia 17 de novembro, um Airbus da empresa que ia de Riad, na Arábia Saudita, a Hong Kong, teve de fazer um pouso não programado em Mumbai, na Índia, quando a tripulação constatou que todos os dez vasos sanitários do avião não estavam funcionando.

Não houve problemas com a aterrissagem, mas o problema causou um atraso de 18 horas em um voo que deveria ter durado oito horas.

Em outras duas ocasiões, com dias de diferença, a companhia teve de cortar o número de passageiros a bordo de voos intercontinentais ao constatar o entupimento em todas as privadas de um mesmo lado dos aviões.

Culpa dos passageiros

Representantes da Cathay Pacific e da Airbus disseram, na noite de terça-feira, que ainda não sabem o que está causando a onda de entupimentos, que atinge principalmente o lado direito das aeronaves.

Mas, segundo o jornal South China Morning Post, uma assessora da companhia aérea chegou a sugerir que os próprios passageiros são parcialmente culpados pelo problema.

"Vocês ficariam surpresos em ver tudo o que encontramos nos canos quando limpamos o sistema: toalhas de rosto, vidros de remédio, meias e até bichinhos de pelúcia", afirmou ela.

Ainda de acordo com o jornal de Hong Kong, um memorando interno escrito pelo diretor de operações de voo da Cathay Pacific, Nick Rhodes, levantava a possibilidade de os entupimentos terem sido causados por uma mudança no procedimento de limpeza da empresa introduzido há seis meses.

A companhia anunciou ainda que seus engenheiros já estão instalando novos canos e fazendo uma "limpeza profunda" dos banheiros de toda sua frota, além de ter consultado a Airbus sobre o problema.

Segundo o jornal, os Airbus A330 e A340 geralmente possuem dez banheiros, e a Cathay Pacific estabelece a proporção mínima de um sanitário para cada 80 passageiros na classe econômica.
 
fonte/BBC Brasil/Estadão

SELEÇÃO MASCULINA LEVA SUSTO APÓS PANE EM VOO E É OBRIGADA A VOLTAR PARA PARIS

A seleção masculina de vôlei terá de adiar por mais um dia a comemoração com seus familiares da conquista do tricampeonato da Copa dos Campeões. A maior parte dos jogadores levou um susto na manhã desta quarta-feira, após uma pane durante o voo que obrigou o retorno do avião para Paris. Apenas cinco atletas, todos do Florianópolis, vinham em outro voo e conseguiram desembarcar em Guarulhos.

- Meu pai (técnico Bernardinho) me mandou uma mensagem avisando que o avião teve de voltar depois de duas horas de voo. Parece que tiveram um problema de navegação. Mas até que é bom para eles curtirem mais um dia em Paris – disse o levantador Bruninho.

Funcionários da Air France em Guarulhos confirmaram que houve uma pane durante o voo AF 454 e o avião teve de retornar a Paris. Segundo Bruninho, alguns jogadores conseguiram lugar em um voo ainda para esta quarta-feira. O restante, no entanto, terá de esperar até a manhã de quinta-feira para retornarem ao Brasil.

O primeiro grupo, formado pelo levantador Bruno, os meios-de-rede Éder e Lucas, o ponteiro Thiago Alves e o líbero Mário Jr., todos do Florianópolis, desembarcou em São Paulo por volta na manhã desta quarta, como era previsto.

fonte/Globoesporte.com

HELICÓPTERO DÁ SUSTO DURANTE POSUO EM FLORINÓPOLIS




Um incidente em uma demonstração do Curso de Tripulante Operacional assustou nesta terça-feira (24) os alunos da Academia de Polícia Civil de Santa Catarina (Acadepol), no bairro Canasvieiras, em Florianópolis. O helicóptero que sobrevoava o local teve um problema ao tentar pousar, por volta das 14h30min.

A aeronave fazia um sobrevoo de cinco minutos pela academia para 22 policiais civis, que são alunos do curso e acompanhavam em solo a demonstração.

Segundo o delegado do Serviço Aero-Tático da Polícia Civil, Jonas Santana Pereira, na hora do pouso, o rotor (eixo que sustenta as hélices) da cauda do helicóptero tocou o chão e quebrou. Apesar do susto, o piloto, co-piloto e o passageiro não ficaram feridos.

Segundo o delegado, será feita uma investigação para apurar a causa do incidente. A manutenção do helicóptero deverá ser feita em 15 dias.

fontes/Diário Catarinense / O Globo foto/ Felipe Pereira

PRONTO-SOCORRO DE BELO HORIZONTE GANHA HELIPONTO



Minuto de ouro. Essa expressão, usada internacionalmente por unidades de socorro, define que o tempo tem que ser o menor possível para resgatar e levar a vítima a um ponto de atendimento. Significa, igualmente, que cada minuto, neste processo, vale ouro; quanto menor o tempo de socorro, maior a chance de vida do paciente. E é exatamente este ganho de velocidade no atendimento que o Corpo de Bombeiros de Belo Horizonte vai obter com a inauguração do heliponto no Hospital de Pronto-Socorro João XXIII (HPS), previsto para o primeiro semestre do ano que vem, de acordo com a Secretaria de Transportes e Obras Públicas (Setop).

Atualmente, os helicópteros de salvamento da corporação que resgatam feridos e acidentados pousam no heliponto do Departamento de Transportes da Polícia Civil, no Bairro Santa Efigênia. De lá, o paciente segue de ambulância, por um trajeto de 2,1 quilômetros, passando pelas ruas Tenente Anastácio Moura, Niquelina, Domingos Vieira, Ceará e chegam na Avenida Alfredo Balena, onde fica o João XXIII, considerado referência para atendimento emergencial em Minas Gerais. A velocidade desse percurso depende, logicamente, do fluxo de trânsito, o que pode acarretar a perda de minutos essenciais.

Além disso, de acordo com subcomandante do Batalhão de Operações Aéreas do Corpo de Bombeiros, capitão Fábio Dias, o pouso no Departamento de Transporte da Polícia Civil “é bem restrito e complicado”, em função, entre outras coisas, do lugar onde está situado. Na opinião do oficial, a inauguração do heliponto no HPS seria um enorme ganho para a vítima socorrida, além de dispensar o transporte por terra. Mesma opinião do subchefe do Estado Maior da Corporação, tenenete-coronel Aurélio Sávio: “Chegar diretamente na unidade hospitalar representa muito”.

A Secretaria de Transporte e Obras Públicas informou que o projeto arquitetônico do heliponto (uma das obras da reforma que está sendo feita no HPS) ficou pronto semana passada e será enviado nos próximos dias para a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) para homologação. “Uma vez aprovado pela Anac, o prazo de conclusão das obras é de quatro meses”, afirmou a assessoria da Setop.

O Batalhão de Operações Aéreas do Corpo de Bombeiros, situado no aeroporto da Pampulha, conta com um efetivo de 32 militares, sendo 10 pilotos. Possui um avião monomotor Cessna 210 Centurion e dois helicópteros franceses AS 350 B2 Esquilo. Com os nomes Arcanjo 01 e 03, são considerados as joias da corporação. “Temos os dois melhores helicópteros de salvamento do Brasil. O B2 é o melhor helicóptero de força pública do mundo ”, afirma com orgulho o capitão Dias.

As duas máquinas usadas pela corporação, com valor aproximado de R$ 7 milhões cada uma, têm leitura digital de painéis, ar-condicionado e sistema de isolamento acústico. “Em um momento de estresse para o paciente, conforto também ajuda”, explica. Ele conta que mais 10 pilotos estão sendo treinados na corporação e que mais aeronaves chegarão brevemente para o Corpo de Bombeiros, mas não soube dizer exatamente quantas seriam. “Nossa demanda tem crescido e mais equipamentos são bem-vindos”, falou. 

fonte/Estado de Minas

AVIÃO DA TACA PRONTO PARA DECOLAR


 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Finalmente as 23:00 hs local, foi apresentado o plano de voo do N564TA da lmpresa TACA PERU que sofreu uma rachadura no parabrisas por granizo na rota.

A foto, é o momento em que se finaliza o concerto, após 17 horas do pouso.
 
fonte/foto/TodaLaAviacio

NOVO VOO DA TACA A PARTIR DE PORTO ALEGRE JÁ TEM 60% DE OCUPAÇÃO

O novo voo da Taca Airlines, entre Porto Alegre e Lima e que estreia no próximo mês, já tem ocupação média de 60%. O número é resultado de uma rápida resposta do mercado gaúcho, segundo o gerente regional da Taca no Brasil, Ian Gillespie. O novo trecho começou a ser divulgado há pouco menos de um mês. “Ainda temos alguns dias antes da estréia e temos certeza de que vamos melhorar ainda mais esta média que já é bastante satisfatória”, ressalta. Gillespie observa que o número demonstra que havia uma demanda reprimida. “Mostra que a criação deste novo trecho foi acertada”, completa.
O gerente reforça ainda que o novo voo vai proporcionar a abertura de portas para o desenvolvimento da economia e turismo regionais não só do Rio Grande do Sul, mas também de estados vizinhos. “A região Sul terá voos para 42 destinos de 22 países das três Américas. São muitas as possibilidades de negócios, especialmente se levarmos em conta que assim como vão turistas e empresários para lá, vêm turistas e empresários para o Brasil”.
Os voos estarão disponíveis a partir do dia 3 de dezembro. As viagens serão num espaçoso e moderno Airbus 319 com 120 assentos e terão duração de 5h. Inicialmente, a ida contará com voos às terças, quintas e sábados, às 7h, e retorno às segundas, quartas e sextas-feiras, às 22h15.
 
fonte/TG Online

USAF ENCOMENDA 2.200 PLAYSTATION 3

De acordo com o site Kotaku, a Força Aérea Americana está comprando 2200 consoles Playstation 3 para incrementar um supercomputador no Air Force Research Laboratory, em Nova York.

A ideia é usar os processadores do videogame somados aos 336 já existentes, para formar um super cluster de chips Cell. O objetivo é pesquisar o uso de hardwares e softwares baseados na arquitetura em sistemas militares.

Em uma página do governo federal dos Estados Unidos, é possível visualizar o documento com informações sobre a solicitação.
Só no cluster inicial, houve um investimento de US$ 118 mil. Os processadores Cell dos consoles Playstation 3 equipam também outros supercomputadores, incluindo o segundo mais rápido do mundo, o Roadrunner da IBM, do Los Alamos National Laboratory.
 
fonte/Adrenaline

MÍSTERIO REVELADO - ANTOINE SAINT-EXUPÉRY...

Foi um segredo guardado durante 64 anos. Horst Rippert, piloto alemão da Luftwaffe, admitiu, aos 88 anos, ter abatido Antoine de St Exu...