sexta-feira, 25 de fevereiro de 2011

PILOTO É RESGATADO COM VIDA - PORTO VELHO

O piloto que estava no avião Tucano da Força Aérea Brasileira que caiu no final da tarde desta última sexta-feira (25) foi encontrado por uma equipe do Corpo de Bombeiros e Base Aérea.

O avião caiu enquanto o piloto retornava de um exercício aéreo e já estava realizando os procedimentos de pouso. Ao perceber que o avião iria cair, o piloto ejetou o banco, porém o paraquedas não abriu totalmente, ele ficou preso em cima de uma árvore e foi resgatado por um helicóptero.

No momento do resgate o piloto apresentava algumas escoriações, mas passava bem. Ele foi encaminhado ao Pronto Socorro para os atendimentos de urgência. Segundo informações ele vinha da cidade de Cruzeiro do Sul, Acre.

O 1º Tenente-Aviador Marcelino Aparecido Feitosa foi resgatado por um helicóptero H-60 (Black Hawk), da FAB. A FAB irá investigar os possíveis fatores que contribuíram para o acidente.

fonte/RondoniaAgora/foto/Yahoo
Enhanced by Zemanta

VÍDEO DO LOCAL DO ACIDENTE DO TUCANO DA FAB EM PORTO VELHO

<p align="center">
 <embed allowfullscreen="true" allowscriptaccess="always" flashvars="height=390&width=640&file=http://server2-rondoniagora.net.br/rondoniagora/videos/aviao_mobiliza.flv&autostart=true&logo=http://www.rondoniagora.com/videos/13_02videoplayer_files/png_rondoniagora.png" height="390" src="http://www.rondoniagora.com/video/mediaplayer.swf" width="640">embed>p>
div>


fonte/RondoniaAgora

ACIDENTE COM AVIÃO DA FAB - NOTA OFICIAL

 
O Comando da Aeronáutica informa que nesta sexta-feira (25 FEV), por volta das 19h (horário de Brasília), uma aeronave de caça da Força Aérea Brasileira (FAB), modelo A-29 (Super Tucano), apresentou problemas obrigando o piloto a usar o mecanismo de ejeção para abandonar o equipamento. A aeronave caiu próximo à pista de pouso do aeroporto de Porto Velho (RO).

O 1º Tenente-Aviador Marcelino Aparecido Feitosa foi resgatado por um helicóptero H-60 (Black Hawk) da FAB e encaminhado ao Hospital da Guarnição do Exército em Porto Velho, onde permanece em observação. No momento do resgate, o militar estava consciente.

A Aeronáutica iniciou as investigações para apurar os possíveis fatores que contribuíram para o acidente.

Brasília, 25 de fevereiro de 2011.

Marcelo Kanitz Damasceno - Coronel Aviador
Chefe do Centro de Comunicação Social da Aeronáutica
 
fonte/Centro de Comunicação Social da Aeronáutica
Enhanced by Zemanta

TUCANO DA FAB CAI EM PORTO VELHO - AEROPORTO FECHADO

Um avião modelo EMB-312 Tucano da Força Aérea Brasileira caiu em Porto Velho no final da tarde desta sexta-feira (25). De acordo com testemunhas oculares, o avião vinha em parafuso e o piloto da aeronave utilizou o banco ejetável para se salvar. Foi iniciado um grande esquema de buscas envolvendo as Força Aérea, Polícia Militar e Corpo de Bombeiros para encontrar o piloto.

O aeroporto de Porto Velho está fechado, assim como várias avenidas que dão acesso ao local. O avião caiu próximo ao aeroporto de Porto Velho, Rondônia, entre o Parque Circuito da capital e avenida Jorge Teixeira, enquanto se preparava para pousar. Nessa área existe um grande “bolsão” de mata fechada, tipica da região amazônica, fator que dificulta as buscas.

O piloto entrou em contato via rádio com o Corpo de Bombeiros e soldados da Aeronáutica e informou que passa bem. O avião pegou fogo e ficou totalmente destroçado dentro do selva. A Base Aérea de Porto Velho informou que ainda não tem autorização para passar nenhuma informação referente ao assunto, apenas confirmou o acidente. 

fonte/RondoniaAoVivo
Enhanced by Zemanta

BINOTOR CAI NA ZONA RURAL DE ARAPONGAS, PARANÁ

Um avião bimotor caiu na zona rural de Arapongas no início da noite desta sexta-feira (25), em Arapongas (a 37 km de Londrina). Duas pessoas foram resgatadas e tiveram apenas ferimentos leves.

A aeronave caiu em uma plantação de cana, próximo ao Aeroporto de Arapongas. De acordo com o Corpo de Bombeiros, o piloto e o co-piloto tiveram ferimentos leves. Uma viatura de combate a incêndio foi mobilizada, mas não acabou não sendo utilizada justamente por não haver risco de explosão ou fogo no local da queda.

Um funcionário do Aeroporto de Arapongas disse que os tripulantes faziam um treinamento de pouso e decolagem quando o avião caiu.

fonte/ODiario

MONOMOTOR CAI E DEIXA UM FERIDO EM GOVERNADOR VALADARES, MINAS GERAIS



leonardo Morais
25_piloto monomotor
O piloto Rafael Venturino disse que a queda foi provocada por falta de combustível














Um monomotor que vinha do Rio de Janeiro caiu na noite de quinta-feira (24), no Rio Doce em Governador Valadares, Região Vale do Rio Doce.

Segundo o Corpo de Bombeiros, o piloto Rafael Venturino Coelho Paiva, 24 anos, disse que sofreu a queda por que o combustível acabou antes da aterrissagem. Ele teve que fazer um pouso forçado e acabou caindo no rio. Rafael sofreu apenas ferimentos leves e ficou alguns minutos submerso na água.

Ele foi socorrido pelos bombeiros e levado para o Hospital Regional de Valadares, para ser medicado. O monomotor aguarda chegada da Marinha e Aeronáutica de Espírito Santo, para ser retirado do Rio.

fonte/HojeEmDia
Enhanced by Zemanta

AEROCLUBES DO BRASIL PROJETAM MANIFESTAÇÃO DE APOIO COM REVOADAS AMANHÃ E CONAR FAZ LAUDO SOBRE DESTRUIÇÃO DA PISTA



O presidente do Aeroclube, Romero Araújo, afirmou durante coletiva realizada na manhã desta sexta-feira (25) que já se encontra em João Pessoa uma equipe do II Conar (Conselho Aviação Regional) de Recife, fazendo o levantamento de todo o estrago da pista. 

A equipe está fazendo levantamento fotográfico para verificar a situação da pista e apontar soluções. O laudo Vai ser encaminhado ao II Conar, ao Ministério da Defesa, a Anac.

Segundo Araujo, não há previsão de quando a pista será recuperada, mas outra equipe do Grupamento de Engenharia deve fazer outra vistoria. A intenção é agilizar uma saída para poder retirar as Aeronaves. O Exército deve fazer uma terraplenagem, já que foram feitos muitos buracos na pista.

O presidente do Aeroclube distribuiu um nota de esclarecimento a respeito das medidas que forma tomadas até aqui. Entre elas uma ação pedindo que a Prefeitura de João Pessoa seja responsabilizada pela destruição da pista e faça a reparação de danos. 

De acordo, com o advogado do Aeroclube, Roosevelt Vita, a decisão do juiz da 7ª vara é inconstitucional. “Eu já tinha procurado o juiz e informado, de forma documental, que havia um processo já na Justiça federal e que se tratava de um assunto de interesse da Anac”, estranhou o advogado.

Revoada – O presidente também informou que vem recebendo notas de apoio e solidariedade de todo o Brasil e amanhã, as 10h, vai haver uma revoada no Aeroclube, com aviões vindos de Recife, Campina Grande, Natal , Fortaleza e outros aeroclubes.

Está sendo construído uma espécie de movimento em nível nacional de apoio ao Aeroclube da Paraíba. Os aviões farão a revoada e depois vão ficar pousados no Aeroporto Castro Pinto. 

fonte/Paraíba.com
Enhanced by Zemanta

MINISTRO PATRIOTA FAZ LOBBY POR AERONAVES DO BRASIL

O ministro Antonio Patriota (Relações Exteriores) aproveitou a viagem de dois dias a Washington para fazer lobby pela venda de aeronaves brasileiras à Força Aérea dos EUA, que pretende fazer uma aquisição significativa em breve. 

"É uma venda que se posiciona bem em função dos acordos de cooperação na área de Defesa que assinamos com os EUA no ano passado", disse o ministro a jornalistas ontem. 

"Se os americanos querem vender para o Brasil, nós também queremos vender aos EUA. As manifestações de interesse são simétricas." 

Patriota disse que não houve manifestação dos EUA sobre mudar a oferta feita pela Boeing para a venda de caças F-18 ao Brasil, especialmente na parte relativa à transferência de tecnologia. 

fonte/Folha
Enhanced by Zemanta

O RETORNO DO FOKKER ..SERÁ VERDADE...


O estado de Goiás está alvoroçado com a possibilidade de ser pista de pouso de um empreendimento emblemático da indústria aeroespacial europeia.

Representantes do governo estadual aterrissaram na Holanda nesta semana para negociar com a direção da Rekkof Aircraft, que pretende retomar a construção de jatos da extinta Fokker. Segundo os secretários envolvidos nas conversas, o projeto tem previsto investimento inicial de US$ 1 bilhão.

O governo de Goiás negocia com a Rekkof a instalação da fábrica de jatos em Anápolis. O grupo holandês Fokker encerrou a produção de aeronaves no final de 1997. Para retomar o projeto, foi criada a Rekkof, cujo nome vem de Fokker às avessas.

fonte/Brasil Econômico

A COR DA GATA E A MORTE DO RATO



Desculpe, dona Solange, não se ofenda. A gata é a senhora. Mas, lendo o artigo, verá que o título foi por boa causa.

Em 2007 a crise aérea rivalizou com a seleção brasileira: todos tinham opiniões, diagnósticos e estratégias. O ministro da Defesa disse que o caos aéreo seria resolvido. Poucos problemas: recapear as pistas e um novo presidente para a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac). Disse ele que, na aviação civil, a cor da gata era irrelevante. O importante era que ela matasse o rato.

Dona Solange chegou à presidência da Anac e as coisas pareceram começar a funcionar. De colete amarelo ela foi para a frente de batalha. Tudo parecia encaminhado e resolvido. As múltiplas vaidades envolvidas na administração do transporte aéreo civil pareciam engolidas pela decisão, energia e exemplo de dona Solange.

Faltavam duas coisas simples, mas raras: gestão e energia. Dona Solange chegou com ambas. Que pena, a cosmética foi feita, mas não adiantou muito. Filas aumentaram e atrasos também. Culparam os pobres, que começaram a viajar demais.

Minha animação levou um banho de água fria na entrevista que a senhora concedeu a Miriam Leitão no programa Espaço Aberto em 17 de fevereiro de 2011, três anos depois de ter assumido o cargo e já dele saindo.

Sua primeira afirmação, de que não há barreiras para a entrada de novas empresas aéreas no Brasil, me deixou pasmo. Por que será que só temos 7 ou 8 empresas aéreas? Faltam iniciativa e inventividade aos empreendedores brasileiros ou há alguma coisa oculta?

Segundo, a senhora disse que fechou os escritórios da Anac nos aeroportos porque tinham pouca utilidade. Eles eram ocupados por pessoas terceirizadas que pouco entendiam de aviação e a maioria das multas aplicadas às empresas acabava não se sustentando por falta de base legal. Ergo, eram inúteis.

A senhora enfatizou, também, que o objetivo da Anac é ser autossuficiente, cobrando por serviços e aplicando multas. E mais, a senhora disse que as multas aplicadas pela Anac subiram de cerca de R$ 800 mil, em 2007, para R$ 17 milhões, em 2010, e isso era um bom sinal no caminho da Anac para a autossuficiência.

Os passageiros, entretanto, não têm com quem reclamar porque os escritórios não existem mais. A saída foi criar um 0800. Parece o candidato a presidente José Serra em 2002: abordado por uma moradora de uma área de baixa renda, mal ouviu a pergunta e sugeriu à eleitora que lhe mandasse um fax?

Suponho que as pessoas, quando reclamam no 0800, recebem um número de protocolo. Lamento, dona Solange, mas sou descrente de que algo de bom vá ocorrer por essa via. Quando recebo esses números, monto um jogo da Mega Sena, invisto R$ 2 e ganho, de verdade, dois ou três dias de sonho a respeito do que farei com o prêmio da Mega Sena, caso o ganhe. Com os números de protocolo das agências não ganho nem as alegrias do sonho.

Considerar o aumento das multas um dos objetivos da Anac é um tapa na cara do passageiro. Só falta a agência fazer como o motorista de táxi de Salvador que, perguntado por um executivo apressado se não poderia andar mais rápido, respondeu: Meu rei, a pressa é toda sua!

Mais desconsolador foi ouvir a senhora confessar humildemente (e notei que a senhora baixou o tom de voz) que uma entidade pública como a Anac tem uma série de limitações e? reticências.
Eu me lembrava da senhora de colete de serviço, dando a cara nos aeroportos e mostrando que havia alguém encarregado de tentar resolver problemas, dando aos viajantes a noção personificada de que havia alguém à frente do processo.

Por essas e outras não me animei quando o presidente Lula anunciou o Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social, composto de empresários e pessoas bem-sucedidas, para ajudá-lo a governar melhor. Desse mato não saiu nenhum coelho. Não por que as pessoas que lá estavam não eram competentes, mas porque as limitações que a burocracia impõe aos que resolvem desafiá-la são implacáveis. Nada anda.

Circulou a notícia de que a presidente Dilma queria levar o empresário Jorge Gerdau Johannpeter para o governo, na esperança de que ele fosse capaz de desatar uma série de nós burocráticos. Como não se falou mais no assunto, acho que ele não aceitou. Aliás, melhor assim. Tomara que ele continue a comprar e a montar siderúrgicas mundo afora, administrando-as com critérios empresariais seus e de seus executivos.

Para que correr o risco de ser um Gulliver em Lilliput? Apesar do seu tamanho em matéria de competência e de seu gigantismo em matéria empresarial, por que entrar numa situação em que ficaria atado por milhares de anões cujo princípio básico é não mudar nada, sobretudo para não correr riscos?

Pode ser que haja muita coisa errada com a educação no Brasil (e há) quando se diz que ela não educa as pessoas para serem competitivas. Mas essa ausência de educação adequada não é o único empecilho. Mais do que isso é a plêiade de normas burocráticas governamentais que tudo tenta regular para reduzir os riscos de mudança (toda mudança é ameaçadora?).

Então, de uma vez por todas, gostaria de ajudar a jogar uma pá de terra na crença dos governantes de que conseguirão ser mais eficientes se levarem mais empresários eficientes em empresas privadas para dentro do governo.

O que conseguiremos será apenas um desperdício de talentos que mais bem aplicados estão crescendo com suas empresas, gerando empregos, lucro e multiplicando seus benefícios do que sendo atados ao chão como Gulliver, impedidos de levar a eficiência a que estão acostumados para um ambiente que recompensa os que nada fazem.

A última frustração, dona Solange, foi a senhora não ter dito - mas, honestamente, eu não esperava: "parabéns, passageiro, a multa é toda sua?"
Boa sorte no novo cargo.

fonte/AgEstado

OITO AEROPORTOS DA COPA ESTÃO ATRASADOS


Dos 13 aeroportos que atenderão as cidades-sede da Copa do Mundo de futebol em 2014, oito apresentam atrasos de mais de um ano nas obras. São eles Brasília, Confins, Cuiabá, Curitiba, Fortaleza, Manaus, Porto Alegre e Guarulhos. Três projetos de ampliação - em Natal, Recife e Salvador - podem ser afetados, pois dependem de licença ambiental, aval do Tribunal de Contas da União ou da elaboração dos projetos. Apenas dois aeroportos têm seus empreendimentos dentro do prazo, Viracopos, em Campinas (SP), e o Galeão (RJ).

A três anos do Mundial, a Infraero ainda busca alternativas para alavancar os investimentos. A estatal mantém os prazos de entrega das obras e afirma que ainda é possível ter todos os aeroportos prontos até 2013, apesar dos atrasos em relação ao prazo planejado anteriormente.

Uma das formas de adiantar as obras é a parceria com os Estados. É o caso do Mato Grosso, onde o governo estadual deve formalizar esta semana um convênio com a estatal, em que se compromete a cuidar da licitação e da contratação das obras para a ampliação do terminal de passageiros. Enquanto isso, a Infraero vai cuidar da instalação de uma área provisória para a recepção dos passageiros, o chamado módulo operacional.

A previsão é que o módulo seja contratado ainda neste semestre, um investimento de R$ 3,5 milhões. A licitação pode ocorrer ainda em fevereiro. O projeto básico para a ampliação do terminal de passageiros e estacionamento deve ser entregue em setembro de 2011, quando o Estado pretende lançar a licitação de contratação das obras. Assim, quando o projeto executivo estiver pronto, por volta de janeiro de 2012, será possível dar a ordem de serviço ao empreendimento, segundo o secretário de acompanhamento da logística de transportes, Francisco Vuolo. "Esse acordo é um grande avanço, pois definimos as obrigações, o que vai permitir que a gente cumpra o cronograma", diz. O governo está trabalhando também na formulação dos projetos para melhorar os acessos ao aeroporto, o que inclui a construção de um corredor de ônibus.

Os dois aeroportos de São Paulo com obras relacionadas à Copa - Guarulhos e Viracopos - vivem situações distintas. Os problemas de Guarulhos estão entre os mais complexos - os investimentos no sistema de pista e pátio estão atrasados há mais de seis anos (houve apenas uma reforma da pista entre 2007 e 2008) e o terceiro terminal de passageiros só agora começou a ser construído. A terraplenagem da área está sendo realizada pelo Exército e a perspectiva é lançar os editais para a infraestrutura do terminal até julho. Segundo a Infraero, a previsão é concluir a primeira fase do novo terminal até 2014 - ano da Copa.

No Aeroporto de Viracopos, os prazos estão em dia. A licença ambiental foi liberada no fim de janeiro e Infraero abriu a licitação para a elaboração dos projetos. Será uma concorrência internacional, e envolve o projeto do novo terminal de passageiros, garagem, sistema viário de acessos, pátio de estacionamento de aeronaves e hotel com centro de convenções. A abertura das propostas será no dia 15 de março, e os investimentos somam R$ 44,6 milhões.

A licitação para as obras só deve ser feita em 2013, mesmo ano para o qual a Infraero projeta a conclusão da primeira etapa de ampliação do aeroporto. A construção do terminal será feita em duas fases. A estimativa de custo para a primeira etapa é de R$ 823 milhões e permitirá que o aeroporto receba 9 milhões de passageiros por ano. Essa fase deve ser finalizada em novembro de 2013, indicando pouco mais de um semestre para a realização do investimento.

Em Curitiba as licitações também estão em andamento, mas começaram atrasadas. A contratação do projeto para a ampliação do sistema de pátio e pista de táxi teve o edital publicado em 10 de janeiro, e a ampliação do terminal de passageiros e do sistema viário terá o edital lançado em 2 de março.

A Infraero enfrenta problemas com as obras de reforma do terminal de passageiros do aeroporto de Confins, em Belo Horizonte. Na semana passada, o Tribunal de Contas da União (TCU) mandou suspender a licitação por verificar sobrepreço de R$ 45,9 milhões. O investimento total é de R$ 294,7 milhões. Outra conclusão do TCU é de que a proibição da participação de consórcios na licitação é um indício da irregularidade. A Infraero tem até o fim do mês para apresentar justificativas, e informou que já está adequando o edital, empenhada em "minimizar o prazo para as adequações".

O aeroporto do Recife teve o contrato de recuperação da pista rescindido pela Infraero por incapacidade técnica da empresa, e a previsão atual é de relançar a licitação em até o fim de março.

Outros aeroportos estão em fase de desenvolvimento dos projetos, e, portanto, ainda sujeitos à análise do TCU e às inseguranças do tempo para a obtenção das licenças ambientais. São eles os aeroportos de Manaus, Fortaleza, Salvador, Porto Alegre e Brasília.

Em Natal, a Infraero está inaugurando um modelo de concessão à iniciativa privada, que está sendo avaliado pelo TCU. Foi a forma encontrada para deslanchar uma obra que já se arrasta por mais de seis anos, desde o início de 2004. A pista do aeroporto de São Gonçalo do Amarante está sendo construída pelo Exército, um aporte de R$ 100 milhões. O parceiro privado deverá investir cerca de R$ 408 milhões na construção dos terminais de cargas e de passageiros, além da montagem da estrutura para suportar os equipamentos de proteção de voo. A expectativa é de que a licitação possa ocorrer entre abril e maio deste ano.

fonte/ValorEconomico
Enhanced by Zemanta

MÍSTERIO REVELADO - ANTOINE SAINT-EXUPÉRY...

Foi um segredo guardado durante 64 anos. Horst Rippert, piloto alemão da Luftwaffe, admitiu, aos 88 anos, ter abatido Antoine de St Exu...