terça-feira, 24 de novembro de 2009

FAA DETERMINA TROCA DE SOFTWARE EM JATOS DA EMBRAER



A Administração da Aviação Federal (FAA, na sigla em inglês), o órgão que regulamenta a aviação nos Estados Unidos, determinou a substituição de um software de controle eletrônico de motor considerado suspeito em mais de 250 jatos regionais da companhia brasileira Embraer. Anunciada ontem, a decisão expande uma diretriz de segurança de julho de 2008 que se seguiu a incidentes ocorridos em voos. Na época, motores da General Electric em seis aviões Embraer 170 perderam propulsão ou passaram a não responder aos comandos dos pilotos.
O problema apareceu quando a GE tentava corrigir uma falha anterior no software, que afetava válvulas de controle do fluxo de combustível para os motores. Os incidentes levaram a inspeções e a diversos estudos de segurança, feitos pela GE, pela Embraer e por órgãos reguladores em todo o mundo.
Há oito meses, a GE disse que os problemas no motor do Embraer 170 não tinham voltado a aparecer desde o verão (no hemisfério norte) de 2008. A GE e a empresa brasileira voluntariamente instruíram as companhias aéreas a instalarem um conserto permanente. Até o segundo semestre deste ano, a GE disse que mais de 80% dos aviões que foram alvo dos mandados federais e dos boletins de segurança da fabricante haviam sido consertados.
No entanto, desde então a FAA já registrou outros 20 incidentes semelhantes de perda do controle do motor que afetaram jatos da Embraer, de acordo com o documento de segurança atualizado da agência. O software de controle de motor revisado deve ser instalado dentro de 600 horas de tempo de voo após a regra mais recente entrar em vigor, no fim de dezembro.

fonte/foto/Yahoo notícias/Flightglobal

SAIBA COMO SE TORNAR PILOTO DAS FORÇAS ARMADAS E DA PM DE SÃO PAULO E RIO DE JANEIRO



O governo brasileiro negocia a compra de caças e helicópteros para as Forças Armadas Brasileiras e, para operar essas aeronaves, são necessários profissionais qualificados. Para quem está interessado em pilotar esses equipamentos, o G1 preparou um guia de como ser piloto das Forças Armadas e da Polícia Militar de São Paulo e Rio de Janeiro, já que as PMs também fazem operações com helicópteros. Para pilotar essas aeronaves, o caminho é longo e leva, no mínimo, cinco anos.

Os salários dos oficiais ultrapassam R$ 5 mil, mas variam de acordo com gratificações e planos de carreira de cada corporação. Na Polícia Militar de São Paulo, o salário de um comandante, cargo necessário para ser piloto de helicóptero, é de R$ 6 mil, mais as gratificações.

Confira abaixo o passo-a-passo para ser piloto em cada corporação:

Polícia Militar de São Paulo

Pilotos dos helicópteros da PM de SP atendem resgates, salvamentos e perseguições
Vestibular

É preciso fazer o Curso de Formação de Oficiais da Polícia Militar de São Paulo. O curso, que é de nível superior, tem duração de quatro anos e é feito na Academia de Polícia Militar do Barro Branco, na Zona Norte de São Paulo. Para ingressar, os candidatos devem ter ensino médio completo e precisam prestar o vestibular da Fundação Universitária para o Vestibular (Fuvest). Mais informações podem ser obtidas no site www.fuvest.br.

Experiência

Após concluir o curso, o candidato é aprovado com o título de aspirante a oficial e precisa trabalhar por dois anos em atividades operacionais da PM, como bombeiros, policiamento de rua e Tropa de Choque. Passados os dois anos, o oficial recebe o título de tenente e pode prestar o processo seletivo interno da PM de SP para ser piloto de helicóptero.

Seleção para piloto

O processo seletivo dura de três a quatro meses e é composto de exames de aptidão física, psicológico e médico, além de entrevista com pilotos e psicólogos.

Aulas teóricas e práticas

Após ser aprovado, o oficial frequenta dois meses de aulas teóricas na escola de aviação da PM paulista. Depois das aulas teóricas, os oficiais recebem a instrução básica de voo no helicóptero. A formação básica dura de dois a três meses.

Adaptação ao voo policial

A fase de adaptação pode durar até cinco anos. Os pilotos tripulam os Águias como co-pilotos, voando com todos os comandantes, acumulando experiência nas ocorrências policiais atendidas. Depois, após ter feito cerca de 500 horas de voo como co-piloto, o policial faz um curso avançado de voo, onde aprende a operar todos os equipamentos do helicóptero e gerencia missões especiais como pousos em áreas restritas, voos policiais noturnos, emergências e panes.

Comandante

Após o curso avançado, o candidato a comandante de aeronave policial é submetido a um conselho de voo formado por pilotos mais experientes e, se aprovado, recebe a promoção de co-piloto a comandante e passa a pilotar o helicóptero.

Rotina

Os pilotos dos helicópteros da PM de São Paulo atendem a ocorrências policiais como resgates, salvamentos, combate a incêndios e perseguição a criminosos. As tripulações agem em conjunto com as equipes dos bombeiros e da saúde. Com médico e enfermeiro a bordo, em muitos casos, os helicópteros são garantia da chegada rápida para atender às vítimas de traumas nos acidentes.

Polícia Militar do Rio de Janeiro

Vestibular

É preciso fazer a Academia de Polícia Militar Dom João VI, que fica no Campo dos Afonsos, no Rio. O curso é de nível superior e dura quatro anos. Para ingressar, os interessados devem ter ensino médio completo e prestar o vestibular da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (Uerj). Mais informações podem ser obtidas no site www.uerj.br.

(Anteriormente o G1 havia informado que o vestibular a ser prestado era da Universidade Federal do Rio de Janeiro, o que foi corrigido acima).

Seleção para piloto

O primeiro grau hierárquico após a conclusão do curso é aspirante a oficial. Após oito meses, o oficial torna-se 2º tenente e pode se candidatar ao curso de piloto. Para isso, deve encaminhar um requerimento para a Diretoria de Ensino e Instrução da Polícia Militar. O processo seletivo é composto por três fases: exame intelectual, exame físico, exame médico (psicológico e clínico), além de entrevista com pilotos e psicólogos.

Curso de piloto

Após aprovado, o oficial passa pela formação teórica que leva em torno de oito meses. A formação prática dura cerca de um ano. Os alunos recebem treinamento teórico em todas as disciplinas ligadas à aviação, aulas de inglês técnico, psicologia, treinamento de combate a incêndio, treinamento na Unidade de Treinamento de Escape em Aeronave Submersa na Marinha do Brasil, sobrevivência em alto mar e outros treinamentos.

Rotina

Os pilotos passam por treinamentos de emergência, voos de radiopratrulhamento, apoio a operações de meio ambiente e planejamento em terra de operações em áreas de alto risco.

Aeronáutica


Os pilotos de helicóptero da Aeronáutica participam de operações de buscas e resgates

Concurso público

Para ser piloto da aeronáutica é preciso ingressar na Academia da Força Aérea (AFA) de Pirassununga (SP), por meio de concurso público. A duração da academia é de quatro anos.

Os interessados em ser pilotos devem escolher o cargo de aviador no concurso (há também cargos de infantaria e intendência) - o G1 havia informado anteriormente inteligência em vez de intendência, o que foi corrigido.

Para o ano de 2010 as inscrições estão encerradas. Os interessados devem monitorar a abertura de novos concursos no site www.afa.aer.mil.br.

Para homens maiores de 14 anos e menores de 18 anos, é possível ingressar na Escola Preparatória de Cadetes do Ar (Epcar), que fica em Barbacena (MG), por meio de concurso público. A escola serve como ensino médio e serve como iniciação à Aeronáutica.

Os alunos saem da Epcar e vão automaticamente para a AFA, sem precisar passar por outro concurso público. As inscrições para o exame de seleção para o ano de 2010 já foram encerradas. Os interessados devem monitorar a abertura de novas inscrições pelo site www.barbacena.com.br.

Curso de iniciação

Após terminar a AFA, os candidatos saem com o título de cadete. Durante a AFA, os alunos passam por treinamentos de voo no segundo e no quarto ano. Quando saem da escola, os alunos são indicados pelos instrutores para as escolas de aviação de caça, de helicóptero ou de transporte.

Os alunos com as melhores notas nas aulas de voo durante a AFA são indicados para a aviação de caça. Os demais, de acordo com a classificação das notas, escolhem se preferem ir para curso de helicóptero ou transporte (tropa, reconhecimento ou patrulha). Os cursos de piloto de helicóptero e de caça acontecem na base aérea de Natal (RN) e têm duração de um ano.

Treinamentos

Após o curso de iniciação, o aluno recebe o título de piloto básico de helicóptero e escolhe em qual região do país pretende atuar (há unidades em Manaus, Belém, Recife, Porto Velho, Santa Maria (RS) e Campo Grande).

A escolha é feita por ordem de classificação no curso. Após a escolha, os pilotos passam por treinamentos para usar os helicópteros na região de escolha e ficam em atividade no local de quatro a cinco anos. Depois de dois anos de atividades, o piloto recebe o título de 2º tenente.

Carreira

Com o passar do tempo, os pilotos podem escolher mudar a região de atuação e fazer treinamentos em outros tipos de helicópteros da Aeronáutica (cada região tem um tipo diferente de helicóptero).

De acordo com o plano de carreiras da Aeronáutica, o 2º tenente trabalha por seis anos para receber o título de 1º tenente. Com mais cinco anos, ele recebe o título de capitão, com mais cinco, o de major e, com mais cinco, o de tenente coronel. Após mais cinco anos, ele recebe o título de coronel.

Rotina

Os pilotos de helicóptero da Aeronáutica participam de operações de buscas e resgates, além de treinamentos de infiltração em florestas. Os helicópteros também auxiliam no treinamento de combate da infantaria do Exército, como descida de rapel da aeronave. A FAB também promove ações sociais em benefício da população brasileira.

Exército


Os pilotos do exército têm o objetivo de auxiliar a força terrestre, tornando-a mais rápida
Concurso público

É necessário ser oficial de carreira nas especialidades de infantaria, cavalaria, artilharia ou comunicações. Para isso, é preciso ser formado na Academia Militar das Agulhas Negras, em Resende, no Rio. O curso, de formação superior, tem duração de quatro anos.

Para ingressar na academia é preciso fazer um curso preparatório na Escola Preparatória de Cadetes do Exército. O curso tem duração de um ano.

Para entrar na escola é preciso prestar concurso público. É preciso ser do sexo masculino e estar cursando ou ter concluído o segundo ano do ensino médio.

Seleção de pilotos

A partir do segundo ano após a formação na academia, o oficial de carreira do Exército pode requerer a inscrição no curso de piloto de helicópteros. A seleção inclui exames físico, médico e psicológico, além de análise curricular. O processo dura de seis meses a um ano.

Curso

O curso de piloto de helicópteros tem duração de um ano no Centro de Instrução de Aviação do Exército, sediado em Taubaté (SP).

Treinamento

Após a conclusão do curso, o militar é destinado a uma organização militar da Aviação do Exército, onde permanece por um período de cinco anos.

Rotina

Os pilotos do exército têm o objetivo de auxiliar a força terrestre, tornando-a mais rápida, moderna e eficiente nas missões de combate. Além de apoiar a força militar terrestre, a aviação do Exército auxilia a comunidade em ações de cunho cívico-social, em resgates, buscas e salvamento, além do apoio em desastres climáticos e acidentes.

Marinha

Na Marinha, os pilotos das aeronaves cumprem missões abordo dos navios

Concurso público

É necessário ser oficial da Marinha (Corpo da Armada ou de Fuzileiros Navais). Há dois tipos de concursos públicos para ingressar nessas carreiras: um é a Escola Naval (que corresponde ao nível superior), para candidatos com nível médio. Para candidatos com nível superior, há o Curso de Formação e o Estágio de Aplicação de Oficiais. Informações sobre os concursos podem ser encontradas no site www.ensino.mar.mil.br.

Curso de aviação

Após ingressar na carreira, o militar poderá fazer o Curso de Aperfeiçoamento de Aviação para Oficiais (CAAVO). O curso habilita os oficiais para a condução e operação das aeronaves da Marinha, para utilização dos seus sistemas de armas e para o desempenho de funções técnicas e administrativas relacionadas com a Aviação Naval. Para fazer o curso é preciso passar por um processo seletivo que inclui exames médicos, físicos e psicotécnicos.

Treinamento

O curso tem duas fases: tecnologia aeronáutica e pilotagem. A tecnologia aeronáutica é a parte teórica, com disciplinas fundamentais para passar para a fase prática de pilotagem. Por meio do curso é possível conseguir habilitações para pilotar avião e helicóptero. O curso completo para piloto de avião tem duração média de três anos e meio e de helicóptero, um ano e meio.

Rotina

Ao final do Curso de Aperfeiçoamento de Aviação para Oficiais o oficial da Marinha está habilitado a trabalhar como piloto. Os pilotos das aeronaves cumprem missões a bordo dos navios da Marinha, como operações de resgates, buscas de desaparecidos no mar e treinamentos.
fonte/G1 foto/divulgação

ACIDENTE DE HELICÓPTERO MATA QUATRO PESSOAS EM ISRAEL

Quatro pessoas morreram na queda de um avião no Mar Mediterrâneo, na costa de Israel, nesta terça-feira. De acordo com a polícia israelense, um turista britânico está entre as vítimas.

Policiais carregam uma das vítimas do acidente
Micky Rosenfeld, porta-voz da polícia, disse que o helicóptero civil caiu próximo à cidade de Netanya. Todas as quatro pessoas a bordo morreram, incluindo o piloto. Um dos passageiros era britânico e os outros três eram israelenses.

Mergulhadores resgataram os corpos das vítimas, cujos nomes não foram divulgados. De acordo com o porta-voz da polícia, acredita-se que uma falha mecânica tenha causado o acidente.
 
fonte/ IG/AP foto/ AFP

LADRÕES ASSALTAM TESOURARIA DA GOL DENTRO DO AEROPORTO DE CONGONHAS

Dois homens, vestindo terno, óculos escuros e chapéus de palha, assaltaram a tesouraria da empresa aérea Gol no aeroporto de Congonhas, em São Paulo, depois de render três funcionárias. As câmeras da Infraero não gravaram o assalto, que aconteceu dentro da empresa, por volta das 13h30m desta segunda-feira.
As funcionárias contaram à polícia que trabalhavam no setor administrativo quando foram rendidas por dois homens armados. Uma delas disse que, minutos antes do crime, os acusados abriram a sala onde ela estava, procurando por duas mulheres. Depois, voltaram, sacaram as armas e anunciaram o assalto.
Duas funcionárias que chegaram na sala no momento do roubo também foram rendidas. Elas foram amarradas pelos bandidos e tiveram as bocas tapadas com fita vermelha.
De acordo com a Secretaria de Segurança Pública, os bandidos roubaram R$ 66.307,77 da empresa e fugiram. Um inquérito policial foi instaurado para investigar o caso.
Este é o primeiro assalto a uma empresa aérea que se tem notícia dentro do aeroporto. O crime mais comum em Congonhas é o furto de passageiros. Na semana passada, quatro estrangeiros - três peruanos e um argentino - foram presos e acusados de furtar bagagens. As câmeras da Infraero registraram a ação dos bandidos. Um deles saltou de um carro e pediu informações para a vítima, para distraí-la. Quando o passageiro se descuidou, outro dos bandidos pegou a maleta com o laptop dele e entrou no carro. A vítima só percebeu o crime um minuto depois.
Este tipo de furto, aproveitando a distração do passageiro, ocorre também no aeroporto internacional de Guarulhos, na Grande São Paulo. O produto mais roubado é o laptop. Na semana passada um peruano foi preso quando tentava roubar uma mala com o equipamento de um passageiro. Em Guarulhos, os criminosos costumam agir na calçada, do lado de fora do aeroporto, quando os passageiros se distraem. A área deve ser policiada pela Polícia Militar, mas os passageiros reclamam da falta de segurança.
- Os vigilantes se preocuparam muito em me mandar fumar do outro lado da calçada. Acho que tinha que colocar polícia na calçada, na hora de maior movimento e ficar vigiando mesmo - disse o comerciário Ronaldo Oliveira Santos.

fonte/OGlobo

MÍSTERIO REVELADO - ANTOINE SAINT-EXUPÉRY...

Foi um segredo guardado durante 64 anos. Horst Rippert, piloto alemão da Luftwaffe, admitiu, aos 88 anos, ter abatido Antoine de St Exu...