domingo, 30 de novembro de 2008

AZUL DE PIRES NA MÃO

De empresário capitalizado e com as portas do mundo financeiro abertas, David Neeleman está de pires na mão para colocar sua esquadrilha no ar.Em meio à despressurização da economia internacional, Neeleman vem tentando jogar todo o peso da Azul nas costas do BNDES. O acordo com o banco é fundamental para a decolagem da companhia. Seu pedido de financiamento ao banco gira em torno de R$1,5 bilhão. Não se pode negar que o principal argumento usado pelo empresário para obter o crédito soa bem aos ouvidos do BNDES. Os recursos serão usados para dar prosseguimento ao programa de compra de aeronaves da Embraer. A Azul fez 36 pedidos firmes e mantém ainda a opção de aquisição de mais 40 aviões.Ao mesmo tempo que estica o chapéu de aba maior na direção do BNDES, David Neeleman tenta passar o boné junto a um pool de brancos privados, entre eles o Santander. O valor do crédito negociado é mais modesto: R$ 400 milhões.Como solução-estepe para a captação de recursos, Neeleman também já sondou os principais acionistas da companhia – entre eles o Gávea Investimentos e o ex-banqueiro Julio Bozano, sobre a possibilidade de um aporte de capital. A crise internacional abateu, ao menos no curto prazo, a carta que David Neeleman tinha na manga para capitalizar a Azul: a abertura de capital da empresa. A operação chegou a ser amplamente discutida com os sócios, mas o projeto está congelado desde setembro, quando as condições meteorológicas dos mercados internacionais se agravaram. Neeleman garantiu aos sócios que retomará os planos de IPO assim que houver uma melhoria na economia.O empresário chegou a falar até mesmo na hipótese de pulverização do controle da Azul, a exemplo do que ele próprio fez com a JetBlue, nos Estados Unidos. Em uma das reuniões, inclusive, teria sido cunhada a expressão “Renner dos ares”, em alusão à rede varejista, que diluiu o seu controle em Bolsa.
Fonte: Relatório Reservado, 27 de novembro de 2008, Edição 3517

MÍSTERIO REVELADO - ANTOINE SAINT-EXUPÉRY...

Foi um segredo guardado durante 64 anos. Horst Rippert, piloto alemão da Luftwaffe, admitiu, aos 88 anos, ter abatido Antoine de St Exu...