sexta-feira, 2 de março de 2012

AVIÃO COM 5 PASSAGEIROS CAI EM LINS, SÃO PAULO, NÃO HÁ FERIDOS

O acidente ocorreu logo após a decolagem, enquanto chovia e ventava forte na região. Foto: Correio de Lins/Especial para Terra O acidente ocorreu logo após a decolagem, enquanto chovia e ventava forte na região
Foto: Correio de Lins/Especial para Terra
 
Uma forte rajada de vento e a chuva forte podem ter sido as causas da queda de um avião de pequeno porte que transportava cinco pessoas na tarde desta sexta-feira, por volta das 14h em Lins, no interior de São Paulo. De acordo com a Polícia Militar, piloto, copiloto e três empresários de Caldas Novas (MG) não se feriram.
 
As informações preliminares são de que, após a tentativa de decolagem, o avião foi atingido pela rajada de vento e não conseguiu estabilidade. A aeronave caiu poucos metros à direita da pista de pouso e decolagem de Lins. 

O avião, monomotor é particular. A perícia técnica esteve no local para apurar as causas do acidente. As vítimas foram levadas para o hospital da cidade, passaram por exames, mas já foram liberadas. Todos estão em um hotel da cidade e não quiseram conversar pelo telefone sobre o ocorrido.

A aeronave ainda está no local e só será removida com a chegada de representantes da Agência Nacional de Avião Civil (Anac) para vistoria do avião.

fonte/foto/Terra

PROBLEMA EM EQUIPAMENTO FAZ AVIÃO DA TRIP RETORNAR PARA BRASÍLIA

Um avião da Trip Linhas Aéreas que seguia de Brasília para Maceió na tarde desta sexta-feira (2) teve de retornar ao terminal do Aeroporto Internacional Juscelino Kubitschek logo após decolar. Em nota, a empresa informou que a aeronave apresentou um problema no sistema de retração dos flaps.

O dispositivo fica instalado nas asas da aeronave e é necessário para o momento do pouso e da decolagem.

Os passageiros tiveram de desembarcar e foram reacomodados em outro voo da companhia.

Veja a íntegra da nota da empresa:
"A TRIP Linhas Aéreas informa que a aeronave EMBRAER 190, que realizava o voo 5479, de Brasília para Maceió, apresentou problema técnico no sistema de retração dos Flaps após a decolagem, tendo regressado a Brasília para efetuar manutenção não programada no referido sistema. A medida é uma ação preventiva de segurança.

Os 56 passageiros do voo estão sendo embarcados em outra aeronave da companhia e a previsão de chegada em Maceió às 18h10."

fonte/G1/DF
Enhanced by Zemanta

BASE AÉREA DE NATAL VIRA "SETENTONA", COM ARES DE MODERNIDADE

 Parabéns....Base Aérea de Natal....uma bela história.....

A Base Aérea de Natal está completando, nesta sexta-feira, 70 anos de criação. Instalada em março de 1942, por decreto do então presidente da república Getúlio Vargas, ela foi uma das duas iniciativas mais visíveis do governo getulista para se engajar no esforço de guerra dos aliados contra os nazistas, em luta na Europa e Norte da África. Tanto que a edição de 3 de março de 1942 do jornal "A Republica" trazia, em destaque,  a notícia sobre a criação da "Base", como  passou a ser conhecida para os natalenses a partir daquela época.

foto/DivulgaçãoNos anos 40, a Base foi uma das iniciativas de Getúlio Vargas para se engajar no esforço de guerra dos aliados contra os nazistas. 
Nos anos 40, a Base foi uma das iniciativas de Getúlio Vargas para se engajar no esforço de guerra dos aliados contra os nazistas.

Hoje, quem visita a Base tem a oportunidade de fazer uma viagem no tempo. A área com mais de nove milhões de metros quadrados - contando com o destacamento de Maxaranguape - abriga parte da história de Parnamirim. No local, há prédios construídos pelos norte-americanos durante a Segunda Guerra Mundial ainda em perfeito estado de conservação. Um deslumbre para os saudosistas. Por outro lado, a modernidade se faz presente nos hangares que abrigam aviões-caças e helicópteros da Força Aérea Brasileira (FAB).

Com um efetivo de dois mil militares e mais de 200 civis, a Base tem características que a fazem parecer com uma cidade. Apoiar as unidades aéreas em geral, da FAB e ser centro de formação de pilotos é, atualmente, a principal função da Bant.

No comando dessa cidade que conta com bancos, hospital, escola, igreja e até mesmo uma lagoa, está o Coronel Aviador João Campos Ferreira Filho. O militar assumiu o posto no dia 6 de janeiro passado. No currículo do comandante que está na FAB desde 1985, consta o comando de uma unidade aérea. Até dezembro de 2013, será o coronel o responsável pela administração da Bant.  O mandato é de dois anos. "São dois anos porque a finalidade é promover a rotatividade de pessoas e de idéias. Minha expectativa é conseguir fazer com que meus assessores tragam boas ideias para realizarmos uma boa administração dessa que é a maior base da Aeronáutica", disse.

Situada em uma área de grande especulação imobiliária, a Bant não tem expectativa de crescimento. "É difícil falar em projeto de expansão quando já somos a  maior do Brasil. As construções ao redor são mais de condomínios horizontais. Isso não nos preocupa. Nossa preocupação é com o gabarito de altura, por causa da pista, explicou o coronel. "A especulação imobiliária já tomou conta do entorno, mas não temos problemas com invasão, por exemplo", completou.

Dentro da Bant, há 180 residências destinadas aos oficiais da FAB. As ruas são largas, limpas e o espaço é bem arborizado. A brisa é constante e a lagoa completa o cenário. Aviões utilizados na Segunda Guerra Mundial jazem em alguns canteiros e dão um aspecto de grande museu à céu aberto ao local. Na vila dos oficiais, quase não se ouve o barulho das turbinas dos aviões que pousam e decolam do Aeroporto Internacional Augusto Severo.

Cenário um pouco diferente, pelo menos com mais barulho, encontra os aspirantes à oficial voador. Por ano, mais de cem jovens oriundos da Academia Militar chegam a Bant para participar dos cursos de piloto de caça ou helicóptero. "Aqui, existe o Grupo de Instrução Técnica Especializada (Gite) onde os aspirantes participam do primeiro curso de tática. Só depois desse curso eles estão aptos a realizarem outras atividades", explicou Coronel Campos.

Parnamirim Field: a maior base dos EUA

Os militares norte-americanos começaram a chegar a Natal antes mesmo da formalização do acordo Brasil-Estados Unidos (outubro de 1941) e da declaração de guerra do governo Vargas aos países do Eixo (Alemanha, Itália e Japão). Segundo o historiador Lenine Pinto, no dia 26 de junho de 1941 passaram pelo campo de Parnamirim os primeiros aviões-bombardeiros da U.S Air Force, disfarçados de cargueiros comerciais, no vôo para a ilha de Ascenção. O destino final estava na África. Um mês depois da passagem dos bombardeiros, o governo brasileiro autorizou a Panair do Brasil - subsidiária da matriz de aviação civil norteamericana - a "construir, melhorar e aparelhar os aeroportos" entre o Amapá e Salvador, "com o fim de permitir a sua utilização por aeronaves de grande porte".

Começaram, então, a desembarcar em Natal as equipes técnicas da Airport Division (ADP). Eram, na verdade, militares americanos que chegavam para a construção de Parnamirim Field, o maior campo de aviação e base de operações militares que os Estados Unidos viria a ter, durante a II Guerra, fora do seu território.

O financiamento e a direção do projeto ficaram totalmente a cargo do governo norte-americano. Para as obras foram contratados seis mil operários, na época um exército de migrantes do interior do Estado que se movimentava dia e noite sob as ordens do capataz José Aguinaldo de Barros. Os trabalhos começaram em novembro de 1941, mas acelerados em março de 1942. A Base Leste dos norte-americanos custou 9,5 milhões de dólares.

Foram construídas duas novas pistas de pouso asfaltadas, com capacidade para operação de aviões-bombardeiros de porte médio, mais seis pistas secundárias de rolagem, doze áreas de estacionamento pavimentadas, dez hangares e todo o equipamento de auxílio à navegação área, comunicação, iluminação, depósitos de combustíveis e de água, um "pipe line" entre o bairro natalense de Santos Reis e as instalações militares.

Parnamirim Field tinha 600 edificações, a maioria barracões com paredes de alvenaria e teto de zinco, que permitiam alojar 1.800 oficiais e 2.700 praças. Para transportar até a base as cargas que chegavam em navios desembarcadas no Porto de Natal, os norte-americanos construíram uma nova estrada para Parnamirim, aberta e pavimentada em seis semanas.  Pedaços do velho asfalto ainda podem ser vistos, ao lado da duplicação da BR 101. (C.P.)

Começo foi marcado por dificuldades

Carlos Peixoto - diretor de Redação

O início da Base Aérea de Natal confunde-se com a história de Parnamirim Field, construída e operada pelos norte-americanos na parte leste do terreno (leia texto nesta página). A "Base" ocupava a parte oeste, onde funcionou os hangares da LATI (companhia de aviação italiana) e a Air France e ao contrário da base dos EUA, enfrentou dificuldades e teve que superar carências para conseguir se instalar, operar e atender as missões que lhe seriam confiadas.

Cinco meses depois da instalação da Base brasileira, o primeiro comandante, major aviador Carlos Alberto de Filgueira Souto, enviou um relatório de ocorrências para o comando da 2ª Zona Aérea, sediado em Recife, relatando as dificuldades: a construção dos prédios necessários ao pleno funcionamento da Base ainda não estava concluída; faltavam bombas para os aviões e a Companhia de Guarda dependia dos americanos para o fornecimento de armas e munição; havia carência de suprimentos, atribuída ao desabastecimento e alta dos preços no comércio local; precariedade nos meios de transportes e insuficiência de aeronaves, material sobressalente e pessoal para atender as missões de vôos.

As instalações precárias e a limitação na aparelhagem eram reflexo do descaso dos comandos militares brasileiros, que até o início da guerra não viam importância estratégica no Nordeste, e da falta de recursos do governo para custear uma máquina bélica à altura das novas necessidades. O trabalho dos militares e civis, engajados na construção, acabou sendo decisivo para superar essas dificuldades.

Em janeiro de 1944, ao ser entrevistado por jornais cariocas sobre os esforços de guerra brasileiros, o general João Batista Mascarenhas de Morais, comandante da Força Expedicionária que seria enviada à Itália, disse: "Muito se tem dito da importância daquele trampolim para as lutas da Europa e, de fato, sua relevância na remessa do material para o teatro da luta, nos continentes africano e europeu, ressalta-o como fator decisivo para a vitória aliada". Apesar do reconhecimento oficial, em meados de 1945, a insuficiência de pessoal, de aeronaves e material sobressalente ainda não tinha recebido uma solução definitiva. A carência só desapareceria com a entrega, pelos americanos, da Base Leste, em outubro do ano seguinte. Parnamirim Field deixava então de existir e, oficialmente, dali em diante haveria apenas a Base Aérea de Natal.

Futuro

Ao completar 70 anos de criação, a Bant vive uma incerteza quanto ao seu destino. A dúvida é com relação à construção do aeroporto de São Gonçalo. Segundo Campos, não está definido ainda se o Augusto Severo ficará sob responsabilidade da Base. "Ano passado, estava em Brasília e, até dezembro, não sabia de nada. Até agora, não chegou nenhum estudo da SAC [Secretaria de Aviação Civil]", disse Campos. "Se ele [aeroporto Augusto Severo] permanecer sendo operado para aviação regional, permanece tudo como está. Se a Infraero decidir passar para a gente, será um caminho diferente porque teremos que decidir o que fazer com aquele área", afirma. O coronel preferiu não detalhar o orçamento  da Bant, mas disse que o valor varia de acordo com o ano. "Mas não há prejuízo, conseguimos manter a estrutura de forma satisfatória". Hoje, apesar de ser um dia de festa na Base, não haverá programação festiva. Os eventos alusivos à criação da Bant estão concentrados no dia 7 de agosto, data em que a área militar entrou em funcionamento.
 
fonte/TribunaDoNorte

TAM NÃO TEM PREVISÃO PARA VOLTA DO CHECK-IN ELETÔNICO



TAM não tem previsão para volta do check-in eletrônico  Ronaldo Bernardi/Agencia RBS
Check-in manual atrasou embarque de passageiros também no aeroporto Salgado Filho Foto: Ronaldo Bernardi / Agencia RBS
 
As filas no setor de check-in da empresa aérea TAM nos principais aeroportos do País ainda eram gigantes por volta das 11h desta sexta-feira. Uma pane no link de conexão da SITA, empresa de tecnologia que presta serviços para a companhia, com o sistema de check-in da TAM, impede a impressão dos cartões de embarque e das etiquetas das bagagens, que passou a ser feita manualmente desde o começo da manhã.

Às 11h, a TAM ainda não tinha previsão sobre quando o sistema eletrônico vai voltar a operar. Os passageiros encontravam disponibilidade apenas no serviço Web Check-in da empresa, que está funcionando normalmente, segundo a TAM. A companhia orienta os passageiros a realizarem o check-in pelo site da empresa (www.tam.com.br), antes de se dirigirem aos aeroportos.

Por conta da falha no sistema, as filas nos aeroportos de maior movimento estão com tempo de espera de quase duas horas, como é o caso no Aeroporto de Congonhas, na zona sul de São Paulo, segundo a Rádio CBN. Entre os 308 voos domésticos, programados para decolar entre as 10h e 11h, 14 foram cancelados e 93 registraram atrasos de mais de meia hora. Já entre as 14 decolagens internacionais previstas para o período, quatro sofreram alteração de horário e nenhum foi cancelado.

Em Porto Alegre, até as 11h, uma chegada e quatro partidas de voos da empresa tinham registro de atraso, mas a situação estava sob controle apesar da fila. O engenheiro Lisandro Peliciolli, 29 anos, que esperava para embarcar para São Paulo e depois para Estocolmo, conta que precisou aguardar cerca de 40 minutos na fila.

— Estão fazendo check-in manual, o que é bem rudimentar, mas parece que apesar de estar em cima da hora eu vou conseguir embarcar.


Orientação ao consumidor
Em nota, a TAM afirma estar prestando toda a assistência aos clientes e lamenta os inconvenientes causados pela situação. De acordo com o diretor de fiscalização do Procon, Renan Ferraciolli, os passageiros prejudicados com o atraso têm alguns direitos que devem ser cumpridos pela empresa aérea.

— Entre eles está o direito à informação sobre o que está ocorrendo, inclusive por escrito, se o consumidor solicitar —  explica Renan.

A legislação prevê, segundo Renan, que a empresa aérea forneça ao passageiro facilidades de comunicação, com ligações gratuitas, quando o atraso for de mais de uma hora. Quando o problema ultrapassar duas horas, o passageiro terá o direito à alimentação adequada e quando o atraso persistir mais de quatro horas, o passageiro terá direito à acomodação em local adequado, traslados e quando necessário serviços de hospedagem.

— Quando o atraso passar das quatro horas, o consumidor também poderá pedir o reembolso integral pago pelo bilhete e pelas tarifas, caso desista da viagem. Ele pode também pleitear a indenização pela Justiça — confirma Renan. — Caso a empresa não cumprir o determinado, o consumidor deve procurar o PROCON e a Anac para exigir seus direitos — conclui.

Segundo Renan, agentes do Procon estão no Aeroporto de Congonhas, onde o número de voos da TAM é maior em São Paulo, fiscalizando a situação para determinar quais providências serão tomadas contra a companhia área. 

fonte/foto/AgEstado/ZeroHora
Enhanced by Zemanta

MARINHA CHILENA INICIOU BUSCAS PARA ACHAR AERONAVE DESAPARECIDA ENTRE MELINKA E QUELLÓN

Um pequeno avião que decolou às 11h50 da manhã de quinta-feira do aeródromo de Melinka na direção de Quellón perdeu o contato confirmou os Carabineiros para La Tercera.

O vôo
duraria cerca de 11 minutos e teve seu último contato às 11,56 horas, ativando o alerta de emergência. A bordo estava o piloto da aeronave  6 mergulhadores e um homem de negócios da ilha.

aeronave é um Piper da empresa Aereohein , Marinha e Força Aérea Chilena partiram para ilha e devem iniciar os serviços de busca na regiáo.

fonte/LaTercera

MÍSTERIO REVELADO - ANTOINE SAINT-EXUPÉRY...

Foi um segredo guardado durante 64 anos. Horst Rippert, piloto alemão da Luftwaffe, admitiu, aos 88 anos, ter abatido Antoine de St Exu...