sexta-feira, 15 de maio de 2015

HELIPARK NÃO RESPEITOU NORMAS DA ANAC

Aeronave caiu depois de passar pelas mãos de técnico inexperiente / Reprodução Jornal da Band
Das três pessoas que trabalharam no helicóptero EC 155B1, apenas duas estavam habilitadas
 

Para pilotar ou fazer manutenção no helicóptero EC 155B1, da Eurocopter, é necessário ter habilitação e treinamento específicos. A determinação é da Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC).

Porém, as normas parecem não ter sido respeitadas pela Helipark, que realizou a manutenção do helicóptero no qual aconteceu um acidente provocou a morte de cinco pessoas, entre elas, Thomaz Alckmin, filho do governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, em abril. Câmeras de segurança flagraram o helicóptero caindo em queda livre, em Carapicuíba, na grande São Paulo.

Das três pessoas que trabalharam no helicóptero naquele dia, apenas duas estavam devidamente habilitadas. Este documento da ANAC revela que Leandro de Souza Santos tinha os cursos necessários, mas não possuía experiência, conforme exigem as normas da aviação. Pela legislação, ele não era considerado, ainda, mecânico. Logo depois de passar pelas mãos de um técnico inexperiente, o aparelho caiu.

A Aeronáutica já sabe que uma das pás quebrou durante o voo.

A Polícia Civil de São Paulo abriu um inquérito para apurar o que aconteceu. Como não é competência da polícia estadual investigar este tipo de fato, a Procuradoria da República vai requisitar tudo o que foi feito até agora para verificar se houve alguma irregularidade que possa ter provocado o acidente.

 fonte/foto/Band.uol

DAVID NEELEMAN, DONO DA AZUL VÊ RISCOS NA INSTABILIDADE LABORAL E NA DÍVIDA DA TAP



Ao contrário da mensagem que o Governo tem vindo a passar, a instabilidade laboral que a TAP vive neste momento está a deixar alguns investidores preocupados. Um deles é o dono da Azul, David Neeleman, que ainda não decidiu se irá apresentar uma oferta pela companhia de aviação na sexta-feira, data limite para a entrega de propostas de compra. 

O PÚBLICO sabe que o empresário, filho de norte-americanos mas nascido no Brasil, encara como um risco a sucessão de greves que a empresa tem enfrentado, nomeadamente a paralisação de dez dias convocada pelo Sindicato dos Pilotos da Aviação Civil (SPAC), que ainda não deixou cair por completo a ameaça de novos protestos.

Mas há outras variáveis que fazem com que este empresário, que além da Azul fundou também a low cost norte-americana Jetblue, ainda não dê como certa a apresentação de uma oferta pela TAP. Em destaque está a elevada dívida e o investimento que será necessário para capitalizar e renovar a frota e a oferta da companhia de aviação nacional. Além disso, não é garantido que se consiga gerar retorno para minimizar o risco de apostar na empresa, cujo passivo ronda os 1062 milhões de euros e que tem capitais próprios negativos superiores a 500 milhões.

Ainda assim, Neeleman considera que a transportadora aérea pode ter um bom caminho pela frente, pela capacidade técnica, força de trabalho, situação geográfica e forte ligação ao Brasil, mas entende que será necessária uma cooperação entre todos (banca, trabalhadores, sindicatos e Governo) para que os planos futuros resultem.

O dono da Azul está neste momento em Lisboa para tomar uma decisão final sobre se concorre ou não à privatização da TAP. Um dos pontos importantes será o dos aliados que conseguir angariar. Nesta quarta-feira, o Diário Económico noticiou que o grupo português Barraqueiro (que tinha sido apontado como parceiro de Miguel Pais do Amaral, igualmente na corrida pela companhia de aviação) irá fazer parte do seu consórcio, mas não foi possível até ao momento confirmar esta informação.

Um dos momentos importantes da passagem de Neeleman por Portugal é um encontro com o Governo para prestar os últimos esclarecimentos sobre a operação. Tal como o PÚBLICO noticiou, o executivo também recebeu os representantes de Gérman Efromovich, outro dos candidatos.

Apesar de sete investidores terem assinado o termo de confidencialidade com o Governo para acederem a informação sobre a TAP e avançarem com uma proposta, nem todos deverão concretizar uma oferta. As próximas horas serão cruciais para perceber realmente quem permanecerá na corrida.
Além de Neeleman, de Efromovich e de Pais do Amaral, fazem parte deste lote a companhia de aviação brasileira Gol e três capitais de risco: as norte-americanas Apollo e Cerberus e a britânica Greybull, dona da low cost Monarch.

Há muitas condicionantes que podem levar a um novo fracasso da venda da TAP, repetindo o cenário de 2012 em que o Governo rejeitou a oferta de Efromovich e foi obrigado a suspender o processo. Mas um dos mais importantes é a posição do PS relativamente a esta privatização, já que o secretário-geral do partido veio afirmar que, se chegar ao poder, tudo fará para reverter o negócio.

fonte/Publico.pt

MÍSTERIO REVELADO - ANTOINE SAINT-EXUPÉRY...

Foi um segredo guardado durante 64 anos. Horst Rippert, piloto alemão da Luftwaffe, admitiu, aos 88 anos, ter abatido Antoine de St Exu...