sexta-feira, 12 de julho de 2013

INCÊNDIO EM AVIÃO FECHA PISTAS NO AEROPORTO LONDRINO DE HEATHROW






O aeroporto britânico de Heathrow, na região de Londres, fechou suas pistas nesta sexta-feira (12) durante uma hora e meia, após um incêndio em um avião da Ethiopian Airlines que estava em solo.

Não havia passageiros dentro do avião, segundo as autoridades do aeroporto.
Segundo as autoridades, trata-se de um Boeing 787 Dreamliner, que sofreu um incêndio interno, que já foi controlado.

Imagens exibidas pelos canais britânicos mostram cinco caminhões dos bombeiros em volta do Boeing, em meio a uma grande quantidade de espuma ignífuga.

Todos os pousos e decolagens estão suspensos em Heathrow, o maior dos cinco aeroportos de Londres e o primeiro no mundo em termos de tráfego internacional.

O modelo Boeing 787 Dreamliner teve uma série de problemas com incêndios no início do ano, obrigando que ele ficasse em solo durante várias semanas até a companhia resolver o problema.
De acordo com a companhia, a aeronave estava estacionada no aeroporto havia 8 horas quando a fumaça foi detectada.

fonte/G1/foto/ViaTwitter

AVIÃO DE PIONEIROS FRANCESES DA AVIAÇÃO TERIA CAÍDO PERTO DE ILHA REMOTA

L'Oiseau Blanc, o Pássaro Branco, que faria o voo entre Paris e Nova York nunca foi encontrado


Avião de pioneiros franceses da aviação teria caído perto de ilha remota Ian Willms/NYTNS
O L'Oiseau Blanc era um biplano de madeira de apenas um motor Foto: Ian Willms / NYTNS
Scott Sayare
 

Aparentemente, dois aviadores conseguiram realizar o primeiro e quase impensável voo entre Paris e Nova York e, a dez de maio de 1927, jornais da França inteira proclamavam "o triunfo das asas francesas" e uma "era dourada da aviação".

"Nungesser e Coli conseguiram", afirmou "La Presse", chegando a detalhar o pouso no mar no porto de Nova York e os "vivas que se ouviram dos navios a seu redor".

Os primeiros e empolgados relatos se mostraram falsos. Charles Nungesser, aristocrata aventureiro e um dos principais ases da aviação francesa, e François Coli, marinheiro caolho e ex-soldado da infantaria, não chegaram a Nova York. O biplano maciço de um motor só, L'Oiseau Blanc (o Pássaro Branco), nunca foi encontrado.

Eles desapareceram "feito fantasmas da meia-noite", escreveu Charles Lindbergh, o norte-americano que poucos dias depois chegou a Paris vindo de Nova York. Pensava-se que os franceses tivessem caído no Canal da Mancha, sobre o Atlântico ou em algum lugar entre a ilha da Terra Nova, ao largo do Canadá, e o Maine, nos Estados Unidos.

Considerado um dos maiores mistérios da aviação, o desaparecimento inspirou décadas de hipóteses.
Contudo, um conjunto de provas crescentes sugere que os aviadores caíram ao largo da minúscula Saint-Pierre, afloramento escarpado de rochas recobertas de líquenes e casas retangulares de cores vivas a aproximadamente 16 quilômetros de Terra Nova. A teoria é defendida por Bernard Decré, septuagenário francês obcecado e empolgado que dedicou os últimos cinco anos de vida a procurar o L'Oiseau Blanc em tempo integral.
— Eu sempre estava no fundão da classe desenhando navios e aviões – na verdade, isso não mudou — disse Decré, 73 anos, aposentado. Ele não para de rabiscar e espera "reajustar a história da aviação".
— Só queremos reconhecer que eles realizaram uma travessia fantástica — ele disse. O voo sem escalas entre Paris e Terra Nova teria sido o primeiro entre a Europa continental e a América do Norte, e a primeira travessia do Atlântico de leste a oeste.

Às 5h17 de oito de maio de 1927, carregado com 3.800 litros de combustível – mal e mal o que a jornada de 5.793 quilômetros deveria exigir – o L'Oiseau Blanc de madeira e lona correu pela pista de grama de Le Bourget, arredores de Paris. Sentados lado a lado na cabine aberta, os aviadores teriam levado com eles peixe enlatado, banana, rum e pouco mais, preocupados em levar peso demais; eles não carregavam rádio, e o trem de pouso foi ejetado pouco depois da decolagem.
De acordo com os jornais, milhares se reuniram em Manhattan à espera da chegada do avião. O plano era pousar na água ao lado da Estátua da Liberdade.
— Eles precisavam contar com vento a favor o tempo todo para conseguiren chegar. Mas eles gostavam de apostar — disse Decré.

A exemplo de Lindbergh, os dois aviadores estavam disputando o prêmio Orteig, recompensa de US$ 25 mil pelo primeiro voo sem escalas entre Nova York e Paris ou vice-versa.
Decré acredita que os aviadores franceses foram forçados a sair da rota por causa de tempestades sobre a Terra Nova. Segundo ele, com o combustível se esgotando depois de quase 35 horas, os homens tentaram um fatídico pouso no mar ao largo de Saint-Pierre, em meio à cerração pesada do fim da manhã.

Marinheiro tarimbado – ele criou a Tour de France à la Voile, importante competição de iatismo francesa – e antigo executivo de comunicações, Decré começou as investigações em 2007 após ler um relato do romancista Clive Cussler a respeito de sua busca pelo avião no Maine. Desde então, Decré vasculhou arquivos na França, Canadá e Washington, vindo repetidas vezes a Saint-Pierre, onde uma pequena equipe de técnicos examinou o leito marinho em busca dos restos do L'Oiseau Blanc .

Ele encontrou registros demonstrando que 13 pessoas viram ou ouviram o avião indo rumo ao sul ao longo da costa oriental da Terra Nova na manhã de nove de maio, em conjunto com pelo menos quatro moradores de Saint-Pierre. De acordo com Decré, um pescador local, já falecido, costumava contar ter ouvido um avião cair e gritos por socorro. Moradores e marinheiros relataram destroços na área pouco depois que o L'Oiseau Blanc desapareceu; outros pescadores teriam pescado com as redes detritos do avião durante anos.

A busca de Decré é a primeira a se concentrar em Saint-Pierre, que, apesar da localização, na verdade pertence à França. Essa era uma distinção de grande importância durante a Lei Seca nos EUA, entre 1920 e 1933, quando a ilha se tornou um grande entreposto para contrabandistas de bebida. Por exemplo, negociantes de Montreal podiam despachar legalmente uísque para a francesa Saint-Pierre; a seguir, lanchas traziam a bebida para o nordeste norte-americano.

Há quem diga que o L'Oiseau Blanc foi abatido pela Guarda Costeira dos EUA, que teria confundido os aviadores franceses com contrabandistas de bebida.

Independentemente da verdade, a Guarda Costeira pode se revelar decisiva para encontrar o avião. Nos Arquivos Nacionais, em Washington, Decré desenterrou um telegrama da Guarda Costeira, de agosto de 1927, descrevendo o que pareciam ser os destroços da asa de um biplano flutuando ao largo da costa da Virgínia.
— Sugere-se ao quartel-general que podem ser os restos do avião de Nungesser e Coli — diz o telegrama.
Tal visão estaria de acordo com uma queda ao largo de Saint-Pierre, calcula Decré. Ele suspeita que a Guarda Costeira tenha tirado os restos da água, que agora estariam esquecidos em algum depósito.
— Temos certeza de que eles têm um pedaço da asa.

Todavia, Decré visitou Saint-Pierre novamente em maio, desta vez equipado com um magnetômetro poderoso e um sonar multidirecional. (Com apoio das autoridades locais, do governo francês e principalmente da Safran, empresa aeroespacial e de defesa, a verba de Decré neste ano ficou ao redor de US$ 200 mil.) Entretanto, três semanas de sondagem em 55 metros de água não deram em nada.

Ao contrário dos jornais franceses da época, Decré ainda não gritou vitória, mas em maio organizou uma cerimônia para a colocação de uma coroa de flores em homenagem aos aviadores. O neto de Lindbergh, Erik, compareceu.
— Antes de o meu avô cruzar o Atlântico, quem voava de aeroplano era chamado de artista mambembe, de aventureiro – eles eram loucos — afirmou Lindbergh. Segundo ele, Nungesser e Coli podem não ter sido vitoriosos, mas sua ousadia merece ser celebrada.

Mesmo assim, Decré deseja encontrar restos físicos e tem toda a intenção em continuar com as buscas.
Não está certo se os patrocinadores continuarão a apoiá-lo. A população local também continua cética. Embora admirem o entusiasmo de Decré, muitos moradores não estão convencidos de que ele encontrará destroços, ainda que eles estejam por aqui.
— É como tentar carregar água com uma rede de pesca — afirmou Serge Perrin, 56 anos, limpando vieiras no convés do barco.
— Nunca ouvimos ninguém falar do L'Oiseau Blanc antes de ele aparecer por aqui — acrescentou Perrin, sugerindo que antigos moradores podem ter inventado as lembranças do avião – de forma consciente ou não – após lerem a respeito da queda.
— Existem quem quer acreditar nisso e quem não quer – é como se fosse o Papai Noel. De qualquer forma, é uma história bonita — afirmou Amandine Pinault, repórter da estação de televisão local.


fonte/TheNewYorkTimesServices/

ENTREVISTA DO LENDÁRIO "ROGÉRIO MACONHA" NO PROGARAMA JÔ SOARES




fonte/YouTube/Canal Luiz Marcheti

MÍSTERIO REVELADO - ANTOINE SAINT-EXUPÉRY...

Foi um segredo guardado durante 64 anos. Horst Rippert, piloto alemão da Luftwaffe, admitiu, aos 88 anos, ter abatido Antoine de St Exu...