Pular para o conteúdo principal

PILOTO QUE FOI DERRUBADO NO PERU JÁ TINHA HISTÓRICO DE ACIDENTE, DIZ ANAC



ImagemO piloto paranaense que teve o avião derrubado durante um voo particular em Satipo, no Peru, Asteclínio da Silva Ramos Neto, já tinha sofrido um acidente envolvendo outra aeronave no Paraná. O acidente foi em Foz do Iguaçu, na região oeste, em maio de 2014, segundo a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac).
Na ocasião, segundo a Anac, Asteclínio tinha saído de um aeroporto particular da cidade em um monomotor brasileiro de prefixo PT-SNI para transportar quatro paraquedistas que pretendiam fazer saltos na região. No retorno do voo, ele precisou fazer um pouso de emergência em uma plantação de milho após ter verificado falhas no motor. Ninguém ficou ferido.
Ainda de acordo com a Anac, desde a época desse acidente, Asteclínio teve a habilitação e o Certificado Médico Aeronáutico (CMA) suspensos e não renovou. Sem a renovação, ele não poderia fazer voos em terrirórios brasileiros.
Para exercer a função no exterior, ele precisaria de outra autorização das autoridades do país a ser sobrevoado. O G1 não conseguiu confirmar se o piloto paranaense tinha ou não essa autorização para fazer o voo no Peru.
A importância da renovação do CMA, informa a Anac, é assegurar, via laudo médico, que após o incidente/acidente o piloto continua possuindo todas as capacidades físicas e mentais para prosseguir na operação de aeronaves, visando a segurança das operações.
O paranaense teve o avião derrubado pelo exército peruano por suspeita de tráfico de drogas, de acordo com o advogado Rodrigo Faucz, que foi contratado pela família para cuidar do caso. O incidente ocorreu no dia 15 de abril.
Mãe acredita em engano "Eu acho que houve um grande engano. Meu filho é um piloto. Ele não fez nada de errado" afirmou Vera Lúcia de Moura, de 71 anos, antes de embarcar ao Peru no fim da manhã deste domingo (31). Vera é mãe de Asteclínio.
Vera estava bastante emocionada e chorou ao falar do filho, que ainda se recupera de um ferimento após ser atingido por um tiro. A bala está alojada no abdômen dele, segundo o advogado.
"Ele precisa de assistência médica. Ele precisa de assistência psicológica. Ele precisa retomar a vida dele. Lá não é o lugar dele", disse.
"Eu espero, se Deus quiser, que a gente resolva (...) Não tem prova contra ele. Meu filho é inocente. Não existe nada", afirmou Vera. "Que meu filho possa voltar com o nome limpo, honrado porque ele é um homem honrado, um homem digno. Ele é um homem de caráter, ele é uma pessoa idônea", defende.
Vera e o advogado devem voltar à capital paranaense na quinta-feira (4). Ela mora nos Estados Unidos, mas veio ao Brasil por causa da situação envolvendo o filho.
Entenda o caso
Com os disparos, o avião caiu em uma área de mata e, em seguida, foi revistado pelos atiradores. Ainda de acordo com o advogado, as equipes não constataram nenhum resquício de drogas e, em seguida, prenderam o piloto.
Um colombiano, que não teve o nome divulgado, era passageiro da aeronave e também ficou ferido e foi preso. O paranaense não conhecia o colombiano, segundo Faucz. O caso está sendo investigado pelas Forças Armadas do Peru.
"Nós não entendemos ainda o porquê de terem aberto fogo contra essa aeronave e de terem efetuado a prisão. Meu cliente nunca se envolveu com qualquer situação ilícita", relatou o advogado, que declarou ainda que Asteclínio concluiu o curso de piloto civil em 2013.
Asteclínio tinha ido até a Bolívia para verificar a possibilidade de cursar medicina. O homem que o contratou fez o pagamento adiantado do serviço, explica Faucz.
Rodrigo Faucz disse ainda que o piloto decolou com o colombiano de Santa Rosa, na Bolívia, em direção ao Peru. "O avião pousou em Satipo para pegar um terceiro passageiro, mas ele não estava no local. Foi então que os atiradores derrubaram a aeronave. Isso não deu nem dois minutos depois da decolagem", acrescenta Faucz.
O caso aconteceu no dia 15 de abril. O paranaense teve ferimentos no braço e no abdômen e ficou hospitalizado sob custódia da polícia peruana por três semanas. Ele recebeu alta no dia 14 de maio e foi transferido para um presídio de Satipo.
O governo peruano foi procurado para comentar a situação, mas as autoridades locais informaram apenas que estão tratando o caso diretamente com o Itamaraty.
O Ministério das Relações Exteriores informou ao G1, em nota, que a Embaixada do Brasil, em Lima, foi informada pelas autoridades peruanas no dia 17 de abril sobre a prisão de Asteclínio por “estar pilotando aeronave que seria utilizada para transporte de quantidades consideráveis de drogas, destinadas ao mercado internacional”.
"No Peru, o nacional conta com defensor público designado para acompanhar o processo. O Ministério das Relações Exteriores, por meio da Divisão de Assistência Consular e da Embaixada em Lima, segue prestando ao Sr. Asteclínio da Silva Ramos Neto toda a assistência cabível. No próximo dia 31, o advogado contratado pela família do senhor Asteclínio no Brasil deverá chegar a Lima com familiar do brasileiro, e receberão assistência do Consulado brasileiro durante a estada no Peru", diz outro trecho da nota.
Nesta segunda, está prevista uma reunião na Embaixada com o advogado da família.
Leia a íntegra da nota do Itamaraty Informamos que em, no dia 17 de abril, a Embaixada do Brasil em Lima foi informada pelas autoridades peruanas sobre a prisão do nacional brasileiro Asteclínio da Silva Ramos Neto, por “estar pilotando aeronave que seria utilizada para transporte de quantidades consideráveis de drogas, destinadas ao mercado internacional”. A aeronave foi abatida pelas forças policiais peruanas naquele país. Na ocasião também foi detido nacional colombiano.
Na tarde deste mesmo dia, o mencionado brasileiro foi transferido para Lima, e internado no hospital público Hipólito Unanue, em razão de dois disparos recebidos no braço e no abdômen.
Em 20 de abril último, foi realizada visita ao nacional por funcionários dom Consulado do Brasil em Lima, verificando-se ser estável seu estado de saúde. Apresentava ferimentos provocados pelos tiros e estava recebendo alimentação por via intravenosa.
Em 21 de maio, o Sr. Asteclínio da Silva Ramos Neto recebeu alta hospitalar e foi transferido para presídio em Satipo, no Departamento de Junin.
No Peru, o nacional conta com defensor público designado para acompanhar o processo.
O Ministério das Relações Exteriores, por meio da Divisão de Assistência Consular e da Embaixada em Lima, segue prestando ao Sr. Asteclínio da Silva Ramos Neto toda a assistência 

fonte/foto/G1

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

AVIÃO COM O SENADOR AÉCIO NEVES FAZ POUSO DE EMERGÊNCIA NO AEROPORTO DE GUARULHOS

Imagem com a aeronave em que estaria Aécio, fora da pista, e que circula na internet
O avião em que estava o senador Aécio Neves (PSDB) precisou fazer um pouso de emergência no aeroporto internacional de Guarulhos na noite de quinta-feira (9), informou sua assessoria de imprensa.
Já era noite quando a aeronave, um táxi aéreo fretado pelo PSDB, saiu de Brasília com destino a São Paulo. Os pilotos, percebendo que um pedaço do pneu havia ficado na pista, teriam solicitado autorização para pousar em Cumbica, ao invés de Congonhas, por ter uma pista maior. Ao aterrissar, no entanto, o trem de pouso teria se quebrado, vindo o avião a sair da pista.
Apenas Aécio e a tripulação estavam a bordo. Segundo a assessoria, nem ele nem os pilotos se feriram.
O senador veio para São Paulo porque tem reunião agendada com o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso na manhã desta sexta (10). Apesar do incidente, o encontro foi mantido.
Fernanda Carvalho/O Tempo/Estadão Conteúdo
fonte/foto/UOL

Da…

VÍDEOS DO ACIDENTE COM BOEING 737 DA PERUVIAN AIRLINES EM JAUJA