Pular para o conteúdo principal

SERÃO ARMAS CHINESAS MAIS BARATAS DO QUE RUSSAS ???

Su-34 
Su-34

Serão as armas chinesas mais baratas do que russas? A asseguradora russa Sogaz publicou uma informação sobre um acordo que havia concluído com o Ministério da Defesa sobre o seguro de bombardeiros Su-34. O seguro cobre os riscos relacionados com a destruição ou danificação desses aviões em voos de treino e de estudo. O montante de seguro para um bombardeiro constitui 40 milhões de dólares.

O preço é inesperadamente baixo para um avião bastante grande de dois motores, com um peso de despegue máximo de 45 toneladas, uma autonomia de voo superior a 4 mil quilômetros e equipamentos eletrônicos complexos. Em 2007, quando foram anunciados os planos do Paquistão de adquirir duas esquadrilhas de caças chineses J-10, o preço de um avião chinês referido na altura constituía 41 milhões de dólares.
Está claro que o preço de exportação do J-10 inclui despesas ligadas à formação do pessoal e aos fornecimentos de equipamentos para a manutenção do avião. No entanto, o J-10 sem equipamentos adicionais custou 27,8 milhões de dólares para a Força Aérea da China no início de 2010. Há alguns anos, o Su-34 foi também mais barato na produção, custando cerca de 33 milhões de dólares. Mas, à exceção do preço, todas outras características desses aviões são incomparáveis. O J-10 é um caça para um piloto, de um motor de produção russa, pesa em duas vezes menos que o Su-34, tem uma autonomia de voo inferior e transporta muito menos armamentos.

Referindo os aviões russos que podem ser equipados ao J-10, podemos destacar que 34 caças MiG-29SMT foram comprados pela Força Aérea da Rússia em 2008 a um preço de 22 milhões de dólares por cada avião. Diferentemente do J-10, o MiG-29SMT tem dois motores, é um pouco mais pesado e dispõe de maior autonomia de voo.

Nos últimos anos, os preços de artigos da indústria defensiva chinesa crescem e, pelo visto, este processo irá continuar. Uma das causas da subida dos preços é um rápido crescimento de salários nas empresas defensivas. Por exemplo, a corporação aeronaval de Chengdu, que produz os J-10, anunciou nos últimos anos postos vacantes com os salários que superam consideravelmente a média na cidade. A indústria defensiva tem de concorrer por especialistas técnicos de qualidade com empresas civis altamente tecnológicas. Por outro lado, a indústria chinesa depara atualmente com a subida dos preços de meterias e energia, tornam-se mais caros também espaços de produção e lotes de terreno que ocupam. Uma vantagem importante das empresas defensivas da China é a possibilidade de obter créditos baratos de bancos estatais.

Ao mesmo tempo, na Rússia também são desenvolvidas diferentes formas de apoio financeiro à indústria defensiva. A aviação não é o único setor em que os artigos chineses de destino militar são mais caros em comparação com os russos. Por exemplo, no quadro de um contrato concluído com a Argentina em 2008 e realizado em 2010, quatro veículos blindados WZ-551 munidos de metralhadoras de 12,7 mm foram vendidos a um preço de 650 mil dólares por unidade. Mesmo levando em conta o caráter limitado da transação, este preço supera consideravelmente o dos veículos blindados russos BTR-80 e BTR-82. Geralmente, os BTR-80 vendem-se aos consumidores russos a um preço que não supera muito 300 mil dólares por uma máquina.

fonte/VozDaRussia

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

VÍDEOS DO ACIDENTE COM BOEING 737 DA PERUVIAN AIRLINES EM JAUJA

AVIÃO COM O SENADOR AÉCIO NEVES FAZ POUSO DE EMERGÊNCIA NO AEROPORTO DE GUARULHOS

Imagem com a aeronave em que estaria Aécio, fora da pista, e que circula na internet
O avião em que estava o senador Aécio Neves (PSDB) precisou fazer um pouso de emergência no aeroporto internacional de Guarulhos na noite de quinta-feira (9), informou sua assessoria de imprensa.
Já era noite quando a aeronave, um táxi aéreo fretado pelo PSDB, saiu de Brasília com destino a São Paulo. Os pilotos, percebendo que um pedaço do pneu havia ficado na pista, teriam solicitado autorização para pousar em Cumbica, ao invés de Congonhas, por ter uma pista maior. Ao aterrissar, no entanto, o trem de pouso teria se quebrado, vindo o avião a sair da pista.
Apenas Aécio e a tripulação estavam a bordo. Segundo a assessoria, nem ele nem os pilotos se feriram.
O senador veio para São Paulo porque tem reunião agendada com o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso na manhã desta sexta (10). Apesar do incidente, o encontro foi mantido.
Fernanda Carvalho/O Tempo/Estadão Conteúdo
fonte/foto/UOL

Da…