Pular para o conteúdo principal

INDÚSTRIAS DE DEFESA GERARAM PIB DE R$ 202 BILHÕES EM 2014

Público presente no auditório do Comando Militar do Sudeste. Foto: Alan Collet Público presente no auditório do Comando Militar do Sudeste. Foto: Alan Collet
Levantamento sobre a cadeia produtiva do setor será encaminhado pela Abimde à equipe econômica do governo Dilma


Estudo sobre a cadeia produtiva da indústria de defesa brasileira divulgado ontem pretende sensibilizar a equipe econômica do governo sobre a importância do setor, que movimentou no ano passado R$ 202 bilhões ou 3,7% do PIB.
A pesquisa foi desenvolvida a pedido da Abimde (Associação Brasileira das Indústrias de Materiais de Defesa e Segurança) pela Fipe (Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas).
“Este é um trabalho de convencimento junto ao governo para que se perceba a importância dos investimentos em defesa. O problema do governo, quer dizer, dos economistas do governo, é entender isso”, disse o economista e ex-ministro Antônio Delfim Netto, responsável por analisar o estudo.
Entre os números em defesa do setor, o economista e professor Joaquim José Martins Guilhoto, vice-diretor da FEA-USP/Fipe e coordenador do estudo, citou o retorno em tributos ao governo. "A cada R$ 10 bilhões investidos no setor da Defesa e Segurança, o governo tem o retorno de R$ 5,5 bilhões em tributos. Este é um retorno muito maior que a média que ocorre na economia brasileira."

Empregos. A geração de empregos é outro ponto considerado estratégico no levantamento. Cada bloco de R$ 10 milhões anuais investidos é equivalente à manutenção de 174 empregos direto por ano e 352 postos de trabalho indiretos anualmente. “Vamos encaminhar esse estudo ao governo. Você tem que dar uma medida econômica a eles”, afirmou o presidente da Abimde, Sami Youssef Hassuani.
"É de relevante importância o lançamento deste estudo na comemoração dos 30 anos da Abimde. Apresentamos à sociedade o resultado dos impactos na economia brasileira mensurado pela Fipe com a chancela do ministro Delfim Netto", disse Hassuani.
O estudo foi apresentado oficialmente ontem no auditório do Comando Militar do Sudeste, em São Paulo, com a presença de autoridades militares federais e estaduais, além de representantes das indústrias de defesa e segurança associadas.
Criada em 1985, a Abimde supera a marca de 200 empresas associadas, boa parte delas instaladas na RMVale.

Corte. A pasta da defesa foi a quinta a receber o maior volume de cortes orçamentários do governo este ano, na ordem de R$ 5,63 bilhões.

Especialista cobra menor dependência internacional
São José dos Campos

Especialista em assuntos militares da UFJF (Universidade Federal de Juiz de Foras), o professor Expedito Bastos avalia que a dependência de tecnologia estrangeira ainda é muito grande e isto traz reflexos diretos no desenvolvimento de projetos no setor.
“Ainda não tenho conhecimento do estudo. Até acho a iniciativa válida, mas não vejo como isso vai se tornar realidade. Os projetos vêm de fora. A Avibras é uma das poucas exceções.”
Sobre os números de empregos relacionados aos blocos de investimento, o especialista os considera pequenos. “Estamos gerando emprego já fora e não aqui.”
Para ele, falta ao país a retomada de prioridades no desenvolvimento de projetos que estimulem tecnologias próprias. Como perda de foco, ele citou o rompimento do acordo bilateral com a Ucrânia para a construção de um veículo lançador de satélites.
“Não conseguimos desenvolver o que realmente precisamos. Rompemos com a Ucrânia e agora vamos para os Estados Unidos. Quanto tempo de atraso isso vai representar ao programa?”

FONTE/FOTO/ovALE

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

AVIÃO COM O SENADOR AÉCIO NEVES FAZ POUSO DE EMERGÊNCIA NO AEROPORTO DE GUARULHOS

Imagem com a aeronave em que estaria Aécio, fora da pista, e que circula na internet
O avião em que estava o senador Aécio Neves (PSDB) precisou fazer um pouso de emergência no aeroporto internacional de Guarulhos na noite de quinta-feira (9), informou sua assessoria de imprensa.
Já era noite quando a aeronave, um táxi aéreo fretado pelo PSDB, saiu de Brasília com destino a São Paulo. Os pilotos, percebendo que um pedaço do pneu havia ficado na pista, teriam solicitado autorização para pousar em Cumbica, ao invés de Congonhas, por ter uma pista maior. Ao aterrissar, no entanto, o trem de pouso teria se quebrado, vindo o avião a sair da pista.
Apenas Aécio e a tripulação estavam a bordo. Segundo a assessoria, nem ele nem os pilotos se feriram.
O senador veio para São Paulo porque tem reunião agendada com o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso na manhã desta sexta (10). Apesar do incidente, o encontro foi mantido.
Fernanda Carvalho/O Tempo/Estadão Conteúdo
fonte/foto/UOL

Da…

VÍDEOS DO ACIDENTE COM BOEING 737 DA PERUVIAN AIRLINES EM JAUJA