TRABALHADORES DA EMBRAER ENTRAM EM GREVE

Metalúrgicos da Embraer, em São José dos Campos, decidiram ontem entrar em greve por tempo indeterminado.
A decisão foi tomada em uma assembleia realizada ontem à tarde pelo Sindicato dos Metalúrgicos, durante a troca de turnos na sede da empresa, na avenida Faria Lima, região sudeste.
Segundo o sindicato, pelo menos 1.500 funcionários aderiram à paralisação e não entraram para o trabalho.
A paralisação é resultado da rejeição à proposta de 7,4% de reajuste salarial apresentada pela Embraer e Fiesp (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo), na última rodada de negociação com o sindicato.
A entidade informou que uma nova assembleia será realizada hoje com os trabalhadores do primeiro turno, a partir das 5h30.
De acordo com o sindicato, a Embraer emprega cerca de 13 mil pessoas em São José dos Campos.

Reivindicação. Os metalúrgicos da fabricante de aviões pedem reajuste de ao menos 10% (3,43% de aumento real), congelamento do valor do desconto do convênio médico e estabilidade no emprego.
A Embraer, por decisão própria da empresa, já aplicou aumento salarial de 5,30% a partir de 1° de setembro, a título de antecipação da data-base da categoria.
“A proposta da Embraer está muito abaixo do que foi reivindicado pelos trabalhadores”, disse Herbert Claros, vice-presidente e representante do sindicato junto aos trabalhadores da empresa.
O dirigente informou que ainda ontem iria comunicar oficialmente a decisão da assembleia para a Embraer e também para a Fiesp.

Histórico. Na campanha salarial deste ano, os empregados da companhia já atrasaram a entrada no trabalho e até cruzaram os braços por 24 horas, no último dia 21 de outubro, para pressionar a empresa a negociar com o sindicato.
Durante as negociações, a Embraer chegou a propor reajuste de 6,6%, que foi rejeitada.
Além da Embraer, metalúrgicos de outras cinco fábricas do setor aeronáutico também já rejeitaram a proposta de 7,4%: Latecoere, Graúna, Sobraer, Sopeçaero e Alestis.

Campanha. O sindicato afirma que na campanha salarial deste ano os acordos fechados com empresas de outros setores resultaram na aplicação de um reajuste médio que varia de 9% a 11%.

  Greve
Metalúrgicos da Embraer decidiram ontem entrar em greve por tempo indeterminado

Assembleia
A decisão de paralisar as atividades foi tomada em assembleia realizada na tarde de ontem na sede da empresa pelo Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos

Proposta rejeitada
Os trabalhadores rejeitaram a oferta de reajuste salarial de 7,4% que foi realizada pela empresa e pela Fiesp

Reivindicação
Os metalúrgicos pedem ao menos 10% de aumento, congelamento da cobrança do convênio médico e estabilidade

Reunião
O Sindicato dos Metalúrgicos agendou para hoje de manhã uma nova assembleia com os empregados do primeiro turno



Companhia já fechou acordo na unidade de Botucatu

 
Em nota, a Embraer informou que na unidade da empresa em Botucatu foi celebrado acordo entre a Fiesp e o Sindicato dos Metalúrgicos de Botucatu, que inclui reajuste de 7,4% até R$ 7.518,00 e reajuste fixo de R$ 556,33 a partir deste valor.
Nas unidades de Gavião Peixoto, Sorocaba e Taubaté a Fiesp, em reunião com Sindmetaero e Sindaeroespacial, propôs 7,4% até R$ 10.771,31 e reajuste fixo de R$ 797,08 a partir deste valor, proposta que está em análise pelos sindicatos, segundo a empresa.
“A Embraer confirma seu compromisso com proposta apresentada pela Fiesp para os sindicatos com os quais negociação ainda está em curso e mantém firme determinação de preservar sua capacidade competitiva no cenário global”, diz a nota. “A empresa tem grandes desafios de crescente concorrência em seus mercados, ao mesmo tempo em que implementa significativo plano de investimentos que visa assegurar sua sustentabilidade a médio e longo prazo”.

fonte/OVale

Comentários

Total de visualizações de página

Postagens mais visitadas