Pular para o conteúdo principal

NÚMEROS DE ACIDENTES PREOCUPA PROFISSIONAIS DA AVIAÇÃO AGRÍCOLA


Número de acidentes preocupa profissionais da aviação agrícola Tadeu Vilani/Agencia RBS
A frota brasileira de aviões agrícolas é de 1,9 mil unidades — a segunda maior do mundo, atrás dos Estados Unidos Foto: Tadeu Vilani / Agencia RBS
 
As supersafras obtidas no país nos últimos anos são reflexo, em parte, do uso de técnicas que levam ao aumento da produtividade, entre as quais a pulverização aérea de lavouras. Com mais aeronaves sobrevoando campos Brasil afora, aumentou o número de acidentes e a preocupação do setor com a segurança na aviação agrícola. 

Em 2013, foram registradas 31 ocorrências no país, de acordo com o Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa) — 181% a mais do que em 2009. No Rio Grande do Sul, foram oito ocorrências no ano passado, alta de 167% em relação ao registrado cinco anos antes.
O elevado número de acidentes preocupa o Sindicato das Empresas de Aviação Agrícola (Sindag), que terá a segurança como foco do congresso a ser realizado em agosto, em Foz do Iguaçu (PR). Francisco Dias da Silva, secretário do sindicato, ressalta que uma das bandeiras da entidade é ter regras mais rígidas para a formação de pilotos. A sugestão, já encaminhada à Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), é a ampliação do número de horas práticas para a formação de piloto agrícola, das atuais 370 para 500.
— Pela característica da atividade, o piloto precisa voar muito baixo e tem menos tempo de reação em caso de problemas, o que aumenta os riscos — explica Dias.

Outra iniciativa para reduzir os acidentes é a recém-criada Certificação Aeroagrícola Sustentável (CAS). A ideia é reforçar o cumprimento de todas as recomendações de segurança por parte de empresas, agricultores e profissionais.
— Nem todos executam corretamente o planejamento de solo, o que pode evitar colisão com a rede elétrica, causa frequente de acidentes — exemplifica Wellington de Carvalho, professor de mecanização agrícola da Universidade Federal de Lavras (MG) e um dos idealizadores da certificação.

Violação de regra é causa de 15% das ocorrências
Levantamento do Serviço Regional de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos da 5ª Região (Seripa V) mostra que 15% dos acidentes na aviação civil têm relação com normas não cumpridas. É esta também a realidade da aviação agrícola no Estado, alerta Carlos Barboza, tenente-coronel do Seripa V, responsável pela Região Sul.

— Sem seguir as recomendações do fabricante sobre o peso carregado, por exemplo, o piloto pode fazer uma manobra com cálculo errado de inclinação. Isso pode ser fatal. É muito frequente a violação de regras, até mesmo básicas, por algum dos envolvidos na operação — lamenta o militar.

No caso específico da aviação agrícola, 60% dos ocorrências têm relação com manobras feitas em baixas alturas, perda de controle do voo ou falha do motor, ressalta Barboza:
— O famoso jeitinho brasileiro agrava a situação. Há muita gente que, mesmo estando fora do prazo de revisão do equipamento e sabendo, se arrisca e deixa para fazer isso depois da safra.

A expansão e as regras da atividade
A frota brasileira de aviões agrícolas é de 1,9 mil unidades — a segunda maior do mundo, atrás dos Estados Unidos, que contam com aproximadamente 5 mil aviões. Por aqui, o número de aviões foi ampliado em cerca de 30% desde 2008, quando o Brasil contava com 1.447 aviões no Registro Aeronáutico Brasileiro, da Agência Nacional de Aviação Civil.

No ranking dos Estados, a maior parte da frota está localizada em Mato Grosso, com 446 aviões. Em segundo lugar está o Rio Grande do Sul, com 411 aeronaves, seguido de São Paulo (268), Goiás (234), Paraná (138) e Mato Grosso do Sul (95).

Para atuar na área, é preciso fazer o curso de piloto privado (o que habilita a realização da atividade como hobby) e, em seguida, o de piloto comercial (que permite trabalhar em companhias aéreas). Somente depois dessas etapas é possível se matricular em um curso de piloto para aviação agrícola.
Cerca de 24% das pulverizações nacionais são feitas por aviões, em culturas como soja, algodão, milho, arroz, cana-de- açúcar, feijão e trigo.

O sistema tem como benefícios a redução de custos (evita o amassamento dos grãos, que em algumas lavouras pode chegar a 8% da colheita) e é uma opção para o tratamento de pragas e fungos em situações críticas, como em terrenos lamacentos (épocas de chuva), lavouras altas ou áreas alagadas, como de arroz.

fonte/foto/G1

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

AVIÃO COM O SENADOR AÉCIO NEVES FAZ POUSO DE EMERGÊNCIA NO AEROPORTO DE GUARULHOS

Imagem com a aeronave em que estaria Aécio, fora da pista, e que circula na internet
O avião em que estava o senador Aécio Neves (PSDB) precisou fazer um pouso de emergência no aeroporto internacional de Guarulhos na noite de quinta-feira (9), informou sua assessoria de imprensa.
Já era noite quando a aeronave, um táxi aéreo fretado pelo PSDB, saiu de Brasília com destino a São Paulo. Os pilotos, percebendo que um pedaço do pneu havia ficado na pista, teriam solicitado autorização para pousar em Cumbica, ao invés de Congonhas, por ter uma pista maior. Ao aterrissar, no entanto, o trem de pouso teria se quebrado, vindo o avião a sair da pista.
Apenas Aécio e a tripulação estavam a bordo. Segundo a assessoria, nem ele nem os pilotos se feriram.
O senador veio para São Paulo porque tem reunião agendada com o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso na manhã desta sexta (10). Apesar do incidente, o encontro foi mantido.
Fernanda Carvalho/O Tempo/Estadão Conteúdo
fonte/foto/UOL

Da…

VÍDEOS DO ACIDENTE COM BOEING 737 DA PERUVIAN AIRLINES EM JAUJA