Pular para o conteúdo principal

CONCESSÕES DE AEROPORTOS NÃO TERÃO "MUDANÇAS RADICAIS", DIZ FIGUEIREDO


O presidente da Empresa de Planejamento e Logística (EPL), Bernardo Figueiredo, disse nesta quinta-feira (18) que o novo pacote de concessão de aeroportos federais, que o governo deve divulgar após o segundo turno das eleições, não deve ter “mudanças radicais” em relação ao modelo aplicado no leilão de fevereiro.

“Não temos muitas formas de se conceder aeroportos. Por isso não acho que [o plano a ser anunciado] vá ter mudanças radicais”, disse Figueiredo, que participa de seminário realizado pelo Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social (CDES), em Brasília.

No novo pacote, o governo deve anunciar a concessão à iniciativa privada dos aeroportos do Galeão, no Rio de Janeiro, e de Confins, em Minas Gerais.

Em fevereiro, o governo fez o leilão de concessão dos aeroportos de Guarulhos, Campinas e Brasília. Um dos principais pontos do modelo adotado foi a obrigação dos consórcios que disputaram o certame terem, entre os sócios, uma empresa estrangeira com experiência em operação de aeroportos com movimentação acima de 5 milhões de passageiros.

O objetivo da exigência é que os operadores estrangeiros possam trazer ao país novas técnicas e tecnologias para administração de aeroportos – que seriam absorvidas pela Infraero, estatal que administra a maior parte dos principais aeroportos do país.

Entretanto, após o leilão o governo considerou que o piso de 5 milhões de passageiros para a escolha dos operadores foi baixo e possibilitou a vitória de consórcio com empresas pouco conhecidas.
A partir daí, o governo passou a discutir novos modelos para o a concessão de aeroportos. Um dos objetivos é garantir a vinda para o país de empresas que administram hoje grandes aeroportos no mundo.

“Existe o interesse do governo de trazer uma cultura, uma tecnologia nova e moderna para o país [na área de aeroportos]. A diretriz é de qualificar os grupos que se habilitariam [ao leilão] e teriam contribuição a dar para a gestão dos aeroportos”, disse Figueiredo.

Controle acionário
O presidente da EPL disse que o governo ainda discute o papel da Infraero nas novas concessões de aeroportos. Em Guarulhos, Campinas e Brasília, a Infraero é sócia minoritária das concessionárias vencedoras do leilão em empresas, chamadas de Sociedade de Propósito Específico (SPE), que administram os três terminais.
Para os novos aeroportos, o governo considera a possibilidade de um novo modelo, em que a Infraero deteria o controle da concessão e as vencedoras da licitação ficariam como sócios minoritários.

fonte/G1

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

AVIÃO COM O SENADOR AÉCIO NEVES FAZ POUSO DE EMERGÊNCIA NO AEROPORTO DE GUARULHOS

Imagem com a aeronave em que estaria Aécio, fora da pista, e que circula na internet
O avião em que estava o senador Aécio Neves (PSDB) precisou fazer um pouso de emergência no aeroporto internacional de Guarulhos na noite de quinta-feira (9), informou sua assessoria de imprensa.
Já era noite quando a aeronave, um táxi aéreo fretado pelo PSDB, saiu de Brasília com destino a São Paulo. Os pilotos, percebendo que um pedaço do pneu havia ficado na pista, teriam solicitado autorização para pousar em Cumbica, ao invés de Congonhas, por ter uma pista maior. Ao aterrissar, no entanto, o trem de pouso teria se quebrado, vindo o avião a sair da pista.
Apenas Aécio e a tripulação estavam a bordo. Segundo a assessoria, nem ele nem os pilotos se feriram.
O senador veio para São Paulo porque tem reunião agendada com o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso na manhã desta sexta (10). Apesar do incidente, o encontro foi mantido.
Fernanda Carvalho/O Tempo/Estadão Conteúdo
fonte/foto/UOL

Da…

VÍDEOS DO ACIDENTE COM BOEING 737 DA PERUVIAN AIRLINES EM JAUJA