Pular para o conteúdo principal

SEGURANÇA REFORÇADA APÓS ATAQUE A RADARES NA MADEIRA


Um homem só, com uma serra, cortou a vedação da torre de radares da NAV, na ilha de Porto Santo, e bloqueou as comunicações entre torres de controlo aéreo durante hora e meia.

A Navegação Aérea de Portugal (NAV) decidiu criar "medidas de segurança adicionais" nas suas instalações de radar na ilha de Porto Santo (Madeira) depois de um ataque às infraestruturas levado a cabo por um homem. O suspeito foi detido no domingo pela Polícia Judiciária do Funchal, com a colaboração da PSP, e já está em prisão preventiva.

Trata-se de um homem de 32 anos, com dupla nacionalidade (portuguesa e francesa), que num dia de setembro se deslocou ao ponto mais alto da ilha, o Pico do Facho, com 516 metros de altitude, onde estão localizadas as infraestruturas de radar da NAV. Munido apenas de uma serra, subiu a vedação de dois metros e meio de altura, com arame farpado e sinalizada, e cortou vários cabos que permitem a comunicação entre aviões. Segundo explicou ao DN o coordenador da PJ do Funchal, Eduardo Nunes, o suspeito provocou uma falha completa de comunicações entre as torres de controlo da Madeira e do Centro de Controlo de Tráfego Aéreo de Lisboa, com implicações nas comunicações por radar com os aviões que, na altura, sobrevoavam a zona da Região Autônoma da Madeira.

A PJ concluiu que o homem sabia exatamente o que estava a fazer e que cabos cortar, apesar de se tratar de uma pessoa com perturbações do foro psicológico. O ato - isolado e único, até hoje, nestas instalações da NAV em Porto Santo - configura o crime de atentado à segurança de transporte por ar. Aconteceu em setembro mas só no último domingo o luso-francês foi detido, quando regressou à ilha de Porto Santo, onde tem casa e regressa com frequência para passar temporadas. No dia do ataque, fugiu no último barco de serviço na ilha, ao fim da tarde, e seguiu do Funchal para Lisboa e depois para França.

Com este incidente foi exposta uma grave falha de segurança em infraestruturas de radares aéreos da (NAV) na ilha de Porto Santo. Segundo apurou o DN com fontes policiais, as instalações em causa não têm sistema de vídeo vigilância no seu perímetro nem contam com a segurança regular da PSP, força que vigia o interior e perímetros dos aeroportos na Madeira (Funchal e Porto Santo). O suspeito foi apanhado por câmaras de vídeo vigilância no seu percurso mas não ali. As infraestruturas da NAV em Porto Santo contêm as antenas dos aeroportos, da polícia, militares e vários outros sistemas de comunicação mas como estão vedadas, e localizadas num pico remoto, ninguém vai lá, como esclareceu uma fonte policial.

A NAV Portugal "está a preparar a implementação de medidas adicionais de segurança para evitar a repetição deste tipo de ocorrências", adiantou a empresa pública ao DN. "As comunicações afetadas foram as realizadas entre as aeronaves e os serviços de tráfego aéreo, pelo que foram implementadas de imediato as medidas de contingência previstas para este tipo de ocorrência, de modo a garantir as comunicações e a segurança operacional. Nenhuma aeronave teve que aterrar de emergência no Funchal, por este motivo", concluiu.

Se a falha completa de comunicações incluir radar e voz, há várias consequências, embora as torres de controlo tenham vários sistemas de comunicação rádio (redundâncias, como se chama) para permitir alternativas, adiantou fonte militar. "Quando falham as comunicações por radar e voz temos um grave problema de segurança", acrescentou a mesma fonte.

fonte/DN.pt

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

AVIÃO COM O SENADOR AÉCIO NEVES FAZ POUSO DE EMERGÊNCIA NO AEROPORTO DE GUARULHOS

Imagem com a aeronave em que estaria Aécio, fora da pista, e que circula na internet
O avião em que estava o senador Aécio Neves (PSDB) precisou fazer um pouso de emergência no aeroporto internacional de Guarulhos na noite de quinta-feira (9), informou sua assessoria de imprensa.
Já era noite quando a aeronave, um táxi aéreo fretado pelo PSDB, saiu de Brasília com destino a São Paulo. Os pilotos, percebendo que um pedaço do pneu havia ficado na pista, teriam solicitado autorização para pousar em Cumbica, ao invés de Congonhas, por ter uma pista maior. Ao aterrissar, no entanto, o trem de pouso teria se quebrado, vindo o avião a sair da pista.
Apenas Aécio e a tripulação estavam a bordo. Segundo a assessoria, nem ele nem os pilotos se feriram.
O senador veio para São Paulo porque tem reunião agendada com o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso na manhã desta sexta (10). Apesar do incidente, o encontro foi mantido.
Fernanda Carvalho/O Tempo/Estadão Conteúdo
fonte/foto/UOL

Da…

VÍDEOS DO ACIDENTE COM BOEING 737 DA PERUVIAN AIRLINES EM JAUJA