Pular para o conteúdo principal

EMBRAER NEGA DEMISSÃO EM LINHA TRANSFERIDA PARA ESTADOS UNIDOS

Funcionários da Embraer trabalham em linha de produção de jatos executivos. Foto: Claudio Vieira  Foto: Claudio Vieira

A Embraer negou que a transferência da linha de produção dos jatos executivos Phenom para os Estados Unidos provocará demissões na planta de São José dos Campos, sede da empresa.
Em nota divulgada ontem, a fabricante reagiu à informação divulgada pelo Sindicato dos Metalúrgicos no dia anterior de que os jatos passarão a ser feitos em Melbourne, na Flórida, até meados de 2016.

Hoje, o setor que produz o modelo movimenta cerca de 1.500 trabalhadores, entre diretos e indiretos. Os contratados pela Embraer seriam 650, segundo o sindicato.

A companhia informou que os funcionários da montagem dos jatos Phenom, que são feitos nas versões 100 e 300, serão absorvidos pela linha de produção dos novos jatos comerciais, batizados de EJets 2, lançados em junho de 2013.
“Na planta de São José dá-se início à montagem dos protótipos da nova geração de jatos comerciais da empresa, que absorverá toda a equipe atualmente dedicada à montagem dos aviões Phenom”, informou a fabricante.

A Embraer também confirmou a mudança da linha para os Estados Unidos.
“Esta atividade, por sua vez, será absorvida pela principal linha de montagem destes produtos, localizada na planta de Melbourne, Estados Unidos.”

Materiais. Apenas a fabricação das asas e da fuselagem do Phenom continuará a ser feita no Brasil, na planta de Botucatu, segundo a Embraer.
Os materiais serão exportados para os EUA, onde serão montadas nas aeronaves.
Segundo a empresa, a família Phenom já teve mais de 500 unidades entregues até hoje.
A fabricante também negou que a medida seja encarada como “desnacionalização” da sua produção, como aponta o sindicato.
“A Embraer continua a investir em ampliação e modernização de suas operações industriais no Brasil e no exterior, visando manter sua competitividade e presença globais”, informou a fabricante.

Oficial. Vice-presidente do Sindicato dos Metalúrgicos, Hebert Claros cobrou a formalização da garantia de emprego em São José.
“Se a Embraer garante que os funcionários serão absorvidos pela produção dos novos jatos comerciais, ela tem que colocar isso no papel, de forma oficial”, disse o sindicalista. “Não adianta apenas verbalmente, porque em outras situações ela também prometeu manter postos e demitiu na última hora”, completou.
Ainda na nota, a Embraer disse que prevê receitas de até US$ 6,6 bilhões neste ano e investimentos de US$ 650 milhões em capacitação industrial, pesquisa e desenvolvimento de novos produtos.


Transferência
O Sindicato dos Metalúrgicos informou que a Embraer pretende transferir a produção dos jatos executivos Phenom para os Estados Unidos

Demissão
Com isso, o sindicato teme demissão entre os 650 trabalhadores diretos e 850 indiretos que trabalham para essa linha

Absorção
A Embraer disse que os trabalhadores da empresa serão absorvidos pela produção dos novos jatos comerciais

Mercado
A transferência visa, segundo a fabricante, a “manter sua competitividade e presença globais”

Planta
Os jatos Phenom serão feitos em Melbourne, na Flórida



Empresa prevê vender 2.060 jatos nos Estados Unidos

São José dos Campos

A Embraer prevê entregar 2.060 novos aviões para o mercado norte-americano pelos próximos 20 anos. A projeção foi divulgada ontem.
As aeronaves atuarão no segmento de 70 a 130 assentos.
A estimativa representa quase 35% do total da demanda mundial por aeronaves neste segmento, com valor estimado de US$ 96 bilhões.
Ainda de acordo com a empresa, cerca de 47% das novas entregas para os EUA são esperadas para apoiar o crescimento do mercado, enquanto 53% serão para substituir aeronaves antigas que serão aposentadas até 2034.
“Apesar de taxas de crescimento mais elevadas em outras partes do mundo, nossas projeções mostram que o mercado dos Estados Unidos continua dominando o segmento em virtude do grande volume de jatos de 70 a 130 lugares existentes”, disse, por meio de nota, Paulo Cesar Silva, presidente e CEO da Embraer Aviação Comercial. “No entanto, prevemos espaço para o crescimento das companhias aéreas que procuram alternativas para reduzir a diferença de capacidade entre as operações regionais e de empresas tradicionais”. Segundo ele, o avião E175 tornou-se best-seller na sua categoria, com 80% das encomendas na América do Norte desde 2013.

fonte/foto/OVale

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

AVIÃO COM O SENADOR AÉCIO NEVES FAZ POUSO DE EMERGÊNCIA NO AEROPORTO DE GUARULHOS

Imagem com a aeronave em que estaria Aécio, fora da pista, e que circula na internet
O avião em que estava o senador Aécio Neves (PSDB) precisou fazer um pouso de emergência no aeroporto internacional de Guarulhos na noite de quinta-feira (9), informou sua assessoria de imprensa.
Já era noite quando a aeronave, um táxi aéreo fretado pelo PSDB, saiu de Brasília com destino a São Paulo. Os pilotos, percebendo que um pedaço do pneu havia ficado na pista, teriam solicitado autorização para pousar em Cumbica, ao invés de Congonhas, por ter uma pista maior. Ao aterrissar, no entanto, o trem de pouso teria se quebrado, vindo o avião a sair da pista.
Apenas Aécio e a tripulação estavam a bordo. Segundo a assessoria, nem ele nem os pilotos se feriram.
O senador veio para São Paulo porque tem reunião agendada com o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso na manhã desta sexta (10). Apesar do incidente, o encontro foi mantido.
Fernanda Carvalho/O Tempo/Estadão Conteúdo
fonte/foto/UOL

Da…

VÍDEOS DO ACIDENTE COM BOEING 737 DA PERUVIAN AIRLINES EM JAUJA