Pular para o conteúdo principal

TAP REDUZ NÚMERO DE TRABALHADORES EM EMPRESA DE MANUTENÇÃO NO BRASIL

TAP ME PortoAlegre Raul Pereira 900dpi

A VEM, empresa de engenharia e manutenção da TAP no Brasil, empregava 4.000 trabalhadores em 2007, mas desde então o grupo aéreo português já reduziu os quadros para cerca de metade, refere o ‘Diário Económico’, um dos principais jornais económicos que se publica em Portugal.
A matéria publicada é da autoria da jornalista Hermínia Saraiva. Reproduzimos em seguida o texto na íntegra, para melhor entendimento do que está exposto na publicação portuguesa:

«A TAP voltou a reduzir em Outubro o número de trabalhadores na operação de Manutenção & Engenharia no Brasil (TAP M&E Brasil). A empresa fala numa reestruturação que afectou 45 trabalhadores desde Outubro de 2013, com “o objectivo de viabilizar” a unidade brasileira, mas os sindicatos dizem que desde o início do ano já foram dispensadas mais de 100 pessoas.

“A TAP vem deste 2007 despedindo trabalhadores. Éramos em torno de 4.000 quando a TAP assumiu o controlo da empresa, hoje estamos na faixa de 2.150 a 2.200. O fato é que, desta vez, foram despedidos 61 trabalhadores em 30 dias”, afirma Paulo Sérgio da Silva, director de Imprensa do Sindicato dos Aeroviários de Porto Alegre.

A empresa confirma a redução dos quadros, clarificando que “em Outubro de 2013 o total era de 2.209 e agora é de 2.164″; destes, cerca de 1.200 trabalham nos hangares da empresa em Porto Alegre, enquanto os restantes estão baseados no Rio de Janeiro. “É decisivo adequar a mão-de-obra às necessidades do mercado”, diz fonte oficial da empresa, lembrando que “a VEM trabalhava exclusivamente para a Varig e a M&E trabalha para o mercado global, o que obrigou a um esforço enorme de formação e ao reforço de mais competências”. A mesma fonte assegura, numa visão contrária à do sindicato, que o número de trabalhadores se manteve “praticamente estável” em 2014, “tendo havido saídas mas também entradas”.

Paulo Silva garante que a empresa não deu qualquer explicação “nem ao sindicato nem aos trabalhadores” e em comunicado os Aeroviários dizem que “não existe um critério lógico para as demissões, nem para as avaliações internas, e o descrédito diante dessa gestão da TAP ME é gigante”.
A TAP diz que “este movimento é decisivo para atingir os objectivos de consolidação da empresa”, que no ano passado reduziu os prejuízos em cerca de 18,6%, com perdas de 41 milhões de euros, contra um resultado negativo de 50,4 milhões registado em 2012. “Dentro do objectivo que é viabilizar a empresa trabalha-se no plano das receitas e dos custos. No primeiro caso a melhoria este ano é de 12%, o que compara com os 6% de média que se verifica neste negócio na América Latina, traduzindo o esforço que tem vindo a ser feito”, diz fonte oficial da TAP, sem esclarecer qual a variação em termos de despesa. Em 2012, e de acordo com o relatório e contas da companhia aérea, os custos de exploração reduziram-se em 4,8%, apesar do aumento de 1,4% dos custos com pessoal, “bem abaixo do dissídio compulsório de 5,8%”, o aumento salarial imposto por lei independentemente dos resultados da operação.

Fonte oficial da companhia aérea assegura ainda, sem referir valores, que a TAP M&E Brasil, que no passado afastou alguns dos interessados na privatização da TAP, deverá “atingir já este ano o break-even no EBITDA”.

E os potenciais interessados na privatização da companhia aérea, cujo processo de venda foi lançado na última quinta-feira, terão mesmo que assumir o deficitário negócio do Brasil. “A Manutenção & Engenharia do Brasil estará sempre incluída” no perímetro de venda da TAP, afirmou Sérgio Monteiro, secretário de Estado dos Transportes, admitindo, no entanto, a possibilidade de poder alienar o negócio separadamente: “Se aparecer um comprador antes da privatização [pode ser vendida], mas o inverso não pode acontecer”.

fonte/foto/NewsAvia

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

AVIÃO COM O SENADOR AÉCIO NEVES FAZ POUSO DE EMERGÊNCIA NO AEROPORTO DE GUARULHOS

Imagem com a aeronave em que estaria Aécio, fora da pista, e que circula na internet
O avião em que estava o senador Aécio Neves (PSDB) precisou fazer um pouso de emergência no aeroporto internacional de Guarulhos na noite de quinta-feira (9), informou sua assessoria de imprensa.
Já era noite quando a aeronave, um táxi aéreo fretado pelo PSDB, saiu de Brasília com destino a São Paulo. Os pilotos, percebendo que um pedaço do pneu havia ficado na pista, teriam solicitado autorização para pousar em Cumbica, ao invés de Congonhas, por ter uma pista maior. Ao aterrissar, no entanto, o trem de pouso teria se quebrado, vindo o avião a sair da pista.
Apenas Aécio e a tripulação estavam a bordo. Segundo a assessoria, nem ele nem os pilotos se feriram.
O senador veio para São Paulo porque tem reunião agendada com o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso na manhã desta sexta (10). Apesar do incidente, o encontro foi mantido.
Fernanda Carvalho/O Tempo/Estadão Conteúdo
fonte/foto/UOL

Da…

VÍDEOS DO ACIDENTE COM BOEING 737 DA PERUVIAN AIRLINES EM JAUJA