Pular para o conteúdo principal

T-50, O NOVO CAÇA DA FORÇA AÉREA RUSSA

t-50, pak fa, caça, avião, rússia, força aérea, quinta geração, segurança

A Força Aérea da Rússia começou os testes oficiais do caça de quinta geração T-50, desenvolvido no quadro do programa PAK FA (Sistema Promissor de Aviação Ofensiva).

O início dos testes é uma importantíssima etapa na vida do caça, que demonstra que o novo aparelho pode ter acesso a testes de combate.

Os primeiros aparelhos da nova geração deverão chegar ao Centro de Testes Aéreos de Akhtubinsky esta primavera e começar imediatamente os voos: o início dos testes estatais está planejado para março-abril do ano corrente. No programa dos testes participarão cinco aparelhos: o quinto exemplar do T-50 levantou voo em outubro de 2013. Um mês depois, o número total de voos segundo o programa dos testes foi superior a 450. Os ritmos sobem: assim, em outubro de 2012, os T-50 fizeram apenas 150 voos desde o momento do início dos testes em janeiro de 2010, mas, depois, durante um ano, mais de 300 voos.

Existindo de 6 a 8 aparelhos para testar, será bem possível realizar entre 400 e 500 voos anualmente, o que permitirá terminar o programa de testes em 2.000 voos durante 3 a 4 anos. Em 2015, os primeiros aparelhos devem chegar já ao Centro de Emprego em Combate e de Treino do Pessoal de Voo de Lipetsk para preparar aviadores para a Força Aérea da Rússia.

O T-50 será o primeiro caça de nova geração ao serviço da Força Aérea da Rússia desde finais dos 1980. Até finais da década, planeja-se a aquisição de 50 a 60 aviões T-50 e, no total, a Força Aérea deverá receber entre 200 a 250 aparelhos desse tipo. Pensa-se que a primeira unidade de combate estará pronta a atuar em 2017-2018.

O novo caça deve aumentar seriamente o potencial de combate da Força Aérea, substituindo os aviões na plataforma T-10 (Su-27 e, parcialmente, Su-30). Eles garantirão a supremacia, nomeadamente nos combates contra adversários que disponham de aparelhos modernizados de quarta e até de quinta geração: seja o caça F-35 ou o F-22, que está apenas ao serviço na Força Aérea dos EUA.
Os projetos de aparelhos da geração seguinte foram iniciados na URSS nos anos 80. Até meados dos anos 90, o Bureau de Construção Experimental Mikoyan criou o projeto 1.44 e o Bureau de Construção Experimental Sukhoi criou o S.37. Inicialmente, o projeto S.37 não previa a criação de um avião de combate, mas foi criado com o objetivo de desenvolver tecnologias. Mas o projeto não foi levado até ao fim.

Em finais dos anos 90 tornou-se claro que os projetos existentes envelheceram gradualmente e a Força Aérea receberia, com mais de 10 anos de atraso, um caça que claramente ficaria atrás do F-22, cujo fabrico estava terminando então. Como resultado, no início da nova década, foi decidido criar um aparelho completamente novo. Os Bureaus de Construção Experimental Sukhoi, Mikoyan e Yakovlev fizeram as suas propostas e o Sukhoi acabou por ser o principal fabricante do aparelho, que recebeu o número de marca T-50.

Ao contrário do F-22, cujos construtores sacrificaram significativamente as capacidades de voo em prol de ser pouco detectável, na criação do T-50 foi colocada a tarefa de combinação aceitável dessas qualidades. Como resultado, o T-50 tem caraterísticas de voo visivelmente superiores, nomeadamente velocidade e duração de voo, determinantes para um caça pesado como ele é. A julgar por tudo, o aparelho russo tem superfícies para a instalação interior de armamentos, o que lhe dá uma séria vantagem tática.

Porém, não foi sacrificada a qualidade de ser pouco detectável. Na década que separa os T-50 dos F-22, a ciência aeronáutica avançou. Novos materiais compósitos, cobertura protetora de ondas de rádio, tintas, em combinação com cálculos avançados de geometria dos aparelhos e bloqueadores de radar nos canais de entrada de ar, garantem ao T-50 uma capacidade muito alta de não ser detectado.
O T-50 é claramente superior ao F-35, que, devido a uma série de compromissos, não se tornou um aparelho completo de quinta geração, mas o seu preço é um pouco inferior ao do F-22.

Tal como o F-35, o T-50 está virado também para os mercados externos. O primeiro e maior projeto é a criação conjunta com a Índia de um caça de quinta geração FGFA com base no T-50. Espera-se que a construção do FGFA abra na plataforma do T-50 caminho para o mercado externo. Tal como, no passado, o contrato indiano se tornou a “hora da glória” do Su-30, o caça mais vendido nos últimos 15 anos.

fonte/foto/VozDaRussia

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

AVIÃO COM O SENADOR AÉCIO NEVES FAZ POUSO DE EMERGÊNCIA NO AEROPORTO DE GUARULHOS

Imagem com a aeronave em que estaria Aécio, fora da pista, e que circula na internet
O avião em que estava o senador Aécio Neves (PSDB) precisou fazer um pouso de emergência no aeroporto internacional de Guarulhos na noite de quinta-feira (9), informou sua assessoria de imprensa.
Já era noite quando a aeronave, um táxi aéreo fretado pelo PSDB, saiu de Brasília com destino a São Paulo. Os pilotos, percebendo que um pedaço do pneu havia ficado na pista, teriam solicitado autorização para pousar em Cumbica, ao invés de Congonhas, por ter uma pista maior. Ao aterrissar, no entanto, o trem de pouso teria se quebrado, vindo o avião a sair da pista.
Apenas Aécio e a tripulação estavam a bordo. Segundo a assessoria, nem ele nem os pilotos se feriram.
O senador veio para São Paulo porque tem reunião agendada com o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso na manhã desta sexta (10). Apesar do incidente, o encontro foi mantido.
Fernanda Carvalho/O Tempo/Estadão Conteúdo
fonte/foto/UOL

Da…

VÍDEOS DO ACIDENTE COM BOEING 737 DA PERUVIAN AIRLINES EM JAUJA