Pular para o conteúdo principal

SENADO RETOMA DEBATE SOBRE COMPRA DE CAÇAS


Mirage da Força Aérea Brasileira. Foto: Divulgação  Foto: Divulgação

O Senado Federal promove na terça-feira novo debate sobre o F-X2, programa de compra de 36 caças de última geração para a FAB (Força Aérea Brasileira).

A Comissão de Relações Exteriores e de Defesa Nacional convocou o comandante da Aeronáutica, tenente-brigadeiro-do-ar, Juniti Saito, para o debate.

O assunto volta ao cenário político no momento em que a Aeronáutica decidiu desativar em dezembro os 12 Mirage 2000 do 1.º Grupo de Defesa Aérea, sem que o governo tenha decidido o processo F-X2.

Durante visita a São José dos Campos anteontem, o brigadeiro Saito confirmou a desativação da frota dos Mirage. As aeronaves já atingiram o ápice da vida e agora caminham para que os especialistas chamam de fadiga, o que não permitirá mais que os aviões saiam do solo.

“Vamos conversar com os senadores. Temos um programa sério de reposição de caças. O nosso estudo já foi feito e está com a presidente Dilma Rousseff (PT), a quem cabe a decisão final”, afirmou o brigadeiro.

Ele se diz esperançoso e acredita que poderá haver novidades em breve. “Quem sabe até o final deste ano”, disse.

Saito, no entanto, evitou dar detalhes a respeito e prefere aguardar pela decisão do Palácio do Planalto.

Disputa. A etapa final da disputa pela compra dos caças e transferência de tecnologia envolve a norte-americana Boeing, com o modelo F-18 Super Hornet, a francesa Dassault, com o Rafale, e a sueca Gripen, com o Gripen NG.

O contrato, que envolve também o fornecimento de equipamentos, peças e serviços pode atingir até US$ 6,5 bilhões.

Para Expedito Bastos, especialista em assuntos militares da Universidade Federal de Juiz de Fora (MG) o atraso na definição do F-X2 já virou uma novela, “É impressionante. O programa se arrasta desde o governo FHC (Fernando Henrique Cardoso). É lamentável.”
Na avaliação do especialista, a Aeronáutica corre o risco de “ficar sucateada”.
Segundo Expedito, pela demora na definição, não está descartada a possibilidade de o governo criar o F-X3.

Cooperação. As três concorrentes do programa já firmaram parcerias com o cluster aeroespacial de São José dos Campos.

Periodicamente uma ou outra empresa promove encontros com possíveis futuros parceiros para o programa.

O que é considerado certo é que, independente do modelo de caça militar que seja selecionado, a Embraer estará presente no programa como empresa parceira.

Programa se arrasta desde 1996
São José dos Campos
O programa F-X2 surgiu em 1996, no governo do presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB).
À época, pela primeira vez, a presidência da República recebeu um estudo da FAB (Força Aérea Brasileira) que mostrava a necessidade de renovação da frota de caças.
Nascia o programa F-X, que acabou não avançando.
Em 2008, a Aeronáutica lançou a versão do programa F-X2, ainda em tramitação.
Em setembro de 2009, o então presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), durante visita do presidente francês ao Brasil, Nicolas Sarkozy, anunciou que a França seria a fornecedora dos caças, com o modelo Rafale, da Dassault.
No entanto, o anúncio do presidente provocou mal estar e intenso lobby e, meses depois, não se concretizou.
Desde então, o governo empurra o programa, sem tomar uma definição sobre o reaparelhamento da FAB.

Novela
O programa de renovação da frota de caças da FAB teve início em 1996, na gestão do presidente Fernando Henrique Cardoso

Necessidade
Aeronáutica argumenta que é preciso modernizar a frota de caças em razão do envelhecimento dos jatos em atividade

Mirage
No final deste ano, a FAB vai aposentar a frota de 12 Mirage 2000

Decisão
A Aeronáutica já definiu sua opção (não revelada publicamente) e o relatório está no Palácio do Planalto, para decisão presidencial.

fonte/OVale

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

AVIÃO COM O SENADOR AÉCIO NEVES FAZ POUSO DE EMERGÊNCIA NO AEROPORTO DE GUARULHOS

Imagem com a aeronave em que estaria Aécio, fora da pista, e que circula na internet
O avião em que estava o senador Aécio Neves (PSDB) precisou fazer um pouso de emergência no aeroporto internacional de Guarulhos na noite de quinta-feira (9), informou sua assessoria de imprensa.
Já era noite quando a aeronave, um táxi aéreo fretado pelo PSDB, saiu de Brasília com destino a São Paulo. Os pilotos, percebendo que um pedaço do pneu havia ficado na pista, teriam solicitado autorização para pousar em Cumbica, ao invés de Congonhas, por ter uma pista maior. Ao aterrissar, no entanto, o trem de pouso teria se quebrado, vindo o avião a sair da pista.
Apenas Aécio e a tripulação estavam a bordo. Segundo a assessoria, nem ele nem os pilotos se feriram.
O senador veio para São Paulo porque tem reunião agendada com o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso na manhã desta sexta (10). Apesar do incidente, o encontro foi mantido.
Fernanda Carvalho/O Tempo/Estadão Conteúdo
fonte/foto/UOL

Da…

VÍDEOS DO ACIDENTE COM BOEING 737 DA PERUVIAN AIRLINES EM JAUJA