quinta-feira, 20 de novembro de 2014

PRESIDENTE DA QATAR AIRWAYS "DISPARA" CONTRA COMPANHIAS EUROPÉIAS E SINDICATOS





As companhias aéreas da Europa, que se queixam  da concorrência das transportadoras do Golfo, são "ineficazes", afirmou  hoje, dia 19 de Novembro, o presidente da Qatar Airways, insurgindo-se contra a política protecionista  da União Europeia.
As companhias europeias "não param de gritar contra as três companhias  do Golfo", declarou Akhbar al-Baker em alusão à sua empresa, à Emirates  e à Ethiad, que estão em pleno crescimento.
"Há mercado suficiente (...) e elas são ineficazes", criticou.
Akhbar al-Baker, que falava num fórum sobre transporte aéreo, no Dubai,  considerou que os sindicatos estão na origem das dificuldades nas companhias  europeias numa altura em que as transportadoras do Golfo conseguem apropriar-se  de parte importante do mercado de voos intercontinentais entre países ocidentais,  a Ásia e a Austrália.
"Os sindicatos devem ser responsabilizados", afirmou.
A Air France-KLM e a Lufthansa registaram greves em Setembro e Outubro  que afectaram gravemente os passageiros e causaram prejuízos de milhões de  euros.
O presidente da Qatar Airways acusou ainda a União Europeia de ser bem  pior do que os Estados Unidos quando se trata de proteger as companhias  europeias.
"Temos problemas com a França, Alemanha e Holanda", declarou, apontando  em particular os dois primeiros países.
Transportadoras europeias como a Air-France-KLM e a Lufthansa têm criticado  e acusado as companhias do Golfo de serem subvencionadas pelos Estados.
fonte/NewsAvia

SAAB INVESTE US$ 9 BI NA PRODUÇÃO DO GRIPEN NG

 Na fábrica. Técnicos da Saab, fabricante do Gripen, trabalham na estrutura do avião na fábrica da empresa em Linköping, no sul da Suécia. Parceria de produção do novo modelo, o New Generation, que será feita com o Brasil, criou um clima de otimismo entre os suecos, que aguardam a chegada de engenheiros brasileiros

A empresa sueca Saab vai investir US$ 9 bilhões nos próximos 30 anos no desenvolvimento do caça supersônico Gripen NG (New Generation), ou Gripen E, como é conhecido na Suécia.
O alto investimento será aplicado no desenvolvimento do novo modelo, produção, operação, manutenção e treinamento de pilotos, segundo informou o CEO e presidente da Saab, Häkan Buskle, em entrevista em Estocolmo.

Queridinho dos especialistas e técnicos ligados à aviação de caça, o Gripen é o avião escolhido pela FAB (Força Aérea Brasileira) para substituir os F-5. O Brasil assinou contrato para comprar 36 Gripen NG, que serão feitos pela Saab e Embraer, com transferência de tecnologia. O valor do contrato é US$ 5,4 bilhões. 

O Gripen também era o preferido da Aeronáutica quando a Presidência da República ai nda não tinha se definido por ele, entre os concorrentes F-18 (Boeing, EUA) e Rafale (Dassault, França). Hoje o modelo também é apontado como o sendo de melhor custo de aquisição, operação e suporte.

Vantagem. Para o Brasil, a vantagem é que o avião escolhido é um modelo em desenvolvimento de caças já existentes --Gripen C e Gripen D. Isso dará ao Brasil, autonomia para produção de caças de última geração, por meio da parceria.
Segundo a Saab, a Embraer tem total condição de absorver e desenvolver excelência em tecnologia para ser fabricante da nova aeronave. O Gripen NG é considerado o mais moderno caça multimissão do mundo, com 10 anos de tecnologia à frente dos rivais.
Segundo a Saab, o custo por hora de vôo do Gripen é o menor entre os concorrentes. "Nossos engenheiros tiveram que maximizar o desempenho sem modificar custos", disse Ulf Nilsson, chefe do Gripen na Área Aeronáutica.
Outra vantagem apontada pela Saab para o Gripen NG é a capacidade de encontrar e explorar informações. Sensores avançados fazem a comunicação e detecção de todos os alvos e fornecem dados de rastreamento para os pilotos.


Compra prevê 36 unidades do caça
O contrato assinado entre o Brasil e a Suécia prevê a compra de 36 aviões Gripen NG, 28 de um lugar e 8 de dois lugares (biposto), que podem ser produzidos no Brasil. A Embraer é a principal parceira do programa e assumirá a liderança no processo de transferência de tecnologia. Contrato dessa etapa está previsto para ser assinado em março de 2015.

fonte/foto/OVale

TRANSAERO ADMITE COMANDATES ESTRANGEIROS PARA A FROTA BOEING

Transaero B747 aterrando 800dpi

A companhia aérea russa Transaero abriu candidaturas para os lugares de comandantes para aviões Boeing – B737, B767, B777 e B747 – aos quais podem concorrer estrangeiros não residentes nos países da Federação Russa, desde que estejam habilitados com as necessárias licenças internacionais, e entendam e falem bem o Inglês (nível 4 de proficiência operacional em inglês). É condição fundamental que tenham 3.000 horas de voo em aeronaves comerciais, 500 das quais aos comandos de um dos quatro modelos atrás referidos.

A Transaero é hoje a maior companhia aérea de aviação na Rússia, tendo a melhor taxa de ocupação (84,8%) entre as cinco principais do país. É a única empresa aérea que opera com os Boeing 747-400 no longo curso. Tem a maior frota de aparelhos comerciais de dois corredores de entre as companhias concorrentes, quer na Comunidade de Estados Independentes que agrega 11 repúblicas que antes estavam integradas na ex-União Soviética, quer da Europa de Leste. Entre os 103 aviões da sua frota contam-se 20 B747-400, 14 B777 e 18 B767.

A companhia tem se destacado pela sua rápida evolução, para padrões de equipamento ocidental, com uma gestão moderna e uma estrutura operacional montada à semelhança das companhias ocidentais.

A Transaero promete no anúncio de abertura das candidaturas um alto salário aos seus novos comandantes, 70 dias de férias, plano de saúde e seguros pagos, assim como viagens ilimitadas nas rotas para onde voa a companhia (215 destinos até meados do próximo ano).

fonte/foto/NewsAvia

quarta-feira, 19 de novembro de 2014

VÍDEO - PARTE I - AVIAINDRA 2014 (Exercícios Rússia-Índia)


FAB HABILITA PILOTOS PARA INSTRUTORES DOS NOVOS CAÇAS GRIPEN D NA SUÉCIA

FAB Pilotos_GripenD_Suécia 19nov14 800dpi

Dois pilotos brasileiros voaram hoje, quarta-feira, dia 19 de Novembro, pela primeira vez, em aviões Gripen D, anunciou esta manhã a Força Aérea Brasileira (FAB). Os voos aconteceram na Suécia, em dois aparelhos distintos, onde os pilotos estão a treinar e acompanhados por pilotos da Força Aérea da Suécia.

Os capitães Gustavo de Oliveira Pascotto e Ramon Santos Fórneas (ambos na foto obtida após o primeiro voo de hoje de manhã na Suécia) tornaram-se assim nos primeiros pilotos brasileiros a cumprir uma missão de treino em aeronaves Gripen. Voaram durante 50 minutos em aviões Gripen D, acompanhados por pilotos suecos. O pouso ocorreu às 10 horas da manhã na base de Satenas, na Suécia (seis horas da manhã no horário de Brasília).

“Foi melhor do que eu esperava”, disse o capitão Fórneas. “A aeronave é de pilotagem dócil”, elogiou. A principal característica notada pelos brasileiros até agora foi a vantagem aerodinâmica proporcionada pelos canards, pequenas asas localizadas na frente do Gripen. “A distância de pouso é extremamente pequena”, contou.

Os dois Gripen voaram em uma área de instrução sobre a Suécia e o Mar Báltico. Após a decolagem, foi realizada uma subida até 10.638 metros de altura em um minuto e meio, uma taxa de subida de 118 metros por segundo. Para cumprir o cronograma de treino proposto pelos suecos, e nesta fase de familiarização com o novo aparelho, os pilotos brasileiros também realizaram acrobacias.

Diferentemente dos demais brasileiros que já voaram no Gripen em testes, os dois aviadores têm agora a responsabilidade sobre as aeronaves e treinam para dominarem todos os sistemas dos caças. Três horas após o pouso, os pilotos já seguiram para um novo treino no simulador de voo.

Formados pela Academia da FAB, o capitão Fórneas era piloto de caças F-5 e o capitão Pascotto comandava caças Mirage 2000. Ambos vão passar seis meses em treino na Suécia e tornar-se-ão os primeiros brasileiros instrutores de Gripen.

fonte/foto/NewsAvia

TAP REDUZ NÚMERO DE TRABALHADORES EM EMPRESA DE MANUTENÇÃO NO BRASIL

TAP ME PortoAlegre Raul Pereira 900dpi

A VEM, empresa de engenharia e manutenção da TAP no Brasil, empregava 4.000 trabalhadores em 2007, mas desde então o grupo aéreo português já reduziu os quadros para cerca de metade, refere o ‘Diário Económico’, um dos principais jornais económicos que se publica em Portugal.
A matéria publicada é da autoria da jornalista Hermínia Saraiva. Reproduzimos em seguida o texto na íntegra, para melhor entendimento do que está exposto na publicação portuguesa:

«A TAP voltou a reduzir em Outubro o número de trabalhadores na operação de Manutenção & Engenharia no Brasil (TAP M&E Brasil). A empresa fala numa reestruturação que afectou 45 trabalhadores desde Outubro de 2013, com “o objectivo de viabilizar” a unidade brasileira, mas os sindicatos dizem que desde o início do ano já foram dispensadas mais de 100 pessoas.

“A TAP vem deste 2007 despedindo trabalhadores. Éramos em torno de 4.000 quando a TAP assumiu o controlo da empresa, hoje estamos na faixa de 2.150 a 2.200. O fato é que, desta vez, foram despedidos 61 trabalhadores em 30 dias”, afirma Paulo Sérgio da Silva, director de Imprensa do Sindicato dos Aeroviários de Porto Alegre.

A empresa confirma a redução dos quadros, clarificando que “em Outubro de 2013 o total era de 2.209 e agora é de 2.164″; destes, cerca de 1.200 trabalham nos hangares da empresa em Porto Alegre, enquanto os restantes estão baseados no Rio de Janeiro. “É decisivo adequar a mão-de-obra às necessidades do mercado”, diz fonte oficial da empresa, lembrando que “a VEM trabalhava exclusivamente para a Varig e a M&E trabalha para o mercado global, o que obrigou a um esforço enorme de formação e ao reforço de mais competências”. A mesma fonte assegura, numa visão contrária à do sindicato, que o número de trabalhadores se manteve “praticamente estável” em 2014, “tendo havido saídas mas também entradas”.

Paulo Silva garante que a empresa não deu qualquer explicação “nem ao sindicato nem aos trabalhadores” e em comunicado os Aeroviários dizem que “não existe um critério lógico para as demissões, nem para as avaliações internas, e o descrédito diante dessa gestão da TAP ME é gigante”.
A TAP diz que “este movimento é decisivo para atingir os objectivos de consolidação da empresa”, que no ano passado reduziu os prejuízos em cerca de 18,6%, com perdas de 41 milhões de euros, contra um resultado negativo de 50,4 milhões registado em 2012. “Dentro do objectivo que é viabilizar a empresa trabalha-se no plano das receitas e dos custos. No primeiro caso a melhoria este ano é de 12%, o que compara com os 6% de média que se verifica neste negócio na América Latina, traduzindo o esforço que tem vindo a ser feito”, diz fonte oficial da TAP, sem esclarecer qual a variação em termos de despesa. Em 2012, e de acordo com o relatório e contas da companhia aérea, os custos de exploração reduziram-se em 4,8%, apesar do aumento de 1,4% dos custos com pessoal, “bem abaixo do dissídio compulsório de 5,8%”, o aumento salarial imposto por lei independentemente dos resultados da operação.

Fonte oficial da companhia aérea assegura ainda, sem referir valores, que a TAP M&E Brasil, que no passado afastou alguns dos interessados na privatização da TAP, deverá “atingir já este ano o break-even no EBITDA”.

E os potenciais interessados na privatização da companhia aérea, cujo processo de venda foi lançado na última quinta-feira, terão mesmo que assumir o deficitário negócio do Brasil. “A Manutenção & Engenharia do Brasil estará sempre incluída” no perímetro de venda da TAP, afirmou Sérgio Monteiro, secretário de Estado dos Transportes, admitindo, no entanto, a possibilidade de poder alienar o negócio separadamente: “Se aparecer um comprador antes da privatização [pode ser vendida], mas o inverso não pode acontecer”.

fonte/foto/NewsAvia

VÍDEO DO F-35C EM OPERAÇÃO NOTURNA


VÍDEO DOS THUNDERBIRDS


ENCONTRO NACIONAL DE AVIAÇÃO DE SEGURANÇA PÚBLICA ACONTECE EM FORTALEZA

BRASIL Fortaleza Praia de Iracema 900dpi

A cidade de Fortaleza, capital do Estado do Ceará, no Nordeste Brasileiro, sedia a partir desta terça-feira, dia 18 de Novembro, o Encontro Nacional de Aviação de Segurança Pública 2014 (Enavseg 2014).

A iniciativa é da Secretaria Nacional de Segurança Pública (Senasp), em parceria com a Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social do Estado do Ceará (SSPDS/CE).

A abertura da Enavseg 2014 acontece às 20h30, no Quality Inn Hotel (Avenida Beira-Mar, 2340 – Meireles), com participação da Secretária Nacional de Segurança Pública do Ministério da Justiça (Senasp/MJ), Regina Miki. A programação do evento segue até a próxima quinta-feira (20). O encontro técnico abordará, através de palestras e workshops, assuntos voltados à Aviação de Segurança Pública e Defesa Civil.

Cento e vinte profissionais das Organizações de Aviação da Polícia Federal (PF), Polícia Rodoviária Federal (PRF), Força Nacional de Segurança Pública e das Unidades Aéreas das Polícias Militares (PMs), Polícias Civis (PCs) e Corpos de Bombeiros Militares (CBMs) dos 26 Estados da Federação e do Distrito Federal (DF) participarão da iniciativa.

Durante o evento, os participantes poderão conhecer os trabalhos de integração e estruturação da Aviação de Segurança Pública, bem como o acesso às informações disponíveis para o provimento logístico de operações aéreas policiais e de Defesa Civil e, ainda, consolidar uma proposta de implantação de uma Política Nacional para o segmento.

fonte/NewsAvia

ANIVERSÁRIO DO C-2A GREYHOUND