quarta-feira, 27 de julho de 2016

CAÇAS DA MARINHA DO BRASIL COLIDEM NO AR



 Foto do Skyhawak da Marinha do Brasil, versão biplace, arquivo pessoal.

O acidente aconteceu a 24 milhas da costa - cerca de 44 km. Uma grande operação de resgate está em curso com helicópteros, navios e outras embarcações.

Um corretor de imóveis gravou um áudio relatando o que ouviu na hora do acidente.


"Eu tava de caiaque, pescando dentro d'água. Eu ouvi um barulho e eu vi a localização onde levantou a água. Inclusive, o navio da Marinha agora, nesse momento, tá onde eu ouvi o barulho. E eu senti um cheiro diferente, como se fosse um óleo, no ar, um querosene, alguma coisa desse tipo assim, e um risco de fumaça. Aí, não levou muito tempo, começou navio, barco, um monte de coisa, e um helicóptero rodando em cima da gente. Foi onde eu fiquei nervoso. Mas só fui saber o que era mesmo quando eu fui pra fora d'água. Na hora daquele barulho, daquele impacto na água, eu achei que fosse uma baleia, alguma jubarte, alguma coisa",  revelou o corretor, Tathiano Sobral.

Em nota, a Marinha confirmou a colisão entre as aeronaves e detalhou a estrutura que está sendo utilizada na operação de resgate. O acidente foi durante um treinamento padrão de ataque a alvos de superfície. Uma fragata participava do treinamento, a cerca de 100 Km do litoral.

A aeronave que caiu no mar é do modelo AF-1 Skyhawk da Marinha do Brasil. O outro caça envolvido na batida voltou com segurança para a Base Aérea Naval de São Pedro da Aldeia, de onde ambos haviam saído.

Os aviões AF-1 Skyhawk foram comprados pelo Brasil do Kuwait, depois da Guerra do Golfo, e participaram de missões de combate da Operação Tempestade no Deserto no início de 1991. A Marinha do Brasil possui 23 exemplares do Skyhawk da versão A-4KU.

O projeto de modernização das aeronaves incluiu o uso de equipamentos de ponta desenvolvidos com tecnologia brasileira.

Leia a íntegra da nota enviada pela Marinha:
"A Marinha do Brasil, em complemento à nota publicada anteriormente, informa que duas aeronaves AF-1B encontravam-se realizando treinamento de ataque a alvos de superfície com a Fragata "Liberal", a cerca de 100 Km ao largo do litoral de Saquarema-RJ. Durante o voo de afastamento do navio, em formatura tática, para a realização de um novo ataque, houve a colisão entre as aeronaves, com a provável ejeção do piloto e queda de uma delas no mar. As operações de busca e salvamento foram iniciadas imediatamente com o emprego de navios, aeronaves, além de lanchas de apoio do Corpo de Bombeiros do Estado do Rio de Janeiro. A segunda aeronave conseguiu retornar e pousar, com segurança, na Base Aérea Naval de São Pedro da Aldeia-RJ. Até o momento, o piloto não foi encontrado. As buscas prosseguirão pelo período noturno com o emprego de navios e aeronaves."

fonte/foto/G1/fotoRobertoFantinel

sexta-feira, 22 de julho de 2016

SUSPENSAS BUSCAS DO BOEING DA MALAYSIA AIRLINES VOO MH370


Ministros de Transporte de Austrália, China e Malásia decidiram nesta sexta-feira (22) suspender a busca do avião do voo MH370 da companhia aérea Malaysia Airlines, que desapareceu em 2014 com 239 a bordo, em uma área de 120 mil quilômetros quadrados do Oceano Índico.

“A suspensão vai durar até que apareça uma nova informação sobre a localização do avião”, disse o ministro malaio de Transporte, Liow Tiong Lai, ao “Channel NewAsia”.

A decisão foi tomada e anunciada após reunião de Lai com ministros de Transporte da Austrália, Darren Chester, e da China, Yang Chuantang.

As operações cobriram cerca de 110.000 km² da zona delimitada por especialistas. Até um submarino controlado à distância foi usado nas missões.

A procura por destroços do avião no restante da área seria concluída em julho, mas o inverno intenso na região estenderia as ações até outubro ou dezembro.

O Boeing 777-200 sumiu 40 minutos depois de decolar de Kuala Lumpur rumo a Pequim, em 8 de março de 2014, com 227 passageiros e 12 tripulantes.

Foram recuperadas cinco peças da aeronave em praias da costa oriental da África, em Moçambique e África do Sul, e nas Ilhas Maurício e as francesas Reunião e Rodrigues. Outros oito destroços achados na costa oriental da África estão sendo analisados.

fonte/G1

QUASE ACIDENTE COM E-2C HAWKEYE NO USS EISENHOWER


sábado, 16 de julho de 2016

EMBRAER AMPLIA VENDAS NO JAPÃO


A Embraer Aviação Executiva anunciou ontem a ampliação da sua rede de vendas na Ásia-Pacífico com a nomeação da JAC (Japan Aerospace Corporation) como representante de vendas autorizado para o Japão. "Esta parceria com a JAC vem se somar aos nossos esforços no Japão", disse Marco Tulio Pellegrini, Presidente & CEO da Embraer Aviação Executiva. A Embraer é líder na fabricação de jatos comerciais de até 130 assentos.

fonte/OVale