segunda-feira, 27 de abril de 2015

FERNANDO PINTO PERDE ESPERANÇAS E DÁ POR ENCERRADAS NEGOCIAÇÕES COM O SPAC

Fernando Pinto, presidente executivo da TAP, deu nesta segunda-feira, dia 27 de Abril, por encerradas as negociações com o Sindicato dos Pilotos (SPAC) para a desconvocação da greve que marcaram para os dias 1 a 10 de Maio, quando ainda na sexta-feira, após audiência com o Presidente da República tinha afirmado que a paralisação ainda poderia ser desconvocada.
Em conferência de imprensa de última hora na sede da companhia aérea, Fernando Pinto, anunciou à imprensa que considera finalizado o processo de conversações com o SPAC, porque a posição do sindicato foi de não recuar com a paralisação.
Fernando Pinto anunciou também que a preocupação da companhia vai centrar-se exclusivamente em minorar o impacto para os clientes e avançou ter a perspectiva de que haja pilotos que vão fazer voos não obrigatórios pelos serviços mínimos.
Sobre o que se passou para caírem por terra as expectativas que deixara na sexta-feira, Fernando Pinto disse que nessas conversações houve a tentativa de “explorar outros pontos, aconteceram propostas extremamente interessantes, houve um grande empenho da empresa”.
“Confesso que tive esperança ao longo do processo” acrescentou, admitindo que essa esperança “durou até à meia-noite de sexta-feira”, face à decisão do SPAC de que “não iam voltar atrás com a greve”.
fonte/NewsAvia

VÍDEO - NOVO IPANEMA 203


MUSEU ????? DA BASE AÉREA VAI PASSAR POR REVITALIZAÇÃO

9513 museubasaaerea PB

O Museu da Base Aérea, no município de Amapá, distante 302km de Macapá, foi encontrado em completo abandono pela equipe da Secretaria de Estado da Cultura (Secult). Na quarta-feira, 22, a comitiva da secretaria  esteve no local para fazer um relatório sobre as condições do museu a céu aberto. O documento será entregue junto com o projeto de revitalização do local.

Atualmente, o espaço mais parece com um cenário de uma cidade fantasma. No local há apenas um vigilante e difícil é encontrar alguém por perto e que saiba dar alguma informação. Essa é a realidade do museu. A Base Aérea americana foi criada em 1941. O local foi utilizado como ponto de apoio durante a 2ª Guerra Mundial. Em 1946, foi desativada e passou a ser um Centro Aéreo de Treinamento da Força Aérea Brasileira (FAB). Somente na década de 90, passou a ser um museu a céu aberto.

Atualmente, o local está deteriorado e muitas peças foram roubadas. A sala onde ficavam as informações do museu está abandonada e até mesmo os documentos históricos foram levados. De acordo com o vigilante, há pelo menos dois anos ninguém do governo aparecia no espaço. “Estou muito triste com a situação desse museu, que poderia está sendo visitado pelos amapaenses e turistas, mas está abandonado”, lamentou o secretário da Secult, Disney Silva. O mato tomou conta do espaço, mas ainda é possível ver a torre onde os zeppelins (dirigíveis da época) pousavam e paióis de munições. De acordo com o secretário a equipe está planejando organizar um espaço no próprio museu para reunir os tanques e carros antigos, que ainda estão no local, além de tornar o museu a céu aberto um espaço com condições de receber visitantes. “Precisamos valorizar o potencial histórico cultural do nosso Estado e garantir à população a oportunidade de conhecer locais como esse. Essa é a nossa história e precisamos valorizá-la”, enfatizou Disney.

A Secretaria de Estado da Cultura (Secult) fará um relatório sobre a situação da museu e encaminhará ao governador Waldez Góes, junto com um projeto de revitalização do local.

fonte/foto/JornaldoDia

domingo, 26 de abril de 2015

HELIBRAS RECUPERA EB-1001 DO CAVEX



Uma das estrelas da Helibras na edição deste ano da Laad Defence & Security foi o helicóptero Fennec modernizado para o Cavex (Comando de Aviação do Exército) de Taubaté. A maior feira de defesa, segurança pública e indústria militar da América Latina terminou em 17 de abril no Rio de Janeiro.
Até agora, segundo a Helibras, foram entregues seis unidades revitalizadas, de um total de 36. O Fennec entregue na Laad foi o primeiro a ser operado pelo Exército, em 1989, e tem o prefixo EB-1001. Com a modernização, a sua operação está garantida por mais 25 anos.

Mudanças. Os Fennec modernizados possuem novo glass cockpit, piloto automático de dois eixos, novos sistemas de comunicação e navegação, sistema de back up digital, compatibilização da iluminação interna e externa com óculos de visão noturna, bancos com absorção de energia e ajuste em altura, proteção balística, novos braços, suporte para armamento e degraus alongados.
Os trabalhos devem ser concluídos em 2018. As aeronaves foram certificadas pelo DCTA/IFI (Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial e Instituto de Fomento e Coordenação Industrial).
O contrato de modernização dos Fennec, assinado no ano de 2011, tem o valor total de R$ 260 milhões.

Panteras. Também são objeto de modernização os 34 helicópteros Pantera. Em setembro de 2014, o Exército aprovou as modificações na primeira aeronave. Assinado em 2009, o contrato de modernização é de R$ 347 milhões e inclui novos motores, e aviônicos, sistemas de radiocomunicação e a habilitação para óculos de visão noturna. O prazo final de entrega, para 2021, deve ser antecipado.

fonte/foto/OVale

PILOTOS DE PROVA TROCAM XAVANTE POR SUPER TUCANO



Supertucano faz passagem sobre a pista do Aeroporto de São José. Foto: Claudio Vieira
Supertucano faz passagem sobre a pista do Aeroporto de São José. Foto: Claudio Vieira
Primeiro caça fabricado pela Embraer em São José dos Campos foi aposentado em 2013 no Instituto de Pesquisas e Ensaios em Voo do DCTA; nova turma passa a usar o turboélice 

Ao invés do estrondo da turbina do Xavante rasgando o céu de São José dos Campos a baixa altitude, a discrição do motor turboélice do Supertucano. Após a aposentadoria do primeiro caça fabricado pela Embraer em 2013, o Super Tucano foi escolhido para ser o substituto em parte das missões de formação dos pilotos e engenheiros de prova do Ipev (Instituto de Pesquisas e Ensaios em Voo).


Elite da Força Aérea Brasileira, estes profissionais passam por um curso intensivo de um ano de duração. 



O funil é estreito e poucos podem ostentar os codinomes de “prova” (piloto) ou “coringa” (engenheiro). Desde 1987, foram formados 104 “provas” e 76 “coringas”.



Os cursos são realizados a cada dois anos no Ipev, localizado no DCTA (Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial) em São José. 

Turma. Uma nova turma, composta por três pilotos e dois engenheiros, começou a ser formada este ano.
Ao longo dos próximos meses, os pilotos serão submetidos a uma maratona que inclui voos em 15 tipos diferentes de aeronaves. Aos engenheiros, cabe estudos dos sistemas destes equipamentos.
Além das aeronaves de asa fixa, helicópteros também fazem parte da rotina de treinamentos. Para isto, o Ipev utiliza um BlackHawk.

Investimento. A exclusividade na formação destes profissionais se revela nos custos envolvidos. 
Para se ter uma ideia, a formação de um piloto de prova nos Estados Unidos sai por US$ 1,5 milhão. Metade disto é o gasto para a formação de um engenheiro de prova.
“Poucos países do mundo têm essa capacidade. Formamos pilotos e engenheiros de prova desde 1987”, disse o major Diogo Silva Castilho, 35 anos, piloto de prova do Ipev. 
Entre as missões realizadas pela equipe estão os voos de calibração anemométrica, que começaram na última semana em São José.
Além dos militares da Aeronáutica, pilotos e engenheiros da Marinha e do Exército também participam de treinamentos no Ipev. 
O curso de recebimento de aeronaves, porém, é mais resumido, realizado em 4 meses. 


Memória



Acidente demanda criação de equipe

A investigação do acidente com um helicóptero protótipo Beija-Flor em 11 de julho de 1966 durante um teste resultou em recomendações que impunham "a formação de uma equipe fixa para execução de ensaios em voo, constituída por pilotos, engenheiros e instrumentadores”. A partir daí começou a formação dos especialistas brasileiros.


Aposentado



Carcaça do Xavante é usada para testes

Mesmo depois de aposentado, o Xavante ainda tem serventia para a realização de testes no Ipev em São José. Carcaças das aeronaves são empregadas para ensaios em solo, com testes com armamento, por exemplo. O Ipev mantém três carcaças de Xavantes. Foram fabricadas 182 unidades deste avião pela Embraer, das quais 166 para a FAB.


Projeto FX-2



Acordo deve ter início no 2º trimestre

Na publicação dos resultados de janeiro a março de 2015, a empresa de defesa e segurança Saab informou que aguarda para o segundo trimestre do ano o início do acordo firmado com o governo brasileiro, pelo qual serão produzidas 36 unidades do Gripen NG para a FAB. O contrato, assinado em outubro passado, foi fechado por US$ 5,4 bilhões.

Avião chega a dar rasantes a 500 km/h

Entre as missões realizadas pelos pilotos e engenheiros de prova do Ipev, os voos de calibração anemométrica eram os que mais geravam polêmica em São José dos Campos em função dos rasantes com o barulhento Xavante.
Isto agora acabou com o Supertucano, conhecido no meio militar como A-29 e bem mais “comportado” que o seu colega de origem italiana.

Rasantes. Neste ensaio, o avião faz uma sequência de passagens sobre a pista a uma mesma altitude. As passagens são captadas por câmeras e sensores.
Por meio de um canal tático, o piloto se comunica com o engenheiro de prova. 
Dados da aeronave são coletados e transmitidos à estação de telemetria. Nesta sala, os engenheiros analisam os dados e validam o ensaio em tempo real.
Entre pilotos, técnicos e engenheiros, cerca de 10 pessoas participam dos testes.
“São dezenas de parâmetros de ensaio. A telemetria em tempo real permite a economia de horas de voo”, disse o major Diogo Silva Castilho, 35 anos.
O VALE esteve no Ipev na última quinta-feira e teve permissão para acompanhar parte dos testes. As passagens do avião foram realizadas no sentido da cabeceira 33 para a cabeceira 15, em direção ao centro da cidade. Dentro da sala de telemetria, silêncio total para ouvir a comunicação e a validação dos dados enviados. Em sete telas diferentes era possível observar os parâmetros, como altitude e velocidade da aeronave.
Em cada passagem, o piloto variava a velocidade e chegou a atingir 500 km/h.
“Ele chega a atingir 260 nós no seu máximo”, disse o tenente João Vitor Zanette, 28 anos, engenheiro de prova..



fonte/foto/OVale

AERONAVE FAZ POUSO FORÇADO EM RODOVIA


Aeronave faz pouso forçado em rodovia  (Foto: Reprodução/Twitter)
(Foto: Reprodução/Twitter)
Uma aeronave realizou um pouso forçado na tarde deste domingo (26), em uma rodovia do município de Ourilândia do Norte, no sul do Pará.

















O avião estava a cerca de 300 metros da pista de pouso quando apresentou uma pane começou a cair.
A aeronave havia saído da cidade de São Félix do Xingu, distante em torno de 100 km, em direção a Ourilândia quando teve o problema. O piloto realizou o pouso forçado em uma rodovia da cidade, próximo à entrada do município de Água Azul do Norte.
Apesar de o avião ficar danificado, o piloto saiu ileso do incidente.
Não havia carros na via no momento do pouso. Até o fechamento desta reportagem, a aeronave ainda aguardava remoção do local. 
fonte/foto/DOL com informações de Paulo Francis/Rádio Clube

Dados da aeronave via RAB/pbs.twimg

 
MATRÍCULA: PRLIT 
 
 
Proprietário:
SERGIO DE SOUZA BUENO
CPF/CGC:

Operador:
SERGIO DE SOUZA BUENO
CPF/CGC:

 
Fabricante:
CESSNA AIRCRAFT
Modelo:
210L
Número de Série:
21061495
Tipo ICAO : 
C210
Tipo de Habilitação para Pilotos:
MNTE
Classe da Aeronave:
POUSO CONVECIONAL 1 MOTOR CONVENCIONAL
Peso Máximo de Decolagem:
1724 - Kg
Número Máximo de Passageiros:
005
Categoria de Registro:
PRIVADA SERVICO AEREO PRIVADOS
Número dos Certificados (CM - CA)
20622
Situação no RAB:
Data da Compra/Transferência:
150113
Data de Validade do CA: 
11/11/17
Data de Validade da IAM: 
200216
Situação de Aeronavegabilidade:
Normal
Motivo(s): 
Consulta realizada em: 26/04/2015 20:28:15

sábado, 25 de abril de 2015

RADICAL....


ACIDENTE COM A320 DA TURKISH AIRLINES







Um avião Airbus A320 (matrícula TC-JPE) da Turkish Airlines retornou nesta manhã de sábado, dia 25 de Abril, ao Aeroporto Internacional de Istambul/Ataturk, devido a um princípio de incêndio num dos motores, tendo aterrado em segurança, sem registo de feridos entre os 97 passageiros e seis tripulantes, que deveriam seguir para Milão, Itália, no voo TK1878.
Segundo os canais televisivos turcos e as agências internacionais, a aeronave solicitou uma aterragem de emergência, de retorno ao aeroporto de onde levantara voo momentos antes, ainda quando estava a subir para a altitude de cruzeiro.
O avião tentou a aterragem de emergência numa primeira vez, pelas 07h23 UTC, tentativa que saiu mal, pois a aeronave danificou o trem central e parte da asa.
Na segunda tentativa que se concretizou oito minutos depois, pelas 07h41 UTC, o A320 da Turkish devido à pancada anterior e consequentes danos no trem arrastou o motor do lado direito na pista, provocando labaredas.
Os passageiros foram evacuados ainda sobre a pista, no mesmo momento em que os bombeiros do aeroporto alertados para a situação de emergência atacaram o foco de incêndio provocado pelo arrastamento do motor no solo.

Fontes aeroportuárias destacaram o bom trabalho da tripulação do aparelho, nomeadamente na segunda aterragem, já com o avião avariado, quer no trem, quer na asa, e com um dos dois motores desligado, por via do incidente anterior, e que provocou o retorno à pista.
Convém, então, esclarecer o que terá acontecido, segundo relatos das testemunhas e dos meios de comunicação:
Primeiro o comandante resolveu solicitar a aterragem de emergência devido a fogo a bordo de um motor, que, entretanto se extinguiu. Na primeira tentativa de aterragem, por razões que se desconhecem, tem uma avaria no trem que danifica ainda a asa do lado direito. O comandante resolveu meter motor e alinhar para nova tentativa.
Segundo, na nova tentativa para aterrar, o que se concretizou com sucesso, em termos de ter imobilizado o avião, este arrasta o motor no solo, o que provoca novo incêndio, agora na cobertura do motor, e com maior espectacularidade para quem estava a observar, mas que foi prontamente controlado pelos bombeiros que estavam a aguardar o avião.

A agência de notícias turca Dogan refere esta manhã que este avião na passada quinta-feira teve de substituir um vidro das janelas do cockpit, que se quebrou quando fazia um voo entre Frankfurt e Istambul. Outro avião da mesma companhia, no mês passado divergiu para Nuremberga, na Alemanha, quando fazia um voo de Dusseldorfe para Istambul, também devido a uma rachadura num vidro do cockpit.
São incidentes que nada de relação têm com este, mas que estão a ser divulgados pela imprensa generalista, e que em nada contribuem para o entendimento do incidente desta manhã.
O Aeroporto de Istambul/Ataturk esteve encerrado até à hora de almoço, tendo o tráfego sido desviado para o Aeroporto de Istambusl/Sabiha Gokcen, na parte asiática da capital turca.

A Turkish Airlines tem prestado aos passageiros afectados o devido acolhimento, segundo as agências internacionais.
As autoridades aeronáuticas turcas abriram já um inquérito oficial que procurará entender as circunstâncias em que aconteceu este incidente com o Airbus A320 da Turkish, a maior companhia aérea do país e uma das maiores e mais importantes da Europa, com 240 de aviões na sua frota.

fonte/foto/AvHerald/NewsAvia/AgInter/Twitter

CINZAS DE VULCÃO COBREM QUASE TODO RIO GRANDE DO SUL

Cinzas de vulcão cobrem quase todo Rio Grande do Sul Climatempo/Divulgação
O vulcão Calbuco entrou em erupção na quinta-feira no ChileFoto: Climatempo / Divulgação

As cinzas do vulcão chileno Calbuco já cobrem grande parte do Rio Grande do Sul na manhã deste sábado, conforme mostram imagens de satélite. Segundo a Climatempo, apenas o Extremo Norte não está encoberto pela nuvem. O meteorologista do Grupo RBS Cléo Kuhn diz que as cinzas estão a uma altitude de 13 mil metros e, por isso, não afetam voos. 

O fenômeno chegou mais fraco ao sul do Brasil. Ao contrário do Chile e da Argentina, que tiveram chuva de cinzas, no Rio Grande do Sul, os gaúchos poderão ver uma névoa durante o dia e um céu mais acinzentado. A Infraero informou que o fenômeno não afeta as operações do Aeroporto Internacional Salgado Filho, na Capital. O terminal está aberto e opera por instrumentos por causa da neblina.
fonte/foto/ZeroHora

sexta-feira, 24 de abril de 2015

ATUALIZADO - CINZAS DO VULCÃO JÁ ESTÃO NO URUGUAI E VÃO CHEGAR AO RIO GRANDE DO SUL









FOTOS MOSTRAM CHEGADA DA NUVEM VULCÂNICA NO URUGUAI | A nuvem de cinzas vulcânicas da erupção do vulcão chileno Calbuco já cobre o Rio da Prata e a cidade de Buenos Aires. Minutos atrás a nuvem vulcânica ingressou no Sul do Uruguai. As tremendas fotos de Omar Milar e Tincho Lema mostram as cinzas ingressando em Montevidéu (Buceo) e Punta del Este.

Curtir ·Foto de MetSul Meteorologia.

| A imagem de satélite do amanhecer de hoje mostra que a nuvem de cinzas do vulcão chileno Calbuco cobre grande parte da província de Buenos Aires e que já começou a ingressar no Sudoeste do Uruguai. Ainda nesta manhã alcança a capital Buenos Aires e da tarde para a noite Montevidéu. 

A MetSul entende que as cinzas devem alcançar o Rio Grande do Sul, mais provavelmente no Sul do Estado. Mar del Plata, na província de Buenos Aires, já reportava cinzas no aeroporto nesta manhã. Ezeiza ainda não informava cinzas até 8h da manhã, porém companhias aéreas internacionais já começavam a evitar o aeroporto internacional da capital argentina. 

Importante enfatizar que esta nuvem vulcânica (em amarelo na imagem de satélite) se desloca em grande altitude na atmosfera, logo os seus efeitos no Uruguai e aqui não tendem a ser significativos. O céu sim deve ficar mais acinzentado por onda ela passar.

fonte/foto/MetSul
Curtir ·