segunda-feira, 26 de janeiro de 2015

PILOTOS DE EDUARDO CAMPOS FIZERAM TRAJETO DE DESCIDA DIFERENTE DO PREVISTO, DIZ FAB

A coleta dos dados sobre o acidente aéreo que matou o ex-candidato à Presidência da República Eduardo Campos em agosto do ano passado mostrou que os pilotos realizaram um trajeto diferente do oficialmente previsto para realizar o pouso, informaram durante apresentação realizada nesta segunda-feira (26), em Brasília, oficiais do Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa).

Segundo o tenente-coronel Raul de Souza, o piloto fez "trajeto diferente do previsto na carta. A gente não pode concluir que ele tenha feito um 'atalho'. Ele fez um procedimento diferente do que estava previsto".

Os responsáveis pela análise, porém, disseram que ainda não é possível concluir se esse fator contribuiu para o acidente nem que houve erro dos pilotos.

"A gente não pode afirmar que houve falha humana ainda", afirmou o tenente-coronel Raul de Souza. "Ainda estamos entrando nessa fase de análise para chegarmos às conclusões. Nós ainda vamos interpretar esses dados para a gente chegar ao momento em que a gente diga: 'sim, isso contribuiu" ou 'não, isso não contribuiu'", afirmou o chefe do Cenipa, brigadeiro-do-ar Dilton José Shuck.

Além disso, a documentação mostrou que, embora habilitados para voar num modelo anterior do avião, os pilotos ainda não tinham feito o treinamento recomendado pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) para operar a aeronave utilizada, com equipamentos mais modernos.

Segundo o tenente-coronel Raul de Souza, na data do acidente, os dois pilotos tinham habilitação para o modelo Cessna 560, e não para o Cessna 560 XL+, modelo do avião acidentado.

A investigação aponta que avião estava com uma inclinação de 38 graus negativos no momento do pouso, enquanto o correto seria que a aeronave estivesse inclinada entre 3 e 3,5 graus. A Aeronáutica, porém, não explicou o motivo da inclinação.

fonte/G1

AVIÃO MILITAR DA GRÉCIA CAI EM ESCOLA DA OTAN NA ESPANHA


Fumaça sai de uma base militar em Albacete, na Espanha, local em que avião militar caiu nesta segunda (26) (Foto: AP Photo/Josema Moreno)Fumaça sai de uma base militar em Albacete, na Espanha, local em que avião militar caiu nesta segunda (26) (Foto: AP Photo/Josema Moreno)
 
Um avião militar F-16 da Grécia caiu nesta segunda-feira (26) na escola de aperfeiçoamento de pilotos da Otan na base aérea de Los Llanos, em Albacete, no centro da Espanha.

Um porta-voz do ministro da Defesa anunciou que 10 pessoas morreram e 13 ficaram feridas, informa a agência Reuters. "Por ora, temos dez mortos e 13 feridos, sete deles com diagnóstico grave e um que recebeu alta", afirmou o porta-voz, que não informou a nacionalidade das vítimas.

Segundo a Efe, duas das vítimas fatais seriam pilotos, e os feridos foram levados a hospitais da região onde ocorreu o acidente. 


O acidente ocorreu pouco depois da decolagem do caça, que caiu perto de um galpão usado como estacionamento de aeronaves.

Fumaça sai de estacionamento da base aéreo Los Llanos, na Espanha, após queda de avião militar; 10 pessoas morreram no acidente (Foto: AP Photo/Josema Moreno)Fumaça sai de estacionamento da base aéreo Los Llanos, na Espanha, após queda de avião militar; 10 pessoas morreram no acidente (Foto: AP Photo/Josema Moreno)

O caça-bombardeio fazia parte do Tactical Leadership Programme (TLP) da Otan, procedia de um exercício quando, durante a manobra de decolagem, perdeu força e se chocou na zona de estacionamento dos demais aviões, batendo contra algumas aeronaves no lugar. As autoridades estão avaliando os danos causados pelo incidente.

A base de Los Llanos recebe normalmente aviões da Otan, já que ali foi instalada a escola de aperfeiçoamento de pilotos de caças.

Testemunhas disseram à Efe que o avião voava em baixa altitude e que teria se chocado contra um hangar. Depois da queda, foi possível observar uma grande quantidade de fumaça e fogo no local. 

Queda de avião militar na base aérea de Los Llanos, em Albacete, na Espanha, deixou 10 mortos nesta segunda-feira (26) (Foto: AP Photo/Josema Moreno)Queda de avião militar na base aérea de Los Llanos, em Albacete, na Espanha, deixou 10 mortos nesta segunda-feira (26) (Foto: AP Photo/Josema Moreno)
 
fonte/foto/G1

CAÇA RUSSO SU-27 INTERCEPTA P-3 ORION DA FORÇA AÉREA PORTUGUESA


O FILME....A HISTÓRIA DO "PILOTO" DOS PILOTOS

Flying-the-Feathered-Edge-Bob-Hoover

“Flying the Feathered Edge” é o novo filme documentário sobre a vida de uma legenda da aviação, Bob Hoover, agora disponível em DVD e disco Blu-Ray. Este documentário de 86 minutos, produzido, dirigido e editado por Kim Furst, inclui entrevistas com Harrison Ford, Carol Shelby, Burt Rutan, Dick Rutan, Coronel Bud Day, Gene Cernan, Clay Lacy e Sean D. Tucker. “O filme capta a história da minha vida de uma forma correcta. Não sei como poderia ter feito melhor”, disse Bob Hoover.

Nascido em 1922, Robert A. “Bob” Hoover é um antigo piloto de acrobacia e de testes da Força Aérea norte-americana, conhecido pelo seu ‘palhinhas’ de abas largas e sorriso aberto. Nos meios da aviação é frequentemente apelidado como “o ‘piloto’ dos pilotos” (“The pilots’ pilot”). Aos 92 anos, Bob Hoover é, reconhecidamente, o mais amado personagem da aviação actual. Em “Flying the Feathered Edge”, Bob Hoover conta a sua própria história e partilha, com a seu característico charme, a sabedoria ganha na dureza de uma vida dedicada a levar o envelope ao limite, contribuindo para muitos desenvolvimentos da aviação.

Este documentário, é o quinto sobre aviação deste premiado realizador, autor dos filmes “One Six Right”; “Rocket Challenge”, no Discovery Channel; e “Wings Over the Rockies”, com Harrison Ford. “Flying the Feathered Edge” está à venda, exclusivamente, no WEBSITE do Bob Hoover Project: o DVD, por $28.95 e o disco Blu-Ray, por $32.95.

“Nada é preciso em combate, ou aviação experimental, e há algo sobre a capacidade de aceitar o risco, que nos leva a pensar que nada nos acontece, só acontece aos outros, porque somos mais esperto que a maquina e se algo porventura acontecer seremos capazes de lidar. Nem sempre é assim… Se tivermos uma avaria no momento e lugar errado, estaremos mortos.Bob Hoover


fonte/foto/NewsAvia

APÓS OBRAS DE MODERNIZAÇÃO, AEROPORTO DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS ESTÁ OCIOSO


Saguão do Aeroporto de São José após obra de ampliação. Foto: Claudio Vieira Saguão do Aeroporto de São José após obra de ampliação. Foto: Claudio Vieira
Número de pousos e decolagens caiu de 16.133 em 2013 para 14.990 em 2014; a queda de passageiros foi de 160 mil para 85 mil

O primeiro mês do ano aponta para uma realidade cruel para o Aeroporto de São José dos Campos. O terminal não conta mais com operação de companhias aéreas, o número de passageiros caiu vertiginosamente assim como a chegada e saída de mercadorias.

Apesar de toda a modernização que ocorreu no aeroporto, com investimentos na ordem R$ 16,6 milhões e ampliação do espaço de 800 metros quadrados para cerca de 5.800 metros quadrados na área do terminal de passageiros, o que cresceu mesmo foi a presença de funcionários da Infraero (Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária).


No resto, o que ficou é um terminal com potencialidade estratégica por sua localização privilegiada e com prestação de serviços abaixo de sua capacidade.


Mesmo assim, tanto a Secretaria de Aviação Civil quanto o governo do prefeito Carlinhos Almeida (PT) e a Infraero continuam otimistas com relação ao assunto. “O aeroporto de São José está na fase em que são definidas melhorias a serem feitas. Ele continua no programa da aviação regional”, informou a assessoria da Aviação Civil do governo federal.


“É evidente que a região tem potenciais atrativos, mas o aeroporto ainda não se consolidou. Essa consolidação deve ocorrer neste ano, ainda mais que a ampliação do terminal pode motivar o aquecimento do mercado da aviação civil”, disse em nota a Infraero.


Já a prefeitura vem se esforçando para atrair novas companhias e também para viabilizar o aeroporto, que hoje só recebe voos particulares.


“A expectativa é que a aprovação do programa federal de incentivo à aviação regional melhore os parâmetros de lucratividade em aeroportos como o de São José, contribuindo para viabilizar um maior número de operações comerciais no município, com reflexos importantes para o desenvolvimento econômico e social da região”, informou a Secretaria de Desenvolvimento Econômico.

Aterrissando. Comparando os dados de 2013 a 2014, o número de pousos e decolagens em São José caiu de 16.133 para 14.990.

Já a queda de passageiros foi ainda maior: enquanto passaram 160.229 pessoas no terminal em 2013, a frequência despencou para 85.6489 no ano passado. Inclusive, foi esse um dos argumentos para a saída da empresa Azul do terminal.

As cargas e descargas saíram de 28.107, em 2013, para 15.120, em 2014. A situação está tão crítica que até mesmo as exportações e importações de produtos despencaram.

Enquanto em 2013 foram importados 1.046 produtos, o número caiu para 772 no ano passado. Já as exportações tiveram um cenário ainda mais sombrio, saindo de 1.223, em 2013, para a pífia marca de 342 um ano depois.

Situação que está deixando preocupado quem ainda presta algum serviço no local.

A gerente da lanchonete do aeroporto, Mariana Mello, já demitiu seis funcionários deste a saída da Azul e pode fechar as portas caso nenhuma outra companhia chegue ao local.
“Tínhamos um movimento de 50 pessoas por dia antes da saída da Azul. Agora, das 7h às 17h passam, no máximo, 10 pessoas pela lanchonete. A situação é crítica”, disse.



Perfil
O terminal foi modernizado após obra que teve investimentos de R$ 16,6 milhões

Potencial
Mesmo fazendo parte do programa de incentivo à aviação regional do governo federal, o terminal ainda não mostrou seu potencial: 2015 começou sem operação de companhias aéreas e os serviços caíram

Pousos e decolagens
2013: 16.133
2014: 14.990

Carga e descarga
2013: 28.107
2014: 15.120

Passageiros
2013: 160.229
2014: 85.649

Exportações

2013: 1.223
2014: 342

Importações
2013: 1.046
2014: 772

Crise
Hoje, só jatos particulares


fonte/foto/OVale

AMEAÇA DE NEVASCA HISTÓRICA SUSPENDE MILHARES DE VOOS NOS EUA

NOVA YORK (Reuters) - A Costa Leste dos os Estados Unidos, da cidade de Filadélfia, passando por Nova York e seguindo até o Estado do Maine, se preparava nesta segunda-feira para uma nevasca possivelmente histórica, que os meteorologistas dizem que pode despejar até 90 centímetros de neve na região e prejudicar o transporte de dezenas de milhões de pessoas.
O Serviço Meteorológico Nacional (NWS, na sigla em inglês) emitiu um alerta de tempestade de neve para a parte norte da Costa Leste a partir da tarde desta segunda-feira, colocando os Estados de Nova Jersey até Indiana de sobreaviso e alerta para tempestades de inverno até terça-feira. Companhias aéreas cancelaram cerca de 1.800 voos.

"Esta pode ser a maior tempestade de neve na história desta cidade", disse o prefeito de Nova York, Bill de Blasio, em entrevista coletiva na tarde de domingo, dizendo que a queda de neve pode chegar a até 90 centímetros.
De Blasio pediu aos moradores da capital financeira dos EUA e cidade mais populosa do país que fiquem fora das estradas e "se prepararem para algo pior do que já vimos até agora".

A maior precipitação registrada em Nova York ocorreu durante a tempestade de 11-12 fevereiro de 2006, com queda de 68 centímetros de neve, de acordo com o órgão municipal de gerenciamento de emergências.

O NWS qualificou o sistema que se aproxima como uma "nevasca incapacitante e possivelmente histórica", e assinalou que muitas áreas ao longo da Costa Leste deverão ficar cobertas por 30 a 60 centímetros de neve. A área de Nova York poderia ser a mais afetada, com fortes ventos e queda de neve de 76 centímetros ou mais em alguns subúrbios.

A Delta Air Lines anunciou no domingo que estava cancelando 600 voos por causa do alerta de nevasca para a Costa Leste. Já a United Airlines não vai liberar nenhum voo na terça-feira nos aeroportos de Nova York, Boston e Filadélfia, e vai limitar as operações a partir desta segunda-feira à noite nos aeroportos de Newark, LaGuardia e John F. Kennedy, na área de Nova York, disse uma porta-voz.

A Southwest Airlines informou no domingo à noite que iria cancelar mais de 130 dos 3.410 voos programados para esta segunda-feira devido à tempestade, um aumento em relação a seu plano anterior de cortar cerca de 20 voos.

A American Airlines ainda não havia finalizado os planos de cancelamento, mas disse esperar que "muito poucos" voos sejam afetados. De acordo com o site que rastreia voos no país Flightaware.com, desde domingo à noite 1.792 voos haviam sido cancelados para esta segunda-feira.

fonte/UOL

quinta-feira, 22 de janeiro de 2015

QUEM PERDEU O LEME.......

 
 
Parte do leme, amassado na ponta e caído em pasto; abaixo, aeronave que seria do mesmo modelo 

Um avião pode ter sido o responsável por um blecaute   ocorrido entre a tarde de terça-feira e a madrugada de quinta nas cidades de Gabriel Monteiro, Guararapes, Piacatu e Santópolis do Aguapeí. Segundo a CPFL Paulista, 19.643 clientes foram prejudicados por pelo menos alguns minutos.

Ao percorrer o trecho por onde passa a linha de transmissão de energia, equipes técnicas encontraram o que seria parte do leme de um avião agrícola utilizado para pulverização caída em um pasto na zona rural, entre Piacatu e Gabriel Monteiro. A peça, de aproximadamente dois metros, está amassada na ponta. Ao lado, havia um pedaço do cabo rompido da linha de transmissão de 69 quilovolts que alimenta a subestação de energia de Piacatu.

  Em pesquisa na internet, representantes da distribuidora encontraram a imagem de um avião semelhante ao que pode ter danificado a rede elétrica. Propriedades na região foram visitadas na tentativa de localizar a aeronave que teria se chocado contra a rede, mas não houve sucesso. Um boletim de ocorrência comunicando o fato foi registrado na Delegacia de Gabriel Monteiro, que investigará o caso. Se identificado, o proprietário do avião poderá ser responsabilizado pelos danos causados.

PREJUÍZOS
A reportagem entrou em contato com as delegacias de polícia dos municípios atingidos pelo apagão e constatou que apenas em Santópolis do Aguapeí um comerciante registrou boletim de ocorrência, alegando que teve prejuízo por conta da falta de energia, pois teria deixado de vender suas mercadorias.

  A Prefeitura de Guararapes confirmou que a falta de energia no município durou poucos minutos, por isso, nenhum serviço teria sido afetado. Nos demais municípios, as prefeituras mantiveram o expediente.

Em Gabriel Monteiro, o serviço teria sido restabelecido por volta de 19h30. Em Santópolis do Aguapeí e Piacatu, a energia teria retornado por volta das 23h.
 
fonte/foto/JornalDiaaDia


Por: Lázaro Jr da Folha da Região

TRABALHADORES DO SETOR AÉREO OPTAM POR SUSPENSÃO TEMPORÁRIA DA GREVE


Aeronautas e aeroviários faziam manifestação no Santos Dumont na manhã desta quinta (Foto: Reprodução / TV Globo)Aeronautas e aeroviários faziam manifestação no Santos Dumont na manhã desta quinta (Foto: Reprodução / TV Globo)
 
Os trabalhadores do setor aéreo optaram pela suspensão "temporária" das paralisações nos aeroportos, que
 provocam atrasos e cancelamentos em voos em todo país nesta quinta-feira (22). A decisão foi  aprovada em assembleia realizada nesta tarde.

Segundo a Federação Nacional dos Trabalhadores em Aviação Civil (Fentac/Cut), a campanha de negociação salarial dos aeronautas e aeroviários será retomara nesta sexta-feira (23), às 14h, durante audiência no Tribunal Superior do Trabalho (TST), em Brasília.

Até as 18h, dos 1781 voos domésticos programados, 303 (17% do total) estavam atrasados e 144 (8,1%) haviam sido cancelados, segundo a Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero).

As negociações da campanha salarial iniciaram em outubro de 2014 e até agora foram feitas sete rodadas, que terminaram sem avanço. Os trabalhadorem pedem reajuste de 8,5%.

O Sindicato Nacional das Empresas Aeroviárias (Snea), que representa a TAM, Gol, Avianca e Azul, ofereceu na última rodada de negociação, ocorrida no dia 19 de janeiro, 6,5% de aumento nos salários e 8% nos benefícios.

As manifestações ocorreram nos aeroportos de Congonhas, em São Paulo, Guarulhos, na Grande São Paulo, além dos aeroportos de Santos Dumont e Antonio Carlos Jobim, ambos no Rio de Janeiro.

A paralisação também atingiu o Aeroporto Internacional Afonso Pena, em São José dos Pinhais, na Região Metropolitana de Curitiba, Paraná, o Aeroporto Juscelino Kubitschek, em Brasília, o Aeroporto Internacional Hercílio Luz, em Florianópolis, Santa Catarina, o Aeroporto Internacional Salgado Filho, em Porto Alegre, no Rio Grande do Sul, o Aeroporto Santa Genoveva, em Goiânia, e o Aeroporto Internacional Tancredo Neves, em Confins, na Região Metropolitana de Belo Horizonte.


Em nota, a Associação Brasileira das Empresas Aéreas (Abear) e o Sindicato Nacional das Empresas Aeroviárias (Snea) informaram que a paralisação teve um impacto mínimo aos passageiros.
"No entanto, ainda assim o movimento impactou mais de 20% da operação prevista, não garantindo um efetivo mínimo de 80% dos colaboradores, estabelecido pelo judiciário", diz o comunicado.


 Veja a situação de cada região abaixo:
São Paulo
Às 18h, segundo a Infraero, dos 199 voos programados, 41 ( 20.6 %) estavam atrasados e 39 ( 19,6 %) foram cancelados. Os grevistas convenceram funcionários de companhias aéreas a não entrarem no trabalho entre 6h e as 7h.

Uma manifestação de funcionários de companhias aéreas cancelou cinco das dez partidas entre 6h e 7h no Aeroporto Internacional de Viracopos, em Campinas, São Paulo. A assessoria de imprensa do terminal informou que os passageiros que tiveram problemas devem procurar as companhias aéreas para conseguir um novo voo.

Rio de Janeiro
Por volta das 18h, 23 dos 133 voos programados no aeroporto Santos Dumont estavam atrasados e outros 20 foram cancelados. No Galeão, 21 partidas estavam atrasadas e outros três voos haviam sido cancelados.
Paraná
Apesar de uma determinação do Tribunal Superior do Trabalho (TST), divulgada na noite de quarta-feira (21), para que a categoria mantivesse 80% dos funcionários trabalhando durante a greve, havia registros de voos atrasados no Afonso Pena por volta das 6h30. Em Curitiba, 7,5% dos voos foram cancelados.

Distrito Federal
Cerca de 30 aeronautas e aeroviários se reuniram em frente à entrada de embarque doméstico no Aeroporto Juscelino Kubitschek, em Brasília, às 6h desta quinta-feira (22). Às 18h, dos 155 voos previstos, 22,5 % estavam atrasados e 8,6% haviam sido cancelados.

Rio Grande do Sul
A manifestação no Aeroporto Internacional Salgado Filho durou cerca de uma hora, provocou atraso de voos e gerou filas de passageiros nos guichês das companhias aéreas.
O Tribunal Superior do Trabalho (TST) determinou que fosse assegurada a cota mínima de 80% dos aeronautas em atividade.

Santa Catarina
Em Florianópolis, por volta de 18h, dos 39 voos programados, estavam em atraso 23,1 %, com dois cancelamentos.

Goiás
Aeronautas e aeroviários paralisaram as atividades das 6h às 7h no Aeroporto Santa Genoveva, em Goiânia. Às 18h, 21% dos voos estavam atrasados e não haviam registro de cancelamentos.

Minas Gerais
De acordo com a Infraero, no aeroporto Tancredo Neves, dos 110 voos previstos, 16 (14,5%) estavam atrasados e 11,8% foram cancelados.

Recife
A paralisação não afetou a decolagem e pouso dos voos no Recife. Às 18h, apenas dois voos haviam sido cancelados. Pela manhã, a movimentação no Aeroporto Internacional da capital era tranquila e o horário dos voos estava normal.

Maranhão
A paralisação nacional de trabalhadores do setor aéreo não prejudicou as atividades no Aeroporto Marechal Hugo da Cunha Machado, em São Luís. No fim da tarde, não havia cancelamentos.

Reivindicações
O ato que teve início nesta quinta-feira é organizado pelo Sindicato Nacional dos Aeroviários (trabalhadores de companhias aéreas, não incluindo aeronautas), que anunciou ter entrado em greve às 6h, e pelo Sindicato Nacional dos Aeronautas (pilotos e equipes que embarcam), que marcou a suspensão entre as 6h e 7h. Ambos pedem reajustes salarias, entre outros itens.

Entre as reivindicações dos aeroviários estão reajuste de 8,5% nos salários e criação de um piso para profissionais de check-in. Os aeronautas reivindicam "escalas que gerenciem o risco de fadiga, folgas que proporcionem vida social normal e ganho salarial real".

A Gol Linhas Aéreas informou que, para minimizar os danos a seus clientes readequou sua malha e os reacomodou em outros voos. "A Gol informa ainda que os clientes podem optar pela remarcação de suas viagens, sem taxas, ou solicitar reembolso integral de suas passagens pelo telefone (0300-1152121) ou internet (www.voegol.com.br)".

fonte/G1

sábado, 10 de janeiro de 2015

CAIXAS-PRETAS DO AIRBUS DA AIR ASIA NÃO ESTAVAM NA CAUDA


A cauda do avião da AirAsia que caiu em 28 de dezembro foi retirada, neste sábado, do Mar de Java
Foto: Suharso / Reuters
As caixas-pretas do avião da Air Asia que caiu no mar de Java, Indonésia, no último dia 28 de dezembro com 162 pessoas a bordo não estavam na cauda recuperada neste sábado (10).

Segundo o comandante do exército indonésio, general Moeldoko, os equipamentos devem ter se separado da aeronave no momento do impacto com a água. Contudo, as equipes de busca registraram sinais acústicos que podem ser das caixas-pretas, que emitem um alerta por 30 dias, período de duração de suas baterias.

O voo QZ8501 da companhia malaia de baixo custo partira da Indonésia com destino a Cingapura, mas desapareceu dos radares 40 minutos após a decolagem. Até o momento, cerca de 40 corpos foram recuperados.

fonte/foto/Terra

BOEING CARGUEIRO DA ETHIOPIAN SAI DA PISTA EM GANA

Ethiopian B737400_crash_Accra 10jan15_A 900pxi

 Um Boeing 737-400 F (versão cargueiro) ACIDENTOU-SE na manhã de hoje, sábado, dia 10 de Fevereiro, no Aeroporto Internacional de Kotoka/Accra, capital do estado africano do Gana. A aeronave sofreu danos vultuosos tendo o motor direito se separado da asa e rolado para a frente da fuselagem num terreno fora da pista, onde o avião bastante danificado ficou imobilizado.

Um comunicado da empresa concessionária do aeroporto (Ghana Airports Company, Limited) confirma o incidente, verificado pelas 11h05 locais (mesma hora UTC) com um Boeing de registo etíope (ET-EQV), que viajava de Lomé, no Togo, para Accra, com três tripulantes a bordo, que estão internados num hospital militar da capital do Gana. Desconhece-se que tipo de carga transportava ou, até, se voava sem carga. 
Segundo o comunicado o avião, que está pintado com as cores da Ethiopian Airlines, voava ao serviço da companhia pan-africana Asky Airlines, que tem sede em Lomé, capital do Togo.

O aparelho, sn 28493 e msn 2838, fez o primeiro voo em 02 de Dezembro de 1996, contando, por isso 18 anos e um mês de serviço. Trabalhou primeiro como avião de passageiros, tendo sido transformado em cargueiro há dois anos, depois de alguns anos ao serviço da companhia belga Brussels Airlines.

Não são conhecidos mais pormenores, nem tão se o despiste da aeronave teve alguma relação com eventuais más condições meteorológicas.

A imagem mostra o motor que se separou da asa direita imobilizado frente à fuselagem do Boeing, cujos três de aterragem também quebraram no impacto com o solo.

A imagem mostra o motor que se separou da asa direita imobilizado frente à fuselagem do Boeing, cujos trens de aterragem também quebraram no impacto com o solo, o que, em primeira análise, poderá ser responsável pela saída de pista.

fonte/foto/NewsAvia