quarta-feira, 28 de setembro de 2016

MINISTRO PORTUGUÊS CRITICA EMBRAER EM PÚBLICO





O ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, de Portugal, desafiou hoje a construtora aeronáutica brasileira Embraer, que possui duas fábricas e um centro de engenharia em Évora, a "investir no conhecimento e no emprego qualificado".  

"Esperamos que, em Évora e em Portugal, a Embraer seja um exemplo e que invista no conhecimento, no emprego qualificado e, em particular, ajude a Universidade de Évora (UÉ) a desenvolver a área da ciência e tecnologia aeronáutica", afirmou.

Manuel Heitor falava aos jornalistas à margem da conferência "Évora Aero Tech Day`s", promovida pela UE em conjunto com o Parque de Ciência e Tecnologia do Alentejo (PCTA).

Na sua intervenção na sessão de abertura do evento, o governante disse, em tom crítico, que a Embraer "não é o melhor exemplo" de empresas que investem no conhecimento, afirmando esperar que a construtora brasileira seja "diferente" em Portugal.

Manuel Heitor contou que esteve, recentemente, num centro de ciência e tecnologia em São José dos Campos, no Brasil, onde "muitos parceiros académicos e tecnológicos se queixavam da falta de investimento da Embraer" na área do conhecimento. 

"Esperamos que a Embraer possa usar Évora e Portugal para mostrar um maior envolvimento do setor privado no investimento no conhecimento e nas pessoas", insistiu.

O ministro desafiou a construtora aeronáutica brasileira e outras empresas e as instituições de ensino superior a "montarem um arranjo colaborativo" para "estimular o emprego científico e qualificado" no setor da aeronáutica.

Na sessão, o presidente da Câmara de Évora, Carlos Pinto de Sá, revelou que, atualmente, sete empresas ligadas ao setor da aeronáutica "estão a instalar-se" na cidade.

"Estão a decorrer, em Évora, 170 milhões de euros de investimento", que "vão criar, nos próximos anos, incluindo já este, 964 postos de trabalho diretos", adiantou o autarca alentejano.

Pinto de Sá adiantou que esteve hoje na cidade "uma delegação da associação de aeronáutica francesa", que "representa 172 empresas do setor" em França, para uma visita ao parque da indústria aeronáutica.

fonte/rtp.pt

COMPANHIA AÉREA AFRICANA SELECIONA COMANDANTES

 
A UPTO Aviation, uma empresa portuguesa de recrutamento e seleção especializada na indústria da aviação, com escritórios em Lisboa, Londres e no Rio de Janeiro, está a recrutar comandantes (B737NG, B757, B767, B777, B787 e Q 400) para uma conhecida companhia comercial de África. 
 
“O nosso cliente tem neste momento mais de 81 destinos internacionais, voando para mais destinos do que qualquer outra companhia aérea em África operando a mais moderna e mais recente frota do continente”, refere a nota divulgada pela ‘UPTO Aviation’.

Os interessados deverão consultar as condições e requisitos no site: www.uptoaviation.com

fonte/NewsAvia

terça-feira, 27 de setembro de 2016

QUEDA DE HELICÓPTERO EM ANGOLA

heli-d2-eys-tonymangueira-900px

Um helicóptero pertencente à empresa Heli Malongo caiu no mar na tarde desta segunda-feira, dia 26 de setembro, quando realizava um voo de transporte de trabalhadores entre a base de Malongo e a plataforma de Tômbwa-Landana, no mar de Cabinda, em Angola. Segundo noticia nesta terça-feira, dia 27, a imprensa angolana, todos os seis ocupantes morreram e já foram encontrados quatro corpos.

O jornal digital ‘Rede Angola’ refere que o piloto é um cidadão sul-africano, cujo corpo não foi ainda encontrado. O outro ocupante, um cidadão expatriado, também não foi encontrado. Os quatro corpos recolhidos pertencem a cidadãos angolanos que trabalhavam para uma empresa que presta serviço na plataforma.

Logo após a queda do aparelho, que desapareceu de forma abrupta dos radares de controlo aéreo, estiveram empenhadas nas operações de busca e resgate 19 embarcações e três helicópteros. As operações foram retomadas na manhã desta terça-feira, com vista à localização e recolha dos dois corpos ainda anão encontrados.

A ‘Rede Angola’ cita a Televisão Pública de Angola (TPA) refere que no local do acidente as condições atmosféricas eram desfavoráveis.

O helicóptero, um Bell 403, matrícula D2-EYS, pertencia à empresa angolana Heli Malongo, e estava ao serviço da Cabinda Gulf Oil Company, uma subsidiária da petrolífera norte-americana Chevron, concessionária de explorações petrolíferas na zona de Cabinda. Foi construído em 2007.
Entretanto a companhia para quem o helicóptero voava distribuiu um comunicado em que confirma o infeliz acontecimento e refere que continuam em curso as operações para resgate dos dois corpos, do piloto, e de um funcionário da companhia petrolífera.

fonte/NewsAvia/foto/ Tony Mangueira Fernandes

segunda-feira, 26 de setembro de 2016

EMBRAER ACEITA 1.463 ADESÕES AO PDV



Embraer (Foto: Divulgação/Embraer) 
 (Foto: Divulgação/Embraer)

A EMBRAER informou nesta segunda (26) que aceitou 99,5% dos 1.470 pedidos de adesão ao Programa de Demissão Voluntária (PDV) nas unidades que a fabricante de aviões tem no país. Somente sete pedidos de adesão ao programa foram negados pela empresa.

De acordo com a fabricante brasileira de aeronaves, os desligamentos dos aprovados serão feitos na primeira semana de outubro. A avaliação individual dos pedidos foi encerrada na última sexta (23). A empresa não informou a quantidade de pedidos por unidade no Brasil

O pacote para os dispensados oferece, além do pagamento rescisório, indenização de 40% do salário nominal proporcional ao tempo de empresa, direito a seis meses de plano de saúde e odontológico, e apoio em programas de palestras e workhops de qualificação.

Em nota, a Embraer informou que além do PDV, outras ações com o objetivo de reduzir despesas da companhia seguem sendo implantadas e seus impactos só serão dimensionados ao longo dos próximos meses. A meta é cortar cerca de US$ 200 milhões em custos ao ano.

A empresa não revelou se o número de adesões ao PDV atingiu a meta, nem o motivo de ter recusado o pedido de sete funcionários. O programa foi aberto dia 23 de agosto em todas as unidades da empresa no Brasil e terminou em 14 de setembro .

Números
Segundo o Sindicatos dos Metalúrgicos, que representa os trabalhadores em São José dos Campos, onde é a sede da empresa, foram pelo menos 600 adesões ao PDV na unidade.

Nas fábricas e subsidiárias, como a Eleb, que mantém no Brasil e no exterior, a Embraer tem atualmente cerca 19 mil empregados - sendo 13 mil em São José dos Campos. As fábricas no Brasil ficam, além de duas em São José, também em Taubaté, Sorocaba, Botucatu e Gavião Peixoto.

Sindicato
O Sindicato dos Metalúrgicos mantém o posicionamento contrário ao PDV na Embraer. "Para nós, PDV é demissão. A Embraer aplicou e nós continuamos denunciando, é uma economia para pagar a corrupção pelo qual eles estão respondendo nos Estados Unidos", disse Herbert Claros, diretor da entidade.

O sindicato considera que o valor projetado para corte das despesas é o mesmo de uma possível multa referente a um caso de propina investigado pelo Ministério Público Federal do Rio de Janeiro (MPF) e denunciado em 2010 pelo Departamento de Justiça do governo dos Estados Unidos.
Um depoimento de um gerente da companhia revelou que a cúpula da empresa teria autorizado o pagamento de propina a uma autoridade da República Dominicana para garantir a venda de oito aviões Super Tucano ao país. A empresa nega a relação entre a redução de despesas e a multa.

Crise
No último trimestre, a EMBRAER sofreu prejuízo de R$ 337,3 milhões, revertendo resultado positivo, de R$ 399,6 milhões obtidos no mesmo período do ano passado. A companhia também cortou estimativas para entregas de aviões executivos e comerciais.

Com isso, a projeção de receitas líquidas neste ano teve queda para o intervalo de US$ 1,6 bilhão a US$ 1,75 bilhão ante previsão anterior de US$ 1,75 bilhão a US$ 1,9 bilhão. Nos últimos seis meses, o consumo de caixa da companhia foi de US$ 600 milhões.

fonte/foto/G1

domingo, 25 de setembro de 2016

BAE JETSTRAM 41 SAI DA PISTA NO NEPAL

incid-yetiairlines-24set2016a-900px


Um avião bimotor turboélice BAE Jetstream 41 da companhia nepalesa de voos domésticos Yeti Airlines (matrícula 9H-AIB) saiu de pista neste sábado, dia 24 de setembro, ao pousar no Aeroporto de Bhairawa num voo proveniente do Aeroporto Internacional de Tribhuvan, em Katamandu, capital do Nepal.

A companhia aérea distribuiu um comunicado cerca da meia-noite, hora local, em que confirma e lamenta o incidente com o voo NYT893, e diz que todos os 29 passageiros e três tripulantes (dois pilotos e uma assistente de bordo) se encontram bem, não tendo sofrido ferimentos.

incid-yetiairlines-24set2016b-900px

As condições atmosféricas na zona do aeroporto eram boas na hora da aproximação e aterragem da aeronave, segundo fontes aeroportuárias. Tinha chovido antes, mas no momento do despiste do avião (16h56 locais) a visibilidade era de oito quilometros e o vento fraco.

Nas imagens obtidas através das redes sociais os passageiros a desembarcarem da aeronave e algumas ambulâncias a se aproximarem. Alguns passageiros lamentaram a fraca eficiência dos serviços de bombeiros e de socorro no aeroporto, tendo sido os próprios ocupantes do avião que ajudaram os outros a saírem de dentro da cabina, nomeadamente os mais idosos. Refere um dos passageiros que junto do avião não foi visto qualquer pronto socorro dos bombeiros, apenas ambulâncias.

O Aeroporto de Bharawa tem uma pista de 1.500 metros de comprimento. Está presentemente em obras de ampliação que o dotará de uma pista de 3.000 metros de extensão e novas e modernas instalações de apoio aos passageiros, tendo em vista transformar esta estrutura no segundo aeroporto internacional do país, depois de Katamandu.

O avião sinistrado fez o seu primeiro voo em Julho de 1993. Está na Yeti Airlines desde 2007, depois de ter voado para companhias norte-americanas e para a britânica Eastern Airlines. No total tem 23 anos de serviço.

fonte/foto/NewsAvia

sábado, 24 de setembro de 2016

ACIDENTE AÉREO EM MARINGÁ MATA PILOTO


Acidente aconteceu durante a 19ª Feira Internacional de Aviação de Maringá. Foto: Reprodução RPC
Um acidente de avião causou a morte de um piloto na tarde deste sábado (24), durante voo expositivo em um evento, em Maringá, no Paraná. O acidente aconteceu por volta das 17h30 na 19ª Feira Internacional de Aviação. A informação foi confirmada pelo Corpo de Bombeiros.
 
Esta foi a primeira ocorrência do tipo nas edições da feira no Brasil. Segundo informações dos bombeiros a aeronave "caiu de bico" e ficou "cravada" na terra. O veículo era plotado por Luiz Carlos Basson Dell'Aglio, que morreu no local. A assessoria de imprensa da feira divulgou nota sobre o acidente. Leia abaixo.

"Piloto Agrícola com mais de 19.000 horas de voo, Luiz Carlos Basson Dell"Aglio é considerado um dos grandes nomes no segmento, tendo atuado durante 11 anos como Coordenador Geral e Instrutor do CAVAG - Curso de Piloto Agrícola na cidade de Ponta Grossa, Paraná, onde reside e administra a sua empresa AGROVEL - Agro Aérea Vila Velha Ltda. Atualmente voando agrícola no Estado de SC em regiões de Bananais e Arroz Na acrobacia, seu esporte predileto, possui mais de 1600 horas de voo de alta performance, sendo o atual Presidente da CBA - COMITÊ BRASILEIRO DE ACROBACIA E COMPETIÇÕES AÉREAS. Dell"Aglio iniciou na acrobacia pilotando um Decathlon, na Categoria Esporte, onde chegou ao terceiro lugar no ranking nacional. No ano de 1998, com a compra do Extra 230 matriculado PT-ZUN, com aproximadamente 700 horas, entrou para a Categoria Intermediária, com ótimo desempenho. No ano seguinte, já estava competindo na Categoria Avançada, onde vem disputando os torneios de acrobacia de nível nacional, também com excelentes resultados".

fonte/foto/TnOnline/UOL

Dados da aeronave via RAB

MATRÍCULA: PTZUN
 
 
Proprietário:
LUIZ CARLOS BASSON DELLAGLIO
CPF/CGC:

Operador:
LUIZ CARLOS BASSON DELLAGLIO
CPF/CGC:

 
Fabricante:
PETRO JET SALES
Modelo:
EXTRA EA 230
Número de Série:
008
Tipo ICAO :
ZZZZ
Tipo de Habilitação para Pilotos:
MNTE
Classe da Aeronave:
POUSO CONVECIONAL 1 MOTOR CONVENCIONAL
Peso Máximo de Decolagem:
700 - Kg
Número Máximo de Passageiros:
001


Categoria de Registro:
PRIVADA EXPERIMENTAL
Número dos Certificados (CM - CA):
410
Situação no RAB:

Data da Compra/Transferência:
120400


Data de Validade do CA:

Data de Validade da IAM:
ABORDO
Situação de Aeronavegabilidade:
Normal
Motivo(s):

Consulta realizada em: 24/09/2016 19:56:33

EMBRAER CONCLUI ANÁLISE DO PDV


Embraer Fotos: Claudio Vieira / OVALE

A Embraer encerra nesta sexta-feira a análise da adesão ao PDV (Plano de Demissões Voluntárias) aberto pela companhia, que atraiu 1.470 empregados. Eles poderão ser demitidos a partir de outubro.

A saída da empresa vai depender de o PDV ser aprovado. A Embraer disse que considerará “o atendimento aos critérios de elegibilidade e a análise, feita pela área, quanto ao possível impacto do desligamento”. E completou: “Os inscritos serão informados sobre a aceitação da adesão até 23 de setembro”.

A empresa vai pagar indenização de 40% do salário nominal por ano trabalhado na empresa para cada empregado que for demitido, além das verbas rescisórias. Será garantido o pagamento mínimo de dois salários nominais.

A medida pretende economizar US$ 200 milhões (cerca de R$ 650 milhões) por ano e ainda inclui seis meses de assistência médica e odontológi-ca e orientação para recoloca-ção no mercado de trabalho ou aposentadoria.

Protesto. “A Embraer esvazia suas fábricas no Brasil para investir nas unidades construídas nos Estados Unidos e em Portugal. Isso é inadmissível, a empresa visa apenas os interesses dos acionistas estrangeiros, que agora são os donos da Embraer”, declarou o vice-presidente do Sindicato dos Meta-lúrgicos, Herbert Claros, que defende uma “grande mobilização” em um protesto às demissões. Não estão descartadas paralisações.

Em nota, a Embraer defendeu o processo de expansão da empresa para o exterior como medida que ajudou a “ampliar vendas e para que a empresa tivesse conseguido manter os níveis de produção até o atual momento”.

fonte/foto/OVale