quarta-feira, 10 de fevereiro de 2016

EMBRAER 314 SUPER TUCANO CAI NA INDONÉSIA


Equipes de resgate carregam uma parte do avião indonésio da Força Aérea na Indonésia, nesta quarta-feira (10). (Foto: AP)Equipes de resgate carregam uma parte do avião indonésio da Força Aérea na Indonésia, nesta quarta-feira (10). (Foto: AP)
 
Três indonésios morreram nesta quarta-feira (10), uma mulher e dois militares, depois que um avião militar fabricado no Brasil, pela Embraer, caiu em uma zona residencial em Malang, no leste da ilha de Java, de acordo com informações das agências AP e EFE.

O piloto, copiloto e um civil foram levados a um hospital após o acidente, onde morreram por causa dos ferimentos sofridos, informou o porta-voz da base aérea de Abdul Rahman Saleh, o comandante Hamdi Londong, citado pela imprensa local.

O aparelho, um avião turboélice Super Tucano, efetuava um voo de treino quando caiu, por causas que são investigadas, sobre uma casa na qual se encontrava uma mulher, segundo o canal "MetronewsTV".

O ministro da Defesa da Indonésia, Ryamizard Ryacudu, afirmou aos jornalistas que era um avião "relativamente" novo e em boas condições, por isso que os especialistas terão que estabelecer se o acidente foi ocasionado por falha mecânica ou um erro humano.

O avião é um modelo fabricado no Brasil e projetado o ataque ligeiro, contra-insurgência e treino avançado de pilotos.

A Indonésia comprou 16 aviões Super Tucano de combate ligeiro do Brasil, avaliados em US$ 260 milhões, dos quais recebeu 8, que têm como base no Esquadrão 21 de Malang.

O acidente ocorreu dois meses depois que dois pilotos morreram no acidente de outro avião militar que também efetuava um voo de treino.

Em junho de 2015, outro avião da Força Aérea indonésia caiu chocou em um bairro de Medan, capital da província de Sumatra do Norte, durante a decolagem e deixou 142 mortos.

Super Tucano usado pela Força Aérea Brasileira. 16 aviões foram vendidos para a Indonésia. (Foto: Divulgação / Embraer)Super Tucano usado pela Força Aérea Brasileira. 16 aviões foram vendidos para a Indonésia. (Foto: Divulgação / Embraer)
 
fonte/foto/G1

terça-feira, 9 de fevereiro de 2016

AVIÃO AGRÍCOLA CAI EM MATO GROSSO


Avião agrícola caiu durante aplicação de agrotóxico e piloto morreu (Foto: Edgard Costa/ Paranatinga News)Avião agrícola caiu durante aplicação de agrotóxico e piloto morreu (Foto: Edgard Costa/ Paranatinga News)
 
Um acidente com um avião agrícola matou um piloto nesta segunda-feira (8) na região de
Paranatinga, a 411 km de Cuiabá. De acordo com informações do Corpo de Bombeiros e da Polícia Militar, o piloto identificado como Jeber Mira, de 34 anos, estava sozinho no avião, modelo Ipanema, e aplicava agrotóxico na lavoura de uma fazenda.

O acidente ocorreu a 100 km de Paranatinga. As pessoas que viram o acidente disseram à polícia que o piloto havia jogado o veneno em um trecho da lavoura da fazenda e se preparava em uma manobra para fazer uma novamente uma nova aplicação do agrotóxico.

As testemunhas relataram que nesse momento a aeronave perdeu sustentação e acabou caindo. O piloto foi retirado dos destroços, no entanto, não resistiu e morreu no local do acidente. Ainda não há informações do velório do piloto.

 fonte/foto/G1

Dados da aeronave


MATRÍCULA: PTULK
 
 
Proprietário:
SOMA SERV. OFIC. E MAN. AERONAUTICA LTDA
CPF/CGC:

Operador:
PULVERIZA AVIACAO AGRICOLA LTDA-ME
CPF/CGC:

 
Fabricante:
NEIVA
Modelo:
EMB-202
Número de Série:
200797
Tipo ICAO :
IPAN
Tipo de Habilitação para Pilotos:
MNTE
Classe da Aeronave:
POUSO CONVECIONAL 1 MOTOR CONVENCIONAL
Peso Máximo de Decolagem:
1800 - Kg
Número Máximo de Passageiros:
000


Categoria de Registro:
PRIVADA SERV.AEREO ESPECIALIZADO PUBLICO-AEROAGRICOLA
Número dos Certificados (CM - CA):
15436
Situação no RAB:
ARRENDAMENTO OPERACIONAL
Data da Compra/Transferência:
170615


Data de Validade do CA:
23/08/16
Data de Validade da IAM:
060716
Situação de Aeronavegabilidade:
Normal
Motivo(s):

Consulta realizada em: 09/02/2016 10:27:15

domingo, 7 de fevereiro de 2016

ENGENHEIRO MORRE APÓS SER ATINGIDO POR HÉLICE AO ABASTECER AVIÃO EM MATO GROSSO


Hélice de avião bateu na cabeça de engenheiro de 33 anos (Foto: Luciano Costa/ Polícia Civil-MT)Hélice de avião bateu na cabeça de engenheiro de 33 anos (Foto: Luciano Costa/ Polícia Civil-MT)
Um engenheiro agrônomo, de 33 anos, morreu neste domingo (7), em uma fazenda em Barra do Garças, a 516 km de Cuiabá, depois de ser atingido pela hélice de um avião agrícola. De acordo com a Polícia Civil, Ivaldo Alves de Barros abastecia o monomotor quando a hélice bateu na cabeça dele.
A vítima morreu no local. Ivaldo mora em Nova Xavantina, cidade a 651 km de Cuiabá e a aproximadamente 30 km da Fazenda Nova Viena, às margens da BR-158, onde ocorreu o acidente.
Como a propriedade fica no município de Barra do Garças, o corpo foi levado para o Instituto Médico Legal (IML) dessa cidade.

De acordo com o policial civil Luciano Costa, que atendeu a ocorrência, o agrônomo trabalhava numa empresa de aviação, que presta serviço ao agricultor que planta soja nessa propriedade arrendada.

"As informações colhidas no local dão conta que ele teria saído pelo lado errado. Em vez de sair por trás do avião, tentou sair pela frente, quando foi atingido", afirmou.

fonte/foto/G1

quinta-feira, 4 de fevereiro de 2016

RAF ADQUIRE CINCO JATOS PHENOM 100 PARA TREINAR PILOTOS MILITARES BRITÂNICOS

Embraer Phenom_100 RAF 900px

O jato executivo Phenom 100, fabricado pela Embraer, foi selecionado para ser avião de treino dos pilotos da Força Aérea do Reino Unido (RAF) em aeronaves multimotor, anunciou nesta quarta-feira, 3 de fevereiro, a construtora aeronáutica brasileira.

O contrato assinado com a ‘Affinity Flight Training Services’ prevê a aquisição de cinco aeronaves para o programa ‘Military Flight Training System’ (MFTS), do Ministério da Defesa britânico. O contrato também inclui um pacote de serviços e opções para aeronaves adicionais.

O programa destina-se a substituir o modelo de treino inicial, básico e multimotor, que atualmente é realizado em aeronaves mais antigas, por uma nova solução totalmente integrada, que fornece aeronaves de treinamento mais modernas, dispositivos de treinamento no solo e material didático.

A solução é derivada do modelo de formação desenvolvido pela ‘Ascent Flight Training’, empresa responsável pelos serviços de treinamento do programa MFTS no Reino Unido. Em 2014, a Affinity foi selecionada pela ‘Ascent Flight Training’ para fornecer e operar as aeronaves selecionadas para o programa MFTS.

“Estamos muito orgulhosos por termos sido selecionados em um programa tão importante para o Ministério da Defesa do Reino Unido”, disse Jackson Schneider, presidente executivo da Embraer Defesa & Segurança. “O Phenom 100 é uma aeronave muito confiável, com boa relação custo-benefício, fácil de operar e que também já foi selecionada para realizar o treinamento de tripulantes de importantes companhias aéreas internacionais.”

O programa MFTS do Reino Unido é voltado para a formação de pilotos das forças armadas desde a fase inicial até o treinamento em voo elementar, básico e avançado, preparando-os para atuar em suas unidades operacionais designadas. O sistema é operado pela Ascent Flight Training, consórcio formado pela Lockheed Martin e pela Babcock International, por meio de uma parceria público-privada firmada com o Ministério da Defesa do Reino Unido.

fonte/foto/NewsAvia

quarta-feira, 3 de fevereiro de 2016

PROTESTO DE AERONAUTAS E AEROVIÁRIOS AFETA VOOS NO PAÍS

Os trabalhadores do setor aéreo fazem protesto na manhã desta quarta-feira (3) em aeroportos brasileiros, causando atraso em voos. A greve inclui os aeroviários, cujas atividades incluem check-in e despacho de bagagens, e os aeronautas, cuja categoria abrange pilotos e comissários de bordo.

Paralisação dos aeronautas ocorre nesta quarta-feira (3) (Foto: Juliana Gomes/G1)Pilotos e comissários de voos fazem paralisação em Florianópolis (Foto: Juliana Gomes/G1)

Os trabalhadores do setor aéreo fazem protesto na manhã desta quarta-feira (3) em aeroportos brasileiros, causando atraso em voos. A greve inclui os aeroviários, cujas atividades incluem check-in e despacho de bagagens, e os aeronautas, cuja categoria abrange pilotos e comissários de bordo.

As paralisações estão previstas para os aeroportos de Santos Dumont e Galeão, no Rio, Guarulhos e Congonhas, em São Paulo, além de Brasília, Porto Alegre, Florianópolis, Curitiba, Salvador, Recife, Fortaleza e Campinas.
As principais empresas aéreas anunciaram que liberarão a remarcação de passagens e farão o reembolso integral de bilhetes, após o anúncio de paralisação dos aeroviários e aeronautas.
Em nota, a TAM informou que, até as 6h30, a paralisação havia afetado aproximadamente 12 voos da companhia.

Veja como está a situação nos aeroportos

Paralisação começou às 6h em Florianópolis (Foto: Juliana Gomes/G1) 
Paralisação começou às 6h em Florianópolis
(Foto: Juliana Gomes/G1)
Santa Catarina
Cerca de 150 aeronautas, entre pilotos e comissários de voo, fazem paralisação nesta quarta-feira no Aeroporto Hercílio Luz, em Florianópolis. O protesto começou às 6h e deve ir até 8h.
De acordo com o comandante Francisco Kern, diretor do Sindicato Nacional dos Aeronautas (SNA), 18 voos foram remanejados pelas empresas em Santa Catarina.

Paralisação afeta voos no Salgado Filho (Foto: Zete Padilha/ RBS TV) 
Paralisação afeta voos no Salgado Filho
(Foto: Zete Padilha/ RBS TV)
Rio Grande do Sul
Os aeroviários também realizam uma paralisação desde as 6h em Porto Alegre. A previsão é de que o ato siga até às 8h. Cinco decolagens e seis chegadas foram canceladas, de acordo com a Infraero.
Alguns voos previstos para sairem até 6h, do Aeroporto Salgado Filho não receberam autorização para decolar. Entretanto, passageiros que chegam ao terminal têm feito o check-in, mesmo sem garantia de que o voo sairá.

Manifestantes bloqueiam check-in do Aeroporto de Congonhas (Foto: Tatiana Santiago/G1) 
Manifestantes bloqueiam check-in do Aeroporto de
Congonhas (Foto: Tatiana Santiago/G1)
São Paulo
No aeroporto internacional de São Paulo, em Guarulhos, perto das 6h30, dos 70 voos programados, um foi cancelado, uma decolagem estava com atraso acima de 30 minutos e dois pousos também estavam atrasados.
Trabalhadores também fazem paralisação no Aeroporto de Congonhas na Zona Sul de São Paulo. Nenhum dos sete voos previstos para decolagem partiu do aeroporto desde às 6h, quando o aeroporto abre.
A paralisação nacional dos profissionais do setor de aviação também afetou as decolagens no Aeroporto Internacional de Viracopos, em Campinas (SP).
A informações de que passageiros que estavam na área de embarque tiveram que voltar. Até as 7h14, cinco voos haviam sido cancelados e que dez aeronaves estavam estacionadas no pátio de manobras.

Rio de Janeiro
Aeroviários protestavam na manhã desta quarta-feira nos aeroportos Santos Dumont, no Centro, e Tom Jobim (Galeão), na Ilha do Governador, no Rio. Como mostrou o Bom Dia Rio, os profissionais exibiam cartazes com referência a paralisação nacional da categoria.
Segundo informações do Bom Dia Rio, às 6h50, seis voos estavam cancelados e seis atrasados no Aeroporto Santos Dumont.

Distrito Federal
No Aeroporto Juscelino Kubitschek, em Brasília, por volta das 6h30, os dois primeiros voos da manhã, previstos para 6h20 e 6h45 para Galeão e Santos Dumont, já estavam atrasados. As companhias têm check-in aberto, mas em menor quantidade.

Pilotos e comissários fazem greve no Afonso Pena, em Curitiba  (Foto: Edi Carlos / RPC) 
Pilotos e comissários fazem greve no Afonso Pena,
em Curitiba (Foto: Edi Carlos / RPC)

Paraná
Dezenas de aeroviários e aeronautas estão de braços cruzados para reivindicar melhorias para a categoria desde as 6h no Aeroporto Internacional de Curitiba, localizado em São José dos Pinhais, na Região Metropolitana. Entre os serviços afetados estão check-in e despacho de bagagens. A paralisação dos funcionários abrange comissários e pilotos e está prevista para encerrar por volta das 8h.

 Até as 06h40, sete voos estavam atrasados e três foram cancelados, segundo a Empresa Brasileira de Infra Estrutura Aeroportuária (Infraero). A orientação é para que os passageiros que já tinham voos programados, entrem em contatos com as empresas para remanejá-los.

Sindicato espera adesão de 70%
Os trabalhadores pedem reajuste de 11%, para reposição da inflação no ano passado. Já as empresas do setor aéreo propõem que o aumento seja parcelado em duas vezes - 5,5% em fevereiro e 5,5% em junho, sem abranger o pagamento do valor retroativo à data-base da categoria, que é em 1º de dezembro.

Apenas as diárias nacionais, o vale-alimentação, vale-refeição e seguro de vida seriam reajustados de acordo com a índice da inflação e teriam a data-base respeitada, segundo o sindicato dos aeroviários.

Luiz da Rocha Cardoso Pará, presidente do Sindicato Nacional dos Aeroviários (SNA), espera que a adesão dos trabalhadores do setor chegue a 70%.

O Sindicato Naciona dos Aeronautas prevê que cerca de 300 voos sejam afetados. A entidade não considera que devam ocorrer cancelamentos, mas apenas atrasos.

Os sindicatos avaliam fazer novas paralisações caso não cheguem a um acordo com as empresas.

Reembolso
 

A TAM informou que os passageiros com voos domésticos agendados entre 6h e 18h ou voos internacionais entre 6h e 8h terão liberadas as taxas de remarcação e a diferença de tarifas para que antecipem seus voos ou posterguem sua viagem em até 15 dias a partir da data do voo original, mediante disponibilidade.

Aos passageiros com voos domésticos ou internacionais agendados entre 6h e 8h também está disponível o reembolso dos bilhetes, isento de multa.

O passageiro deve entrar em contato com a Central de Vendas (4002-5700 - capitais e 0300 570 5700 - todo o Brasil), ir a uma loja TAM nos aeroportos ou entrar em contato com a agência emissora de seu bilhete. Ultrapassada a data para remarcação e/ou fora das condições, o passageiro fica sujeito às condições normais de compra e utilização dos bilhetes.

A TAM esclarece que está tomando todas as ações possíveis para manter a segurança das suas operações.

A GOL também não cobrará taxas para remarcação de suas viagens e que concederá reembolso integral das passagens.

A empresa recomenda a clientes com viagens marcadas para esta quarta que entrem em contato com a Central de Atendimento, pelo telefone 0300 115 2121, para verificar a situação de seus voos. A companhia reforça que adotará todas as medidas para minimizar os possíveis impactos aos seus clientes.

A AVIANCA Brasil informou que clientes com reservas em voos programados na quarta-feira poderão remarcar suas viagens com isenção de taxas, mediante disponibilidade de assentos. A companhia está à disposição dos passageiros pelos seguintes telefones: 4004-4040 (São Paulo e principais capitais); ou 0300-789-8160 (demais localidades).

A empresa ressaltou que resguarda a segurança de todas as suas operações e que não medirá esforços para poupar os clientes de eventuais transtornos.

O G1 também entrou em contato com a AZUL e aguarda posicionamento da empresa.

Posicionamento das aéreas
O Sindicato Nacional das Empresas Aeroviárias (SNEA) informou que nos últimos 10 anos, as companhias aéreas promoveram, automaticamente, o reajuste dos salários na data-base de dezembro pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) e que ao final das negociações foi concedido reajuste acima da inflação apurada, representando ganho real.
De acordo com o SNEA, desde o início das negociações com as representações sindicais, seis propostas foram apresentadas, mas todas foram recusadas.

A entidade alega que, de acordo com dados da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), de 2011 a 2014 a aviação comercial acumula R$ 9,4 bilhões de prejuízo líquido. E de janeiro a setembro de 2015, o prejuízo já é de R$ 3,7 bilhões.

O SNEA ressaltou que as empresas aéreas estão tomando todas as medidas para preservar a viagem dos passageiros, não apenas nesta semana, mas também durante todo o Carnaval.

fonte/foto/G1

segunda-feira, 1 de fevereiro de 2016

FLIGHT SIMULATOR 2016 IN 4K


MONOMOTOR CAI EM FLORIANÓPOLIS, SANTA CATARINA


d.jpgBombeiros avistaram destroços e manchas de óleo no mar (Foto: Corpo de Bombeiros/Divulgação)
Uma aeronave de pequeno porte caiu pouco depois de decolar do Aeroporto Hercílio Luz, em Florianópolis, na madrugada desta segunda-feira (1º). Destroços foram encontrados no mar perto da Ilha do Campeche no início da manhã.

De acordo com o Corpo de Bombeiros, no avião estavam o piloto e o proprietário do monomotor, que tinha como destino Ji-Parana, em Rondônia. Os bombeiros fazem buscas pelos dois. As identidades ainda não foram divulgadas.

A identidade dos dois ocupantes da aeronave que caiu no mar em Florianópolis nesta segunda-feira (1º) foi divulgada. No monomotor estavam o empresário e fazendeiro Robson Guimarães e o piloto Marlon Neves, que continuam desaparecidos.

Os dois iam para Ji-Paraná, em Rondônia, de onde são as famílias deles e onde ficam os negócios de Guimarães. Ele havia se mudado para Florianópolis a cerca de um mês,

A aeronave decolou às 5h15 e caiu aproximadamente três minutos depois, a seis milhas do aeroporto, conforme os bombeiros.

O sistema de controle aéreo da Aeronáutica acionou o Corpo de Bombeiros por volta das 5h30. Em sobrevoo, os bombeiros avistaram do helicóptero Arcanjo destroços e manchas de óleo no mar. Mergulhadores também fazem buscas nesta manhã.

A Aeronáutica deve investigar as causas do acidente.

fonte/foto/G1/ASN

dados da aeronave

MATRÍCULA: PPLIG


Proprietário:
ROBSON GUIMARAES
CPF/CGC:

Operador:
ROBSON GUIMARAES
CPF/CGC:


Fabricante:
SOCATA
Modelo:
TBM700N
Número de Série:
1071
Tipo ICAO :
TBM7
Tipo de Habilitação para Pilotos:
MNTE
Classe da Aeronave:
POUSO CONVECIONAL 1 MOTOR TURBOHELICE
Peso Máximo de Decolagem:
3354 - Kg
Número Máximo de Passageiros:
005


Categoria de Registro:
PRIVADA SERVICO AEREO PRIVADOS
Número dos Certificados (CM - CA):
23079
Situação no RAB:

Data da Compra/Transferência:
220615


Data de Validade do CA:
01/06/21
Data de Validade da IAM:
010616
Situação de Aeronavegabilidade:
Normal
Motivo(s):

Consulta realizada em: 01/02/2016 12:50:15


sexta-feira, 29 de janeiro de 2016

PILOTOS E COMISSÁRIOS DE VOO ENTRAM EM GREVE NA PRÓXIMA QUARTA-FEIRA (3 DE FEV)


Trabalhadores reivindicam reajuste salarial de 11% para repor as perdas com a inflação.
 
Pilotos e comissários de voo de dez cidades do país afirmaram nesta sexta-feira (29) que estarão em greve a partir da próxima quarta-feira (3). A paralisação está prevista para ocorrer entre seis e oito horas da manhã, nos horários locais.
A categoria pretende fazer protestos nos aeroportos de Congonhas e Guarulhos, em São Paulo; Santos Dumont e Galeão, no Rio de Janeiro; além dos terminais Viracopos, em Campinas, e em Porto Alegre, Florianópolis, Curitiba, Brasília, Salvador, Recife e Fortaleza.

Os trabalhadores reivindicam um reajuste salarial de 11% para repor as perdas com a inflação entre 2014 e 2015. A última proposta das empresas aéreas, rejeitada pelos funcionários, oferecia aumentos parcelados de 3% em fevereiro, 2% em junho e 6% em novembro.

No ano passado, a categoria chegou a iniciar uma greve, mas, durante uma audiência de conciliação no dia seguinte, patrões e funcionários entraram em acordo.


fonte/BandNews

terça-feira, 26 de janeiro de 2016

GREVE DOS CONTROLADORES AÉREOS FRANCESES CANCELAM 20% DOS VOOS

As companhias aéreas com operações em França foram obrigadas a reduzir em cerca de 20% os voos programados para hoje devido a uma greve de controladores aéreos. A paralisação está a afetar particularmente as ligações domésticas e com outras cidades europeias. 
Para portuguesa TAP isso representou cancelar dois voos com destino a Paris, num total de quatro ligações, a partir de Lisboa e do Porto. Os passageiros foram entretanto reencaminhados para voos de outras companhias. 

Como companhia local, a Air France é a transportadora mais afetada, mas já disse que irá garantir “a quase totalidade” dos voos intercontinentais de longo curso, segundo declarações de um porta-voz da companhia aérea a agência Efe. A mesma fonte acrescentou que serão também asseguradas 80% das ligações de curta e média distância, o que significa as ligações europeias e domésticas.

À semelhança do que aconteceu em greves anteriores, e com vista a minimizar o impacto da greve nas operações das companhias aéreas, a Direção Geral de Aviação Civil francesa pediu, às companhias aéreas que reduzissem o volume de voos para hoje em 20%.

fonte/sapo.pt