Pular para o conteúdo principal

BANGOR O AEROPORTO DAS EMERGÊNCIAS

No mundo das viagens de avião, a palavra emergência não é geralmente bem-vista. Todavia, há um aeroporto à beira do oceano Atlântico que se tem vindo a especializar precisamente nisso.
O Aeroporto Internacional de Bangor, localizado no Maine, nos Estados Unidos, recebeu, desde 2005,  1.170 aviões destinados a outras paragens. A maioria (709) dos desvios para Bangor nos últimos doze anos foi por questões ligadas a problemas com combustível. Seguem-se as relacionadas à meteorologia (254), emergências médicas (95), mecânicas (90) e, por fim, de segurança (22).

“É realmente algo que nasceu da nossa localização”, explica Tony Caruso, diretor daquele aeroporto desde 1996. “Mas temos uma pista boa, longa e larga; o nosso espaço aéreo não está congestionado e temos bom apoio da FAA [Federal Aviation Administration, Administração Federal de Aviação].” Com estas infraestruturas é possível, diz Caruso, “servir qualquer aeronave, civil ou militar”.

Começou precisamente por ser uma base militar. Hoje é o destino acidental de muitos passageiros em voos transatlânticos. É que o aeroporto de Bangor, com o código BGR, é o primeiro grande aeroporto nos Estados Unidos para os voos que partem da Europa e isso, aliado ao espaço aéreo livre, faz dele o aeroporto de recurso preferido dos pilotos.

Serve de posto de reabastecimento a cerca de 10 mil voos transatlânticos por ano. Mas a especialidade são as emergências.
Em outubro de 2004, o jornal americano "The Washington Post" escrevia “os incidentes são tão comuns que as enfermeiras locais dizem que frequentemente tratam pacientes de aviões desviados: uma hospedeira atacada, uma vítima de ataque cardíaco, uma mulher em trabalho de parto.”
A equipa do aeroporto tem de estar, por isso, sempre alerta. E todos têm de ter treino em tudo, explica Caruso: assim, até o jardineiro a cortar a relva à beira da pista pode estar em minutos a fazer a assistência a uma aeronave.

“Temos realmente um bom sistema aqui. Somos continuamente testados. Planeamos e fazemos exercícios, mas estamos constantemente em treino todos os dias através dos nossos trabalhos”, diz o diretor do aeroporto. “Cada situação é única, mas trabalhamos bem com as agências chave”.

“Não é raro recebermos chamadas de aviões a 20 minutos de distância e estar prontos para os receber”, conta Caruso ao ‘Telegraph’. “A nossa equipa entende o papel que Bangor desempenha na indústria. Os nossos trabalhadores sentem um orgulho. Acho que não há outro lugar no mundo como este.”

Depois dos ataques ao World Trade Center (2001), em Nova Iorque, Estados Unidos, o Aeroporto Internacional de Bangor passou a desempenhar novos papéis: área de serviço para os voos a caminho - ou de regresso - da guerra; e sala de espera para voos em cuja lista de passageiros venha algum nome suspeito.

Durante a guerra no Médio Oriente, servia para reabastecer os aviões a caminho do Iraque ou do Afeganistão. Em pouco mais de um ano, notava o ‘Post’, em 2004, 648 aviões, com 116.116 operacionais das forças armadas americanas tinham passado pelo BGR. “Bangor é a primeira, ou última, oportunidade para eles [os militares] pisarem o solo americano”, escrevia, então o jornal.
Com uma pista de 3,5 quilómetros, o Aeroporto Internacional de Bangor, como a cidade, está pronto para receber todos aqueles que tenham de cortar a viagem a meio. Sejam eles Clint Eastwood ou Harrisson Ford; presidentes ou candidatos a tal. E até aqueles se percam no caminho, como Erwin Kreuz, podem contar com a ajuda do BGR.

Da Alemanha para São Francisco, com Bangor pelo meio
Erwin Kreuz chegou aos Estados Unidos (EUA), vindo da Alemanha Ocidental, em outubro de 1977. Durante quatro dias, conta o Bangor Daily News do dia 20 de outubro desse ano, o homem pensava estar nos subúrbios de São Francisco, na costa oeste dos EUA. Todavia, quando pediu a um taxista para o levar para o centro da cidade norte-americana, o motorista disse-lhe que essa seria uma viagem de 6.000 quilometros.

É que o alemão, na altura com 49 anos, estava no lado oposto do continente americano, na pequena cidade de Bangor, onde o avião em que seguia parou para reabastecer e para tratar das questões alfandegárias, já que aquele é o primeiro grande aeroporto para quem chega da Europa.

A tripulação mudou em Bangor, espécie de entreposto para os voos transatlânticos. Uma assistente de bordo que ali ia sair parou junto de Kreuz e disse ao alemão que aproveitasse a estada em São Francisco. “Kreuz ainda estava meio a dormir e provavelmente não ouviu alguns dos outros avisos sobre o desembarque apenas para uma pequena paragem”, escreve o jornal.

Pegou na mala, saiu do terminal e chamou um táxi. Apesar de não falar inglês, Kreuz conseguiu pedir para ir a um hotel. Passeou pela cidade, viu como funcionam as casas e os negócios americanos (aquilo de que estava à procura nos EUA).

E apesar de estar nervoso por não saber ao certo como ia voltar para casa, Erwin Kreuz conheceu quem o ajudasse. As peripécias que viveu transformaram-no de um simples funcionário de uma cervejeira alemã numa estrela. Tornou-se membro do clube Rotary local, recebeu terrenos e foi até feito membro honorário da tribo Penobscot.

Mas a história do turista acidental não fica por aqui: celebrou o 50.º aniversário com direito a tratamento protocolar, contava o "Nashua Telegraph" em 1977. Na Casa do Estado do Maine foi recebido pelo então governador James B. Langley e conheceu vários oficiais daquele estado norte-americano. Atrás dele, a imprensa acompanhava de perto.

Entretanto, um jornal de São Francisco pagou a viagem a Kreuz, que foi tratado como membro da reealeza, limousines incluídas, que pode, assim, finalmente chegar ao seu destino. Conheceu mais dignitários, visitou um rodeo, passeou nos famosos elétricos, comeu e bebeu. Recebeu mais chaves de cidades e até rebites da Golden Bridge. No fim, acabou na Chinatown, a ser batizado como membro honorário da família Wong (que tinha, à data, qualquer coisa como 60 mil membros).

Com o passar do tempo, a atenção mediática foi desvanecendo. E apesar de querer ir viver para os EUA, teve três pedidos de casamento, mas nenhuma oferta de emprego. Kreuz voltou a Bangor em 1978, para inaugurar um centro comercial, onde lhe ofereceram trabalho para a manutenção desse mesmo shopping. Comparando o que ia receber com aquilo que recebia na Alemanha (mais os benefícios sociais), percebeu que não valia a pena.

Porém, a fama e uma entrevista onde disse preferir a cerveja concorrente àquela em que trabalhava há quase uma década, fê-lo perder o emprego dos dois lados do Atlântico.
Voltou ainda em 1979, mas as páginas nos jornais já não eram as mesmas. O interesse na história foi esfumando. E à medida que os aviões mais modernos deixavam de precisar de abastecer em Bangor, também a relevância do aeroporto foi-se circunscrevendo: é, agora, o destino de emergência; melhor: é a capital das aterragens de emergência.

fonte/Economico.pt/foto/Pinterest

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

AVIÃO COM O SENADOR AÉCIO NEVES FAZ POUSO DE EMERGÊNCIA NO AEROPORTO DE GUARULHOS

Imagem com a aeronave em que estaria Aécio, fora da pista, e que circula na internet
O avião em que estava o senador Aécio Neves (PSDB) precisou fazer um pouso de emergência no aeroporto internacional de Guarulhos na noite de quinta-feira (9), informou sua assessoria de imprensa.
Já era noite quando a aeronave, um táxi aéreo fretado pelo PSDB, saiu de Brasília com destino a São Paulo. Os pilotos, percebendo que um pedaço do pneu havia ficado na pista, teriam solicitado autorização para pousar em Cumbica, ao invés de Congonhas, por ter uma pista maior. Ao aterrissar, no entanto, o trem de pouso teria se quebrado, vindo o avião a sair da pista.
Apenas Aécio e a tripulação estavam a bordo. Segundo a assessoria, nem ele nem os pilotos se feriram.
O senador veio para São Paulo porque tem reunião agendada com o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso na manhã desta sexta (10). Apesar do incidente, o encontro foi mantido.
Fernanda Carvalho/O Tempo/Estadão Conteúdo
fonte/foto/UOL

Da…

VÍDEOS DO ACIDENTE COM BOEING 737 DA PERUVIAN AIRLINES EM JAUJA