Pular para o conteúdo principal

MARCO TULIO PELEGRINI É O NOVO PRESIDENTE DA OGMA EM PORTUGAL


Marco Tulio Pellegrini é o novo presidente do Conselho de Administração da OGMA – Indústria Aeronáutica de Portugal, S. A., sucedendo a Rodrigo Rosa que deixa brevemente tais funções para ocupar o cargo de administrador financeiro da Embraer Europa, ficando responsável pelas atividades financeiras do grupo brasileiro na Europa, Médio Oriente e África.

O novo líder da empresa portuguesa OGMA era até agora vice-presidente executivo da Embraer Aviação Executiva, com sede em São José dos Campos, no Estado de São Paulo (Brasil). A mudança efetiva-se no dia 3 de abril de 2017.

“A Embraer e a OGMA têm fortalecido o nível de cooperação industrial para alavancar capacitações em projetos, fabricação e serviços para o mercado global. É uma satisfação assumir a direção desta empresa quase centenária para liderar novos negócios e oportunidades de crescimento nesta importante companhia portuguesa”, afirma Marco Tulio Pellegrini, o novo presidente executivo da empresa portuguesa, citado num comunicado da construtora aeronáutica brasileira distribuído no fim de semana.

Com conquistas históricas desde a sua criação em 1918, a OGMA é um importante ator do mercado global de manutenção, reparação e operações (MRO) e fabrico de componentes para aviões.

A OGMA tem vasta experiência na aviação comercial, executiva e de defesa. A empresa oferece soluções e serviços de alta qualidade em manutenção, reparo e revisão de aeronaves civis e militares, motores e partes, componentes e apoio de engenharia. A OGMA é ainda um centro de manutenção autorizado já estabelecido para diversos fabricantes, como a Embraer, a Lockheed Martin e a Rolls-Royce, entre outros.

No mercado de aeroestruturas, a OGMA é um dos principais fornecedores de soluções integradas para os maiores fabricantes de aeronaves e seus parceiros no setor. Com sede em Alverca, Portugal, a empresa tem participação direta no desenvolvimento do programa do cargueiro militar multimissão KC-390, por meio da fabricação da fuselagem central, dos lados direito e esquerdo do conjunto que compõe a carenagem do compartimento do trem de pouso e profundores, que são feitos em material composto e em liga metálica.  O envolvimento da OGMA no programa KC-390 começou ainda na primeira fase do planeamento e desenvolvimento do projeto, como resultado da parceria com a Embraer.



Rodrigo Rosa destaca desenvolvimento e crescimento da OGMA
Após três anos na liderança da OGMA – Indústria Aeronáutica de Portugal, S. A., Rodrigo Rosa prepara-se para assumir um novo desafio no Grupo Embraer, ocupando funções de destaque na estrutura da Embraer Europa.

“Após quase cinco anos na OGMA, três dos quais a liderar os destinos da empresa, parto com o sentimento de dever cumprido. Graças ao trabalho em equipa, ao planeamento estratégico desenvolvido e à implementação das melhores práticas a nível internacional a OGMA é hoje uma referência consolidada no mercado global da aviação. Deixo uma palavra de gratidão e apreço a toda a equipa da OGMA pelo seu empenhamento ao longo deste período, que irá sempre ocupar um lugar especial no meu percurso profissional”, afirma Rodrigo Rosa.

O mandato na presidência da OGMA ficou marcado pelo investimento na capacitação técnica e humana da empresa e pela consolidação do desempenho financeiro, que levaria a atingir os melhores resultados desde a privatização em 2005.

Rodrigo Rosa ingressou na Embraer em 1999, tendo ocupado desde então vários cargos executivos nas áreas financeiras e de negócios. Foi membro do Conselho de Administração e do Conselho Fiscal de diversas empresas controladas pela Embraer em países como a China, EUA, Irlanda, Holanda, Inglaterra e Espanha.

Em julho de 2012 foi designado administrador executivo e financeiro da OGMA, com sede em Alverca do Ribatejo, a cerca de 15 quilómetros da cidade de Lisboa. Em novembro de 2013 foi designado para presidente do Conselho de Administração e presidente executivo da empresa portuguesa, privatizada em 2005, e que é detida em 65% pela Airholding SGPS (100% Embraer) e em 35% pela Empordef (100% Estado Português). A empresa conta com mais de 1.700 trabalhadores e registrou em 2015 um volume de negócios de 188,6 milhões de euros.

Michael Amalfitano é o novo presidente da Embraer Aviação Executiva
Entretanto, a Embraer já tinha anunciado a nomeação de Michael Amalfitano como o novo presidente executivo da unidade de jatos executivos, sucedendo a Marco Tulio Pellegrini, a partir do dia 1 de março.
“Estamos contentes que Michael tenha decidido se unir à Embraer para liderar o nosso negócio de aviação executiva. Temos certeza de que, como um experiente e bem-sucedido executivo, ele tem as qualificações para fazer valer a nossa posição de destaque nessa indústria altamente competitiva”, disse Paulo César Silva, presidente do Conselho de Administração da Embraer.

Amalfitano traz para a companhia 35 anos de experiência em financiamento de aeronaves executivas, tendo ocupado diversas posições de liderança em empresas globais de leasing de equipamentos, como ‘Stonebriar Commercial Finance’, ‘Bank of America Leasing’, ‘Fleet Capital’, e ‘GE Capital’. O seu amplo conhecimento e reputação na indústria acrescentam uma considerável força, rede de relacionamento e presença de mercado para a companhia.

“É uma honra assumir a posição de liderança das mãos do Marco Tulio e um privilégio liderar um time extraordinário de profissionais dedicados a impulsionar o nosso valioso portfólio de aeronaves para o benefício de nossos clientes e acionistas em todo o mundo”, disse o novo presidente executivo da Embraer Aviação Executiva.

fonte/foto/NEWSAVIA

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

AVIÃO COM O SENADOR AÉCIO NEVES FAZ POUSO DE EMERGÊNCIA NO AEROPORTO DE GUARULHOS

Imagem com a aeronave em que estaria Aécio, fora da pista, e que circula na internet
O avião em que estava o senador Aécio Neves (PSDB) precisou fazer um pouso de emergência no aeroporto internacional de Guarulhos na noite de quinta-feira (9), informou sua assessoria de imprensa.
Já era noite quando a aeronave, um táxi aéreo fretado pelo PSDB, saiu de Brasília com destino a São Paulo. Os pilotos, percebendo que um pedaço do pneu havia ficado na pista, teriam solicitado autorização para pousar em Cumbica, ao invés de Congonhas, por ter uma pista maior. Ao aterrissar, no entanto, o trem de pouso teria se quebrado, vindo o avião a sair da pista.
Apenas Aécio e a tripulação estavam a bordo. Segundo a assessoria, nem ele nem os pilotos se feriram.
O senador veio para São Paulo porque tem reunião agendada com o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso na manhã desta sexta (10). Apesar do incidente, o encontro foi mantido.
Fernanda Carvalho/O Tempo/Estadão Conteúdo
fonte/foto/UOL

Da…

VÍDEOS DO ACIDENTE COM BOEING 737 DA PERUVIAN AIRLINES EM JAUJA