sábado, 8 de outubro de 2016

BASE AÉREA DE CANOAS TERÁ MUDANÇAS COM A REESTRUTURAÇÃO DA FAB


Base aérea de Canoas terá mudanças com a reestruturação da FAB Tomaz Silva/Agência Brasil/ Fotos Públicas

A Força Aérea Brasileira (FAB) passará por mudanças. No Rio Grande do Sul, nova nomenclatura e atribuições, além da transferência de um esquadrão de Florianópolis para Canoas, integram a reestruturação concebida para modernizar as operações e reduzir gastos com pessoal.

Sediado em Canoas, o V Comando Aéreo Regional (V Comar) será desativado até 31 de dezembro. Em seu lugar, a FAB criará a Ala 5, que manterá os efetivos e a representação institucional no sul do país e terá foco nas operações, como atividades de defesa aérea, patrulha e transporte. Comandante do V Comar, o brigadeiro Jeferson Domingues ficará à frente da Ala 5. Ala é um termo utilizando mundialmente em forças aéreas.

As novidades ocorrem em todo o país, em um processo que mira o centenário da FAB, daqui a 25 anos. Na análise do comando da Aeronáutica, a atual estrutura tem aspectos que remetem ao nascimento da instituição, em 1941, durante a II Guerra Mundial.

Publicidade
A meta é garantir em 2041 uma força aérea enxuta, eficiente e com forte capacidade de dissuasão. Nessa linha, a FAB decidiu regionalizar o controle das operações. Atualmente, os esquadrões que ficam nas bases de Canoas e Santa Maria atuam segundo as orientações de comandos localizados em Brasília e no Rio de Janeiro.

Com a mudança, a execução das tarefas fica com a Ala 5, que também absorve a base de Canoas e responderá pelas de Santa Maria e Florianópolis. No caso catarinense, a base ficará sem um esquadrão fixo, mas será utilizada com frequência, modelo repetido em outros locais do Brasil. No mesmo projeto, a reformulação da FAB prevê a redução de 25% do efetivo, realocando recursos para as operações. 

A FAB ainda pretende ampliar a contratação de temporários, que ficam por até oito anos. No momento, cerca de 9,5% do efetivo de 75 mil pessoas é temporário — o percentual exclui soldados que cumprem serviço militar obrigatório. A reestruturação diminui profissionais de carreira em áreas como medicina, engenharia, jornalismo e administração. A medida corta despesas, já que os temporários não demandam gastos de transferência, residência e aposentadoria.

Esquadrões
V Comar
> Localizado em Canoas, tem unidades subordinadas no interior do Estado, Santa Catarina e Paraná. Os esquadrões sediados na região respondem nas operações aos comandos que ficam em Brasília e Rio. Canoas tem modelos F-5EM e F-5FM. O V Comar será desativado até 31 de dezembro.

ALA 5
> A nova estrutura mantém a representação da Aeronáutica no sul do país. Além disso, todos os esquadrões do Estado responderão operacionalmente ao comando da ALA.

> Composto por aeronaves P-95, o Esquadrão Phoenix será transferido até dezembro de Florianópolis para Canoas. A ALA terá sete esquadrões, entre caças, aviões de patrulha e transporte, helicópteros e aeronaves remotamente pilotadas.

> As estruturas das bases de Canoas, Santa Maria e Florianópolis ficam na ALA 5.
"Queremos as aeronaves que planejamos ter", diz brigadeiro Rossato
 
Brigadeiro Rossato diz que a base de Florianópolis não será fechada, mas haverá redução gradual de efetivo Foto: Bruno Batista / Divulgação
 
Em entrevista a ZH, brigadeiro Nivaldo Rossato explica que, apesar das mudanças na Força Aérea Brasileira (FAB), não está previsto o fechamento de bases.
O que muda na FAB?
Fizemos um estudo sobre a necessidade de modernizar a Força Aérea tanto na administração quanto no uso do meio aéreo. O objetivo é a melhoria das operações e a redução de custos na atividade-meio, de forma com que a atividade-fim tenha mais recursos. Esse é o ponto fundamental.
Qual a diferença entre Comar e ALA?
O comandante do V Comar tinha mais tarefas de administração e representação. A representação permanece, com a operação. As questões administrativas ficam com grupos de apoio, que reúnem atividades como boletins, comida e rancho, garagem e compras. É responsabilidade do comandante a segurança de voo, se os aviões são mantidos de forma correta.
Por que transferir um esquadrão de Florianópolis para Canoas?
Envolve economia de recursos, vamos concentrar as unidades aéreas em um número menor de bases pelo país. Quando há mais um esquadrão em Canoas, o aumento de efetivo para dar apoio à nova unidade é pequeno. Quando você opera em Florianópolis sozinho, a estrutura de uma base não muda muito se tiver um, dois ou três esquadrões.
A base de Florianópolis pode fechar?
Não vamos fechar nenhuma base. Haverá redução gradual de efetivo. Florianópolis ficará com uma base pronta para o uso.
A FAB pretende ampliar o número de temporários. Por quê?
Há uma infinidade de atividades administrativas que podem ser realizadas por temporários. Temos médicos, advogados, jornalistas, contadores, administradores que ficam até oito anos. Uma banda de música, por exemplo, tem 50 militares. Posso ter 20 de carreira e 30 temporários. Acharemos músicos qualificados, selecionados por concursos.
Reportagem do jornal Estado de São Paulo aponta que 60% da frota da FAB está no chão. A redução de custos vai colocar mais aviões para voar?
Não é verdadeiro falar que os aviões estão no chão. Um avião civil, que o empresário paga US$ 50 milhões a US$ 100 milhões, tem de voar mil horas por ano. Na atividade militar, é normal que aeronave voe 200 a 300 horas por ano. Ter 50% de disponibilidade, ou seja, aeronaves prontas para voo, é normal em qualquer força aérea. Temos de ter reserva de contingência, que são os outros aviões.
No futuro, é possível adquirir mais aeronaves?
Queremos as aeronaves que planejamos ter. O fundamental é termos o Gripen (comprado da empresa suéca SAAB) e o KC-390 (projeto da Embraer). Uma força aérea precisa de um avião de transporte, como o KC-390, e um caça multiemprego, como o Gripen, que faz defesa aérea, ataque ao solo e tem força de dissuasão.
A PEC do teto de gastos pode prejudicar projetos estratégicos?
A sensibilidade do governo para cada projeto define a priorização. O KC-390 tem potencial de exportação anual de US$ 1,5 bilhão a US$ 2 bilhões, com milhares de empregos na fase de desenvolvimento e de produção. É um investimento na capacitação tecnológica do país.
Em 2007, tivemos o caos aéreo. Qual o cenário hoje?
O tráfego aumentou demais de 2007 para hoje. Atualmente, a formação dos graduados é melhor, o nível da proficiência em inglês é melhor, os radares estão atualizados. No caso dos aeroportos concedidos, foram ampliados os pátios, o que ajuda muita. Temos uma estrutura mais consolidada.

 fonte/foto/ZeroHora

Nenhum comentário:

MÍSTERIO REVELADO - ANTOINE SAINT-EXUPÉRY...

Foi um segredo guardado durante 64 anos. Horst Rippert, piloto alemão da Luftwaffe, admitiu, aos 88 anos, ter abatido Antoine de St Exu...