FALHAS DO PILOTO RESULTARAM EM ACIDENTE QUE MATOU FERNANDÃO, APONTA RELATÓRIO


Falhas do piloto resultaram em acidente que matou Fernandão, aponta relatório Corpo de Bombeiros Militar do Estado de Goiás/Divulgação
 
Cinco pessoas estavam no helicóptero Foto: Corpo de Bombeiros Militar do Estado de Goiás / Divulgação
 
Uma série de imprudências resultou no acidente aéreo que ceifou a vida de Fernandão, aos 36 anos. O relatório da tragédia, elaborado pelo Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa), órgão da Aeronáutica, indicou uma sucessão de pequenos erros do piloto Milton Ananias e afastou a possibilidade de falha mecânica no helicóptero em que viajava o ídolo colorado.

Fernandão e mais quatro pessoas, entre elas o aviador, morreram no acidente ocorrido na madrugada de 7 de junho de 2014, em Aruanã (GO). O ex-jogador e amigos pescavam e jogavam cartas em um acampamento em uma ilhota no meio do Rio Araguaia – no período de secas da região, formam-se pequenas praias ao longo do rio. O voo fatal, às 1h27min, levaria o grupo ao centro de de Aruanã. Depois, Fernandão pretendia retornar para sua casa em Goiânia.

Zero Hora teve acesso ao relatório de Cenipa, concluído em setembro. Conforme a investigação realizada pela Aeronáutica, o voo não poderia ter ocorrido. O piloto estava com o Certificado de Aeronavegabilidade em dia, porém não possuía habilitação de voo por instrumentos e a aeronave, um Esquilo AS 350BA, não era homologada para esse tipo de operação. Os dois avais eram indicados para realizar o voo a partir de um banco de areia no meio do rio, local ermo e sem iluminação, que também não era homologado ou registrado.

O relatório descreve que as condições meteorológicas eram favoráveis e o vento calmo. O documento descartou falhas no motor durante a decolagem e não identificou anormalidades nos comandos de voo e no sistema hidráulico da aeronave, que pertencia à Planalto Indústria Mecânica, empresa do ex-jogador e de seu sócio, Alberto Nunes.

O Esquilo caiu 430 metros após o ponto da decolagem, ao lado do acampamento. Na escuridão da madrugada, o helicóptero subiu na vertical até 10 metros de altura, fez um giro de cauda à direita, deslocou-se na horizontal a 30 metros de altura e tombou, chocando-se direto com o solo, sem bater em nada no ar. O Cenipa entendeu que, possivelmente, a ausência de referências visuais no setor de decolagem ocasionou a desorientação do piloto, levando-o a atuar nos comandos de voo de forma inadequada, ultrapassando os 30° de inclinação a cerca de 30m do solo.

O relatório destaca que Ananias não cumpriu o período indicado para adaptar sua visão à escuridão. A investigação também afirma que a aceleração do Esquilo durante a decolagem ¿pode ter criado no piloto uma forte sensação de que o nariz da aeronave movia-se para cima de forma excessiva, quando, de fato, isso não estava acontecendo¿. O sentimento errôneo teria feito com que Ananias levasse o bico da aeronave para baixo, ocasionando a queda.
— Ocorreu uma sucessão de pequenos equívocos. O piloto foi vítima de desorientação espacial, quando não há noção do horizonte. Antes de decolar, ele saiu de local iluminado e foi para um local escuro, o que potencializa a desorientação. Houve uma falha de procedimento. Não foi falha de pilotagem — avalia o tenente-brigadeiro José Carlos Pereira, ex-comandante de Operações Aéreas da Aeronáutica.

Cláudio Roberto Scherer, comandante aposentado da Varig e instrutor do curso de Ciências Aeronáuticas da PUCRS, entende que o relatório do Cenipa aponta para falha humana. Contudo, Scherer destaca que outras variáveis devem ser levadas em conta na conduta de Ananias.
– O piloto profissional tem o dever de dizer não, de alertar que o voo naquela situação era perigoso. Por vezes, a pessoa não se acha com autoridade suficiente para dizer não, pois acha que corre o risco de perder o emprego – avalia o professor.

Em um trecho o relatório indica que ¿é possível que o piloto não tenha negado a realização do voo noturno ao seu patrão, ainda que estivesse fora da regulamentação, motivado pela intenção de manter seu emprego e o vínculo com a atividade aérea.

A investigação não conseguiu determinar se contribuiu para tragédia a fadiga de Ananias. Coronel reformada da PM de Goiás e experiente aviador, Ananias apresentou-se para o trabalho por volta de 10h20min de 6 de junho e decolou meia hora depois. Pousou em uma residência em Aruanã, às 13h44min, descansou das 14h às 19h.

Entre 19h26min e 19h36min, realizou o deslocamento até o acampamento no Rio Araguaia, onde ficou por mais de cinco horas - exames toxicológicos indicaram que não houve consumo de álcool ou estimulantes. O acidente ocorreu à 1h27min do dia 7, 1h37min após o horário em que a jornada deveria ter sido finalizada (23h50min).

Zero Hora tentou contato com Alberto Nunes, sócio da empresa Planalto, proprietária da aeronave, porém ele não foi localizado. O acidente com o ídolo colorado também foi investigado pela Polícia Civil de Goiás, que concluiu o inquérito sem apontar culpados pelo acidente. Segundo a Assessoria de Comunicação do órgão, o caso está com o Ministério Público, que poderá decidir pela continuidade das apurações a partir do relatório do Cenipa.

fonte/foto/ZeroHora

Comentários

Total de visualizações de página

Postagens mais visitadas