AVIÃO DE EDUARDO CAMPOS FEZ 19 VIAGENS EM 12 DIAS

O Cessna Citation 560 Xl que levava o presidenciável Eduardo Campos fez 19 voos em 12 dias, segundo os planos de voo apresentados pelo piloto da aeronave à Aeronáutica e à ANAC.

Os voos ocorreram de 2 a 3 de agosto, data em que o jato caiu, depois de uma tentativa frustrada de pouso na Base Aérea de Santos, no Guarujá, litoral paulista.

Na ocasião, morreram Campos, os dois pilotos e mais quatro pessoas.

A Folha teve acesso à  relação dos últimos voos do Citation, que dão uma ideia da rotina puxada de Campos e também da aeronave nos dias anteriores ao acidente.

Em 7 de agosoto, por exemplo, foram três viagens: o avião saiu de Brasília rumo ao aeroporto de Congonhas na madrugada - Campos se instalara em São Paulo durante a campanha.

Na tarde do mesmo dia, a aeronave PR-AFA partiu rumo a Salvador, onde Campos e sua então vice, Marina Silva, cumpriram agenda: à noite, o avião foi para Recife, terra Natal de Campos.

Em 9 de agosto, , quatro dias antes do acidente também foram três viagens, (Patos-PB,Campos Sales-CE e Araripina-PE), ainda de acordo com os planos de voo do avião.

Segundo pilotos com quem a Folha conversou, trata-se de um ritmo extenso para uma aeronave particular como a que Campos viajava, mas compatível  com agenda de um candidato á Presidência da República.

Desde que passe por manutenção periódica, um avião pode voar seguidas vezes.

MANUTENÇÃO

Não ficou claro no plano de voo se o presidenciável estava a bordo em todos os voos. Mas a maioria coincide com a agenda de Campos nos dias antes da tragédia.

A exceção são duas paradas em Jundiaí, no interior paulista, onde fica a JAPI Aeronaves, que fazia a manutenção do avião. Foram duas idas em menos de uma semana (4 e 10 de agosto).

Como parte do procedimento de investigação do acidente, a Aeronáutica irá obter informações sobre as manutenções do avião e se a parada se deveu a manutenção programada ou não programada (quando há uma pane).

ÚLTIMO VOO

Os planos de voo também são uma maneira de identificar que pilotou o avião nos últimos dias e saber, por exemplo, se algum tripulante voou acima do que manda a lei - o que também faz parte da investigação conduzida pela Aeronáutica.

A norma brasileira estabelece que os pilotos podem ter jornadas de no máximo 11 horas. Na aviação particular, não submetida ao mesmo rigor de fiscalização que a comercial, denúncias de jornada acima dos limites são comuns.

O comandante do Citation, Marcos Martins informou ainda à Aeronáutica e à ANAC no Aeroporto Santos Dumont, no Rio, o destino seguinte depois de visitar Santos. Ele previa decolar da Base Aérea de Santos em direção ao Aeroporto de Congonhas. Foi a última informação fornecida.

fonte/foto/UOL/FolhaSP

Comentários

Total de visualizações de página

Postagens mais visitadas