Pular para o conteúdo principal

AÇÃO POPULAR QUER EMBARGAR OBRA DO NOVO AEROPORTO DE NATAL

O aeroporto São Gonçalo do Amarante, na grande Natal (RN), pode ter a obra embargada caso a Justiça Federal acate um pedido de liminar de uma ação popular que questiona, entre outras questões, o processo de desapropriação do terreno e a falta de compensação pelos danos ambientais da obra. 

"Não somos contra o aeroporto mas somos contra esse projeto de arremedo de aeroporto", diz o sociólogo potiguar Paulo Araujo, consultor em planejamento sócio-ambiental e autor da ação popular.
Araujo foi declarado "persona non grata" por políticos locais desde que ingressou com a ação na Justiça Federal no Rio Grande do Norte na semana passada. A obra está sob responsabilidade do consórcio argentino brasileiro Inframerica, que venceu a concessão para construir e administrar o aeroporto até 2038. 

Depois de atrasos no licenciamento ambiental, as obras, que custarão R$ 450 milhões, financiados, em sua maior parte, pelo BNDES, tiveram início em março. O concessionário promete entregar o aeroporto em março de 2014, em tempo para a Copa do Mundo. 

Localizado a cerca de 40 quilômetros do centro de Natal, o aeroporto vai substituir o Aeroporto Internacional Augusto Severo, que fica em Parnamirim, a 18 quilômetros de Natal.

A estrada que vai ligar Natal ao novo aeroporto ainda nem foi licitada. Hoje o percurso é feito em uma pista de duas mãos com uma faixa no meio até o quilômetro. O resto é estrada de terra. 

DESAPROPRIAÇÕES
O projeto de construção do novo aeroporto tem mais de 15 anos, quando tiveram início as desapropriações de terreno. Mais de 70% da área desapropriada ainda não foi indenizada por divergências de valores. 

O governo ofereceu inicialmente 10 centavos pelo metro quadrado, segundo o advogado Igor Santos Steinbach, que representa Araujo na ação popular.

Steinbach argumenta que a ordem de desapropriação está baseada em uma liminar obtida pela Infraero e pelo governo estadual, mas que esse direito não se estende ao concessionário.

"Não foi feito nenhum convênio para transferir a liminar para o concessionário, que deverá arcar com as indenizações", diz o advogado. 

COMPENSAÇÃO AMBIENTAL
O licenciamento ambiental da obra também foi feito em nome da Infraero, que não tem mais relação com o aeroporto. "A legislação determina que seja feita uma compensação equivalente a 0,5% do investimento no caso de projetos de significativo impacto ambiental", diz Araujo. 

Segundo ele, o aeroporto está sendo construído em uma área antes ocupada por Mata Atlântica nativa. 

O projeto original da Infraero para São Gonçalo do Amarante previa uma obra com capacidade para 40 milhões de passageiros --o aeroporto de Guarulhos opera com 32 milhões de passageiros/ano--, com a promessa de tornar o aeroporto um grande centro de distribuição de mercadorias para Ásia, Europa e Estados Unidos. 

Mas apesar de políticos locais ainda se referirem à obra com a mesma grandiloquência do projeto original, o projeto concedido à iniciativa privada no primeiro leilão de privatização do setor prevê uma capacidade de 6,2 milhões de passageiros/ano na primeira fase. A partir de 2024, a capacidade deverá ser ampliada para 11 milhões de passageiros/ano. 

A ação popular tem como alvo a União, a Anac (Agência Nacional de Aviação Civil) e a Engevix, empresa brasileira que integra o consórcio Inframerica.

Procurado, o consórcio Inframerica disse que não foi notificado. "Após ser notificado, o consórcio tomará as medidas judiciais cabíveis", disse o grupo em nota. 

A Inframerica diz ainda que as obras estão acontecendo em três turnos, com 1.180 funcionários. 

Já a obra da estrada que ligará o aeroporto ao centro de Natal está prevista para maio de 2014. A ordem de serviço foi assinada pela governadora Rosalba Ciarlini no início de abril. A obra consiste em 33,27 quilômetros de pista dupla e vai custar R$ 73 milhões, financiados pela Caixa Econômica Federal.

fonte/FolhaSP

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

VÍDEOS DO ACIDENTE COM BOEING 737 DA PERUVIAN AIRLINES EM JAUJA

AVIÃO COM O SENADOR AÉCIO NEVES FAZ POUSO DE EMERGÊNCIA NO AEROPORTO DE GUARULHOS

Imagem com a aeronave em que estaria Aécio, fora da pista, e que circula na internet
O avião em que estava o senador Aécio Neves (PSDB) precisou fazer um pouso de emergência no aeroporto internacional de Guarulhos na noite de quinta-feira (9), informou sua assessoria de imprensa.
Já era noite quando a aeronave, um táxi aéreo fretado pelo PSDB, saiu de Brasília com destino a São Paulo. Os pilotos, percebendo que um pedaço do pneu havia ficado na pista, teriam solicitado autorização para pousar em Cumbica, ao invés de Congonhas, por ter uma pista maior. Ao aterrissar, no entanto, o trem de pouso teria se quebrado, vindo o avião a sair da pista.
Apenas Aécio e a tripulação estavam a bordo. Segundo a assessoria, nem ele nem os pilotos se feriram.
O senador veio para São Paulo porque tem reunião agendada com o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso na manhã desta sexta (10). Apesar do incidente, o encontro foi mantido.
Fernanda Carvalho/O Tempo/Estadão Conteúdo
fonte/foto/UOL

Da…