sexta-feira, 5 de abril de 2013

PILOTO DA AVIANCA AVISA PASSAGEIROS QUE O COMBUSTÍVEL VAI ACABAR

Avianca Boeing 767-200 parked at El Dorado Int...
 (Photo credit: Wikipedia)


5 de abril de 2013 às 10:44 — 
Relato do advogado e ex-deputado Ney Lopes, que tinha uma filha e uma neta neste voo da Avianca que decolou ontem em Natal e se destinava a Brasília:

O drama dos passageiros, no voo Natal/Brasília da Avianca, ontem, 4


Por mais que o governo anuncie medidas de proteção ao usuário de companhia aérea há muito que fazer, ainda.

Ontem, 4, um avião da “Avianca” decolou por volta de 15.30 horas de Natal para Brasília. Voo direto. Previsão de chegada ao DF às 18.30 hs.

Como chovia torrencialmente em Brasília, o avião sobrevoou a cidade mais de uma hora.
Em seguida colocou os passageiros em pânico, ao avisar que o combustível disponível somente daria para chegar em Anápolis.

Não havia combustível para Goiana, que fica, mais ou menos na mesma distância.
Trocando em miúdos: se não fosse possível aterrissar em Anápolis, o avião cairia, por falta de combustível!!!!
Finalmente, o avião aterrissou na base militar de Anápolis, da FAB.
Ao desligar os motores, os passageiros foram avisados de que não poderiam descer. A base aérea não dispunha de escadas para aviões maiores, como o Air Bus da Avianca.
Todos os passageiros ficaram a bordo, com risco de asfixia. Pânico geral. Crianças queriam beber água e começou a faltar.


Circula a notícia de que na Base Militar de Anápolis não seria possível abastecer o avião, por inexistir posto de venda e a FAB não forneceria o combustível, em razão de ter sido adquirido para uso próprio, através de licitação.
O que fazer?
22 horas e nada se resolvia.
Os passageiros que saíram de Natal estavam a bordo e fechados, a mais de 7 horas.
Finalmente, após verdadeira via crucis, o aviso de que fora autorizado o abastecimento do avião, que seguiu para Brasília, lá chegando depois de 23 horas.


Post scriptum- Perguntas que ficam no ar, aguardando uma “aterrissagem” lógica, que explique os abusos como os de ontem, 4, no voo Natal/Brasília, da Avianca.
Por que o comandante da Avianca, sabendo que o combustível era escasso, passou tanto tempo sobrevoando Brasília?
Por que a ANAC e o Ministério da Defesa permitem que uma aeronave, cheia de passageiros, com autonomia de até 8 horas de voo, decole com o tanque sem disponibilidade de combustível para enfrentar uma situação como essa de ontem, a caminho de Brasília?
Será por economia das empresas aéreas, que gastam menos combustível, se o avião voar mais leve?
Caso verdadeiro esse argumento, haverá cumplicidade neste abuso dos órgãos do Ministério da Defesa. Não poderiam permitir tal situação. Qualquer dano ocasionado aos passageiros, esses órgãos teriam que responder civil e criminalmente, pela omissão.
No artigo 21, XII da Constituição, letra “c” está claro que compete a União – e não a Avianca ou empresas privadas – explorar, direta ou indiretamente, a navegação aérea e a infraestrutura aeroportuária.
O Código Brasileiro de Aeronáutica (CBA), aprovado pela Lei nº 7.565, de 1986, complementado pela Lei nº 11.182, de 2005, repete a responsabilidade da União, através do Ministério da defesa.
Diante de regra legal claríssima, como se explica que o Ministério da Defesa permita que, uma Base Militar como a de Anápolis, a menos de cem quilômetros do Distrito Federal, não disponha de uma escada de desembarque e de fornecimento emergencial de combustível, para casos de urgência com um avião comercial, ou militar?
Se o avião presidencial decolar de Brasília e for levado a um pouso forçado em Anápolis, o Presidente da República ficará confinado, por falta de escada de desembarque?
Um verdadeiro absurdo.
Inexplicável.
Espera-se que o “drama” da Avianca, nesta quinta, 4, sirva de alerta para providências urgentes e imediatas do Ministério da Defesa.
Pelo menos, dotar a Base de Anápolis e outras similares, de escadas de desembarque para aviões maiores e autorização de abastecimento de combustível, em urgências.
E também exigir que as companhias aéreas, permissionárias da aviação civil, abasteçam os tanques das aeronaves, com combustível suficiente para enfrentar mais horas voando, em casos emergenciais.
É o mínimo que se pode pedir.

fonte/http://www.thaisagalvao.com.br/2013/04/05/piloto-da-avianca-avisa-aos-passageiros-que-o-combustivel-vai-acabar/
Enhanced by Zemanta

Nenhum comentário:

MÍSTERIO REVELADO - ANTOINE SAINT-EXUPÉRY...

Foi um segredo guardado durante 64 anos. Horst Rippert, piloto alemão da Luftwaffe, admitiu, aos 88 anos, ter abatido Antoine de St Exu...